Covid-19. UE deverá propor validade de nove meses da vacina para viajantes que cheguem aos Estados-membros

por RTP
Bruxelas deverá propor que, a partir de 10 de janeiro, os 27 reabram para pessoas vacinadas com qualquer vacina contra a covid-19 aprovada pela OMS. Kevin Mohatt - Reuters

A União Europeia deverá propor esta quinta-feira que a validade das vacinas contra a covid-19 seja de nove meses para quem quiser viajar para qualquer um dos Estados-membros. A informação foi avançada pelo site de notícias Bloomberg esta quinta-feira, com base num documento oficial.

A Comissão Europeia deverá também recomendar aos 27 que continuem a receber viajantes inoculados com vacinas aprovadas pelo regulador europeu, mas poderá propor que, a partir de 10 de janeiro, os Estados-membros reabram para pessoas vacinadas com qualquer vacina contra a covid-19 aprovada pela Organização Mundial da Saúde.

Segundo o Bloomberg, a UE recomendará ainda que seja dada prioridade aos viajantes vacinados.

Caso venha a confirmar-se, esta proposta de Bruxelas poderá significar a atribuição de um prazo de validade às inoculações contra a covid-19 no geral, sugerindo que é necessária uma dose de reforço ao fim de nove meses em todas as pessoas.

A informação chega pouco tempo depois de o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) ter recomendado doses de reforço das vacinas para todos os adultos.

Ultimamente, vários governos europeus têm apelado à UE que suavize as diferenças nas regras entre os Estados-membros, de modo a salvaguardar as pessoas que viajam entre países com regras díspares.

Numa altura em que toda a Europa se vê a braços com uma nova vaga da pandemia, têm sido aplicados diferentes níveis de restrições e medidas consoante a gravidade da situação.

Na Alemanha, por exemplo, está a ser ponderada a vacinação obrigatória em grupos de risco. Em Itália já foram impostas regras para pessoas não vacinadas e, na Dinamarca, o uso de máscaras em locais públicos poderá regressar.

Na quarta-feira, o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, sugeriu que a União Europeia tornasse as doses de reforço obrigatórias para quem quiser viajar entre países do bloco comunitário.

Em Portugal, há esta quinta-feira Conselho de Ministros e deverão ser anunciadas novas medidas para controlar aquela que é a quinta vaga da pandemia no país. O presidente Marcelo Rebelo de Sousa já descartou, porém, um regresso ao Estado de Emergência.

Os especialistas defenderam, na última reunião na sede do Infarmed, uma dose de reforço da vacina para a população em geral e o início da vacinação das crianças, cuja faixa etária é agora uma das mais afetadas pelo novo coronavírus.

O SARS-CoV-2 já infetou quase 259 milhões de pessoas em todo o mundo e fez cerca de 5,4 milhões de vítimas mortais.
Tópicos
pub