Rui Machado e Frederico Gil dão vantagem a Portugal

| Outras Modalidades

|

Portugal e Dinamarca discutem a qualificação para o play-off de acesso ao Grupo I

Rui Machado venceu o primeiro jogo de singulares do confronto com a Dinamarca e colocou Portugal em vantagem, na eliminatória inaugural do Grupo II da zona euroafricana da Taça Davis, a decorrer até domingo na Maia.

O tenista algarvio, n.º 120 ATP, frente a Frederik Nielsen, 277.º, perdeu o primeiro set, por 6-4, depois de ter estado a ganhar por 4-1, mas impôs-se ao dinamarquês nos seguintes, com os parciais de 6-4, 6-0 e 6-1.

"Entrei com a pressão de sempre de representar o país. Jogar na Taça Davis é diferente de jogar para a minha carreira", explicou Machado, referindo ter tardado em encontrar "a táctica ideal" e demorado "muito tempo a responder".

Na segunda partida do dia, Frederico Gil venceu  Martin Pederson e ampliou, para 2-0, a vantagem de Portugal.

O número um português, 104.º na hierarquia mundial, impôs-se ao dinamarquês em quatro partidas, com os parciais de 6-2, 7-6 (9-7), 3-6 e 6-3, num encontro disputado com muita intensidade. 
 
"Fizemos os dois um bom jogo. Já sabia que ele era um jogador perigoso, que esteve nos 300 primeiros do 'ranking'. Ele não tinha nada a perder, pois estava a jogar fora e esteve solto", disse Frederico Gil.  

Gil admitiu "uma quebra no início do terceiro 'set' dada a intensidade dos dois primeiros" e lamentou não ter quebrado o serviço ao adversário em algumas ocasiões. 
 
"Fiquei em desvantagem, por 3-0, e depois foi difícil recuperar. As coisas complicam-se em pequenos pormenores", sublinhou. 
 
Depois dos triunfos de Rui Machado e Frederico Gil, o seleccionador nacional, Pedro Cordeiro, confessou que esperava concluir o primeiro dia da eliminatória com uma vantagem de 2-0. 
 
"Sabia que não ia ser fácil. Tinha alguma confiança de que íamos vencer. Rui e Frederico estão um bom momento de forma e têm experiência na Taça Davis. Mas sabia que tínhamos de batalhar dentro do campo", revelou.
 
A eliminatória, disputada à melhor de cinco encontros, prossegue no sábado e conclui-se no domingo. O vencedor qualifica-se para o "play-off" de acesso ao Grupo I, de 9 a 11 de Julho, enquanto a selecção que perder será relegada para o Grupo III.

Se Portugal ganhar esta eliminatória, vai jogar com o vencedor do confronto entre Chipre e Egipto, em Nicósia, capital cipriota.

C/Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.