João Fernando Ramos

Será mesmo descentralização?

O Porto será a cidade que o país apresenta na candidatura à sede da Agência Europeia do Medicamento. Depois de uma primeira escolha por Lisboa, uma polémica apimentada até pelo candidato do PS à Câmara do Porto que criticou governo socialista, António Costa muda o rumo da decisão e apresenta o Porto para uma missão muito complicada. Será esta uma decisão descentralizadora ou apenas a indicação de uma outra cidade, que não Lisboa, quando se percebe que a vitória portuguesa será muito complicada? O tempo dará resposta, mas meter o Porto nestas coisas, mesmo quando se pensa que estão perdidas, pode significar luta e uma forte argumentação para ganhar.

Esta foi também a semana em que ficou decidido colocar em Pedrógão Grande a sede da Unidade de Missão para o Interior, até aqui liderada por Helena Freitas. Aquele território duramente atingido pela tragédia é o palco certo para uma experiência piloto de reflorestação e de revitalização da economia do interior. É um grande desafio que o interior tem que agarrar, somando novos protagonistas nos cargos de liderança, demonstrando competência e saber fazer diferentes do tradicional e centralista poder do Terreiro do Paço.

Descentralizar tem que significar mesmo deixar as competências, a força política e os respetivos orçamentos, na mão destas lideranças que têm que estar efetivamente presentes em cada um dos territórios.

O processo legislativo para alargar a prometida descentralização fica adiado para setembro, mas convém não deixar correr o tempo sem que sejam verdadeiramente assumidas decisões que tornem este país mais igual, no litoral e no interior.

Vivem os mesmos portugueses em cada uma das aldeias, das vilas, das cidades, mesmo que seja a macrocéfala Lisboa. Somos um país demasiado pequeno para ser assim tão centralista.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.