Alexandre Brito

Aos meus filhos: por favor, errem!

Convivo muito mal com a forma como o erro é penalizado. Não falo, claro está, do erro da preguiça, do desinteresse, da falta de trabalho. Mas a penalização do erro do esforço, da tentativa. A começar nas escolas.

Não gosto do vermelho nos trabalhos. Prefiro o verde a marcar o que está certo. A partir daí é fácil perceber o que ainda não sabemos. Não entendo a lógica de testes que servem apenas, muitas vezes, para dar uma nota. No dia seguinte os alunos já estão a estudar outra matéria. Um teste é um fantástico instrumento de trabalho para identificar o erro, para identificar o que não sabemos, e crescer a partir daí. Se assim não é não serve para nada.

Há uns tempos falava com um amigo sobre a experiência de criação de uma empresa nos Estados Unidos. Perante um grupo de investidores, o responsável por essa empresa foi questionado sobre o processo até ao momento. O que tinha corrido bem e o que tinha corrido mal. Estavam muito interessados no que não tinha corrido bem. Os erros. E o que tinha sido feito para corrigir essas situações. Os erros, aqui, foram uma mais-valia. Porque tinham sido identificados e corrigidos. O investimento chegou e a empresa cresceu.

Há uma máxima que aplico e digo sempre aos meus filhos. Nunca irei penalizar o erro. Porque é assim que aprendem. Peço até, várias vezes, para que errem. Na prática, para que tentem, não desistam, não tenham medo de errar.

A partir daí tentamos identificar o que ainda não sabemos, ou o que não foi entendido, e trabalhamos sobre o erro. Chamo a atenção, isso sim, e eles sabem, para a preguiça, o desinteresse, a falta de trabalho. São coisas bem diferentes.

Acredito numa escola que valoriza a avaliação contínua. Uma escola que valoriza o trabalho ao longo do ano, em sala, em casa, nas fichas, em todo o esforço de aprendizagem. E que saiba trabalhar com os erros dos alunos. 

A penalização do erro é algo que está enraizado na nossa sociedade. Aponta-se com facilidade, muitas vezes até com um pequeno sorriso: "Ele falhou".

E depois não fazemos aquilo que exigimos aos nossos filhos e às escolas. Identificar o erro para o perceber, corrigir e melhorar. 

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Entrevista exclusiva à RTP do candidato à Presidência do Brasil.

    Numa entrevista exclusiva à RTP, Rodrigo Maia também diz que Portugal é uma inspiração para o que pretende fazer no Brasil.

    A RTP falou com os principais responsáveis e tentou perceber como é que os vários Estados se apoiam mutuamente, bem como a importância deste novo espaço em Portugal.