Português entre as vítimas mortais do ataque no sul de França

| Mundo

|

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, confirmou à RTP que um português está entre as vítimas mortais do ataque terrorista desta sexta-feira em Carcassonne, no sul de França.

Há um português entre as vítimas mortais do ataque terrorista desta sexta-feira no sul de França. A informação foi confirmada pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, depois de ter sido também confirmada pelas autoridades francesas.

José Luís Carneiro refere que ainda não dispõe de dados ou identificação do cidadão português, mas tudo indica que se deverá tratar do mesmo português de 27 anos que tinha sido dado como ferido em estado "grave" ao início da tarde.

"A morte de um cidadão português foi confirmada pelas autoridades francesas aos nossos serviços consulares", disse um porta-voz do secretário de Estado das Comunidades à agência France-Presse, sem acrescentar mais informações sobre o cidadão português.

Já em declarações à agência Lusa, José Luís Carneiro afirmou que não se sabe ainda se o português agora confirmado como uma das vítimas do atentado era o motorista ou se era o outro ocupante da viatura que o atacante roubou em Carcassonne.

"Não temos ainda dados da identificação que nos permitam poder ser mais assertivos nomeadamente em relação à informação de outro cidadão que se encontraria hospitalizado. A informação de que dispomos neste momento é a de confirmação de que, entre as vítimas mortais, está uma de nacionalidade portuguesa", afirmou.

O secretário de Estado das Comunidades desloca-se este sábado a Carcassonne para contactar com as autoridades locais e com a família da vítima.


Rosário Salgueiro, Rodrigo Lobo - RTP
Presidente da República solidário com familiares
Na página da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa diz-se solidário com a família da vítima portuguesa e com o povo francês.

"Ao tomar conhecimento do facto de um cidadão português ser também vítima mortal no ataque em Trèbes, o Presidente da República deseja manifestar a sua solidariedade e sentidos pêsames aos familiares e amigos neste momento difícil", pode ler-se na nota publicada no site da Presidência.

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou "solidariedade, em nome de todos os portugueses" para com o povo francês, especialmente para com as famílias das vítimas de mais um "atroz ato terrorista".

Na mesma declaração, o Presidente da República sublinha ainda a importância de manter a Europa "unida no combate à violência e ao terrorismo".
Detida mulher relacionada com terrorista
Em conferência de imprensa, François Molins, procurador de Paris que lidera a investigação deste ataque, esclarece que uma pessoa próxima do atacante foi detida e que as autoridades continuam à procura de cúmplices deste ataque.

Trata-se de uma mulher que "compartilhou a sua vida" com Radouane Ladkim, que foi levada sob custódia por associação criminosa "ligada a uma célula terrorista criminosa", esclareceu o procurador-geral.

François Molins confirmou ainda que o atacante gritou "Allahu Akbar" (Alá é grande) no início do ataque e que se apresentou como um "soldado" do Estado Islâmico.

O ataque desta sexta-feira num supermercado em Trèbes, perto de Carrassonne, no sul de França, fez pelo menos três vítimas mortais e 16 feridos, dois em estado grave.

O sequestrador foi abatido pela polícia e identificado pelas autoridades como Redouane Lakdim, um franco-marroquino de 26 anos que era conhecido pela polícia por atos de pequena delinquência. Em 2011, foi condenado pelo Tribunal de Carcassonne a um mês de prisão com pena suspensa por porte de armas e em 2015 foi condenado a um mês de prisão efetiva por uso de estupfacientes.

Em 2016 e 2017, Redouane Lakdim foi vigiado pelas autoridades francesas e não houve na altura quaisquer sinais de radicalização.
Tenente "gravemente ferido"
No ataque desta sexta-feira, o homem começou por roubar um automóvel em Carcassonne, disparando sobre os dois ocupantes, onde estaria o português que figura entre as vítimas mortais. Seguiu depois em direção a Trèbes e pelo caminho atirou sobre um grupo de quatro polícias, tendo um deles ficado ferido.

Já em Trèbes, sequestrou vários trabalhadores e clientes de um supermercado da cadeia Super U. Segundo o procurador-geral François Molins, encontravam-se cerca de 50 pessoas dentro da superfície comercial.

Durante o sequestro, Lakdim exigiu a libertação de Salah Abdeslam, responsável pelos atentados ocorridos em Paris em novembro de 2015. Disparou sobre alguns clientes e funcionários, tendo um deles morrido logo no local.

Um dos feridos graves é um tenente-coronel da Gendarmerie Nacional Francesa que tomou o lugar de uma refém e que ajudou no desfecho da operação a partir do supermercado. O atacante disparou vários tiros sobre esse agente, tendo este ficado gravemente ferido.

O tenente-coronel "salvou várias vidas e agora está a lutar contra a morte", disse Emmanuel Macron numa declaração à imprensa.

Ao início da tarde, o autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque. Em comunicado, o grupo jihadista refere que o atentado foi desencadeado por um “soldado do califado”, sem explicitar mais detalhes.

Tópicos:

Ataque, França, Português,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Festa dos Tabuleiros regressa às ruas da cidade de Tomar. Um longo desfile em que 750 tabuleiros são transportados por mulheres.

    Os líderes europeus não chegaram a acordo sobre quem deve liderar a União nos próximos cinco anos.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.