Segundo submarino chegou a Portugal

| País

"NRP Arpão" entrou no Tejo às 9h e passou quase despercebido
|

O segundo submarino da Marinha portuguesa, comprado ao German Submarine Consortium, através da Man Ferrostaal, chegou durante a manhã à Base Naval de Lisboa, no Alfeite. O “Arpão” e o “Tridente”, entregue em agosto do ano passado, custaram ao Estado português cerca de mil milhões de euros. Os novos submarinos deram origem a duas investigações: uma sobre a compra dos navios, outra relativa às contrapartidas que Portugal teria de receber.

Neste caso, o Ministério Público acusa 10 gestores (portugueses e alemães) de burla qualificada e falsificação de documentos. O processo prende-se com as contrapartidas financeiras definidas no contrato de aquisição dos dois submarinos.

O contrato definia que o consórcio alemão devia dar contrapartidas, sob a forma de oportunidades de negócio a empresas portuguesas, no valor de 1,2 milhões de euros. No entanto, a investigação concluiu que um determinado conjunto de negócios foram dados como contrapartidas sem que de facto tal se verificasse.

Na Alemanha, o presidente executivo da Ferrostaal foi indiciado por suspeita de abuso de confiança, no âmbito do alegado escândalo de corrupção que inclui a venda de submarinos a Portugal e à Grécia. Matthias Mitschlerlich foi exonerado, após a investigação ter concluído que teria encoberto o pagamento de “luvas” para que a empresa conseguisse vender submarinos à Grécia, entre 2000 e 2002. Mitschlerlich rejeita as acusações.

A Comissão Europeia também vai analisar o negócio e apurar alegadas violações de regras do mercado, a pedido da eurodeputada Ana Gomes.

Um negócio de 833 milhões
O segundo submarino comprado para a Marinha portuguesa chegou esta manhã à Base Naval de Lisboa, no Alfeite. Entrou no Tejo às 9h, seguindo para Cacilhas. A maioria das pessoas que enfrentavam a chuva e viram o submarino ficou indiferente.

Além do “NRP Arpão”, também o “Tridente”, que chegou a Portugal em agosto do ano passado, foi encomendado pelo Estado português à empresa alemã Ferrostaal. A aquisição dos dois submarinos custou a Portugal 833 milhões de euros.

O “NRP Arpão”, que será comandado pelo Capitão-tenente Nuno Baptista Pereira, atinge uma velocidade máxima de 20 nós e garante uma autonomia máxima de 45 dias, possuindo "capacidade para lançar mísseis, de defesa aérea e luta de superfície, e capacidade para lançar torpedos, de luta de superfície e subsuperfície", refere a Marinha, citada pela Lusa.

A informação mais vista

+ Em Foco

Rui Rio foi o convidado desta quarta-feira da Grande Entrevista. O ex-autarca vê "uma forma diferente" de elaborar o Orçamento na proposta de Centeno, mas considera errada uma tão rápida devolução de rendimentos.

Francisco Ferreira, presidente da associação ambiental Zero, deixa elogios às bases do acordo alcançado na Conferência do Clima. Entrevista ao programa da RTP "Olhar o Mundo".

A Antena1 e o site da RTP visitam Melo, no concelho de Gouveia. Reportagem multimédia, entrevistas com especialistas e as palavras de Vergílio Ferreira nos arquivos da Antena 1 e da RTP.

    A 9 de Março de 2016 completam-se 100 anos sobre o início da beligerância portuguesa. Uma data que a RTP começa desde já a assinalar.