Reportagem Caça ao homem em Espanha após ataques terroristas

Pelo menos 14 vítimas mortais e 130 feridos é o último balanço do ataque de quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona, quando uma carrinha conduziu deliberadamente contra a multidão. O atentado foi reivindicado pelo Estado Islâmico. Durante a madrugada, uma segunda ação em Cambrils fez pelo menos sete feridos. A polícia estabeleceu um laço entre os dois atentados.

Fazer refresh a esta área
Clique aqui para atualizar

23h59 - O que se sabe até agora

  • O último balanço dá conta de 14 vítimas mortais, 13 nas Ramblas, quando um carro conduziu deliberadamente contra uma multidão, e uma em Cambrils, numa tentativa de ataque detida pela polícia, tendo sido abatidos cinco terroristas
  • Há uma portuguesa entre as vítimas mortais. Trata-se de uma mulher de 74 anos, que viajou ontem para Barcelona com a neta. A rapariga de 20 anos está em paradeiro desconhecido
  • Seis das vítimas mortais do atentado de Barcelona foram identificadas através das impressões digitais
  • A vítima de Cambrils também foi identificada e é de nacionalidade espanhola
  • Sete vítimas mortais ainda estão por identificar
  • As vítimas mortais e feridos são de pelo menos 34 nacionalidades
  • 59 pessoas, de 22 nacionalidades, ainda estão internadas, 15 em estado crítico e 25 em estado grave
  • Os cinco homens que foram abatidos em Cambrils já foram identificados pela polícia
  • Foram detidos quatro suspeitos devido a ligações ao ataque
  • O atentado de Barcelona foi reivindicado pelo Estado Islâmico. A organização terrorista não falou sobre Cambrils, mas a polícia catalã estabelece ligação entre os dois ataques
  • As autoridades acreditam que o ataque foi preparado em Alcanar, a 200 quilómetros de Barcelona, onde foi registada uma explosão na noite de quarta-feira. Os terroristas preparavam um ataque de grande envergadura, mas a explosão inesperada terá precipitado os acontecimentos
23h15 - Secretário de Estado das Comunidades desloca-se a Barcelona

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, parte sábado de manhã para Barcelona, para se encontrar com a família da portuguesa morta no ataque terrorista de quinta-feira, naquela cidade, disse hoje fonte oficial.

O secretário de Estado vai encontrar-se com os familiares da vítima mortal, uma mulher de 74 anos, que residia na área da Grande Lisboa, manifestar a sua solidariedade e apoiar nas diligências a efetuar, segundo a mesma fonte.

José Luís Carneiro indicou hoje à agência Lusa, que os pais da jovem portuguesa dada como desaparecida em Barcelona, na quinta-feira, foram chamados pelas autoridades espanholas para verificarem a identidade de uma das vítimas no Instituto Forense.

Segundo o governante, "tudo leva a crer que a jovem esteja entre as vítimas mortais".

22h50 - Hipótese de Moussa Oukabir ser o condutor da carrinha em Barcelona “perde peso”

Numa entrevista à Europa Press, o chefe dos Mossos d'Esquadra, Josep Lluís Trapero, diz que a hipótese se mantém, mas “perde peso”.


O jornal El Pais veio entretanto dizer que apesar de ter inicialmente referido que Younes Abouyaaqoub tinha sido um dos homens abatidos, baseado em fontes policiais da luta antiterrorista, avançou depois uma outra informação em que garantia que ele estava vivo  e era procurado pelas autoridades, sendo possível que fosse ele o homem que conduziu a carrinha nas Ramblas.

22h00 - Identificação de seis vítimas do atentado em Barcelona
A identificação das vítimas foi realizada através das impressões digitais.

A polícia diz que os cinco homens abatidos já foram identificados, dando conta de quatro detidos e três identificados.


A Cadena Ser diz que o porta-voz da polícia de Barcelona Mossos, Albert Oliva confirmou a identidade dos homens abatidos em Cambrils: os irmãos Omar, Mohamed e Hychami, Houssaine Abouyaaqoub, Said Aallaa y Oukabir.



21h00 - Polícia espanhola dá como morto Younes Abouyaaqoub, diz El Pais citando fontes da luta antiterrorista

O marroquino de 22 anos seria o último presumível terrorista que estava a ser procurado pelas autoridades relacionado com os atentados de Barcelona.

20h48 - Marcelo envia condolências à familia da vítima portuguesa.
Na sua comunicação ao país, o Presidente da República, manifestou o seu profundo pesar pelos acontecimentos em Barcelona. Marcelo Rebelo de Sousa já falou com o Rei de Espanha, Filipe VI, para comunicar-lhe que o povo português está ao lado do espanhol nesta hora de dor.


20h36 - Pais da jovem desaparecida foram chamados ao Instituto de Medicina Legal de Barcelona.

19h17 - Três dos suspeitos procurados estão entre os terroristas abatidos em Cambrils.

A informação está ser avançada pelo jornal El Mundo que também confirma que o condutor da carrinha está entre os cinco terroristas abatidos durante a madrugada em Cambrils.

18h07 - Mossos d´Esquadra não confirma que condutor está entre terroristas abatidos.
17h25 - Condutor da carrinha é um dos cinco terroristas abatidos em Cambrils

A informação está a ser avançada pelos jornais El País e El Periódico.

17h01 - Quatro suspeitos procurados pela polícia

Fotografia divulgada pelo jornal El País dos quatro suspeitos que estão a ser procurados pela polícia espanhola.



16h36 - Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, faz declaração sobre atentados em Barcelona às 20h30.
De acordo com fonte da Presidência da República, o chefe de Estado falará na Junta de Freguesia de Almancil, no concelho de Loulé.

15h04 - Norte-americano entre as vítimas mortais

O secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson confirma a morte de um homem oriundo dos Estados Unidos no ataque de Barcelona.

15h20 - Tudo o que se sabe até agora

  • O último balanço dá conta de 14 vítimas mortais, 13 nas Ramblas, quando um carro conduziu deliberadamente contra uma multidão, e uma em Cambrils, numa tentativa de ataque detida pela polícia, tendo sido abatidos cinco terroristas
  • Há uma portuguesa entre as vítimas mortais. Trata-se de uma mulher de 74 anos, que viajou ontem para Barcelona com a neta. A rapariga de 20 anos está em paradeiro desconhecido
  • Três espanhóis, três alemães, dois italianos e uma cidadã belga estão entre as vítimas mortais
  • No total há 130 feridos, 17 em estado crítico e 30 em estado grave
  • As vítimas mortais e feridos são de pelo menos 34 nacionalidades
  • Foram detidos quatro suspeitos devido a ligações ao ataque
  • O suspeito autor do ataque nas Ramblas ainda não foi identificado e poderá estar entre os terroristas abatidos, segundo foi admitido pela polícia catalã ao início da tarde. Durante a manhã, a imprensa apontou Moussa Oukabir, um jovem marroquino de 18 anos, como o presumível condutor da viatura
  • O atentado de Barcelona foi reivindicado pelo Estado Islâmico. A organização terrorista não falou sobre Cambrils, mas a polícia catalã estabelece ligação entre os dois ataques
  • As autoridades acreditam que o ataque foi preparado em Alcanar, a 200 quilómetros de Barcelona, onde foi registada uma explosão na noite de quarta-feira. Os terroristas preparavam um ataque de grande envergadura, mas a explosão inesperada terá precipitado os acontecimentos

15h03 - Trump volta a reagir aos atentados em Barcelona

"O terrorismo islâmico deve ser detido com todos os meios necessários. Os tribunais devem devolver-nos os nossos direitos à proteção", disse no Twitter o Presidente norte-americano.
Numa mensagem publicada na mesma rede social, Donald Trump garante que as autoridades norte-americanas estão "alerta" e atentas "a qualquer sinal de problema".

"As nossas fronteiras devem ser mais fortes que nunca!", acrescentou.
14h46 - Ramblas: o regresso à normalidade

Menos de 24 horas depois do ataque em Barcelona, o coração da cidade volta à normalidade. Desde as 15h00 (14h00 em Lisboa) que foram levantadas todas as restrições de tráfego no centro de Barcelona. Foram também reabertas as estações de metro encerradas desde quinta-feira à tarde.

Quanto ao comércio, todas as lojas junto ao local do atentado foram reabertas, com exceção de um Mercado, que continua encerrado por "questões logísticas", segundo conta o diário El Mundo.

14h38 - Cinco terroristas abatidos transportavam facas

Antes de serem abatidos, os presumíveis terroristas de Cambrils feriram na cara, com uma faca, uma pessoa que se encontrava no local. Os cinco indivíduos transportavam facas e um machado no carro.

14h34 - Papa condena "violência cega" em Barcelona

Numa mensagem enviada ao cardeal de Barcelona, o papa Francisco condena o ato de "violência cega" e uma "ofensa grave ao Criador".

14h28 - As homenagens multiplicam-se junto às Ramblas




Fotografias: Sandra Felgueiras, enviada especial da RTP a Barcelona

14h10 - Atentados foram preparados em Alcanar

O chefe da polícia da Catalunha confirma que os atentados de quinta-feira estavam a ser preparados na pequena localidade catalã, numa casa onde a polícia encontrou material explosivo, e onde ocorreu mesmo uma explosão na noite de quarta-feira, provocando uma vítima mortal.

Josep Lluis Trapero, responsável pelos Mossos d’Esquadra, confirma que os terroristas poderiam estar a preparar “um atentado ou vários”, e que a explosão precipitou os acontecimentos, o que evitou um atentado de maior alcance.

Segundo o responsável, nenhum dos quatro detidos por ligações aos atentados “tem antecedentes” ou ligações ao terrorismo. Três têm origem marroquina, um dos detidos é espanhol. Têm entre 21 e 34 anos.

A polícia catalã refere ainda que o suspeito procurado pela polícia, responsável pelo atropelamento deliberado nas Ramblas, poderá encontrar-se entre o grupo de cinco terroristas abatidos em Cambrils. O indivíduo continua por identificar.

Dos cinco terroristas abatidos, quatro foram abatidos por uma só agente da polícia. "Matar quatro pessoas, mesmo que se seja um profissional, não é algo fácil de digerir", disse o chefe dos Mossos.

14h02 - Mais uma vítima mortal identificada

Trata-se de um menino de três anos, residente em Rubí, perto de Barcelona. A notícia é avançada pelo El País.

13h58 - O "processo rápido" de radicalização na era da internet

Na edição desta sexta-feira do Jornal da Tarde, Paulo Dentinho analisou o contexto de recrudescimento do extremismo islâmico em Espanha, na sequência dos atentados da véspera na Catalunha.


"A internet gera aqui um processo muito rápido de conversão, vendo algumas imagens, incitando ao medo, ao ódio e sobretudo um mal-estar por não fazer nada", observou o jornalista da RTP, que considerou ainda que a resposta internacional ao terrorismo islamita não está a surtir efeitos.


13h54 - Governo continua à procura de informações sobre a portuguesa desaparecida

No Jornal da Tarde, o secretário de Estado das Comunidades refere que as autoridades portuguesas continuam à procura de informações sobre o paradeiro de uma jovem de 20 anos, neta da vítima mortal portuguesa já confirmada.

José Luís Carneiro confirmou o grau de parentesco com as vítimas e refere que, para já, não pode ser excluída nenhuma hipótese.

13h50 - As principais reações internacionais

Sobretudo através de redes sociais e comunicados, foram chegando a Espanha várias mensagens de condolências de alguns dos principais líderes mundiais.


13h29 - Mariano Rajoy: "O objetivo é deter os autores dos atentados o mais rapidamente possível"

O chefe do Governo espanhol fala nesta altura ao país, ao lado do presidente da Generalitat. Rajoy anuncia que o Governo vai reunir-se no sábado para decidir se vai elevar o nível de alerta em Espanha, do nível 4 para o nível 5.

Mariano Rajoy agradece toda a solidariedade internacional, mas refere que a Europa terá de cooperar mais no futuro para evitar futuros atentados: "É importante que trabalhemos juntos e troquemos todas as informações. Este é o principal problema da Europa na atualidade", considerou.

"Estes atentados não são apenas contra o nosso país, mas também contra todos os países que defendem a liberdade e os valores democráticos", acrescentou o líder do Governo espanhol.

13h11 - Cambrils, pela segunda vez o terrorismo

Uma das localidades visadas nos atentados de quinta-feira foi a estância de Cambrils, onde morreu uma pessoa e seis ficaram feridas. Contudo, esta não foi a primeira vez que o terrorismo passou por aqui. Foi em Cambrils que tiveram lugar sessões decisivas na preparação dos ataques terroristas de 11 de Setembro.


12h58 - Marcelo Rebelo de Sousa exprime pesar por morte de portuguesa

Num contacto telefónico com a RTP, o Presidente da República disse "acompanhar o luto" da família da vítima, a quem apresentou "as mais sinceras e mais sentidas condolências".

"Não queria deixar de exprimir desde já, em nome de todos os portugueses, essa dor, esse pesar pela morte de uma concidadã numa tragédia provocada pelo terrorismo e que ceifou mais vítimas", disse o Presidente, comovido.

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou ainda que os grupos terroristas visam "ganhar notoriedade", em países onde o turismo "permite uma multiplicação do impacto mediático", pelo que as aglomerações de turistas são um alvo preferencial.

Contudo, referiu, "o Governo já explicou ontem (...) que não há razão para elevar o nível de alerta em Portugal".

12h51 - Mossos d'Esquadra confirmam quarta detenção

A polícia da Catalunha confirma que foi detido um quarto suspeito. Até agora, tinham sido detidos dois suspeitos em Ripoll e outro em Alcanar. Um dos detidos em Ripoll é o irmão mais velho do principal suspeito, que terá conduzido a viatura conta a multidão nas Ramblas, em Barcelona.


12h48 - Novo balanço: 130 feridos

Sobe para 130 o número de feridos nos atentados de Barcelona e de Cambrils, confirmam os serviços de emergência da Catalunha. Destes feridos, 17 estão em estado crítico e outros 30 em estado grave.

12h42 - França reforça controlo na fronteira com Espanha

O jornal espanhol El Pais avança que as autoridades francesas reforçaram os controlos fronteiriços com Espanha para impedir uma eventual fuga de membros da célula terrorista que ontem visou a Catalunha. A informação foi confirmada ao diário pelo ministro francês do Interior.

12h25 - Mais informações sobre as portuguesas

"Infelizmente, confirma-se, para já, o nome de uma portuguesa, nascida em 1943, com residência em Lisboa. É uma das vítimas mortais", disse José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades, à agência Lusa, adiantando que a informação foi confirmada ao final da manhã.

"Encontra-se mais uma portuguesa desaparecida, que terá 20 anos. Estamos a desenvolver diligências para tentar verificar o seu paradeiro", frisou.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado já informou a família da vítima mortal portuguesa, a quem transmitiu "disponibilidade para apoiar em tudo o que for necessário". Um dos familiares já se encontra em Barcelona, acrescentou.

Segundo as informações recolhidas pelo Governo junto dos hospitais que receberam vítimas do ataque, entre os feridos não há portugueses, realçou, adiantando que há cerca de 35 mil portugueses inscritos nos serviços consulares na região da Catalunha.

"Mas há depois uma população flutuante, sobretudo do fluxo de turismo, fluxo de trabalho, fluxo de investimento, há, de facto, muitos fluxos, que têm como destino Barcelona. Portanto, temos de continuar, como sempre dissemos, a aguardar por todas as informações até às ilações finais", sublinhou o governante.

12h15 - António Costa envia condolências à família

O primeiro-ministro português lamentou a morte da portuguesa de 74 anos, vítima do atentado de quinta-feira em Barcelona.


12h14 - Vítimas mortais e feridos: 34 nacionalidades

A Proteção Civil de Espanha confirma num balanço provisório que há 34 nacionalidades entre as vítimas mortais e os feridos. No entanto, serão pelo menos 35 nacionalidades, uma vez que a lista ainda não foi atualizada depois de confirmada a morte de uma portuguesa.


12h11 - Madrid sob proteção máxima

A Câmara Municipal de Madrid está a colocar canteiros e pinos nas ruas centrais. A agência EFE confirma que a colocação destes obstáculos está a ser feita por motivos de segurança, na sequência dos atentados na Catalunha.

11h56 - Portuguesa entre as vítimas mortais em Barcelona

Uma mulher de nacionalidade portuguesa, nascida em 1943 e residente em Lisboa, é uma das 13 vítimas mortais do ataque registado na quinta-feira, em Barcelona, confirmou à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Uma jovem portuguesa, neta da vítima mortal, continua desaparecida. A RTP apurou que as duas portuguesas tinham chegado a Barcelona na quinta-feira cinco horas antes da tragédia. Dirigiram-se para um hotel perto das Ramblas, onde ocorreu o primeiro atentado. Os familiares conseguiram contactá-las pela última vez antes das 16h00.



11h53 - Duas portuguesas desaparecidas em Barcelona

A RTP sabe que duas portuguesas estão desaparecidas. São avó e neta, de 20 e 74 anos. A família já contactou o consulado português em Barcelona.

11h42 - "Reconquistar Al Andaluz"

O jornal espanhol El Mundo lembra que uma das primeiras promessas do Estado Islâmico, logo em 2014, foi precisamente a reconquista de Al Andaluz, ou seja, a Península Ibérica.

11h30 - Número de vítimas sobre para 14

Trata-se da primeira vítima do ataque em Cambrils, na noite de sexta-feira. A mulher encontrava-se em estado crítico. No total, morreram 14 pessoas nos atentados de Barcelona e Cambrils.

11h17 - Polícia catalã confirma buscas por Moussa Oukabir

O jovem é referenciado por várias fontes policiais como o principal suspeito pelo ataque nas Ramblas, que causou 13 mortos. Em declarações ao El País, os Mossos D'Esquadra, polícia catalã, confirmam que estão à procura de Moussa Oukabir, mas referem que "ainda não se concluiu que foi ele o condutor da viatura". 

11h02 - Cumprido o minuto de silêncio na Praça da Catalunha

Uma multidão juntou-se no centro de Barcelona para homenagear as vítimas. Ao minuto de silêncio seguiu-se um longo aplauso. O rei de Espanha Felipe VI e o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, estiveram no local.

Sergio Perez - Reuters

"No tinc por" ("Não tenho medo"), são os gritos ouvidos, em catalão, no final do aplauso.



11h00 - Em Madrid, com Barcelona

Na capital espanhola cumpre-se o miniuto de silêncio em homenagem às vítimas do atentado de quinta-feira.



10h58 - Rei de Espanha no minuto de silêncio

Começa dentro de alguns minutos a homenagem às vítimas na Praça da Catalunha. À homenagem junta-se Felipe VI, rei de Espanha, segundo confirmou a Casa real através do Twitter.


10h51 - Minuto de silêncio em Bruxelas

O minuto de silêncio marcado para as 12h00 (menos uma hora em Portugal) será também cumprido pela Comissão Europeia. Em Bruxelas, as bandeiras estão a meia haste devido ao "atentado terrível e cobarde". Na mensagem em castelhano, a Comissão diz estar "com Barcelona e com Espanha". 


10h45 - Governo português aconselha Registo Viajante

O secretário de Estado das Comunidades aconselha os viajantes de nacionalidade portuguesa a fazerem uso da aplicação móvel Registo Viajante. José Luís Carneiro apela ainda a que se evitem locais com grandes concentrações de pessoas.

“Eu recomendo aos portugueses que estão em viagem, em turismo ou em trabalho, a utilização da aplicação Registo Viajante. É uma aplicação móvel gratuita que permite termos uma base de dados dos portugueses que estão em movimento”, apontou o secretário de Estado das Comunidades, em declarações à agência Lusa.

Sobre os feridos no atentado, continua a não haver registo de portugueses. “Quanto às vítimas mortais, continua ainda o processo de identificação. Vamos aguardar durante a manhã”, disse o secretário de Estado.

10h37 - Primeiras vítimas identificadas

A primeira vítima do ataque nas Ramblas é Francisco López Rodríguez, com cerca de 60 anos, natural de Granada. A mulher da vítima está entre os feridos graves. Desta família morreram ainda uma sobrinha e o respetivo filho, menor de idade, revela o jornal El País. As três vítimas mortais são de nacionalidade espanhola.

10h13 - O presumível autor do ataque

A polícia catalã procura Moussa Oukabir Soprano, principal suspeito do ataque com uma carrinha nas Ramblas.

Segundo a agência EFE, Moussa veio de Marrocos no passado dia 13 de agosto. Várias fontes referem que tem 18 anos, outras garantem que é menor. Moussa é o irmão mais novo de Driss Oukabir, um dos suspeitos detidos pela polícia em Ripoli, que diz ter sido alvo de roubo de documentação que foi usada para alugar os dois veículos.

O jornal La Vanguardia conta que o suspeito completou 18 anos "há pouco tempo" e que, já aos 16 anos, publicava mensagens suspeitas. Na plataforma de perguntas e respostas Kiwi, Moussa Oukabir respondia que nunca viveria "no Vaticano" e que desejava "matar os infiéis" e deixar que apenas os muçulmanos professem a sua religião.

10h01 - Ataque de Cambrils: cinco pessoas continuam hospitalizadas

Dos sete feridos cinco continuam internados nos hospitais de Tarragona. Uma das vítimas está em estado crítico, duas têm ferimentos graves e outras duas apresentam ferimentos ligeiros.

9h55 - Aeroporto de Barcelona com zonas reservadas para familiares

A polícia da Catalunha, a Cruz Vermelha e a Proteção Civil reservaram dois espaços no aeroporto de Barcelona para receberem os familiares afetados pelo atentado de quinta-feira.

Os trabalhadores da Eulen Seguridad, responsável pelos controlos de acesso no aeroporto de Barcelona - El Prat, decidiram suspender temporariamente a greve que mantêm desde 14 de agosto.

9h50 - Presumível autor do atentado tem 17 anos

Moussa Oukabir, de 17 anos, é o principal suspeito das autoridades catalãs do atropelamento nas Ramblas, que fez 13 mortos. O presumível autor do ataque é considerado perigoso e encontra-se em fuga.

Segundo o jornal El Mundo, Moussa Oukabir é irmão de um dos detidos em Ripoll. O menor terá roubado o passaporte do irmão mais velho para alugar duas viaturas, uma delas foi usada no ataque.



9h40 - Países do sudeste asiático também condenam

Filipinas e Malásia condenaram o ataque terrorista em Barcelona. Também a Indonésia, o maior país muçulmano do mundo, expressou "profundo pesar e solidariedade" para com as vítimas dos "atos de terror" em Espanha.

9h35 - Conselho de Segurança da ONU condena atentado

Durante a noite foram várias as entidades e países que condenaram os atentados na Catalunha. Em comunicado, os 15 países do Conselho de Segurança das Nações Unidas condenaram o "bárbaro e cobarde ataque terrorista".

O órgão da ONU reafirmou a necessidade de todos os Estados combaterem os terroristas "com todos os meios.

9h30 - Tudo começou em Alcanar

Horas antes dos ataques em Barcelona e Cambrils, uma explosão em Alcanar na noite de quarta-feira fez um morto e sete feridos. Segundo a polícia catalã, a investigação liga os dois acontecimentos "de forma clara e com poucas dúvidas".

As autoridades acreditam que os terroristas estariam a trabalhar num engenho explosivo, uma vez que foram encontrados cerca de 20 recipientes com químicos.

9h10 - Terceiro suspeito detido pelas autoridades catalãs

Os dois suspeitos detidos na quinta-feira foram encontrados pela polícia em Ripoll e Alcanar. Esta sexta-feira, a polícia espanhola dá conta de um terceiro detido, novamente em Ripoll, a pouco mais de 100 quilómetros de Barcelona.

Sabe-se que nenhum dos dois detidos de quinta-feira era o condutor da carrinha usada no ataque. Sobre o suspeito detido esta madrugada, a polícia não revelou quaisquer pormenores.

9h00 - O que sabemos sobre os acontecimentos em Espanha:

  • Um condutor atropelou vários transeuntes nas Ramblas, uma das zonas mais movimentadas de Barcelona, ao final da tarde de quinta-feira
  • Morreram pelo menos 13 pessoas e há registo de uma centena de feridos. Entre as vítimas mortais há espanhóis e vários estrangeiros. Os feridos são de 18 nacionalidades diferentes.
  • O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas refere que ainda não há registo de portugueses entre as vítimas mortais
  • O atentado de Barcelona foi reivindicado pelo Estado Islâmico. O condutor do veículo continua em fuga e três pessoas foram detidas
  • Em Cambrils, a 117 quilómetros de Barcelona, um segundo ataque depois da meia-noite (23h00 em Lisboa) fez sete feridos
  • A polícia catalã abateu cinco presumíveis terroristas em Cambrils. Os suspeitos traziam cintos de explosivos falsos presos ao corpo
  • O Governo regional catalão confirmou já esta manhã que o ataque na estância balnear está associados ao atentado de Barcelona
  • Antes de Barcelona e de Cambrils, uma explosão num apartamento em Alcanar, a 200 quilómetros de Barcelona, fez um morto e sete feridos. Foi nesta localidade que foi detido um dos três suspeitos com ligações ao atentado. 
  • O primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy decretou três dias de luto nacional e apelou a uma resposta "global" contra o terrorismo

Emissão da RTP3 em direto

Emissão da Antena 1 em direto

A informação mais vista