OMS alerta. "Não haverá regresso ao velho normal num futuro próximo"

por Alexandre Brito - RTP
Equipa médica na Palestina EPA

Num claro aviso à navegação, perante a forma com alguns países estão a levar o barco nesta tempestade, o diretor-geral da OMS afirmou esta segunda-feira que a situação vai piorar se não mudarem a atitude de combate à Covid-19. E acrescentou em tom dramático: "Não haverá regresso ao velho normal num futuro próximo".

A pandemia do novo coronavírus vai ficar bem pior em todo o mundo se os países não tiverem as devidas precauções, avisou o responsável máximo da Organização Mundial da Saúde.

"Deixem-me ser franco, muitos países estão na direção errada, o vírus continua a ser o inimigo público número um", afirmou o diretor-geral da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus. "Se o básico não for seguido, o único sítio para onde esta pandemia vai... vai piorar e piorar e piorar", continuou. "Mas não tem que ser assim".

As palavras de Ghebreyesus surgem numa altura em que mais de 13 milhões de pessoas em todo o mundo foram infetadas pelo novo coronavírus. 

Foram também já também notificadas mais de meio milhão de vítimas mortais pela Covid-19.
E a verdade é que há países que continuam a bater recordes de novas contaminações todos os dias. 

O líder da OMS - que tem sido criticado pela presidência de Trump pela forma como lidou com esta pandemia no início - disse ainda que dos 230 mil novos casos registados no domingo 80 por cento eram de apenas 10 nações. E 50 por cento de apenas dois países: os Estados Unidos da América e o Brasil.

"Não haverá regresso ao velho normal num futuro próximo", disse Tedros. "Ainda há muito para fazer". 

O diretor-geral da OMS afirmou também hoje que não tinha recebido ainda a notificação formal da retirada dos EUA da organização de saúde, tal como anunciado pelo Presidente Donald Trump.

Trump tem acusado a OMS de ter alinhado com a China no início escondendo a verdade sobre o vírus.
Tópicos
pub