Hamas apela a uma nova Intifada

| Mundo

|

O movimento islâmico Hamas apelou hoje a uma nova revolta popular palestiniana contra a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, que reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

"Só podemos enfrentar a política sionista - apoiada pelos Estados Unidos - lançando uma nova Intifada", disse o líder do Hamas, Ismail Haniyeg, num discurso na Faixa de Gaza.

“Que o dia 8 de dezembro seja o primeiro dia de intifada contra o ocupante”, disse.

Haniyeh, eleito o líder do grupo em maio, apelou à revolta popular contra a decisão de Donald Trump, considerando-o um “dia de raiva”.

Haniyeh, eleito o líder do grupo em maio, apelou à revolta popular contra a decisão de Donald Trump, considerando-o um “dia de raiva”.

“Demos instruções para que os membros do Hamas para estarem prontos para qualquer nova ordem que possam ser dadas para confrontar este perigo estratégico que ameaça Jerusalém e ameaça a Palestina”, disse Haniyeh.

Israel e os Estados Unidos consideram o Hamas uma organização terrorista. O grupo não reconhece o direito de Israel existir e os seus ataques suicidas marcaram os anos de 2000 a 2005.

Reforço de forças israelitas

O exército israelita anunciou também esta quinta-feira que vai destacar forças suplementares na Cisjordânia, território palestiniano ocupado.

Um porta-voz do exército israelita indicou que os batalhões adicionais vão ser enviados para a Cisjordânia, e que outras forças estarão prontas para intervir, depois de o controverso anúncio de Donald Trump ter levantado receios de uma onda de violência.

O exército israelita não referiu, porém, o número de efetivos em causa.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu na quarta-feira Jerusalém como capital de Israel, tornando-se no único país do mundo a tomar essa decisão que representa uma rutura em relação a décadas de neutralidade da diplomacia norte-americana no âmbito do processo israelo-palestiniano.

c/Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.