Alexandre Brito

O que a Google e o Facebook sabem de si? Quer mesmo saber?

Por esta altura já deve ter consciência que tanto a Google como o Facebook têm um registo daquilo que faz no mundo digital. Que páginas de internet visitou, quais as pesquisas que fez, do que gosta ou não gosta, por onde andou. Tudo, à partida, está a ser registado pelos servidores destas empresas. Há quem viva bem com isso, mas também há quem não goste. O mais importante, digo eu, é ter noção de que isso está a acontecer e que é possível ver e até eliminar esse registo digital. Como?

Por vezes nem reparamos, mas ao criar uma conta na Google, ao utlizar um telemóvel Android (o mesmo acontece com o Apple), estamos a fornecer dados sobre a nossa vida a estas empresas.


Informação que é depois utilizada, por exemplo, para que sejam mostrados anúncios adaptados às nossas preferências, às nossas pesquisas.

Essa recolha de informação não é ilegal, e tanto a Google como o Facebook informam os utilizadores sobre o que estão a guardar.

Mas como é que podemos saber o que têm sobre nós?

No caso da Google, a forma é relativamente simples. Basta entrar aqui https://myaccount.google.com/ (com o login da conta pessoal) e encontramos uma série de dados sobre a nossa vida digital, sobre aquilo que fazemos e que a Google recolhe. Tal como informação sobre os nossos direitos e o que podemos fazer para alterar as definições de privacidade.

A partir daqui pode seguir uma outra ligação - https://myactivity.google.com - onde consegue observar o seu registo pessoal.

No meu caso, estão lá, por exemplo, as minhas pesquisas, as páginas de internet por onde passei, os vídeos do YouTube que vi ou até as localizações que procurei. 

Numa outra página - https://adssettings.google.com/ - é curioso ver o que a Google acha que são os temas que gostamos. É depois, com este dados, que recebemos na navegação online anúncios personalizados.

Na zona dos mapas - https://www.google.com/maps/timeline - ficamos a saber por onde andámos nos últimos tempos. Informação que é recolhida, por exemplo, através do telemóvel, ou pela utilização da aplicação de mapas da empresa.

Saiba também que a Google regista a sua voz. Verdade seja dita, já imaginava, mas é sempre estranho voltar a ouvir o que disse, por exemplo, para pesquisar um determinado tema. Quer ouvir o a sua voz? Siga esta ligação: https://history.google.com/history/audio

Situação semelhante se passa com o Facebook. E como é que podemos saber o que a empresa tem sobre nós.

Quando entra na página da rede social, no topo do lado direito tem uma pequena seta que abre um menú. Aqui, deve selecionar o "Registo de atividade". Está lá tudo. O que escreveu, o que partilhou, o que gostou ou não. 

Vale a pena espreitar.

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.