Reportagem Incêndios em Portugal: a situação ao minuto

O concelho de Góis foi esta terça-feira atingido por um incêndio de grandes proporções, que obrigou à evacuação de várias povoações. As chamas continuaram também a dar trabalho m Pedrógão Grande. Apesar das notícias que davam conta da queda de um avião, a Proteção Civil afirma não ter conhecimento de qualquer queda.

Fazer refresh a esta área
Clique aqui para atualizar

21h42: encerramos aqui o acompanhamento ao minuto da situação dos incêndios em Portugal continental.

21h35: Identificados 32 corpos, restantes casos "são mais complexos"

Trinta e dois corpos já foram identificados pelo Instituto Nacional de Medicina Legal, sendo que nos restantes terão de ser utilizadas técnicas de ADN, informou à agência Lusa fonte do Ministério da Administração Interna.

Segundo a mesma fonte do Ministério da Administração Interna (MAI), os restantes corpos das vítimas mortais do incêndio que começou no sábado em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e provocou 64 óbitos, "são mais complexos", sendo necessário recorrer a técnicas de ADN para se determinar a sua identificação.

20h32: Ativado Plano Distrital de Emergência de Proteção Civil de Coimbra

A Comissão Distrital de Proteção Civil de Coimbra decidiu, ao fim da tarde, ativar o Plano Distrital de Emergência, atendendo aos incêndios rurais que se encontram em curso.

"Atenta aos recentes acontecimentos que têm assolado o distrito de Coimbra, a Comissão Distrital de Proteção Civil de Coimbra, na qualidade de órgão de coordenação em matéria de proteção civil", tomou esta decisão durante uma reunião extraordinária, refere, em comunicado.

O Plano Distrital de Emergência de Proteção Civil de Coimbra foi ativado numa altura em que se registam incêndios de grandes dimensões nos concelhos de Góis e de Penela.


20h27: Incêndio de Góis mantinha quatro frentes ativas pelas 19:45

O incêndio que lavra no concelho de Góis desde sábado à tarde mantinha hoje, pelas 19:45, quatro frentes ativas, embora de menor intensidade, de acordo com o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.

"A situação está a evoluir positivamente e as extensões das linhas de fogo são mais reduzidas. Estamos a viver momentos de menor tensão e a olhar para a situação de outra forma", afirmou Jorge Gomes aos jornalistas.

O governante acrescentou que "choveu com intensidade nalguns sítios, o que ajudou no combate ao fogo", tendo adiantado que foram deslocalizadas 150 pessoas de 27 aldeias, retiradas das casas por "mera precaução".


20h08: Ministro do Planeamento e Infraestruturas visita concelhos ardidos na quarta-feira

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, vai visitar amanhã os concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, afetados pelos incêndios, onde irá reunir-se com os municípios.


19h37: O ponto de situação

- Apesar das notícias que davam conta da queda de uma aeronave de combate a incêndios, a Proteção Civil e o Governo garantem não ter conhecimento de qualquer incidente deste género. A ANPC sublinha ainda que todos os meios aéreos que estão ao serviço da Proteção Civil estão operacionais. As buscas continuam.

- O combate às chamas continua no centro do país. Os incêndios que mobilizam mais meios são os de Pedrógão Grande e Góis. O fogo de Pedrógão Grande mobiliza 1222 operacionais, 412 meios terrestres e 16 meios aéreos. Em Góis encontram-se 1077 operacionais, 370 meios terrestres e 5 meios aéreos.

- António Costa publicou um despacho para exigir esclarecimentos perante a tragédia do último fim de semana. O primeiro-ministro pede esclarecimentos urgentes sobre o funcionamento da rede de SIRESP no incêndio de Pedrógão Grande e sobre os motivos da ausência de uma ordem de encerramento da estrada nacional 236-I, onde ocorreu um elevado número de mortes.


19h30: Segurança Social alerta para falsos técnicos em visitas a Pedrógrão Grande e Góis

O Instituto da Segurança Social denunciou hoje a existência de indivíduos que estão a apresentar-se como técnicos da Segurança Social e que na zona de Pedrógrão Grande e de Góis estão a realizar falsas visitas em nome do organismo.

Numa curta nota à imprensa, a Segurança Social faz saber que "tem conhecimento de que existem situações de falsas visitas de indivíduos no terreno que se fazem passar por técnicos da Segurança Social", "apesar do momento de infortúnio que se vive, causado pelos incêndios de Pedrógão Grande e Góis".

"Assim sendo, o Instituto da Segurança Social alerta as populações que os técnicos da Segurança Social no terreno estão devidamente identificados", garante o organismo.

19h26: Mais de 2.400 bombeiros e 24 aviões em Pedrógão Grande, Góis e Penela

Os três grandes fogos que lavram nos concelhos de Pedrógão Grande (Leiria), Góis e Penela (Coimbra) estavam, às 18:30 de hoje, a ser combatidos por mais de 2.400 operacionais, 825 viaturas e 24 meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

Além destes três grandes incêndios nos distritos de Leiria e de Coimbra, existem 39 fogos de menor dimensão a ser combatidos em Portugal, dispersos por diversos distritos, mobilizando um total de 624 operacionais, 191 veículos e cinco meios aéreos.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), o incêndio que envolve mais meios no terreno continua a ser o de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, que deflagrou na tarde de sábado e que se mantém em curso, encontrando-se a ser combatido por 1.215 operacionais, apoiados por 409 veículos e 15 meios aéreos.

19h14: Governo desmente queda de avião da Proteção Civil

O secretário de Estado da Administração Interna considera que a situação evoluiu “positivamente”, com a extensão das linhas de fogo já mais reduzidas. Jorge Gomes voltou a desmentir a queda de qualquer meio aéreo a operar ao serviço da Proteção Civil, mantendo que os meios aéreos estão todos operacionais.



19h04: Proteção Civil não tem conhecimento da queda de qualquer avião


A Proteção Civil afirma que não tem conhecimento da queda de nenhum avião.

No briefing a partir do posto de comando de Avelar, a ANPC esclareceu que, quando teve conhecimento das notícias, enviou meios de socorro e busca mas que nada foi encontrado. Há meios da Força Aérea Portuguesa que continuam a fazer buscas.

“Não temos qualquer confirmação de qualquer aeronave”, insistiu o comandante operacionais Vaz Pinto. A Proteção Civil garante ainda que nenhuma das aeronaves contratadas pela própria Proteção Civil caiu e que estão todas operacionais.

18h58: Milhares de bombeiros mobilizados

Os incêndios de Pedrógão Grande e Góis continuam a mobilizar milhares de bombeiros. Em Pedrógão Grande permanece 1221 operacionais, apoiados por 411 meios terrestres e 17 meios aéreos. Segundo o site da Proteção Civil, o fogo de Góis mobiliza 1084 operacionais, 371 meios terrestres e 8 meios aéreos.

18h30: Bombeiros concentram-se a alguns metros de onde caiu avião Canadair

Uma dezena de veículos dos bombeiros concentraram-se hoje junto de um posto de combustível, na localidade de Picha, em Pedrógão Grande, a alguns metros de onde alegadamente caiu esta tarde o avião Canadair de combate ao fogo.

O avião terá caído entre as localidades de Picha e Louriceira, numa encosta onde as chamas lavram com grande intensidade como é visível pelo fumo negro, constatou a Lusa no local.

Segundo moradores da zona, vários aviões descarregaram cargas de água na zona para tentar chegar ao local onde caiu o avião Canadair de combate aos incêndios, que operava no fogo de Pedrógão Grande.

Junto ao posto de combustível encontram-se bombeiros da Amadora, Cascais, Belas, Póvoa de Santa Iria, Dafundo, Campo de Ourique, que integram uma equipa de bombeiros da região de Lisboa que chegou hoje ao concelho de Pedrógão Grande para ajudar no combate às chamas.

No local, elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) ordenaram a saída dos jornalistas."As ordens que tenho são para retirar a comunicação social e não os moradores", disse a GNR no terreno.

18h20: Governo não confirma oficialmente queda de Canadair

O secretário de Estado da Administração Interna não confirma a queda do avião Canadair em Pedrógão Grande. Entretanto, o briefing que estava marcado para as 18h00 foi adiado para as 18h30.


17h56: Chamas chegam ao posto de controlo de Góis.

A Proteção Civil garante que o local se mantém em segurança e pede calma aos jornalistas no local.


17h48: Repórter da Antena 1 descreve desastre com Canadair

Em direto para a RTP3, o repórter da Antena 1 Pedro Sá Guerra relatou o momento em que o avião de combate a incêndios Canadair se despenhou.


17h43: Minuto de silêncio na quarta-feira

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, apelou à consagração de um minuto de silêncio nacional na quarta-feira às 13h00, em memória das vítimas dos incêndios, concentrando-se os deputados nas escadarias do parlamento.

Eduardo Ferro Rodrigues falava aos jornalistas no parlamento após a reunião de conferência de líderes parlamentares, em que foi tomada a decisão de apelar à realização de um minuto de silêncio à escala nacional.

"É uma forma de os portugueses que se querem associar e que querem demonstrar a sua coesão neste momento de grande consternação, de grande dor, puderem manifestar-se", afirmou o presidente do parlamento, referindo que os deputados se concentrarão nas escadarias da Assembleia.

17h30: INEM a caminho do local onde Canadair caiu

O INEM está a caminho do local com duas ambulâncias e um helicóptero. O acidente deu-se numa zona de difícil acesso onde há atualmente muito fumo.

O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários indicou à Lusa que foi informado da queda da aeronave na zona de Pedrógão Grande, durante esta tarde, acrescentado que uma equipa deste organismo vai deslocar-se para o local para, em conjunto com a Proteção Civil, proceder às operações.

O avião despenhou-se na zona de Ouzenda, Pedrógão Grande.



17h12: Avião Canadair cai em Pedrógão Grande

Um dos aviões Canadair que combate as chamas em Pedrõgão Grande despenhou-se. Os responsáveis operacionais do posto do comando de Avelar não acrescentaram pormenores sobre este incidente.

A RTP apurou que várias equipas estão a deslocar-se para o local onde se deu a queda da aeronave para tentar perceber se há vítimas.

17h08: PSD quer comissão técnica independente para apurar o que se passou

O PSD pediu hoje a constituição de uma comissão técnica independente para apurar com detalhe o que se passou no incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande e que provou pelo menos 64 mortos.

A vice-presidente do PSD Teresa Leal Coelho, que falava aos jornalistas no final da reunião da Comissão Política Nacional na sede do partido, anunciou que os sociais-democratas vão desafiar os outros partidos a juntar-se nesta proposta.

"Esperemos que todos os partidos se juntem a nós para obtermos respostas irrefutáveis", afirmou, acrescentando que se trataria de uma comissão de peritos e não parlamentar, que seria constituída apenas por técnicos e funcionaria de forma independente do Governo e da administração pública.

17h06: MAI explica polémica com bombeiros espanhóis impedidos de entrar em Portugal

A imprensa galega avança que um grupo de bombeiros espanhóis terá sido impedido pelas autoridades portuguesas de entrar no país.

Confrontada pela imprensa espanhola com esta situação, a ministra da Administração Interna explicou que é necessário garantir condições de segurança e que os bombeiros têm de ser “devidamente coordenados pelas autoridades nacionais de proteção civil”.

Constança Urbano de Sousa explica que “não podemos estar aqui com voluntarismos sob pena dessas pessoas poderem colocar em risco não só a sua vida como as demais”.

A ministra da Administração Interna confirmou entretanto que 80 bombeiros espanhóis deverão juntar-se aos operacionais portugueses no terreno, elevando para 140 o número de bombeiros espanhóis em Portugal.


16h51: Petição por limites aos eucaliptais recolhe mais de dez mil assinaturas


Ao início da tarde desta terça-feira, mais de dez mil pessoas haviam já assinado uma petição pública eletrónica em defesa de limites à plantação de eucaliptos em território português, invocando conhecidos riscos de ignição de incêndios.



16h44: 13 aldeias evacuadas em Pedrógão Grande

O fogo de Pedrógão Grande continua a dar muito trabalho aos operacionais no terreno. O incêndio envolve atualmente mais de 1200 operacionais, apoiados por 405 veículos e 13 meios aéreos. Treze aldeias foram evacuadas no concelho.


16h39: Plano Municipal de Emergência ativado

O Plano Municipal de Emergência de Góis foi ativado às 14h00 de hoje, devido ao incêndio que lavra desde sábado à tarde no concelho, anunciou, em comunicado, a presidente da autarquia, Lurdes Castanheira.

Vinte e sete aldeias do concelho de Góis tiveram hoje de ser evacuadas devido ao alastrar deste incêndio.

O município de Góis faz fronteira com Pedrógão Grande e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e com o concelho da Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra, para onde as chamas progrediram, após deflagrarem no sábado, em Fonte Limpa.

16h35: Ministra da Administração Interna fala aos jornalistas. Acompanhe em direto na RTP3.

A ministra da Administração Interna confirma que têm sido evacuadas aldeias nos concelhos de Góis e Pedrógão Grande por precaução. Constança Urbano de Sousa apela às populações locais para que sigam as instruções das autoridades.

A governante indicou que estão a chegar mais 40 bombeiros de Espanha por via aérea e que outros 40 estão a chegar por via terrestre para serem integrados nas equipas que estão no terreno. Ao todo, haverá 140 bombeiros espanhóis no terreno.

16h34: Meios da fase Charlie no terreno

Os meios de combate previstos para o período mais crítico em incêndios florestais, que devia começar a 01 de julho, estão todos no terreno, segundo o Ministério da Administração Interna (MAI).

Fonte oficial do MAI avançou à agência Lusa que "todos os meios da fase 'Charlie' já estão no terreno".

Segundo o MAI, os meios de combate foram ativados à medida "do desenvolvimento e necessidades" dos fogos da região Centro.

Segundo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), a fase 'Charlie' envolve 9.740 operacionais e 2.065 viaturas, apoiados por 48 meios aéreos e 236 postos de vigia da responsabilidade da Guarda Nacional Republicana.

Esta fase mais crítica em incêndios florestais devia começar a 01 de julho e termina a 30 de setembro.

16h26: Ministro da Defesa faz balanço dos trabalhos.

O ministro Azeredo Lopes começou por exprimir a sua solidariedade a todos os que estão a combater os incêndios no centro do país. O governante indicou que a Defesa Nacional está e continuará a dar o seu contributo na prevenção, rescaldo e na logística do combate.

16h10: 27 povoações evacuadas

O secretário de Estado da Administração Interna confirmou à RTP a chegada de um novo reforço de meios aéreos que chegará de Espanha. Está ainda a haver um reforço de operacionais no local, prevendo-se que haja mais de mil bombeiros a combater o incêndio de Góis nos próximos minutos.

Jorge Gomes indicou ainda que foram ou estão a ser evacuadas por precaução 27 povoações. Não há vítimas a registar.

16h08: Quarenta fogos mobilizam mais de 2.800 bombeiros e 24 meios aéreos

O número de incêndios a lavrar em Portugal tem aumentado nas últimas horas, registando-se pelas 15:30 de hoje um total de 40 fogos florestais, mobilizando 2.816 operacionais, auxiliados por 928 viaturas e 24 meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

Às 09:30 de hoje lavravam 12 fogos em território nacional, número que duplicou no período de duas horas e meia para 24 focos de incêndio às 12:15, e que voltou a aumentar para 40 fogos às 15:30, de acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

Dos 40 incêndios a nível nacional, dez encontram-se em curso (incêndio em evolução sem limitação de área), cinco em resolução (incêndio sem perigo de propagação para além do perímetro já atingido) e 25 em conclusão (incêndio extinto, com pequenos focos de combustão dentro do perímetro do incêndio).

A maioria dos operacionais (2.221 do total de 2.816), das viaturas (749 do total de 928) e dos meios aéreos (21 do total de 24) que estão a combate os fogos que lavram em Portugal, estão destacados para os três grandes fogos nacionais, localizados nos concelhos de Pedrógão Grande (Leiria), Góis e Penela (Coimbra).


15h59: Primeiros funerais realizam-se hoje

Os funerais de seis das vítimas do incêndio que deflagrou sábado em Pedrógão Grande, Leiria, realizam-se ao fim da tarde de hoje, disseram à Lusa fontes do município de Castanheira de Pera e da paróquia de Pedrógão Grande.

O presidente da Câmara Municipal de Castanheira de Pera, Fernando Lopes, disse à Lusa que o funeral de quatro das vítimas vai realizar-se às 18:00 em Sarzedas de S. Pedro, tendo o padre de Pedrógão Grande, Júlio Santos, confirmado o funeral de outras duas vítimas dos incêndios em Vila Facaia às 18:30.


15h55: O incêndio visto do Espaço


Imagens do espaço captadas pela NASA revelam a dimensão do fogo que atingiu a zona de Pedrógão Grande. Um sistema que permite visualizar a evolução do incêndio ao longo dos dias.


15h49: Oitenta bombeiros espanhóis chegam hoje a Góis

Oitenta bombeiros espanhóis chegam hoje a Portugal para ajudar no combate ao incêndio de Góis, disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério da Administração Interna (MAI).

A mesma fonte adiantou que 40 bombeiros da Galiza chegam a Portugal por via terrestre e outros 40 operacionais de várias regiões espanholas por helicóptero.

Segundo o MAI, os bombeiros da Galiza chegam a Portugal com viaturas próprias e vão ser integrados numa coluna nacional.

15h44: Góis com situação complicada. Autoridades tentam evitar expansão a Arganil, Oliveira do Hospital e Lousã

O secretário de Estado da Administração Interna deu conta à RTP que as chamas estão a progredir de forma rápida, com um vento a ser desfavorável às operações. O governante confirma que 18 povoações foram evacuados por precaução, não havendo feridos a registar.

Jorge Gomes explicou à RTP que há algumas estradas que foram cortadas pela GNR e disse que as autoridades estão a tentar evitar que o incêndio chegue ao concelho de Lousã. “Um ponto crítico”, alertou.

O governante explica que o incêndio ganhou dimensão e tem agora múltiplas frentes. “Vamos continuar a trabalhar com determinação”, garantiu.

Jorge Gomes avançou que o incêndio não chegou ainda aos concelhos de Lousã, Arganil e Oliveira do Hospital, mas que as autoridades locais já se estão a preparar para essa eventualidade.


15h35: 852 bombeiros em Góis


Segundo a informação apresentada na página da Proteção Civil, o incêndio de Góis mobiliza atualmente 852 bombeiros, apoiados por 292 meios terrestres e seis meios aéreos.

Em Pedrógão Grande, o incêndio mobiliza 1209 bombeiros, apoiados por 405 meios terrestres e 14 meios aéreos.


15h28: Avião Canadair chega hoje a Portugal proveniente de Marrocos

Um avião Canadair chega ainda esta segunda-feira a Portugal proveniente de Marrocos para ajudar no combate aos incêndios na zona centro do país, disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério da Administração Interna.

Hoje, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano Sousa, tinha afirmado aos jornalistas que estavam a ser feitos contactos com Marrocos para disponibilizar os meios aéreos possíveis.

Segundo fonte oficial do MAI, Marrocos acaba de disponibilizar um avião Canadair, que chega ainda hoje a Portugal.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), a nível nacional lavravam, pelas 12:15 de hoje, três grandes incêndios nos distritos de Leiria e de Coimbra.


A situação dos incêndios ao minuto


Desde sábado que os fogos não dão descanso aos bombeiros portugueses. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, é agora em Góis que a situação se apresenta mais preocupante.

Neste concelho do distrito de Coimbra, 18 aldeias foram já evacuadas e pelo menos cem pessoas foram retiradas de casa. Na aldeia de Cabreira foram também retirados idosos de um lar. Há ainda outros locais de sobreaviso.

No terreno estão cerca de mil operacionais, apoiados por 400 viaturas. Portugal já pediu ajuda a Marrocos que vai enviar meios aéreos.

Já com a situação mais calma mas com o fogo ainda por controlar, os bombeiros continuam a combater as chamas em Pedrógão Grande. O fogo provocou 64 mortos e 160 feridos, sete dos quais permanecem em estado grave.

O Governo tenta também agora apurar responsabilidades. O primeiro-ministro publicou um despacho onde pede esclarecimentos urgentes sobre o funcionamento da rede de SIRESP no incêndio de Pedrógão Grande e sobre os motivos da ausência de uma ordem de encerramento da estrada nacional 236-I, onde ocorreu um elevado número de mortes.

Acompanhamos a situação dos incêndios em Portugal ao minuto e em direto na RTP.


Acompanhe a emissão da RTP3

A informação mais vista