Cunha Rodrigues considera inadmissível que um governante seja escutado vários anos

por Antena 1

Foto: Pedro A. Pina - RTP

O antigo procurador-geral da República, Cunha Rodrigues, entende que tem de haver ponderação no uso de escutas telefónicas. E sobre o caso do antigo ministro das Infraestruturas, João Galamba, alegadamente escutado ao longo de quatro anos no âmbito da operação Influencer.

Cunha Rodrigues defende que não é admissível que um governante seja escutado durante vários anos.
pub