Rumos (9)

Kimi Djabaté | 27 Jun, 2018 | Episódio 26

Partilhar este episódio
Posição Corrente: minutos e segundos
Ir para o Minuto:
Play - Rumos

Rumos (9)

Kimi Djabaté | 27 Jun, 2018 | Episódio 26

O seu magazine inteiramente dedicado às culturas lusófonas, nunca falta à chamada, e claro, é dia de Rumos. Várias faces da enorme riqueza da nossa cultura comum, com África sempre como inspiração, marcam presença, como sempre, no nosso programa.
As nossas propostas desta semana começam pelo lado social e humanitário. Não quisemos deixar de partilhar consigo o Projeto Sonha, Faz e Acontece, um projeto único e muito abrangente com inúmeras ações e atividades que tem mesmo de ficar a conhecer.
Kimi Djabaté chegou a Portugal em 1995 e trouxe da sua Guiné e da família Griot a tradição musical. Desde então, nunca mais parámos de o acompanhar, e por isso mesmo, o músico guineense é o convidado da Patrícia Figueiredo para nos falar do que tem andando a fazer.
Fomos até ao Espaço Espelho d´Água para desfrutar da música do Moçambicano Mbalango e do som inigualável da Mbira, um instrumento ancestral africano mágico.
Esta semana, "Em Cartaz" temos o filme "Ruth" que explora a chegada a Portugal de Eusébio, o maior ícone do futebol português do século XX.
Aproveitámos a passagem do escritor cabo-verdiano Germano Almeida pela Feira do Livro de Lisboa para com ele falarmos sobre o Prémio Camões 2018, que ganhou recentemente e o seu novo livro "O Fiel Defunto".
O novo trabalho discográfico do Rapper Boss AC chega no ano em que se assinalam duas décadas do seu primeiro álbum. O EP "Patrão" não estaria completo sem o single "Queque foi", que lhe mostramos, aqui no Rumos.
Esperamos por si. A sua companhia é fundamental. Fique connosco, aqui, na sua, na nossa, RTP África! Magazine produzido em exteriores - que tem, como primeiro objetivo, as comunidades africanas e a sua integração na sociedade portuguesa, abordando as vertentes - língua, poesia, música e outras. Abordará ainda a realidade de outras comunidades de língua portuguesa (brasileira, timorense e macaense) para acentuar a multiculturalidade, espaço de tolerância e a capacidade de inclusão de povos que se entendem em língua portuguesa.