Morreu Alexei Navalny, rosto da oposição a Putin

por Inês Moreira Santos - RTP
Maxim Shemetov - Reuters

A principal figura da oposição a Vladimir Putin, Alexei Navalny, morreu aos 47 anos, confirmaram esta sexta-feira os serviços prisionais russos. O ativista estava encarcerado numa cadeia do Ártico. Cumpria uma pena de 19 anos de prisão.

“A 16 de fevereiro de 2024, no centro penitenciário nº 3, o preso Navalny AA sentiu-se mal após uma caminhada", indicaram os serviços penitenciários (FSIN), em comunicado de imprensa. Na mesma nota é adiantado que "as causas da morte estão a ser apuradas".

De acordo com as agências russas, uma ambulância chegou ao local para o tentar socorrer quando perdeu a consciência, mas Navalny acabou por morrer. Não houve confirmação imediata da morte por parte da sua equipa.

Alexei Anatolievitch Navalny tinha 47 anos e era o principal opositor do regime do presidente russo, Vladimir Putin.
As informações preliminares indicam que os médicos ainda estão a investigar se a morte se deu por causas naturais ou foi premeditada. De acordo com o correspondente da RTP em Moscovo, Evgueni Mouravitch, esta notícia em vésperas de eleições na Rússia pode não ser favorável a Putin.

O Kremlin já reagiu à notícia, indicando que desconhece as causas de morte.

“Os médicos têm de esclarecer”, declarou o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, minutos após a notícia da morte do político russo. “Conforme a regulamentação vigente, o Serviço Penitenciário Federal está a realizar todos os esclarecimentos e verificações. Não há necessidade de dar instruções, pois existe um conjunto de normas que orientam a atuação do Serviço Penitenciário Federal”.

Contudo, a porta-voz de Alexei Navalny afirmou não ter qualquer confirmação sobre a morte do opositor russo.

"O Serviço Penitenciário Federal de Yamalo-Nenets está a divulgar notícias sobre a morte de Alexei Navalny. Ainda não temos qualquer confirmação deste facto. O advogado de Alexey está agora a voar para Kharp. Assim que tivermos alguma informação, comunicá-la-emos", escreveu a porta-voz de Navalny, Kira Yarmysh, na rede social X.


O Comité de Investigação Russo no distrito autónomo de Yamal-Nenets declarou, num comunicado publicado na rede social Telegram, que o escritório da organização nesta área do país “abriu uma verificação processual relativa à morte de Navalni” na prisão IK-3.

“De acordo com os procedimentos estabelecidos na lei, uma série de medidas operacionais e investigativas estão a ser realizadas para determinar todas as circunstâncias do incidente”
, referiu a nota.
Regime russo é "o único responsável por esta morte trágica"

O Conselho Europeu veio também lamentar a morte do opositor russo, acusando o regime de Putin como "único responsável".

"Alexei Navalny lutou pelos valores da liberdade e da democracia. Pelos seus ideais, ele fez o sacrifício final", escreveu Charles Michel na rede social X.

"A UE considera o regime russo o único responsável por esta morte trágica", declarou ainda o presidente do Conselho Europeu. "Os lutadores morrem. Mas a luta pela liberdade nunca termina".


A presidente da Comissão Europeia mostrou-se também “profundamente perturbada e triste” com a notícia, referindo-se a um “lembrete sombrio” sobre o presidente russo e o seu regime.

“Profundamente perturbada e triste com a notícia da morte de Alexei Navalny. Putin não teme nada mais do que a dissidência do seu próprio povo. [E esta notícia é] um lembrete sombrio do que são Putin e o seu regime”, escreveu Ursula von der Leyen, numa publicação na rede social X (antigo Twitter).

“Vamos unir-nos na nossa luta para salvaguardar a liberdade e a segurança daqueles que se atrevem a enfrentar a autocracia”, adiantou a líder do executivo comunitário.


A presidente do Parlamento Europeu, por sua vez, acusou Moscovo de ter tirado “a liberdade e a vida” do opositor russo Alexei Navalny, frisando, porém, que a dignidade do ativista anticorrupção permaneceu inalterada.

“Horrorizada com a morte de Alexei Navalny, galardoado com o Prémio Sakharov [do Parlamento Europeu para a liberdade de pensamento]. A Rússia tirou-lhe a liberdade e a vida, mas não a dignidade”, escreveu Roberta Metsola.

“O mundo perdeu um lutador cuja coragem ecoará através de gerações”, acrescentou a líder da assembleia europeia, vincando que “a sua luta pela democracia continua a existir”.

Zelensky diz que Putin deve responder pelos seus crimes
Em reação a esta notícias, o chefe de Estado ucraniano afirmou que o presidente da Rússia deve “responder pelos seus crimes”.

“É óbvio para mim que [Alexei Navalny] foi morto como milhares de outros que foram torturados até à morte por causa de uma pessoa, Putin, que não se importa com quem morre, desde que mantenha a sua posição”, declarou Volodomyr Zelensky durante uma conferência conjunta com o chanceler alemão, Olaf Scholz, em Berlim.

Zelensky declarou então que Putin "terá de responder pelos seus crimes".

À margem da conferência sobre segurança em Munique, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, considerou a Rússia "responsável pela situação que levou à morte do opositor Alexei Navalny".
Desfecho que "sublinha a fraqueza e a corrupção" do regime de Vladimir Putin.

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, pronunciou-se no mesmo sentido.
O chanceler alemão manifestou tristeza pela anunciada morte do dissidente russo e lamentou que Navalny tenha pagado a coragem com a vida, durante uma conferência de imprensa em Berlim, juntamente com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

“Qualquer pessoa empenhada na democracia deve temer pela sua segurança e pela sua vida e é por isso que estamos todos muito tristes”, acrescentou Olaf Scholz, citado pela agência francesa AFP.

Também o dissidente russo Oleg Orlov, que começou por acaso esta sexta-feira a ser julgado em Moscovo, acusou o regime de Vladimir Putin pela morte de Navalny.

“É um crime do regime, isso é óbvio”, afirmou Orlov, veterano ativista dos Direitos Humanos de 70 anos, à saída da primeira audiência do julgamento em Moscovo por ter denunciado repetidamente a agressão russa contra a Ucrânia. “Esta é uma notícia terrível, uma tragédia para todos nós”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, responsabilizou diretamente Vladimir Putin pela morte de Alexei Navalny, homenageando o opositor do Kremlin pela sua resistência e luta pela democracia na Rússia.

"Putin, que exerceu o seu poder arbitrário prendendo-o em circunstâncias cada vez mais draconianas, é responsável pela sua morte" escreveu João Gomes Cravinho na rede social X (antigo Twitter).


O ministro dos Negócios Estrangeiros da França considerou que o opositor russo Alexei Navalny “pagou com a vida” a resistência a “um sistema de opressão".

“A sua morte numa colónia penal recorda-nos a realidade do regime de Vladimir Putin”, escreveu Stéphane Séjourné nas redes sociais, citado pela agência francesa AFP.

O Reino Unido também já lamentou a morte de Navalny. O primeiro-ministro britânico reagiu à “imensa tragédia” que a morte do líder da oposição Alexei Navalny representa para o povo russo e homenageou a coragem do “mais feroz defensor da democracia” da Rússia.

“Esta é uma notícia terrível. O mais feroz defensor da democracia na Rússia, Alexei Navalny, demonstrou uma coragem incrível ao longo da sua vida”
, escreveu Rishi Sunak nas redes sociais.


O Governo espanhol exigiu que a Rússia esclareça as circunstâncias da morte do líder da oposição russa, Alexei Navalny, ocorrida na prisão do Ártico para onde tinha sido transferido recentemente.

“Exigimos o esclarecimento das circunstâncias da sua morte, ocorrida durante a sua prisão injusta por razões políticas”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, José Manuel Albares que se mostrou “profundamente chocado” com a morte de Navalny.

Jens Stoltenberg lamentou a morte de Navalny e recordou o papel fundamental do dissidente na oposição ao regime de Vladimir Putin. O secretário-geral da NATO pede que se averigue o que aconteceu ao opositor russo, que se terá sentido mal esta sexta-feira de manhã.
Recorde-se que Navalny foi transferido em dezembro de 2023 da prisão na região de Vladimir, no centro da Rússia, para uma colónia penal de “regime especial”, acima do Círculo Polar Ártico. Trata-se do nível de segurança mais elevado das prisões na Rússia.

Os aliados de Navalny denunciaram esta transferência para uma colónia na cidade de Kharp, na região de Yamalo-Nenets, cerca de 1.900 quilómetros a nordeste de Moscovo, como mais uma tentativa de forçar Navalny ao silêncio.

A região remota para onde foi enviado o opositor russo é conhecida pelos invernos longos e rigorosos. Kharp fica a cerca de 100 quilómetros de Vorkuta, cujas minas de carvão faziam parte do sistema soviético de campos de prisioneiros ‘gulag’.

Navalny lutou contra a corrupção oficial e organizou grandes protestos anti-Kremlin, tendo sido alvo de uma tentativa de envenenamento em 2020.


c/ agências
pub