Jerusalém. A "vontade do povo americano" é a inquietação russa

| Mundo

Um efetivo da polícia israelita observa uma ação de protesto contra Donald Trump em Jerusalém
|

A cumprir um curto périplo europeu, o secretário de Estado norte-americano ensaiou esta quinta-feira uma apologia da ordem executiva de Donald Trump que reconhece a Jerusalém o estatuto de capital de Israel. Cumpriu-se, segundo Rex Tillerson, “a vontade do povo americano”. De Moscovo saiu, quase em simultâneo, um aviso: a decisão da Casa Branca não contribui “em nada” para a pacificação do Médio Oriente.

“O Presidente exprime simplesmente a vontade do povo americano”, sustentou o chefe da diplomacia dos Estados Unidos durante uma conferência de imprensa em Viena, a par do ministro austríaco dos Negócios Estrangeiros, Sebastian Kurz.Centenas de manifestantes apedrejaram militares israelitas na Cisjordânia. O movimento palestiniano Hamas já veio apelar a uma nova Intifada (guerra das pedras) contra o Estado hebraico.


Rex Tillerson aludia à aprovação, em 1995, pelo Congresso norte-americano, do Jerusalem Embassy Act, que impele os Estados Unidos a transferirem a embaixada em Israel de Telavive para Jerusalém, reconhecendo assim esta cidade como capital do Estado hebraico.

“O Presidente não fez mais do que pôr em prática a lei de 1995”, frisou o secretário de Estado norte-americano, para insistir na ideia de que “se trata da lei americana e de uma decisão americana”.

A lei adotada há 22 anos no Capitólio tem força vinculativa. Mas uma cláusula específica tem permitido a sucessivos presidentes assinarem moratórias à sua aplicação, a cada seis meses. Foi assim com Bill Clinton, George W. Bush, Barack Obama e até com Donald Trump, em junho deste ano.

Ao lado do homólogo norte-americano, Sebastian Kurz , futuro primeiro-ministro, deixou um apelo para que se evite uma “nova escalada” no Médio Oriente.


Sandra Sousa, Virgílio Matos - RTP
“Rússia muito preocupada”

De Moscovo saiu entretanto um comunicado com o carimbo do Ministério russo dos Negócios Estrangeiros a advertir para “pesadas consequências”.O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou esta quinta-feira que a decisão “infeliz” de Donald Trump “atropela” o Direito Internacional.

“Uma solução justa para o conflito israelo-palestiniano deve assentar numa base jurídica internacional tendo em conta as resoluções do Conselho de Segurança e da Assembleia Geral das Nações Unidas, que preveem a resolução de todos os aspetos do estatuto definitivo dos territórios palestinianos, incluindo a sensível questão de Jerusalém, em negociações diretas israelo-palestinianas”, defende-se na nota da diplomacia russa.

“Apelamos a todas as partes para que demonstrem contenção e renunciem a ações incontroladas e de pesadas consequências”, prossegue o Ministério dos Negócios Estrangeiros, que chama ainda a atenção para a necessidade de acautelar “o livre acesso de todos os crentes aos lugares santos de Jerusalém”.

Também o porta-voz do Kremlin Dmitri Peskov expressou “inquietação”: “Pensamos que esta decisão não ajuda em nada ao progresso da concertação no Médio Oriente. Pelo contrário, conduz na nossa perspetiva à divisão no seio da comunidade internacional”.

c/ agências internacionais

Tópicos:

Capital, Embaixada, Estados Unidos, Israel, Jerusalém, Kremlin, Ministério, Negócios Estrangeiros, Rex Tillerson, Rússia, Secretário de Estado,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    As sondagens para as presidenciais brasileiras colocam em segundo lugar um deputado federal defensor da ditadura que governou o país durante 20 anos e que é acusado de homofobia.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.