Reportagem Incêndios em Portugal. Situação ao minuto

Trinta pessoas ficaram feridas nos incêndios. Nove tiveram que ser encaminhadas para o hospital. Várias casas arderam por causa dos fogos. PR diz que prioridade é combater as chamas. "Haverá tempo para depois fazer balanços e retirar lições". PJ, no terreno, suspeita de fogo posto. Tudo aponta nesse sentido. Toda a informação aqui.

Fazer refresh a esta área
Clique aqui para atualizar

Estão a ser dias complicados no combate às chamas naquele que é o maior incêndio do ano. Fazemos aqui um retrato do que aconteceu nas últimas horas, sendo que as chamas continuam a ser combatidas por centenas de bombeiros.

Já sabe também que pode acompanhar a informação em direto na RTP 3.

À meia-noite, a Proteção Civil fez um ponto da situação. O comandante responsável pelas operações no terreno afirmou que o incêndio "está a ceder significativamente ao esforço de combate".

O risco é nesta altura "substancialmente menor" uma vez que a "violência de propagação é significativamente menor", disse o responsável da Proteção Civil.

Esperemos,afirmou o comandante, que "os resultados alcançados ao longo da noite nos permitam dominar o incêndio".

Nove pessoas feridas foram transportadas para o hospital sendo que outras 21 foram assistidas no terreno.

Várias casas arderam por causa do fogo

O incêndio de Vila de Rei e Mação atingiu algumas habitações. A informação, que tinha sido adiantada ao longo do dia pela RTP, foi confirmada pela Proteção Civil ao início da noite.

"Há registo de casas atingidas pelas chamas, mas não temos ainda um número fiável"
, disse o comandante do Agrupamento Centro Sul, Belo Costa, na conferência de imprensa do último ponto da situação.

A tarde deste domingo foi complexa, com condições meteorológicas difíceis. Temperaturas elevadas e rotação do vento.

Ao longo do dia foram mobilizados 14 meios aéreos para combater as chamas. Nos três maiores incêndios que atingiram a região estiveram envolvidos um total de 1 215 operacionais da Proteção Civil. Sendo que muitos continuam a operação durante esta noite.

Fogo posto. PJ investiga

Tudo indica que o fogo que atingiu com força a zona de Castelo Branco terá mão criminosa.

Fonte da PJ disse à agência Lusa que já foram recolhidos no terreno "alguns elementos e artefactos que poderão ter estado na origem do incêndio".

Estes incêndios, disse a mesma fonte, tiveram da parte dos alegados autores um "conhecimento e preocupação significativa", nomeadamente porque os pontos e o momento escolhido, "cerca das 14h40, foram de forma a potenciar prejuízos patrimoniais e até pessoais".

PR promete visitar zonas afetadas quando situação estiver mais calma

O Presidente da República, que estava em Marvão, Portalegre, reagiu ao final da tarde de domingo à situação dos incêndios em Portugal. Marcelo Rebelo de Sousa disse que tem estado "em contacto com o ministro da Administração interna". "Há um esforço", disse, "para preservar populações".

Questionado sobre se a resposta tem sido a melhor, o PR afirmou que a prioridade nesta altura é combater o fogo. "Haverá tempo para depois fazer balanços e comparações e retirar lições. Mas agora há uma prioridade muito clara que deve mobilizar todos. E o que desejamos todos é que haja uma normalização e estabilização de uma situação que abrange tantas populações".


22h19 - O secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Neves, afirmou que a grande prioridade das forças que combatem o incêndio é a proteção das pessoas e das aldeias.

"A grande prioridade é a proteção das aldeias e das pessoas que lá residem", afirmou Artur Neves, que esteve presente na conferência de imprensa às 20:00, para fazer o ponto da situação dos incêndios que desde sábado à tarde atingem os distritos de Castelo Branco e Santarém.

O governante frisou que no terreno há dezenas de aldeias e casas isoladas e realçou o empenho dos operacionais e da coordenação dos meios.

"A expectativa é a de que o trabalho vai continuar e com empenhamento. Compreendemos bem o sentimento das pessoas e percebemo-lo", disse referindo-se a algumas críticas que vão surgindo de pessoas que se queixam de falta de meios.


21H20 - A Polícia Judiciária recolheu indícios e elementos de natureza criminosa sobre o incêndio que deflagrou no sábado no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, disse à Lusa fonte oficial.

A mesma fonte adiantou que já foram recolhidos no terreno "alguns elementos e artefactos que poderão ter estado na origem do incêndio".

Estes incêndios, sublinhou, tiveram da parte dos alegados autores um "conhecimento e preocupação significativa", nomeadamente porque os pontos e o momento escolhido, "cerca das 14:40, foram de forma a potenciar prejuízos patrimoniais e até pessoais".

Elementos da diretoria do Centro da PJ estão no terreno e continuam a investigação à ocorrência.

20h15 - Briefing da Proteção Civil

No total, nestes dois dias de incêndios, foram assistidas 30 pessoas, foi adiantado há momentos. Só hoje foram assistidas 10 pessoas, sendo que uma delas, um civil, foi encaminhado para o hospital. Situação relacionada com inalação de fumo.

Ao todo, nestes dois dias, houve 9 pessoas que tiveram que receber assistência hospitalar.


Situação "ainda está muito grave". Proteção Civil confirma que há "registo de habitações que foram atingidas pelas chamas", mas não adianta para já o número.

Autoridades acreditam que "a partir de agora iremos beneficiar de uma certa acalmia do vento e diminuição da temperatura".

Ao longo do dia estiveram envolvidos no combate às chamas 14 meios aéreos "durante ao período máximo de empenhamento".

"Vamos tentar que esta noite - aproveitando a humidade e baixa temperatura" o fogo seja dominado.

19H37 - Na aldeia de Sarnadas, em Mação, arderam três habitações.

19h20 - A União Europeia (UE) "está pronta para aumentar a sua assistência" a Portugal, se solicitado, no caso dos incêndios que assolam o país, disse hoje o comissário europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides.

19h01 - Presidente da República, que está em Marvão, Portalegre, reagiu ao final da tarde à situação dos incêndios em Portugal. Marcelo Rebelo de Sousa disse que tem estado "em contacto com o ministro da Administração interna". "Há um esforço", disse, "para preservar populações".

Questionado sobre se a resposta tem sido a melhor, o PR afirmou que a prioridade nesta altura é combater o fogo. "Haverá tempo para depois fazer balanços e comparações e retirar lições. Mas agora há uma prioridade muito clara que deve mobilizar todos. E o que desejamos todos é que haja uma normalização e estabilização de uma situação que abrange tantas populações".

18h34 - Pelo menos duas habitações arderam em Sarnadas, Mação.

18h12 - Fumo dos fogos em Portugal e anticiclone criam "nuvem" que cobre Extremadura espanhola.

18H02 - O Observatório Técnico Independente criado pelo parlamento para acompanhar os incêndios florestais considerou hoje que há "problemas que não estão completamente resolvidos", acrescentando que vai fazer um relatório sobre os fogos deste fim de semana.

17h50 - Quinze aldeias das 23 existentes na freguesia de Cardigos, Mação, estavam esta tarde em perigo devido às chamas que lavram naquele concelho do distrito de Santarém, disse à Lusa o vice-presidente da autarquia.

17h34 - A GNR mandou evacuar na tarde de hoje a praia fluvial de Cardigos, freguesia do concelho de Mação, distrito de Santarém, devido à rápida aproximação das chamas ao local e ao centro da localidade.

17h27 - Situação também complicada em Cardigos, Mação, com o fogo próximo de casas. Bombeiros no local. Imagens mostram a população a dar águas aos bombeiros que não têm tido descanso nas últimas horas em várias zonas de Portugal.

16h43 - Copernicus volta a publicar imagem com a dimensão dos incêndios em Portugal. A área ardida será maior do que o inicialmente apontado.

16h32 - Presidente da Câmara de Mação confirmou à RTP que há casas que foram atingidas pelo fogo.

Em direto na RTP 3, os jornalistas da RTP Pedro Esteves e Hugo Melo acompanharam os momentos complicados em que o fogo atravessou a aldeia de Chão do Pião. Não é ainda certo que tenha sido neste zona que as casas foram atingidas.

16h12 - Imagens disponibilizadas pela Agência Lusa mostram alguns dos piores momentos no combate às chamas.

16h08 - Aldeia de Casas da Ribeira também ficou cercada pelo fogo. Chamas muito próximas de várias casas.

16h04 - Situação complicada em Chão do Pião. Fogo muito próximo de casas.

15h41 - A dimensão dos incêndios no distrito de Castelo Branco. Imagem disponibilizada pelo Copernicus, o programa de observação da Terra da União Europeia coordenado e gerido pela Comissão Europeia em parceria com a Agência Espacial Europeia.

Abrimos aqui um novo artigo em direto para acompanharmos ao minuto a situação dos incêndios em Portugal, em particular na zona de Castelo Branco.

Ao iníco da tarde, o comandante do Agrupamento Centro Sul afirmou que cerca de 85% do fogo de Vila de Rei "está já dominado". Há no entanto pequenos fragmentos da frente de incêndio que preocupam. Ainda há pouco foi possível verificar, em direto na RTP 3, uma situação preocupante na aldeia de Sarnadas, no concelho de Monção, que estava rodeada de fogo.

Os bombeiros continuam a combater, para além do fogo, uma situação de elevadas temperaturas e rotações repentinas do vento. Vai ser uma tarde de "intenso trabalho", afirmou Belo Costa.

Olhando para a última atualização sobre os meios no terreno da Proteção Civil, é possível verificar que pelas 15 horas, em relação às "ocorrências importantes" estavam no terreno nos concelhos da Sertã e Vila de Rei 864 operacionais, 261 meios terrestres e 13 meios aéreos.

Fogo faz 20 feridos

O ministro da Administração Interna adiantou esta tarde que são 20 o número de feridos nos incêndios que lavram desde a tarde de sábado no distrito de Castelo Branco e que se propagaram a Mação, distrito de Santarém.

Oito bombeiros e 12 civis. Um dos civis está a ser assistido na unidade de queimados do Hospital de São José, em Lisboa.

Os restantes são todos feridos ligeiros, sobretudo devido a "inalação de fumos e entorses", disse o ministro da Administração Interna.

PR acompanha situação

O Presidente da República visitou hoje o civil ferido no incêndio de Vila de Rei que se encontra no Hospital de São José, em Lisboa. "A situação está sob controlo", afirmou o Presidente da República.

À RTP 1, o Presidente da República, em relação à possibilidade da origem dos incêndios que deflagraram sábado terem tido origem em mão criminosa, afirmou que "não compete ao Presidente da República comentar".

"Isso são investigações que caberão às entidades de investigação criminal", disse.

O Chefe de Estado revelou ainda que tem mantido "um contacto constante com o ministro da Administração Interna e com os autarcas" das zonas afetadas.

PJ deteve incendiário

A Polícia Judiciária deteve esta tarde um homem, de 55 anos, suspeito de atear, no sábado, um fogo nas imediações da cidade de Castelo Branco.

Em comunicado, a PJ adianta que "por volta da 01:00 da madrugada (de hoje), o suspeito, usando chama direta, colocou um foco de incêndio em zona florestal povoada com pinheiros e mato, dentro de uma vasta mancha florestal, que teria proporções mais gravosas caso não tivesse havido uma rápida intervenção dos bombeiros de Castelo Branco".

O homem detido não terá estado no entanto envolvido nos incêndios de maior dimensão em Castelo Branco.

União Europeia ajuda Portugal
A União Europeia (UE) está a produzir mapas satélite dos incêndios que deflagraram no sábado no distrito de Castelo Branco e que alastraram ao concelho de Mação, no distrito de Santarém.

"A pedido de Portugal estamos a produzir mapas satélite para os incêndios florestais que afetam a região de Castelo Branco. Estamos a acompanhar de perto a situação. A UE está pronta para fornecer mais ajuda", publicou hoje na plataforma Twitter o comissário europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides.

Acompanhe em direto a emissão da RTP 3

A informação mais vista