Jerusalém. A "vontade do povo americano" é a inquietação russa

| Mundo

Um efetivo da polícia israelita observa uma ação de protesto contra Donald Trump em Jerusalém
|

A cumprir um curto périplo europeu, o secretário de Estado norte-americano ensaiou esta quinta-feira uma apologia da ordem executiva de Donald Trump que reconhece a Jerusalém o estatuto de capital de Israel. Cumpriu-se, segundo Rex Tillerson, “a vontade do povo americano”. De Moscovo saiu, quase em simultâneo, um aviso: a decisão da Casa Branca não contribui “em nada” para a pacificação do Médio Oriente.

“O Presidente exprime simplesmente a vontade do povo americano”, sustentou o chefe da diplomacia dos Estados Unidos durante uma conferência de imprensa em Viena, a par do ministro austríaco dos Negócios Estrangeiros, Sebastian Kurz.Centenas de manifestantes apedrejaram militares israelitas na Cisjordânia. O movimento palestiniano Hamas já veio apelar a uma nova Intifada (guerra das pedras) contra o Estado hebraico.


Rex Tillerson aludia à aprovação, em 1995, pelo Congresso norte-americano, do Jerusalem Embassy Act, que impele os Estados Unidos a transferirem a embaixada em Israel de Telavive para Jerusalém, reconhecendo assim esta cidade como capital do Estado hebraico.

“O Presidente não fez mais do que pôr em prática a lei de 1995”, frisou o secretário de Estado norte-americano, para insistir na ideia de que “se trata da lei americana e de uma decisão americana”.

A lei adotada há 22 anos no Capitólio tem força vinculativa. Mas uma cláusula específica tem permitido a sucessivos presidentes assinarem moratórias à sua aplicação, a cada seis meses. Foi assim com Bill Clinton, George W. Bush, Barack Obama e até com Donald Trump, em junho deste ano.

Ao lado do homólogo norte-americano, Sebastian Kurz , futuro primeiro-ministro, deixou um apelo para que se evite uma “nova escalada” no Médio Oriente.


Sandra Sousa, Virgílio Matos - RTP
“Rússia muito preocupada”

De Moscovo saiu entretanto um comunicado com o carimbo do Ministério russo dos Negócios Estrangeiros a advertir para “pesadas consequências”.O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou esta quinta-feira que a decisão “infeliz” de Donald Trump “atropela” o Direito Internacional.

“Uma solução justa para o conflito israelo-palestiniano deve assentar numa base jurídica internacional tendo em conta as resoluções do Conselho de Segurança e da Assembleia Geral das Nações Unidas, que preveem a resolução de todos os aspetos do estatuto definitivo dos territórios palestinianos, incluindo a sensível questão de Jerusalém, em negociações diretas israelo-palestinianas”, defende-se na nota da diplomacia russa.

“Apelamos a todas as partes para que demonstrem contenção e renunciem a ações incontroladas e de pesadas consequências”, prossegue o Ministério dos Negócios Estrangeiros, que chama ainda a atenção para a necessidade de acautelar “o livre acesso de todos os crentes aos lugares santos de Jerusalém”.

Também o porta-voz do Kremlin Dmitri Peskov expressou “inquietação”: “Pensamos que esta decisão não ajuda em nada ao progresso da concertação no Médio Oriente. Pelo contrário, conduz na nossa perspetiva à divisão no seio da comunidade internacional”.

c/ agências internacionais

Tópicos:

Capital, Embaixada, Estados Unidos, Israel, Jerusalém, Kremlin, Ministério, Negócios Estrangeiros, Rex Tillerson, Rússia, Secretário de Estado,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.