Trump reivindica vitória com eleição em aberto. O filme da longa noite americana

por RTP

O atual Presidente já se declarou vencedor, mas o resultado da eleição ainda é inconclusivo. Ao início da manhã, Joe Biden somava 225 votos no Colégio Eleitoral e Donald Trump 213, mas ainda faltava saber os resultados de Estados decisivos. Para vencer, qualquer candidato terá de ter pelo menos 270 votos.

Mais atualizações

Aceda aqui aos conteúdos da RTP e da Antena 1 sobre a eleição presidencial nos Estados Unidos.


7h21 - Trump reivindica vitória: "Isto é uma fraude. Isto é uma vergonha para o nosso país"

Numa declaração a partir da Casa Branca, Donald Trump começou por brincar com a hora tardia, com o arrastar da divulgação dos resultados: "É sem dúvida a conferência de imprensa mais tardia que já tive".

O Presidente agradeceu os "milhões de votos" que recebeu. "Estávamos prontos para fazer uma grande celebração, estávamos a ganhar".

"Um grupo muito triste de pessoas está a tentar afastar-nos e eu não vou permiti-lo", vincou Donald Trump.

Numa sala perante dezenas de apoiantes e familiares, Donald Trump destacou as vitórias na Flórida, Ohio e Texas e destacou as posições favoráveis na Geórgia e Carolina do Norte, onde ainda se faz a contagem. Destacou que ainda há "muito por disputar" no Arizona, Pensilvânia e Wisconsin.

"Isto é uma fraude. Isto é uma vergonha para o nosso país. Francamente, nós vencemos esta eleição", disse o Presidente norte-americano, afirmando que vai recorrer ao Supremo Tribunal, sem explicar em concreto porquê.

"Queremos que toda a votação pare, não queremos que encontrem urnas às 4h00 da manhã e votem", disse Donald Trump em relação aos democratas. "Vamos vencer. Para mim já ganhámos", acrescentou.

Mike Pence também falou e começou por agradecer os votos. O vice-presidente, que também se recandidata, prometeu que as autoridades "vão continuar vigilantes" e que a "integridade do voto será protegida".

6h21 - Ponto da situação no colégio eleitoral

Qualquer candidato necessita de 270 votos no colégio eleitoral para vencer a eleição. Neste momento, Joe Biden tem 235 delegados e Donald Trump conta com 213 votos no colégio eleitoral.

Estados que Trump já venceu: Kentucky, Indiana, Tennessee, Oklahoma, Mississippi, Alabama, Carolina do Sul, Wyoming, Dakota do Norte, Dakota do Sul,Virgínia Ocidenal, Lousiana, Kansas, Utah, Missouri, Idaho, Ohio, Iowa, Montana, Nebraska, Arkansas, Texas, Florida.

Estados que Biden já venceu: Vermont, Virgínia, Connecticut, Delaware, Illinois, Massachusetts, Maryland, New Jersey, Rhode Island, Novo México, Nova Iorque, New Hampshire, Colorado, Hawaii, Arizona e Califórnia, Minnesota, Washington DC, Oregon, Washington,

6h12 - Trump vence Flórida

A Associated Press também já confirmou a vitória do Presidente Trump no Estado da Florida. Com este resultado, Trump consegue mais 29 delegados.

6h10 - Trump vence Texas

A Associated Press anunciou que Trump venceu oficialmente o estado do Texas, garantindo ao atual Presidente 38 votos do colégio eletoral.

6h06 - "Não me cabe a mim nem a Donald Trump decidir"

No Twitter, o candidato dos democratas diz que devem ser os eleitores e decidir o vencedor da eleição. "Não me cabe a mim nem a Donald Trump decidir quem é o vencedor desta eleição. Cabe aos eleitores", frisou Joe Biden.

A mensagem surge na rede social depois de Donald Trump ter recorrido também ao Twitter para acusar os democratas de tentarem "roubar" a eleição.


5h49 - Trump vai fazer declaração em breve. "Eles estão a tentar roubar a eleição"

O Presidente norte-americano e candidato pelo Partido Republicano escreveu no Twitter que irá fazer uma declaração ainda hoje.

"Estamos em grande, mas eles estão a tentar ROUBAR a eleição. Nunca iremos deixar que isso aconteça. Os votos não podem contar depois do fecho das urnas!", escreveu numa mensagem publicada no Twitter.


Entretanto, o Twitter escondeu o tweet do Presidente e acrescentou um aviso: "Alguns ou todos os conteúdos compartilhados neste Tweet são contestáveis e podem ter informações incorretas sobre como participar de uma eleição ou de outro processo cívico", avisa.

5h42 - "Vamos ter de ser pacientes", diz Joe Biden

Na sede de campanha, em Wilmongton, Delaware, Joe Biden disse acreditar que "está a caminho para vencer a eleição", mas admite que ainda falta conhecer resultados decisivos para saber quem vai ser o próximo Presidente: "Vamos ter de ser pacientes".

Biden falou a partir de um palco num parque de estacionamento, onde se encontravam algumas centenas de viaturas com apoiantes.

O candidato garantiu ainda que vai vencer na Pensilvânia, considerado um dos estados-chave para determinar a eleição do próximo Presidente norte-americano.

"Podemos não ter os resultados da eleição até à manhã de quarta-feira ou mais tarde", disse o candidato do Partido Democrata.

5h21 - Biden vence no Minesotta

A vitória, que é avançada pela projeção da Associated Press, atribui mais dez delegados ao candidato do Partido Democrático.

5h18 - "Vamos vencer", diz o diretor de campanha de Biden

O diretor de campanha de Joe Biden, Rufus Gifford,acredita numa vitória do democrata. "Vamos vencer", escreveu no Twitter.

5h13 - Biden vence no Havai

A Associated Press avança que Joe Biden venceu a eleição do Havai, alcançando os quatro votos do colégio eleitoral que dizem respeito àquele Estado.

5h09 - Nancy Pelosi reage a resultados da Câmara dos Representantes

Apesar de ainda haver muitos votos por contar, o Partido Democrático já garantiu a maioria na Câmara dos Representantes.
"Mantivemos a Câmara [dos Representantes] e, quando todos os votos estiverem contados, veremos se fizemos ainda melhor", disse esta noite a presidente dessa Câmara, Nanci Pelosi.

"Estamos numa situação em que alguns dos Estados dizem que não vão contar mais votos até amanhã de manhã e, claro, a costa Oeste ainda não encerrou. Ainda há mais para saber", acrescentou.

5h03 - Trump vence no Ohio

A CNN avança com mais uma projeção que aponta para a vitória de Trump no Ohio. Com esta vitória ganha 18 votos do colégio eleitoral.

4h34 - Partido Democrático mantém maioria na Câmara dos Representantes

A NBC, ABC News e a Fox News avançam que o Partido Democrático já garantiu esta noite que consegue preservar a maioria na Câmara dos Representantes alcançada em 2018.

4h18 - Trump vence no Mississippi

A projeção da CNN dá a vitória no Mississippi a Donald Trump. O Estado dá ao candidato mais seis votos no colégio eleitoral.

4h10 - Ponto da situação

Até ao momento, Joe Biden conseguiu garantir 209 votos do colégio eleitoral e Donald Trump assegurou 118 votos. Para confirmar a eleição, um dos candidatos precisa de chegar aos 270 votos.

4h01 - Biden vence Califórnia, Oregon e Washington, Trump vence Wyoming e Idaho

As projeções da CNN dão a vitória a Joe Biden na Califórnia, o que significa mais 55 votos no colégio eleitoral. Vence também Washington, com mais 12 votos no colégio eleitoral, e no Oregon, com mais sete votos no colégio eleitoral.

Com uma vitória no Wyoming, também segundo as projeções da CNN, Trump teria mais três votos no colégio eleitoral. De acordo com a Associated Press, Donald Trump vence em Idaho, ou seja, alcança mais quatro votos no colégio eleitoral.

3h56 - Democratas apreensivos

Os resultados que começam a ser divulgados não vão ao encontro do que diziam as sondagens sobre as eleições norte-americanas. Em vários Estados é Donald Trump quem lidera, o que deixa os democratas apreensivos.

Junto ao quartel-general da campanha de Joe Biden, em Delaware, está a enviada especial da RTP, Márcia Rodrigues.

3h51 - As contas dos candidatos até ao momento

Até ao momento, Joe Biden conseguiu 135 votos no colégio eleitoral e Donald Trump garantiu 108 votos.

3h44 - Trump vence no Utah

A projeção da CNN aponta paa a vitória de Trump no Utah, Estado que também venceu em 2016. Esta vitória dá ao atual Presidente mais seis votos no colégio eleitoral.

3h43 - Biden vence New Hampshire

Segundo a projeção da CNN, o Presidente Joe Biden vence no New Hampshire, onde Hillary Clinton também ganhou há quatro anos. Com este Estado, o candidato democrata consegue mais quatro votos do colégio eleitoral.

3h37 - Trump vence no Missouri

A projeção da AP dá a vitória a Trump no Missouri, que também já tinha vencido em 2016. Com esta vitória, Trump conquista mais dez votos do colégio eleitoral.

3h28 - Protestos contra Trump ganham força em Washington

Nas ruas de Washington, apesar de estarem também apoiantes de Donald Trump, as manifestações que começam a fazer-se notar são contra o Presidente, como conta o correspondente da RTP na capital norte-americana, João Ricardo Vasconcelos.


3h21 - Biden com piores resultados do que o esperado na Flórida e Geórgia

O jornal The Guardian destaca que Joe Biden fica aquém dos resultados previstos pelas sondagens nos Estados decisivos da Flórida e Geórgia.

Neste dois estados, Trump alcançaria 35 votos eleitorais. O enviado especial da Antena 1 aos Estados Unidos, Mário Rui Cardoso, explica que o candidato está a perder nas zonas mais rurais.

Ainda falta contar muitos votos e estes resultados não são vitais candidato democrata, mas perdendo a Flórida e a Geórgia, Joe Biden é obrigado a vencer no Wisconsin, Michigan e Pensilvânia.

Nestes três Estados, Donald Trump segue nesta altura à frente.

3h15 - Brasil acompanha eleição com atenção

Também no Brasil as eleições presidenciais norte-americanas estão a ser acompanhadas com toda a atenção, como conta o correspondente da RTP, Pedro Sá Guerra.


3h04 - Trump vence no Kansas

A Associated Press avança com a vitória de Trump no Kansas. Uma vitória esperada que dá mais seis delegados ao atual Presidente.

3h03 - Protestos em Washington em Washington

O protesto desta noite decorre diante da Casa Branca, onde Donald Trump está a seguir o escrutínio da eleição presidencial.


3h00 - Urnas fecham em mais quatro Estados

A votação já terminou no Iowa, Montana, Nevada e Utah.

2h35 - Biden vence no Colorado

A projeção da CNN dá a vitória do candidato democrata no Colorado, o que representa mais nove votos no colégio eleitoral para Joe Biden.

Com esta vitória, Joe Biden já conta com 131 votos no colégio eleitoral, ou seja, já alcançou metade dos 270 que garantem a presidência. Donald Trump conta até agora com 92 votos do colégio eleitoral.

2h31 - QAnon na Câmara dos Representantes

Marjorie Taylor Greene, candidata do Partido Republicano na Geórgia, garantiu um lugar na Câmara dos Representantes. É a primeira apoiante do movimento de extrema-direita de teorias da conspiração, o QAnon, a chegar a este órgão de soberania.

2h25 - Subúrbios das grandes cidades serão decisivos

Nos subúrbios das grandes cidades, o candidato presidencial democrata Joe Biden estava a captar, pelas 21h00 locais (2h00 em Lisboa), uma tendência favorável.


2h11 - As contas dos candidatos: Biden com 119 e Trump com 92 votos no colégio eleitoral

Com o anúncio de novas vitórias para os dois candidatos - mais seis Estados para os republicanos e mais dois Estados para os democratas -, Joe Biden garantiu até agora 119 votos do colégio eleitoral e Donald Trump conta com 92. Qualquer candidato precisa de garantir 270 votos para assegurar a vitória no global.

2h10 - Biden vence Novo México

A vitória representa mais cinco votos no colégio eleitoral. Não é um resultado surpreendente, uma vez que o Estado tem sido fiel ao Partido Democrático nas últimas décadas.

2h06 - Trump vence Dakota do Sul, Dakota do Norte, Wyoming, Nebraska e Louisiana

Estas vitórias representam, respetivamente, mais três votos no colégio eleitoral pela Dakota do Sul, mais três pela Dakota do Norte, mais três pelo Wyoming, mais cinco pelo Nebraska e mais oito pelo Louisiana.

2h00 - Biden vence Nova Iorque

A projeção da CNN dá a vitória ao candidato do Partido Democrático no Estado de Nova Iorque, o que lhe vale 29 votos no Colégio Eleitoral.


1h34 - Trump vence no Arkansas

Já era um resultado esperado. De acordo com a Associated Press, Trump vence o estado do Arkansas, tradicionalmente republicano, e consegue mais seis votos no colégio eleitoral. 1h31 - Corrida muito renhida na Florida

Dos Estados que já fecharam as urnas, um dos mais importantes é a Florida, que conseguirá contar todos os votos esta noite por ter um sistema eletrónico.

Se Donald Trump não vencer na Florida, um dos Estados decisivos, terá maior dificuldade em conseguir manter a Presidência.


1h26 - Ponto da situação: Biden com vantagem provisória

Neste momento, com as projeções da CNN e Associated Press, Joe Biden já conta com 85 votos no colégio eleitoral e Donald Trump tem nesta altura 55 votos garantidos. Para ser Presidente dos EUA, um dos candidatos deverá alcançar os 270 votos no colégio eleitoral.

1h22 - Medidas de segurança apertadas

Ruas fechadas, dispositivos policiais reforçados, Guarda Nacional a postos. É este o pano de fundo do que se espera ser uma longa noite na contagem dos votos da eleição presidencial dos Estados Unidos.


1h20 - Corrida ao voto

A afluência dos eleitores norte-americanos terá batido todos os recordes da história da democracia dos Estados Unidos. Veja a fotogaleria.


1h15 - Líder republicano no Senado foi reeleito

O republicano Mitch McConnell já confirmou a reeleição pelo Estado do Kentucky. McConnell é o líder da maioria republicana no Senado.

No entanto, nesta altura é ainda incerto se os republicanos vão conseguir manter a maioria na câmara alta do Congresso norte-americano.

1h11 - Quatro estados para Trump, sete estados para Biden

De acordo com a Associated Press, Biden vence nos estados de Delaware, Rhode Island, New Jersey, Massachusetts, Maryland, Illinois, Delaware e Connecticut.

Por outro lado, Trump vence no Oklahoma, Tennessee, Mississippi e Alabama. 

Alguns destes dados vão ao encontro das projeções da CNN e nenhum deles representa uma grande surpresa nesta noite eleitoral, com os candidatos a arrecadarem os votos esperados tendo em conta a inclinação de cada estdo.

1h04 - Projeções da CNN para vários estados

Joe Biden vence no Massachusetts, no Delaware, Maryland e no distrito de Columbia, sem surpresa. Estes representam, respetivamente, 11 votos no colégio eleitoral por Massachusetts, três votos por Delaware, dez votos por Maryland e três votos por DC.

Donald Trump vence no Oklahoma, bastião do Partido Republicano há várias décadas e que lhe vale sete votos no colégio eleitoral.

1h00 - Urnas fecham em vários estados

As urnas encerram a esta hora em dezenas de estados, incluindo na Pensilvânia, considerado decisivo nesta eleição.

00h59 - Trump vence Carolina do Sul

A vitória do Presidente era expectável neste estado, que também venceu em 2016. Donald Trump consegue mais nove votos no Colégio Eleitoral.   
00h46 - Biden pede aos eleitores que permaneçam nas filas para votar

No Twitter, Joe Biden pede aos eleitores que permanelam nas filas para exercerem o direito de voto. O mesmo fez a candidata a vice-presidente, Kamala Harris. Ambos pedem apenas: "Stay in line", ou "Fiquem na fila".

Há cerca de uma hora, o ex-vice-presidente Barack Obama pedia aos eleitores para ficarem na fila "tanto tempo quanto for necessário".

"Há um motivo pelo qual algumas pessoas estão a tentar dificultar o vosso voto. Elas sabem que se votarem, as coisas mudam", acrescentou noutro tweet.

00h42 - Biden vence Virgínia

A Associated Press avança que o candidato do Partido Democrático, Joe Biden, vence o estado da Virgínia, o que lhe vale 13 votos no Colégio Eleitoral.

00h34 - Trump vence na Virgínia Ocidental

A Associated Press avança que o Presidente Donald Trump venceu na Virgínia Ocidental, que também já tinha conquistado há quatro anos.

A Virgínia Ocidental representa cinco votos do colégio eleitoral.

00h30 - Urnas fecham no Ohio e Carolina do Norte

Donald Trump venceu os dois estados em 2016.

00h25 - Preparativos à cautela no quartel democrata do Delaware

O ritmo da noite eleitoral nos Estados Unidos "vai ser exaustivo", resumiu a enviada especial da RTP Márcia Rodrigues. As atenções do campo de Joe Biden concentram-se, na primeira fase de resultados, nos Estados da Geórgia e da Florida.


00h21 - Primeiras projeções apontam para vitória de Trump no Kentucky e no Indiana

O correspondente da RTP em Washington, João Ricardo de Vasconcelos, dá conta destes primeiros dados da noite eleitoral nos Estados Unidos. 


00h11 - Joe Biden vence no Vermont

É a primeira vitória da noite para o candidato democrata, o que lhe vale três votos no colégio eleitoral. A informação é avançada pela Associated Press.
00h05 - Donald Trump vence no Kentucky

A Associated Press dá o Presidente Trump como vencedor no Kentucky, o que representa oito votos do colégio eleitoral. Com os 11 votos do Inidiana, Trump já garantiu 19 votos do colégio eleitoral, mas precisa de 270 para vencer.

 
00h03 - Urnas fecharam em alguns estados decisivos

As urnas já fecharam nos estados da Geórgia - o mais decisivo e incerto - Carolina do Sul, Vermont, Virgínia, Kentucky e Indiana. Na Flórida e New Hampshire as urnas só fecham por completo à 1h00

00h00 - Trump vence no Indiana

De acordo com a projeção da CNN, o Presidente vence o Estado do Indiana, que representa 11 votos do Colégio Eleitoral. São necessários 270 votos para vencer a eleição.

23h41 - Trump agradece aos apoiantes no Twitter

O Presidente norte-americano recorreu ao Twitter para agradecer aos apoiantes neste dia de eleições. "Estamos muito bem em todo o país. Obrigado!", escreveu, em maísculas.


23h30 - Falta meia hora para conhecer as primeiras projeções

A partir das 00h00 em Lisboa serão conhecidas as primeiras projeções, ainda que as primeiras urnas já tenham fechado às 23h00. O Indiana e o Kentucky já encerraram as urnas e são Estados praticamente garantidos para o Partido Republicano.

Juntos, os dois Estados atribuem 19 lugares do Colégio Eleitoral, o Indiana 11 e o Kentucky oito.

À meia noite fecham as urnas na Carolina do Sul, Geórgia e Vermont. A esta hora começam a fechar as primeiras urnas na Florida e New Hampshire.

De todos estes estados, a atenção estará focada na Geórgia, com 16 lugares no colégio eleitoral. É um estado de pendor republicano mas o resultado deste ano é incerto, pelo que será o primeiro momento decisivo da noite. As sondagens têm apontado para um empate entre os dois candidatos. Também a Carolina do Norte será um Estado a ter atenção às 00h00.

A Carolina do Sul deverá cair para o lado republicano e representa 9 lugares no Colégio Eleitoral. Vermont está praticamente assegurada aos democratas, com 3 votos no Colégio Eleitoral. O mesmo acontece com a Virgínia, com 13 lugares no Colégio Eleitoral.

Flórida e New Hampshire só fecham por completo as urnas à 1h00. O resultado no primeiro é incerto, enquanto New Hampshire, com 4 lugares, deve cair para o lado democrata.

23h04 - Mais dados sobre os eleitores

As sondagens da CNN apontam que 53 por cento dos eleitores são do sexo femenino e 47 do sexo masculino. No universo de eleitores, 65 por cento são caucasianos, 13 por cento são latinos, 12 por cento são negros, 6 por cento são de outra etnia e 3 por cento são de origem asiática.

No que toca a idades, 16 por cento dos eleitores tem entre 18 e 29 anos, 23 por cento em entre 30 e 44 anos, 38 por cento tem entre 45 e 64 anos e 23 por cento têm 65 ou mais anos.

Ao nível da educação, 45 por cento dos eleitores têm um grau académico e 55 por cento não têm qualquer grau académico.

22h51 - Mais de 60 por cento dos eleitores preocupados com as alterações climáticas

Continuam a ser conhecidas as sondagens à boca das urnas. A última divulgada pela CNN destaca que 66 por cento dos eleitores assumem-se preocupados com as alterações climáticas, tema forte da campanha do ex-vice-presidente Joe Biden. Por outro lado, 31 por cento dos eleitores dizem que as alterações climáticas não são um problema sério.

22h41 - 13 por cento dos eleitores votam pela primeira vez

A sondagem da CNN à boca das urnas conclui que 13 por cento dos eleitores está a votar pela primeira vez nesta eleição.

Quanto à decisão sobre quem votar, apenas 4 por cento diz ter decidido a quem atribuir o seu voto na ultima semana. São 93 por cento os eleitores que decidiram o seu voto antes da passada semana.

22h11 - Eleitores divididos sobre resposta de Trump à pandemia

Na sondagem da CNN os eleitores foram igualmente questionados sobre a resposta da Administração Trump à pandemia e, neste ponto, a América surge profundamente dividida. São 48 por cento dos eleitores que aprovam a resposta do atual Presidente à Covid-19, enquanto 51 por cento fazem uma avaliação negativa.

Já sobre a utilização da máscara, a maior parte dos eleitores concorda com essa medida. São 68 por cento os eleitores que consideram o uso de máscara uma "responsabilidade de saúde pública", e 30 por cento considera ser "uma decisão pessoal".

22h06 - Economia é a principal preocupação dos eleitores, diz sondagem da CNN

De acordo com as sondagens da CNN, 34 por cento dos eleitores apontam a economia como principal fator a pesar na votação. Em segundo lugar surgem as desigualdades raciais - 21 por cento - e só depois o controlo do novo coronavírus -  18 por cento. Os eleitores estão também preocupados com as questões de crime e segurança e os cuidados de saúde (ambas com 11 por cento).

22h03 - Biden: "Há tanta coisa em jogo"

O ex-vice-presidente, candidato pelo Partido Democrático, não se compromete a falar esta noite. "Há tanta coisa em jogo... Vamos ver. Se houver algo sobre o que falar esta noite, vou falar. Se não, vou esperar até que os votos seja contados no dia seguinte", afirmou Joe Biden em declaração aos jornalistas a partir de Delaware.

21h41 - Homem armado detido junto a mesa de voto na Carolina do Norte

A polícia de Charlotte, Mecklenburg, Carolina do Norte, anunciou que deteve um homem armado que voltou a um local de votação depois de ter sido banido ao início do dia. Depois de ter votado o homem continuou a "vaguear" pelo local", refere a polícia.

De acordo com o New York Times, o homem de 36 anos usava um chapéu de apoio a Donald Trump e trazia consigo uma arma à cintura. Ainda que o porte de arma de fogo de forma visível seja legal na Carolina do Norte, a polícia identificou e deteve o suspeito, que foi acusado de invasão de propriedade. Vários responsáveis locais falam em "intimidação eleitoral".

20h56 - Participação eleitoral em níveis históricos

A afluência dos eleitores às urnas estará mesmo a bater todos os recordes da história da democracia norte-americana.
Desta vez todos querem escolher quem vai ocupar a Casa Branca nos próximos quatro anos.

20h43 - Geórgia espera reportar resultados à hora certa

Apesar das notícias sobre o alargamento de horários em pelo menos duas assembleias de voto, os responsáveis pela votação no Estado da Geórgia mantêm as 19h00 (0h00 em Lisboa) como a hora para o início da divulgação de resultados, segundo a CNN.

Duas assembleias do condados de DeKalb estenderam o prazo para a votação além das 19h00 locais. Isto porque abriram mais tarde do que o previsto.

20h38 - Emissão especial na RTP3

A eleição presidencial nos Estados Unidos motivou a preparação de uma emissão especial na RTP3, que pode ser vista a partir da 1h00.

20h27 - Biden espera maior partipação de sempre

O candidato presidencial democrata pronunciou-se em Filadélfia, no decisivo Estado da Pensilvânia. Diante uma multidão numa rua da cidade que foi a primeira capital do país, Joe Biden afirmou esperar a maior participação da "História americana", avançando mesmo com a previsão de um número superior a 150 milhões de votantes.

"O Presidente tem muitas coisa viradas do avesso. Uma das quais é pensar que pode decidir quem vota. Vejam bem, é o povo que vai decidir quem vai ser Presidente", atirou Biden, referindo-se a Trump.


Foto: Kevin Lamarque - Reuters

"Só temos de nos recordarmos de quem somos, caramba. Isto é os Estados Unidos da América", clamou o ex-vice-presidente de Barack Obama.

20h04 - Uma jornada eleitoral "bem sucedida" na Geórgia

Em conferência de imprensa, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, deu por bem sucedida, até ao momento, a jornada de votação naquela jurisdição.

"O nosso plano de ação para novembro visava encorajar o voto à distância", explicou o responsável.

"O nosso objetivo era ter 1,5 milhões de eleitores a votar à distância. Tivemos 1,6 milhões de pedidos e, neste momento, estaremos próximos dos 1,5 boletins aceites, o que é uma vitória para nós", sublinhou.

"Tínhamos também o objetivo de dois milhões de votos antecipados e ultrapassámos isso para cerca de 2,7 ou 2,8. E isto foi um sucesso", reforçou Raffensperger.

Na Geórgia, dois condados experimentaram dificuldades técnicas, que foram entretanto resolvidas.

19h37 - "Tenham fé no povo americano"

À chegada ao aeroporto de Detroit, no Michigan, a senadora Kamala Harris, candidata à vice-presidência no ticket de Joe Biden, quis "lembrar a toda a gente, obviamente, que as assembleias de voto fecham esta noite às 20h00", num apelo à participação do eleitorado.

"O caminho para a Casa Branca e o caminho para determinar quem vai ser o próximo Presidente dos Estados Unidos, sem dúvida, passa pelo Michigan", acentuou.


Foto: Rebecca Cook - Reuters

Questionada sobre possíveis tumultos, na sequência da eleição presidencial, a candidata a vice-presidente respondeu: "Tenham fé no povo americano. Eu acredito firmemente que nós, independentemente de em quem votamos, vamos defender a integridade da nossa democracia e uma transição pacífica do poder. E há deteminadas linhas que, não importa em quem se vota, não serão ultrapassadas".

19h15 - "Uma noite imprevisível"

"Vai ser uma noite imprevisível". É o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, quem o escreve na rede social Twitter.


"O povo dos Estados Unidos vai determinar o caminho a seguir nos próximos quatro anos", assinala o responsável.

19h07 - Resultados da Carolina do Norte deverão sofrer atraso

Os resultados da votação na Carolina do Norte deverão sair com um atraso de - no mínimo - 45 minutos, após a comissão eleitoral ter alargado o prazo de abertura de uma das assembleias que registou problemas.

Este Estado deveria começar a reportar resultados do escrutínio às 19h30 (0h30 de quarta-feira em Lisboa), mas não o fará antes das 20h15 (01h15 em Lisboa).

18h54 - Antena 1 na Florida a acompanhar as presidenciais

Em Orlando, no Estado de Florida, já começou a contagem do voto antecipado e há segurança em algumas secções.
A rádio pública está nos Estados Unidos a acompanhar estas eleições com o enviado especial Mário Rui Cardoso.

18h00 - Ponto de situação

Ao cabo de largas semanas de uma amarga campanha pela renovação do mandato na Casa Branca, no caso de Donald Trump, ou pelo afastamento da atual Presidência, no caso de Joe Biden, os eleitores norte-americanos que ainda não exerceram o seu direto de voto estão esta terça-feira a culminar o processo.

Em alguns Estados do leste, as assembleias de voto abriram às 6h00 (11h00 em Lisboa). Os resultados mais ansiados começarão a gotejar pelas 19h00 (0h00 em Lisboa), quando começarem a fechar as máquinas da votação em Estados como a Geórgia.

Esta é sobretudo uma eleição que decorre sob a sombra da pandemia da Covid-19 – o tema que perpassou quase todas as ações de campanha e os debates entre os candidatos. Mas também sob a sombra da incerteza, dado que o Presidente em exercício fez já saber, por diversas ocasiões, que não estará disposto a aceitar um eventual escrutínio desfavorável.

O democrata Joe Biden, há 50 anos na vida política, chega ao dia da eleição a liderar as sondagens. Todavia, o candidato republicano Donald Trump surge muito proximo do adversário em Estados-chave que lhe poderão dar o decisivo somatório de 270 votos no Colégio Eleitoral: o limiar para assegurar mais quatro anos à cabeça da superpotência.
Veja aqui como funciona o Colégio Eleitoral dos Estados Unidos.

Entre o campo de Trump, neste momento, a meta passa essencialmente por repetir o cenário de 2016, quando Hillary Clinton venceu o voto popular, com cerca de três milhões de sufrágios, mas não pôde carimbar a vitória no Colégio Eleitoral.

Parece quase garantido que os norte-americanos e o mundo tenham de esperar alguns dias - ou semanas - pela declaração final de um vencedor, caso Trump concretize, por exemplo, a promessa de contestar os votos remetidos por correio.
Mais de 100 milhões de eleitores votaram antecipadamente, segundo a última contagem do US Elections Project. Enviados por correio ou depositados presencialmente, estes boletins representam mais de 72 por cento do total da última eleição, em 2016, ainda de acordo com as contas da Universidade da Florida.

Há quatro anos, votaram antecipadamente 57 milhões de norte-americanos, à luz dos dados do portal da US Election Assistance Commission.

Nas últimas horas de campanha tornou-se ainda mais claro que este processo pode vir a acabar nos tribunais.

Donald Trump voltou a falar de fraude e de possíveis tumultos nas ruas por causa da decisão do Supremo Tribunal em aceitar a contagem dos votos por correio após o dia da eleição.
Tem assim crescido o receio de uma vaga de violência pós-eleitoral.
Há Estados onde as lojas estão a proteger as entradas. As forças de segurança estão a postos.
O culminar da campanha
O Presidente em exercício protagonizou cinco comícios nas derradeiras horas da campanha.
Na Pensilvânia, um dos Estados dados como determinantes, Trump acusou Kamala Harris, candidata democrata à vice-presidência, de ser um instrumento da extrema-esquerda e Biden de estar ao serviço de interesses corporativos.

Joe Biden escolheu precisamente a Pensilvânia para um dos últimos comícios da campanha.
O candidato presidencial democrata apelou à mobilização para esta terça-feira, advertindo que o voto dos norte-americanos vai ditar o destino do país nas próximas décadas.

Independentemente do desfecho deste escrutínio, haverá factos, não apenas associados à pandemia, que marcarão a ferro incandescente o processo de 2020 nas páginas da História: mais de 231 milhões de norte-americanos que morreram vítimas da Covid-19; milhões de desempregados; violência de cunho racial ou ideológico, em parte perpetrada por agentes policiais, e os terramotos e a clivagem sociais daí decorrentes.