Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Lusa

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações

VEJA A INFOGRAFIA COM TODOS OS DADOS ATUALIZADOS DA SITUAÇÃO EM PORTUGAL. CLIQUE AQUI


22H53 - Chile só vai administrar vacina da AstraZeneca aos homens

O país recebeu esta sexta-feira a primeira carga de vacinas anglo-suecas e o Governo anunciou que esta só será administrada aos homens.

22h40 - Pfizer quer ter no verão versão da vacina mais fácil de usar

A Pfizer está a preparar "para o verão" uma versão da sua vacina anti-Covid mais diluída e capaz de ser armazenada durante meses à temperatura de um frigorífico normal, anunciou hoje o presidente executivo da farmacêutica.

Em entrevista à agência de notícias francesa AFP, Albert Bourla explicou que a nova versão visa facilitar o seu uso e armazenamento, que obriga atualmente a ficar num ambiente de -70º centígrados.

"Estamos a trabalhar numa fórmula, muito melhorada, com a qual a vacina será fornecida já diluída e pronta para uso", afirmou, acrescentando que essa nova versão "poderá ser armazenada durante dois ou três meses num frigorífico, (à temperatura) de dois a oito graus, além de dois a três meses num congelador convencional".

22h47 - Brasil regista 2.914 novas mortes e mais 69.105 casos de coronavírus.

Mais de 386.000 pessoas já morreram no país devido ao vírus, com mais de 14 milhões de casos confirmados de infeção, segundo dados do Ministério da Saúde.

22h43 - Angola regista aumento de infeções com 228 novos casos e duas mortes e um alerta à população para os riscos.

O país totaliza agora 25.279 casos, dos quais 1.516 estão ativos, 23.089 recuperados e 574 resultaram em morte.

22h27 - Autoridades de saúde norte-americanas recomendam levantamento da suspensão da vacina Jonhson & Jonhson

O uso da vacina da Johnson & Johnson deve ser retomado nos Estados Unidos, conforme recomendação da Food and Drug Administration e Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

os peritos afirmam que os riscos de administração da vacina, associada a casos muito raros de coágulos sanguíneos, são pequenos tendo em conta os benefícios da imunização contra um vírus que ainda infeta dezenas de milhares de norte-americanos todos os dias.

Entre quase oito milhões de pessoas vacinadas com Johnson & Johnson, antes da suspensão do uso da vacina, as autoridades de saúde identificaram 15 casos de um tipo raro de coágulo de sangue, três deles fatais.

Todos os casos deram-se em mulheres, a maioria com menos de 50 anos.

A decisão hoje divulgada refere que é fundamental que mulheres mais jovens sejam informadas sobre esse risco, em termos claros e compreensíveis, para que possam decidir se preferem escolher uma vacina alternativa.

22h25 - As autoridades sanitárias cabo-verdianas diagnosticaram mais 284 infetados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, e dois mortos, elevando para 21.784 o total de casos desde o início da pandemia.

22h23 - A Guiné-Bissau registou mais um caso de infeção pelo novo coronavírus, para um total acumulado de 3.722 e realizados 234 testes.

Segundo o boletim diário, estão internadas sete pessoas. A covid-19 já provocou 66 vítimas mortais no país.

22h21 - Chaves. Comerciantes cortam trânsito e exigem reabertura da fronteira

A manifestação dos comerciantes raianos de Chaves e Verín teve a participação de um maior número de espanhóis, que cortaram a estrada para exigir aos governos ibéricos a reabertura de fronteiras, perante os impactos económicos da pandemia.

À hora marcada, pelas 19h00, os comerciantes de Feces de Abaixo, na Galiza, Espanha, com o apoio dos vizinhos de Verín, pegaram na faixa com a frase em galego 'Apertura da Fronteira Xá' e encaminharam-se para a fronteira entre Portugal e Espanha, cortando o trânsito nos dois sentidos durante cerca de 40 minutos.

Estes empresários raianos têm exigido a reabertura da fronteira, encerrada pela segunda vez desde 31 de janeiro devido à pandemia de covid-19 e realizaram pela segunda sexta-feira consecutiva este protesto, que teve pela primeira vez a participação de comerciantes de Chaves, no distrito de Vila Real.

Chaves e Verín, localidades separadas por 28 quilómetros, formam mesmo desde 2008 uma eurocidade, um projeto de cooperação transfronteiriço que envolve a partilha de um cartão de cidadão que dá acesso a piscinas, bibliotecas, eventos, formações ou concursos, bem como uma agenda cultural e mais recentemente transportes.

No entanto, os comerciantes raianos não se chegaram a encontrar na manifestação de hoje, pois os portugueses, em menor número, ficaram junto ao Ponto de Passagem Autorizado (PPA) em Vila Verde da Raia, enquanto os galegos avançaram pelo controlo espanhol até ao limite da fronteira, a ponte por cima do rio Tâmega que delimita os dois países.

Puri Regueiro, proprietária de um supermercado em Feces de Abaixo, foi uma das cerca de 100 pessoas presentes do lado espanhol. A segurar a faixa e com um microfone na mão pediu a reabertura da fronteira.

A galega explicou que 90% dos clientes são habitualmente portugueses e que todos estes meses de fronteira fechada estão a causar "impactos económicos elevados".

"Este é mais um dia de luta. Somos lutadores e esperam-nos pela frente mais dias, mas vamos continuar", garantiu.

22h19 - Brasil regista maior aumento de mortes em jovens entre 20 e 29 anos

A covid-19 tem atingido cada vez mais jovens no Brasil, onde a faixa etária entre 20 e 29 anos foi a que registou maior aumento no número de mortes nas últimas semanas, informou hoje uma Fundação brasileira.

O novo boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), maior centro de investigação científica brasileiro, indicou ainda que foi entre os 40 e 49 anos que se deu o maior crescimento do número de casos de infeção.

De acordo com a análise da Fiocruz, referente ao período entre 04 a 17 de abril, a faixa etária de 20 a 29 anos registou um aumento de 1.081,82% no número de mortos e a de 40 a 49 anos teve um crescimento do número de casos de 1.173,75%.

Os autores destacam que o cenário pode ser influenciado por uma maior flexibilização do isolamento social nas idades mais jovens, por exaustão do confinamento ou necessidade de retorno ao trabalho presencial.

O boletim salienta ainda que nas duas últimas semanas houve uma estabilização do número de casos e óbitos devido à covid-19 no país, o que, segundo os autores, caracteriza a formação de um novo patamar de transmissão, com a sustentação de alta incidência e mortalidade.

21h57 - Mais de 90% dos idosos nos lares já estão vacinados

Um dado sobre a vacinação contra a covid-19 avançado à Antena 1 pelo presidente da Confederação das Instituições Particulares de Solidariedade Social. Lino Maia explica que a vacinação que começou há quase quatro meses fez baixar a pressão nestas instituições.

Este responsável diz que nesta altura há ainda sete surtos ativos.
21h27 - Covid-19 está a provocar o caos da Índia
21h24 - A França registou hoje 32.340 novos casos do vírus e mais de 13 milhões de franceses já foram vacinados, anunciaram as autoridades sanitárias.

21h23 - Vacina da Johnson & Johnson começa a ser administrada para a semana
21h21 - União Europeia quer 70% dos adultos vacinados até julho
21h17 - Relatório da DGS. Portugal abaixo da linha vermelha de infeções
21h15 - Portal. Mais de 50 mil já fizeram auto-agendamento para a vacina
19h55 - Baixa de Coimbra cria gabinete para apoiar situações de fragilidade

A Baixa de Coimbra vai ter em funcionamento um Gabinete de Intervenção Social e Apoio ao Empreendedor para dar resposta imediata aos cidadãos, comerciantes e pequenos e médios empresários que ficaram numa situação muito frágil devido à pandemia.

A criação do gabinete insere-se num projeto de desenvolvimento comunitário na Baixa de Coimbra promovido pelo Observatório de Cidadania e Intervenção Social (OCIS), em parceria com a Agência de Promoção da Baixa de Coimbra, o Jazz ao Centro Clube e a Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

O gabinete, que fica instalado no Salão Brazil, na Baixa histórica da cidade, com funcionamento às terça e sextas-feiras, das 14h30 às 20h00, vai "dar apoio de imediato a estes agentes que, de uma forma muito dramática ficaram numa situação muito frágil do ponto de vista económico, social e da saúde mental", disse à agência Lusa Clara Santos, do OCIS.

"A seguir, pretendemos implementar uma dimensão colaborativa com todos os que estão na Baixa - os atores sociais e uma série de parceiros que são fundamentais - através de encontros de debate", explicou a responsável daquela entidade.

O objetivo, referiu, "é criar uma plataforma de coesão para perceber o diagnóstico da Baixa do ponto de vista das pessoas que estão no terreno" para se avançar no planeamento estratégico.

19h40 - "Não utilizar as vacinas representa um risco claro"

Numa leitura da nova avaliação da vacina da AstraZeneca, por parte da Agência Europeia de Medicamentos, o infecciologista António Silva Graça sublinhou esta sexta-feira a importância da clareza neste domínio.

"Estamos aqui a considerar efeitos secundários relativos a uma vacina, talvez até seja possível falar dos efeitos secundários que podem surgir com outras vacinas. Mas são efeitos secundários muito raros", afirmou.

"Não podemos, naturalmente, esquecer que não utilizar as vacinas representa um risco claro, um risco conhecido, um risco claramente mais frequente de ter Covid-19 em formas graves, que levam as pessoas aos hospitais, formas que podem ser mortais", assinalou o especialista na RTP3.
19h29 - Japão declara terceiro estado de emergência em Tóquio a três meses dos Jogos


19h18 - A Madeira registou nas últimas 24 horas 22 novos casos positivos de infeção por SARS-CoV-2, todos de transmissão local, e 29 recuperações. A região passa, assim, a contabilizar um total de 8.823 casos confirmados, desde 16 de março de 2020, 8.493 doentes recuperados e 71 mortos associados à doenças. O número de casos ativos atualmente é de 259, sendo 21 importados e 238 de transmissão local.

18h51 - Task force antevê vacinação de 100 mil por dia sem problemas

O coordenador da 'task force' da campanha de vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo, disse hoje que não há perspetiva falta de recursos humanos para cumprir o objetivo de vacinar 100 mil pessoas por dia.

"Neste momento, o nosso ritmo anda em 70 mil por dia e estamos a conseguir cumprir com esse ritmo. Daqui a 15 ou 20 dias teremos um ritmo de 100 mil pessoas por dia e não há perspetiva de termos falta de resposta", disse o vice-almirante durante a sessão de esclarecimento do portal de auto-agendamento da vacinação.

Questionado sobre se ainda é preciso contratar mais pessoas para os centros de vacinação, Henrique Gouveia e Melo respondeu que "muitos dos recursos humanos já foram contratados".

"Estão a ser encontradas respostas para ter os centros de vacinação a operar a bom ritmo", começou por dizer o coordenador, antes de assegurar: "Teremos esses recursos humanos e os postos (de vacinação) a funcionar no momento em que é necessário".

Gouveia e Melo admitiu, no entanto, que essa questão é "permanentemente uma preocupação" e que "todos os envolvidos" na campanha de vacinação terão de estar sempre "muito atentos para que não haja falhas".

"Para fazermos 70 mil por dia é porque muitos destes centros já estão em operação, como foi demonstrado no último sábado, quando fizemos 120 mil pessoas num único dia", reforçou o coordenador da 'task force'.

18h33 - DGS e INSA apontam tendência estável de novos casos covid com Rt superior a 1 apenas na Região Norte

No relatório da DGS e do INSA de monitorização das linhas vermelhas para a COVID-19, A DGS e o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) assinalam que “o número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 por 100 000 habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 74 novos casos, com tendência estável a nível nacional”.

Pode ainda ler-se no documento que “a incidência mais elevada observou-se no grupo etário 30 a 35 (122 casos por 100 000 habitantes), enquanto a incidência mais baixa se observou no grupo etário com 85 anos (36 casos por 100 000 habitantes), o que reflete um risco de infeção muito inferior ao risco da população em geral”.

Relativamente ao Rt, este apresenta “valores inferiores a 1 a nível nacional (0,98) e nas várias regiões de saúde do continente, com exceção da região do Norte (1,07)”, e, tendo em conta os últimos cinco dias, pode prever-se uma “incidência de 60 casos por 100 000 habitantes no prazo de um a dois meses”.

Assinala-se ainda que “o número diário de casos de COVID-19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente revela atualmente uma tendência ligeiramente decrescente a estável, encontrando-se abaixo do valor crítico definido (245 camas ocupadas)”.

18h04 - A Espanha registou hoje 11.731 novos casos de covid-19, elevando para 3.468.617 o total de infetados até agora, tendo o índice de contágios voltado a subir.

18h01 - Portal de agendamento da vacinação contra a Covid-19 soma 50 mil pedidos


17h59 - A Itália registou 14.761 novos casos de covid-19 e 342 mortes nas últimas 24 horas, três dias antes de entrar num processo de reabertura nas regiões com menor risco epidemiológico em setores como a cultura, restauração e educação.

17h56 - Vacinas. Prioridade dada aos mais idosos e aos grupos de risco
17h23 - Empresários de Miranda do Douro pedem reabertura da fronteira

Os empresários de Miranda do Douro pediram ao primeiro-ministro para reabrir de "imediato" a fronteira que liga aquele concelho a Espanha, afirmando que "há graves prejuízos" para a economia local em setores como o comércio e restauração.

A Associação Comercial e Industrial de Miranda Douro (ACIMD,) através de uma carta enviada a António Costa à qual a Lusa teve acesso, garante que "a pandemia tem trazido consequências devastadoras para toda a economia do país, afetando de uma forma mais severa as microempresas de comércio a retalho e a restauração, principalmente no interior raiano.

"Sendo certo que a pandemia afeta todas as empresas, existem umas que são mais afetadas do que outras, e refiro-me aos territórios fronteiriços, que são afetados ainda com mais intensidade, pois o encerramento da fronteira funciona como se nos fechassem a porta de casa, passando a poder entrar e sair apenas pela porta das traseiras", disse o presidente da AICMD, César João.

Segundo o empresário, o concelho fronteiriço de Miranda do Douro, no distrito de Bragança, tem cerca de duas dezenas de restaurantes que vivem quase em exclusivo dos clientes espanhóis e mais de metade não aproveitou a possibilidade que lhe foi concedida de abrir a 19 de março por manifesta falta de clientes.

"Se a isto juntarmos o facto de tratar-se de territórios de baixa densidade que vivem quase exclusivamente do comércio transfronteiriço, temos os ingredientes suficientes e necessários para que um território definhe por completo. Situação idêntica vive-se no comércio a retalho, em que cerca de metade das lojas também não abriram e não vão abrir até que a fronteira reabra", vincou o dirigente.

Para César João, até aqui "os empresários destes territórios têm sido autênticos heróis, aguentando com muito sacrifício pessoal e financeiro os postos de trabalho e as empresas, na esperança de que a fronteira iria reabrir no final deste mês de abril".

"Foi com profunda mágoa e até indignação que os empresários destes territórios ouviram o senhor primeiro-ministro afirmar que afasta a reabertura para breve das fronteiras terrestres com Espanha", concretizam o dirigente, na missiva enviada ao chefe do Governo.

Para o presidente da ACIMD, o sentimento dos mirandeses ao ver a fronteira com Espanha fechada assemelha-se ao que os seus compatriotas de Lisboa sentiriam se a ponte 25 de Abril apenas funcionasse duas horas de manhã e outras duas à tarde.

17h19 - Fundos europeus. Centro recebe 18,4 milhões para a programação cultural em rede

A região Centro vai receber 18,4 milhões de euros de fundos europeus para a programação cultural em rede, que ajudarão a retomar e manter atividades culturais e artísticas, anunciou a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR).

Em comunicado, a CCDR explica que "o Programa Operacional Centro 2020 aprovou 65 candidaturas para a programação cultural em rede, que representam um investimento total de 19,2 milhões de euros e uma comparticipação de fundos europeus de 18,4 milhões de euros".

O montante total aprovado "representa um reforço de 6,7 milhões de euros face à dotação inicial do aviso de concurso", que era de 11,7 milhões de euros, acrescenta.

Segundo a CCDR do Centro, "estes projetos são uma resposta para a retoma e manutenção das atividades culturais e artísticas, tendo em conta os prejuízos decorrentes da suspensão total ou parcial de atividade no contexto da pandemia".

A presidente da CCDR, Isabel Damasceno, sublinha que "este conjunto de aprovações representa um esforço significativo do Programa Regional do Centro, financiando a 100% a realização de eventos e iniciativas culturais".

"É mais um contributo para que os diversos agentes culturais da região possam ultrapassar os fortes constrangimentos decorrentes da pandemia", justifica.

Estes apoios destinam-se a investimentos que tenham como objetivo "a dinamização, promoção e desenvolvimento do património cultural, enquanto instrumento de diferenciação e competitividade dos territórios, designadamente através da sua qualificação e valorização turística".

17h18 - ProToiro "regista positivamente" regresso das touradas no desconfinamento em maio

A Federação Portuguesa de Tauromaquia (ProToiro) afirmou hoje que "regista positivamente" a afirmação da ministra da Cultura sobre o regresso das touradas na próxima fase do plano de desconfinamento, que arranca a 3 de maio.

Numa entrevista publicada hoje no Diário de Notícias, a ministra da Cultura, Graça Freitas, quando questionada sobre se a reabertura das praças de touros poderá acontecer a 3 de maio, respondeu que é essa a previsão.

"É o que está previsto, neste momento, no plano de desconfinamento", disse a governante, citada pelo jornal.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a ProToiro disse que "regista positivamente" esta declaração da ministra, mas lamentou, no entanto, a "discriminação" do setor no decorrer da fase de desconfinamento que teve início na última segunda-feira.

16h59 - TAP. Bruxelas aprova auxílio intercalar de 462 milhões

A Comissão Europeia aprovou um auxílio estatal intercalar de Portugal à TAP, no valor de 462 milhões de euros, para compensar prejuízos devido à pandemia de covid-19, mas ainda não concluiu a avaliação do plano de reestruturação.

"A Comissão Europeia considera que a medida de apoio portuguesa a favor TAP, no valor de 462 milhões de euros, está em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais, [já que] a medida visa compensar a companhia aérea pelos danos sofridos devido ao surto de coronavírus entre 19 de março e 30 de junho de 2020", informa a instituição em nota de imprensa.

O executivo comunitário contextualiza que, segundo a notificação de Portugal, este apoio estatal servirá para fazer face aos prejuízos resultantes das "medidas de contenção e das restrições às viagens que Portugal e outros países de destino tiveram de introduzir para limitar a propagação do coronavírus".

Ainda assim, "a fim de garantir que não haverá sobrecompensação, a medida prevê que, até setembro de 2021, Portugal reveja e informe a Comissão sobre o montante dos danos efetivamente sofridos, após verificação independente com base nas contas auditadas da empresa", refere a nota.

Por isso, "qualquer apoio público recebido pela TAP que exceda os danos efetivamente sofridos terá de ser devolvido a Portugal", salienta a Comissão Europeia.

Em meados de março, Portugal submeteu a Bruxelas uma notificação para avançar com este apoio à TAP, ao abrigo do artigo 107 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, que possibilita aos Estados-membros conceder apoios estatais para compensar empresas específicas por danos causados diretamente por acontecimentos excecionais, tais como as medidas restritivas adotadas para conter a pandemia de covid-19.

"A Comissão verificou, em particular, que a medida portuguesa compensará danos que são diretamente ligados" à pandemia, tendo também verificado que este apoio "é proporcional, uma vez que a compensação não excede o que é necessário para reparar os danos", adianta a instituição.

Assumindo a forma de empréstimo de 462 milhões de euros, que poderá ser convertido em capital e desembolsado à TAP em uma ou várias prestações, este apoio sucede a um outro aprovado em junho passado, no valor de 1.200 milhões de euros. Após o aval de hoje, o montante deste último deverá ser reajustado.

16h47 - Comissário europeu: UE vai "alcançar imunidade coletiva" antes do Reino Unido

O comissário do Mercado Interno, Thierry Breton, disse hoje estar "convicto" de que a União Europeia (UE) irá "alcançar a imunidade coletiva" antes do Reino Unido e ao mesmo tempo que os Estados Unidos da América (EUA).

"Eu estou convicto de que vamos alcançar a imunidade coletiva antes dos britânicos e talvez ao mesmo tempo que os americanos. É assim que eu vejo as coisas", sublinhou o responsável pelo grupo de trabalho da UE para as vacinas, que intervinha numa audição na Assembleia da República (AR).

Questionado pela deputada Rita Bessa (CDS-PP) sobre a aplicação do certificado verde digital da vacinação, Thierry Breton esclareceu que este instrumento "não será obrigatório", mas "deve ser harmonizado" entre os Estados-membros da UE, pois "são os próprios países que vão decidir se querem ou não implementar este certificado", lembrou.

"Nós vamos implementar um regulamento, que será um regulamento unificado para que todos os países europeus possam transpor o mesmo regulamento", elucidou o comissário, acrescentando que a ideia é "facilitar" o regresso "ao normal".

Para Thierry Breton, é necessário que os cidadãos percebam, contudo, que "não é porque teremos imunidade coletiva de 70% em julho que devemos deixar de ter precauções", daí que o certificado verde digital seja importante do ponto de vista da retoma de setores como "o transporte, companhias aéreas, locais de espetáculo ou sítios turísticos".

16h45 - Empresas do Oeste. Um ano de pandemia duplica desemprego e reduz faturação

O desemprego na região do Oeste quase duplicou e 42% das empresas apontam a receita atual como a mais baixa desde a abertura de atividade, segundo uma análise do primeiro ano da pandemia de covid-19 efetuada pela associação empresarial.

Os resultados da análise ao impacto económico da pandemia de covid-19 nas empresas da região Oeste, entre os meses de março de 2020 e de 2021, foram hoje divulgados pela Associação Empresarial da Região Oeste (AIRO), verificando-se "impactos severos" para a maioria das empresas inquiridas.

A região registou um aumento do desemprego, com o número de desempregados inscritos no centro de emprego a crescer: em fevereiro de 2020 estavam inscritos 7.761 desempregados, número que aumentou para 11.914 em fevereiro deste ano.

Ainda assim, a maioria das em­presas (68%) inquiridas pela AIRO respondeu ter mantido constante o número de trabalhadores e apenas 5% do tecido empresarial reduziu colaboradores. Outros 15% dos questionados já tinham reduzido anteriormente o número de trabalhadores, enquanto 1% admitiram ter suspendido colaboradores em fim de contrato.

Durante o primeiro ano de pandemia houve, no entanto, 11% de empresas que aumentaram o número de funcionários.

Na resposta ao questionário realizado em março, os empresários demonstram "uma melhoria das perspetivas e da confi­ança", influenciada pelo "desconfinamento faseado" e pelo aproximar do verão, fator que 73% dos inquiridos disse esperar que "possa ser uma oportunidade de aumento de faturação", é referido no documento.

As empresas que neste momento se encontram com atividade suspensa ou em 'lay-off' esperam, na sua maioria, retomar a atividade até ao verão, mas 33% não têm ainda pre­visão de quando o irão fazer.

Quanto ao risco de encerrar a atividade, o inquérito revela "uma melho­ria das perspetivas", em relação às respostas aos questionários realizados anteriormente, evidenciando-se "um aumento considerável de respostas que apontam para um risco baixo (38%) e uma diminuição de respostas que apon­tam para um risco elevado (15%)".

Apesar de a maioria das empresas afirmar possuir sustentabilidade finan­ceira, 33% da amostra indicou estar em situação de insustentabilidade, com muitas a admitirem o risco de "sofrer complicações com cumprimento de obrigações salariais ou fiscais no futuro".

Cerca de 35% das empresas consideram este risco moderado e 18% classificam-no como elevado.

16h40 - Moçambique alarga grupos a vacinar e inclui doentes com cancro

O Governo moçambicano alargou, a partir de hoje, os grupos a vacinar na segunda fase de imunização contra a covid-19, que passam a incluir doentes com cancro e diabéticos com 18 anos, anunciou o Ministério da Saúde.

"O grupo-alvo dos doentes em terapia imunossupressora passa a incluir doentes com cancro, artrite reumatoide, doenças inflamatórias intestinais, lúpus eritematoso sistémico, entre outros", disse Graça Matsinhe, diretora do Programa Alargado de Vacinação (PAV) no ministério.

Segundo as autoridades de saúde, nesta fase, todos os pacientes com diabetes que tenham pelo menos 18 anos podem tomar a vacina contra a covid-19, deixando de haver limitação etária, num processo que passa a decorrer todos os dias independentemente do grupo.

"O Ministério da Saúde reconheceu a necessidade de alargar os grupos-alvo, assim como de não condicionar a administração da vacina a uma data específica de acordo com o grupo-alvo", declarou Graça Matsinhe.

De acordo com dados avançados, na segunda fase de vacinação já foram imunizadas 30.000 pessoas até quinta-feira, do total de 216.771 a serem abrangidas.

16h35 - Professores ensino superior. Sindicato responsabiliza Governo por exclusão da vacinação prioritária

O Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) considerou hoje que a exclusão dos docentes das universidades e politécnicos das prioridades na vacinação contra a covid-19 revela despreocupação do Governo em garantir segurança no regresso às aulas presenciais.

"O regresso ao ensino presencial é muito importante para garantir a qualidade das aprendizagens e é muito preocupante que não exista da parte do Governo a preocupação de garantir as melhores condições para se fazer este regresso", lamentou a presidente do sindicato, Mariana Gaio Alves.

Em declarações à Lusa, a dirigente sindical considerou que a vacinação contra a covid-19 dos docentes e não docentes do ensino superior daria aos profissionais a segurança necessária para retomarem as atividades presenciais.

No entanto, ao contrário dos colegas dos restantes níveis de ensino, os trabalhadores do superior não foram incluídos nos grupos prioritários da vacinação e, por isso, alguns têm recusado dar aulas.

"Em outubro, o SNESup emitiu um pré-aviso de greve que visa, precisamente, permitir que possam não dar uma aula quando sentem que não estão reunidas as condições de segurança para tal e é isso que está agora a acontecer", confirmou Mariana Gaio Alves, sem precisar números.

No entender da presidente do SNESup, a ausência dos trabalhadores do ensino superior dos grupos prioritários para a vacinação "continua completamente inexplicável" e na hora de atribuir responsabilidades, Mariana Gaio Alves aponta o dedo à tutela.

"Não entendemos como é que o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) não salvaguardou esta situação", afirmou, acrescentando que não existe prova científica de que o risco de contágio seja inferior neste nível de ensino e que o número de profissionais a vacinar (cerca de 50 mil) é "irrisório" no contexto da estratégia de vacinação massiva.

16h19 - Até julho. União Europeia vai ter 410 milhões de vacinas para imunizar 70% dos adultos

O comissário europeu do Mercado Interno afirmou hoje que o aumento da produção na Europa vai permitir disponibilizar 410 milhões de vacinas aos Estados-membros neste segundo trimestre, assegurando o objetivo de vacinar 70% dos adultos até julho.

"No segundo trimestre, teremos 410 milhões de doses de vacinas (contra a covid-19) que serão fornecidas a todos os Estados-membros. Vamos multiplicar o número de vacinas por quatro, o que dá uma boa noção desta aceleração" da produção do fármaco na União Europeia (UE), avançou Thierry Breton.

O comissário falava numa audição conjunta na Comissão de Assuntos Europeus, na Comissão de Saúde e na Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social, sobre a estratégia de vacinação na União Europeia (UE).

Segundo o comissário responsável pela `task force´ europeia das vacinas, o objetivo da Comissão Europeia é o de "fornecer doses suficientes para que, a meio de julho, o conjunto dos Estados-membros, incluindo Portugal, possam vacinar totalmente 70% adultos europeus com mais de 18 anos".

A meta definida prevê ainda que, até final do verão, sejam vacinados "todos os adultos que quiserem", disse Thierry Breton, ao adiantar que estes 70% de europeus vacinados permite "alcançar números que dizem que a pandemia já está muito diminuída e circunscrita".

16h18 - Mercado de alimentação sustentável 'online' ajuda produtores a escoarem produtos

Um mercado dedicado aos bens alimentares sustentáveis surgiu na Internet para ajudar cerca de 140 pequenos e médios produtores nacionais a escoar os seus produtos, depois de terem visto os seus canais de distribuição reduzidos, devido à pandemia.

O projeto 'online' foi criado na sequência de A Praça, um mercado sustentável que vai nascer, entre outubro e novembro, no Hub Criativo do Beato, em Lisboa, num investimento de três milhões de euros.

A Praça vai abranger dois edifícios do Hub Criativo do Beato com uma área de 1.700 metros quadrados: uma antiga fábrica de carnes e um refeitório do pessoal civil da Manutenção Militar.

Em declarações hoje à agência Lusa, a fundadora do projeto, Cláudia Almeida e Silva, explicou que, inicialmente, pensou em aderir ao comércio 'online' apenas depois de abrir o espaço físico, mas verificou que alguns produtores "viram os seus canais de escoamento fechados".

"Na altura, juntei a equipa e disse: não pode ser, já temos tanto trabalho feito, temos de fazer algo, não podemos ficar indiferentes a esta realidade. Montámos o 'site' praticamente em quatro/cinco semanas e com muita humildade, ou seja, tentámos fazer o melhor com poucos recursos, mas ser mais um canal de escoamento essencialmente aqui em Lisboa para estes produtores", adiantou.

A funcionar desde agosto de 2020, em plena pandemia de covid-19, o 'site' apresenta os produtos de cerca de 140 produtores nacionais, sendo também "um espaço de conhecimento e de partilha", segundo a sua fundadora.

"Arrancámos com uma gama bastante grande, ou seja, de cerca de 700 referências, com um espetro largo: frutas, legumes, queijos, enchidos, azeite e uma adega. (...) Queremos ser uma plataforma que agregue e depois amplificar e chegar ao máximo número possível de consumidores urbanos", indicou Cláudia Almeida e Silva.

De acordo com a responsável pela A Praça, o foco principal do projeto é o consumidor urbano, porque não está habituado à biodiversidade na gastronomia.

16h16 - Moçambique registou mais uma morte por covid-19 e 74 casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas.

16h08 - EMA. É necessário que se tome a segunda dose da vacina AstraZeneca
15h26 - Vacinas. OMS pede partilha de recursos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apelou para que países e empresas que detêm e controlam os recursos para combater a covid-19 os partilhem, reiterando que são precisos 19 mil milhões de dólares este ano para distribuir vacinas pelo mundo.

Em conferência de imprensa no aniversário do lançamento da ferramenta ACT de aceleração da produção e distribuição de vacinas, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, afirmou que é "preciso que os países e empresas que controlam recursos que podem salvar vidas que os partilhem".

Isso significa "partilhar os recursos financeiros para subsidiar completamente o ACT", partilhar doses de vacinas "para proteger quem está mais em risco, não só os mais ricos" e "ser transparente sobre doações bilaterais de doses de vacinas, para que se saiba quem tem o quê".

15h25 - São 43 concelhos com mais de 120 casos por 100 mil habitantes

Portugal tem hoje 43 concelhos com incidência da covid-19 superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, mais 14 em relação ao boletim anterior divulgado na última sexta-feira.

Em risco muito elevado de contágio estão os municípios de Vila Franca do Campo (1.357), nos Açores, e Odemira (991), que registam incidências acumuladas superiores a 960 casos por 100 mil habitantes.

Dos 43 concelhos, quatro registam um acumulado, nos últimos 14 dias, de mais de 480 casos por cada 100 mil habitantes: Aljezur (501), Machico (546), Resende (572) e Nordeste (576).

Sete concelhos têm valores acima dos 240 casos por 100 mil habitantes: Lagoa (319), Portimão (306), Porto Moniz (299), Ribeira Grande (317), Cabeceiras de Basto (326), Cinfães (247) e Penela (278).

15h19 - UE sela acordo com Pfizer e aponta para imunidade de grupo até julho


15h16 - AstraZeneca. EMA continua a considerar que benefícios superam riscos e "efeitos colaterais"


15h00 - Portugueses satisfeitos com resposta da UE mas não do Governo

Dois terços dos portugueses (66%) estão satisfeitos com a resposta da UE à pandemia da covid-19, o terceiro valor mais elevado entre os 27, mas só 49% aplaudem o Governo, revela um inquérito hoje divulgado pela Comissão Europeia.

O “Eurobarómetro de Inverno”, conduzido nos 27 Estados-membros entre fevereiro e março passado e cujos primeiros resultados foram hoje publicados em Bruxelas, revela que a maioria dos europeus estão insatisfeitos com a resposta da União Europeia à crise da covid-19, já que 49% consideram-na insatisfatória e 43% satisfatória.

Em Portugal, 66% dos inquiridos afirmam-se satisfeitos com as medidas adotadas ao nível europeu para lutar contra a pandemia, o terceiro valor mais alto da UE, apenas superado por Dinamarca (68%) e Lituânia (67%), enquanto, no extremo oposto da lista, os cidadãos mais críticos relativamente à resposta da UE são os gregos (apenas 31% de satisfação), franceses (32%) e alemães (33%).

14h55 - Hospital em Coimbra recebe equipamento de inativação do novo coronavírus

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) recebe na segunda-feira um equipamento de esterilização de ar, que vai ser instalado na unidade Covid A do Hospital Geral (Covões), foi hoje anunciado.

Em comunicado, o CHUC refere que o equipamento de inativação do novo coronavírus (Pure Tower) foi doado pela empresa STREAK - Engenharia em Automação para ser utilizado numa sala de mudança dos equipamentos de proteção individual.

A torre de esterilização vai contribuir "para que os profissionais de saúde sintam mais segurança, num momento tão delicado e desgastante, tanto física como mentalmente", lê-se na nota.

O equipamento foi certificado pelo Biocant - Centro de Inovação em Biotecnologia, tendo passado "por vários testes e rigorosos processos de certificação elaborados por laboratórios independentes".

"Os testes bacteriológicos realizados pelo Biocant, segundo a norma ISO 15714:2019, (primeiro equipamento desenvolvido e validado microbiologicamente em Portugal) obtiveram taxas de esterilização de 95.4% do ar numa passagem apenas", refere o comunicado.

O ‘Pure Tower' tem uma dose de radiação que garante a inativação do novo coronavírus responsável pela doença da covid-19 "a uma taxa superior a 99.9%".

14h46 - EMA autoriza aumento de produção na UE de vacinas Pfizer e Moderna

A Agência Europeia do Medicamento aprovou hoje um aumento da capacidade de produção de vacinas da BioNTech/Pfizer e Moderna na União Europeia (UE) e a presidente da Comissão Europeia reiterou meta de 70% de adultos vacinados em julho.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) aprovou um aumento do tamanho do lote e da escala do processo associado no local de fabrico de vacinas da BioNTech/Pfizer em Puurs, Bélgica, que hoje foi visitada pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Esta decisão deverá ter “um impacto significativo no fornecimento da Comirnaty”, nome comercial da vacina na UE, segundo um comunicado da EMA.

No que respeita à Moderna, foi aprovada uma nova linha de enchimento de produtos acabados da Moderna, em Rovi, Espanha, que será sincronizado com o processo de expansão de substâncias activas no local de fabrico de substâncias ativas aprovado em março.

14h40 - Madeira investe em testes rápidos e avança com testagem massiva da população

O Governo da Madeira investiu três milhões de euros na aquisição de 200 mil testes rápidos de covid-19 para proceder à testagem massiva da população do arquipélago a partir de segunda-feira, indicou hoje o executivo.

"Esta testagem maciça será um dos fatores determinantes para podermos ter conhecimento da realidade epidemiologia e, simultaneamente, podermos depois tomar as decisões em conformidade com aquilo que é o mundo real", afirmou o chefe do governo insular, Miguel Albuquerque.

14h21 - Alemanha admite ação contra AstraZeneca mas centra-se em obter vacinas

A Alemanha disse hoje que está pronta para apoiar um processo judicial contra a AstraZeneca, pela falha na distribuição de doses da sua vacina contra a covid-19 na UE, mas considera prioritário garantir essas entregas.

"Precisamos de esclarecer as questões legais e as questões de danos e responsabilidade. Mas estas ainda não são uma prioridade para mim, nesta fase da pandemia", disse o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, explicando que a prioridade é garantir as vacinas “em cooperação” com outros países europeus.

14h03 - Portugal regista mais 506 infetados e um óbito

Portugal registou nas últimas 24 horas 506 novos casos de Covid-19, num total de 833.397 casos desde o início da pandemia. Quanto ao número de óbitos, houve mais uma morte, num total de 16.957.

Segundo o último boletim epidemiológico da DGS, recuperaram da doença mais 580 pessoas, o que eleva o total para 791.751.

Quanto ao número de casos em internamento, há menos 11pessoas internadas em enfermaria com Covid-19, num total de 384 doentes, e menos seis internados em cuidados intensivos (total de 98 pessoas internadas em cuidados intensivos em todo o país).

É a primeira vez este ano que Portugal tem menos de 100 pessoas nos cuidados intensivos. O valor de hoje é igual ao reportado a 28 de setembro, dia em que estavam também internados 98 doentes.

O índice de transmissibilidade (RT) está nos 0,98 a nível nacional.

O nível de incidência está, a nível nacional, nos 72,1 casos de infeção por cem mil habitantes.

13h56 - Putin decreta feriados em maio para travar contágios na Rússia

O Presidente russo, Vladimir Putin, aceitou hoje declarar alguns dias úteis de maio como feriados na Rússia, medida excecional que visa travar e estabilizar a incidência de contágios pelo novo coronavírus naquele país.

“Se acha que é necessário, assinarei hoje o decreto”, declarou o chefe de Estado russo durante uma reunião, citada pelas agências internacionais, em resposta a um pedido da diretora da agência sanitária russa que acredita que tal medida poderá estabilizar a situação epidemiológica do país, uma vez que o decréscimo de novos casos de covid-19 está a acontecer a um ritmo muito lento.

A medida pretende decretar feriados em dias de trabalho que estão entre duas “pontes” (entre 1 de maio e 3 de maio e entre 8 de maio e 10 de maio), o que permite ter 10 dias seguidos sem atividade laboral.

13h46 - África com mais 440 mortos e 16.002 infetados nas últimas 24 horas

África registou mais 440 mortes associadas à covid-19 nas últimas 24 horas, para um total de 119.289 desde o início da pandemia, e 16.002 novos casos de infeção, segundo os dados oficiais mais recentes no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de infetados nos 55 Estados-membros da organização é de 4.476.121 e o de recuperados da doença nas últimas 24 horas é de 13.585, para um total de 4.016.834 desde o início da pandemia.

A África Austral continua a ser região mais afetada, registando 1.951.294 infetados e 61.606 mortos associados ao contágio com a doença. Nesta região, a África do Sul, o país mais atingido pela covid-19 no continente, regista 1.571.348 casos e 53.995 mortes.

O Norte de África é a segunda zona mais atingida, com 1.335.188 infetados e 38.556 vítimas mortais.

A África Oriental contabiliza 584.307 infeções e 10.739 mortos, enquanto na África Ocidental o número de infeções é de 453.184 e o de mortes ascende a 5.971. Na África Central há 152.148 casos de infeção e 2.417 óbitos.

13h39 -Hospital de Gaia completa hoje vacinação de mais de três mil profissionais

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) completa hoje, com as duas doses, a vacinação contra a covid-19 de 3.003 profissionais de um universo a rondar quase 4.300, somando-se 668 com a primeira toma.

Dados disponibilizados à agência Lusa dão conta de que 3.838 profissionais do CHVNG/E manifestaram interesse em ser vacinados contra a covid-19 e desses, 3.003 terminam hoje o processo, enquanto 668 aguardam a marcação da segunda toma.

Em causa estão médicos, enfermeiros, assistentes operacionais, assistentes técnicos, técnicos superiores, técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, bem como quadros de gestão.

13h31 - Ministério diz que vacinação no ensino superior é definida pela DGS e ´task force`

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior disse hoje que os critérios da vacinação contra a covid-19 são determinados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e pela "task force" que coordena o processo de administração das vacinas.

"Os critérios de vacinação são definidos pela DGS e pela ´task force`", reagiu hoje o ministério da tutela, quando questionado sobre a posição tomada pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), que considera uma "inexplicável discriminação" a ausência dos funcionários do ensino superior dos grupos prioritários da vacinação e pede que a situação seja corrigida.

13h25 - Açores com 17 novos casos e 30 recuperações nas últimas 24 horas

Os Açores diagnosticaram, nas últimas 24 horas, 17 novos casos de covid-19, sendo 16 em São Miguel e um na Terceira, tendo 30 pessoas recuperado da doença e estando internados menos quatro doentes.

A informação consta do boletim diário da Autoridade de Saúde açoriana, que refere que os novos casos decorrem de 1.859 análises realizadas nos laboratórios de referência da região.

Na Terceira, o caso diagnosticado refere-se "a um recluso transferido de São Miguel para a Terceira, que testou positivo ao sexto dia na Cadeia de Angra do Heroísmo, onde estava em isolamento", de acordo com a Autoridade de Saúde Regional.

Em São Miguel, "todos os novos casos resultam de transmissão comunitária" e oito foram detetados no concelho da Ribeira Grande, cinco no concelho de Ponta Delgada, um em Vila Franca do Campo, um no concelho da Lagoa e um no concelho do Nordeste.

13h22 - Portugal continua país da UE com menor incidência de novos casos


É a sexta semana consecutiva em que isso acontece.

13h10 – Comissão Europeia antecipa prazo para a imunidade coletiva na UE

A presidente da Comissão Europeia acabou de anunciar que a UE deverá alcançar a imunidade coletiva (70 por cento da população adulta vacinada) durante o mês de julho. A meta anterior era “até ao fim do Verão”.

O anúncio foi feito ao mesmo tempo que confirmou um acordo com a Pfizer para entregar mais 1.800 milhões de doses da vacina contra a covid até 2023.

13h03 – Comissão Europeia atenta a desenvolvimentos sobre variante detetada na Índia

A Comissão Europeia disse hoje "seguir de perto" os desenvolvimentos sobre a dupla mutação do SARS-CoV-2 detetada na Índia, pedindo aos países europeus para continuarem a adotar medidas como quarentena e testagem para viajantes de territórios com variantes.

"A Comissão está extremamente preocupada com a questão das variantes [...] e, evidentemente, continuamos a seguir a situação [da dupla mutação detetada na Índia] de muito perto, tanto do lado da Comissão, como juntamente com os Estados-membros", declarou o porta-voz da instituição para a área dos Assuntos Internos, Adalbert Jahnz.

Questionado na conferência de imprensa diária do executivo comunitário, em Bruxelas, sobre a propagação desta variante do vírus, nomeadamente em viagens, Adalbert Jahnz recordou estar em vigor uma "recomendação do Conselho que diz respeito à restrição de viagens externas [à União Europeia], que foi adaptada às ameaças das variantes no início de fevereiro".

Recomendações essas que preveem "medidas específicas relativas aos viajantes de países onde foram identificados riscos elevados, [...] incluindo disposições de quarentena mais rigorosas ou mais testes precisamente para enfrentar a ameaça das variantes", precisou.

12h47 – PS quer teletrabalho regulado com base no acordo mútuo entre trabalhador e empregador

O projeto do PS para regulação do teletrabalho, hoje apresentado, baseia-se no princípio do mútuo acordo entre trabalhador e empregador e na igualdade de direitos salariais ou de carreira entre quem exerce funções presenciais ou à distância.

Este diploma apresentado pela líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, em conferência de imprensa, segue esta tarde para consulta dos parceiros sociais e será debatido em plenário, na Assembleia da República, a 5 de maio, em conjunto com projetos do Bloco de Esquerda e PCP sobre idêntica temática.

"Esta não é uma iniciativa para marcar agenda, ou para dizermos que estamos a responder à pandemia [de covid-19]. Este não é um diploma para legislar para o imediato ou para a espuma dos dias. Faz sentido legislar para o futuro", declarou a presidente do Grupo Parlamentar do PS, numa nota de demarcação face a outras forças políticas.

"O PS apresenta um diploma complementar para responder à necessidade de igualdade de tratamento, quer para os trabalhadores do privado, quer para os da administração pública. O diploma que agora apresentamos é equilibrado, porque se baseia essencialmente no acordo entre as partes, o empregador e o trabalhador", tendo em vista a opção pelo teletrabalho, frisou a líder da bancada socialista.

12h35 – Conselho de Reitores pede que vacinação seja prioritária no ensino superior

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) considera uma "inexplicável discriminação" a ausência dos funcionários do ensino superior dos grupos prioritários da vacinação contra a covid-19 e pede que a situação seja corrigida.

Em comunicado hoje divulgado, o CRUP informa continuar "a mobilizar esforços para sensibilizar os responsáveis técnicos e políticos da campanha nacional de vacinação para a necessidade de corrigir esta inexplicável discriminação dos docentes e não docentes do ensino superior em relação aos restantes profissionais de ensino do país".

"Não há razão científica que justifique a opção de priorizar a vacinação de profissionais de apenas alguns níveis de ensino. O risco de transmissão do SARS-CoV-2 é semelhante em qualquer sala de aula ou qualquer estabelecimento de ensino, sabendo que foi precisamente ao nível do ensino superior que se detetaram, em Portugal, os primeiros casos de covid-19 em contexto escolar", é enfatizado no documento.

12h32 – Japão declara terceiro estado de emergência em Tóquio

O primeiro-ministro japonês declarou hoje o terceiro estado de emergência para Tóquio e três outras prefeituras ocidentais para conter a propagação da covid-19, quando faltam três meses para o início dos Jogos Olímpicos no país.

"Hoje decidimos declarar o estado de emergência nos departamentos de Tóquio, Kyoto, Osaca e Hyogo", anunciou Yoshihide Suga, justificando a medida com um aumento do número das diferentes variantes do SARS-CoV-2 nos novos casos de infeção.

Yoshihide Suga anunciou que esta medida estará em vigor entre 25 de abril e 11 de maio, permitindo que as autoridades ordenem o encerramento temporário de centros comerciais e estabelecimentos que vendam bebidas alcoólicas.

O estado de emergência poderá ser estendido se a situação não melhorar o suficiente, alertou Shigeru Omi, um dos principais assessores do executivo sobre a pandemia.

Este é o terceiro estado de emergência no Japão desde o início da pandemia e surge apenas um mês após o fim do último.

12h28 – UE fecha acordo com Pfizer para aquisição de até 1.800 milhões de doses da vacina

A União Europeia fechou hoje o acordo com a Pfizer/BioNTech para a aquisição de até 1.800 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. A informação foi avançada à agência Reuters por um funcionário da UE.

Este é o terceiro contrato selado entre o Bloco e a farmacêutica Pfizer, que nos dois primeiros acordos concordou entregar 600 milhões de doses da vacina.

12h20 – Mais de 3,07 milhões de mortos e 144,6 milhões de infetados no mundo

A pandemia do novo coronavírus provocou até hoje pelo menos 3.073.969 de mortes entre as mais de 144.660.360 pessoas infetadas, segundo o balanço diário feito com base em dados oficiais pela agência France-Presse (AFP).

Nas últimas 24 horas, registaram-se em todo o mundo 13.054 óbitos e 844.310 novos casos de covid-19, a doença provocada por este coronavírus detetado pela primeira vez no final de 2019 na China.

Estes números apontam um decréscimo em relação aos indicadores diários mundiais divulgados na quinta-feira pela AFP, fundamentados nos balanços fornecidos pelas autoridades sanitárias de cada país e que excluem as revisões realizadas posteriormente por organismos de estatística, como ocorre na Rússia, Espanha e no Reino Unido.

A Índia superou o Brasil na lista dos países que registaram mais mortes nas últimas 24 horas, 2.263 e 2.027, respetivamente, seguidos pelos Estados Unidos da América (786).

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado a nível global, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 570.346 mortes entre 31.930.188 casos recenseados, segundo a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins.

11h23 – Quase metade do teletrabalho nacional está concentrada na região de Lisboa

No contexto da pandemia, a Área Metropolitana de Lisboa concentrou quase metade do emprego em teletrabalho, segundo dados até 21 de abril recolhidos pelo Instituto Nacional de Estatística.

“No período de abril a dezembro de 2020, 15,6% da população empregada esteve em teletrabalho”, começa por indicar o INE.

Entre as sete regiões NUTS II do país (Norte, Centro, Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira), foi Lisboa a que registou a proporção mais elevada, concentrando 48 por cento da população empregada em teletrabalho.

“Nas restantes regiões do país, a proporção de população em teletrabalho foi inferior à média nacional, situando-se abaixo dos nove por cento nas regiões autónomas”, explica o INE.

A explicação está nas “diferenças das estruturas produtivas regionais”, sendo que o teletrabalho foi exercido maioritariamente nas áreas da “Informação e Comunicação (66,9%), Atividades financeiras e de seguros (47,6%), Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares; atividades administrativas e dos serviços de apoio (32,5%)”.

11h10 – Há professores do Ensino Superior a recusar dar aulas presenciais entre críticas à falta de vacinação

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, revela na RTP que há vários casos de professores que se têm recusado a dar aulas presenciais quando consideram não estarem reunidas as condições de segurança no que toca à pandemia. Foi convocada uma greve para permitir esses casos, e um dos motivos invocados é a falta de vacinação.

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas responsabiliza o ministro do Ensino Superior pela exclusão de docentes e não-docentes da vacinação contra a covid-19.

Mariana Alves refere que os professores do ensino superior consideram estarem a ser discriminados por não estarem a ser vacinados, quando o que tinha sido anunciado era a vacinação de "todos os professores". Uma situação que está a causar indignação entre os docentes, que não se sentem seguros a dar aulas.

A presidente do Sindicato diz que houve uma intenção deliberada do Governo em excluir os professores do Ensino Superior da vacinação contra a covid-19 e critica a falta de critérios científicos para a decisão. E reforça dizendo que se trata de 50 mil pessoas para vacinar, entre docentes e funcionários, um número relativamente baixo.

10h47 – Timor-Leste com mais 82 casos nas últimas 24 horas

Mais 82 casos de infeção por SARS-CoV-2 foram registados nas últimas 24 horas em Timor-Leste, que totaliza 1.739 casos e três mortos desde o início da pandemia, segundo os dados oficiais hoje divulgados.

O mais recente balanço do Centro Integrado de Gestão de Crise (CIGC) indica que as novas infeções foram registadas em Díli (72) e nos municípios de Baucau (3), Bobonaro (1), Ermera (1) e Liquiça (5).

Nas últimas 24 horas foram igualmente registados 19 doentes recuperados, existindo 25 casos ativos.

9h50 – OMS denuncia desigualdade na distribuição de vacinas

As vacinas contra a covid-19 continuam a não chegar aos países mais pobres. A denúncia foi feita pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde no dia em que se assinala o primeiro aniversário do programa COVAX, cujo objetivo é garantir que todos os países têm acesso à vacinação.

“Quase 900 milhões de doses de vacinas foram distribuídas globalmente, mas mais de 81 por cento foram para países de rendimentos médios/altos a altos, enquanto os países de baixos rendimentos receberam apenas 0,3 por cento”, lamentou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O diretor da OMS tinha já por várias vezes denunciado a injusta distribuição de vacinas e apelado aos países mais ricos que partilhem as doses em excesso para ajudarem a vacinar os profissionais de saúde de países pobres.

Até agora, o COVAX distribuiu 40,5 milhões de doses por 118 países e pretende alcançar dois mil milhões de doses até ao final deste ano.

9h04 - Incidência acumulada na Alemanha continua a subir

A incidência acumulada de covid-19 em sete dias aumentou na Alemanha para 164 casos por 100.000 habitantes, em comparação com 161,1 de quinta-feira, com 27.543 novas infeções nas últimas 24 horas.

O número de mortes relacionadas com o novo coronavírus subiu para 265 nas últimas 24 horas, de acordo com dados do Instituto Robert Koch de virologia hoje atualizados.

O fator de reprodução semanal é 1,01, o que significa que cada 100 infetados infetam uma média de 101 outras pessoas.

A incidência semanal aumentou desde meados de fevereiro e está claramente acima de 100 sem exceções regionais, enquanto o fator de reprodução está em torno de 1.

“Aproximadamente desde meados de março foi observada uma aceleração de novas infeções. Após uma queda momentânea de casos durante as férias da Páscoa, este forte aumento de novas infeções parece continuar”, indica o RKI.

"Se os dados forem analisados por semanas, não há recuo claro nas novas infeções e na incidência semanal nas últimas quatro semanas", acrescenta.

“Porém, no momento não é possível estabelecer com certeza a partir da incidência semanal dos últimos dias se essa tendência continua”, indica.

8h33 - Auto-agendamento de vacinação disponível a partir de hoje para maiores de 65 anos

Esta sexta-feira entra em funcionamento o Portal do Auto-Agendamento para Vacinação contra a Covid-19, que permite aos utentes com mais de 65 anos (faixa etária que começará agora a ser vacinada independentemente de qualquer doença) possam dirigir-se ao portal e escolher o ponto de vacinação no qual pretendem ser vacinados.

Esta funcionalidade está acessível a partir do Portal da Covid-19: https://covid19.min-saude.pt/pedido-de-agendamento/ .

Segundo uma nota do Ministério da Saúde, quando os utentes fazem utilizam esta opção “é-lhes apresentada a primeira data disponível, podendo os utentes aceitá-la ou escolher outra mais conveniente”.

“No caso de não haver vagas disponíveis, os utentes podem optar por ficar em lista de espera naquele ponto de vacinação ou escolher uma data noutro ponto de vacinação”, explica o Ministério.

Posteriormente, o utente que realizou esta inscrição receberá um SMS com a hora e dia em que será vacinado no ponto de vacinação escolhido.

“O envio do SMS referido está dependente de o utente não ter sido ainda convocado para vacinação ou não ter contraído Covid-19 (enquanto estes pressupostos se mantiverem)”, acrescenta a nota.

8h09 - EUA com 786 mortos e 56.236 casos nas últimas 24 horas

Os Estados Unidos registaram 786 mortos e 56.236 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Desde o início da pandemia, o país acumulou 570.147 óbitos e 31.915.280 casos da doença.

Os EUA são o país com mais mortes e também com mais casos.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, estimou que o país registe no total mais de 600 mil mortos devido à covid-19.

O Instituto de Métricas e Avaliações de Saúde da Universidade de Washington, em cujos modelos de projeção da evolução da pandemia a Casa Branca se baseia com frequência, previu cerca de 610 mil mortes até 1 de julho.

7h40 - China com 19 casos em 24 horas, todos oriundos do exterior

A China detetou 19 casos de covid-19, nas últimas 24 horas, todos oriundos do estrangeiro, anunciaram hoje as autoridades de saúde do país asiático.

Os casos foram diagnosticados em viajantes provenientes do estrangeiro na cidade de Xangai (leste) e nas províncias de Guangdong (sudeste), Yunnan (sudoeste), Zhejiang (leste), Chongqing (centro) e Sichuan (centro).

7h15 - Índia regista novo recorde, 2.263 mortos e 332.730 casos num só dia

A Índia registou 2.263 mortos e 332.730 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, um novo recorde num momento crítico em que os hospitais vivem uma crise de falta de oxigénio.

Os números das autoridades de saúde elevam o total de infetados para 16,2 milhões e de mortos para 186.920 desde o início da pandemia no país, o segundo com mais casos, apenas atrás dos Estados Unidos.

O aumento de novos casos nesta segunda vaga tem sido vertiginoso no país asiático, com um aumento de mais de 100 mil casos só na última semana, o que contrasta com as menos de dez mil infeções registadas em fevereiro, quando muitos pensavam que o pior já tinha passado.

As autoridades de saúde relacionam algumas mortes com a crise de falta de oxigénio em muitas regiões indianas.
PR espera pela próxima terça-feira para decidir se propõe renovação do estado de emergência
O Presidente da República vai esperar pela próxima terça-feira para decidir se propõe a renovação do Estado de Emergência.

Marcelo Rebelo de Sousa reitera que o desejo é que não seja necessário renovar o Estado de Emergência, que seria substituído por um quadro legal que permitisse que o Governo tome as medidas necessárias, tal como aconteceu noutras alturas.

Na próxima semana é feita uma nova reunião com especialistas para avaliar o percurso da pandemia e as condições também para se avançar para a última fase do desconfinamento na generalidade do país.

Na última semana, o R(t), índice de transmissibilidade, desceu em todo o território, para valor abaixo de 1. Este é um dos critérios para avaliar a situação epidemiológica em Portugal e se é preciso voltar atrás no processo de desconfinamento.

De acordo com o mais recente boletim epidemiológico, em 24 horas, morreram mais 4 pessoas e surgiram 636 novos casos.

Estão internadas menos duas pessoas, num total de 395. Nos cuidados intensivos estão menos 6. São 104 internadas nestes serviços hospitalares.