Proença quer centralização dos direitos televisivos e esclarecimento de casos judiciais

| 1.ª Liga

Proença quer centralização dos direitos televisivos
|

O presidente da Liga de clubes, Pedro Proença, assumiu a intenção de centralizar os direitos televisivos, durante um almoço-debate do International Club of Portugal, no qual apelou a que a Justiça ajude à credibilização da indústria do futebol.

O antigo árbitro internacional português teve uma intervenção sobre o tema "Os novos desafios do futebol profissional português" e aproveitou para relembrar o trabalho feito na presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e traçar linhas para o futuro, destacando a necessidade reformular o modelo de distribuição de receitas entre os clubes.

“Existe uma grande diferença entre os grandes clubes, e as receitas que geram, face aos clubes mais pequenos. Este fosso tem de ser combatido e para isso advogamos a centralização dos direitos televisivos”, avançou Pedro Proença, acrescentando a favor da sua posição que “quem vive fora da ‘champions’ vive numa realidade completamente diferente”:

“A nossa competição nacional estará completamente aniquilada se se mantiver a diferença de patamares económicos. Estamos a trabalhar num novo ciclo de distribuição de receitas da UEFA e a centralização dos direitos televisivos é essencial para combater este gap”, frisou o dirigente, que ainda assim admitiu que o tema tem de voltar a ser debatido “num futuro próximo” em virtude de os clubes terem já contratos publicitários assumidos.

Outro objetivo estratégico definido por Pedro Proença, que não desvendou se será candidato às eleições na LPFP no próximo ano, passa por internacionalizar o organismo.

“A Liga tem de se internacionalizar e fazer um caminho concertado e centralizado, apostando em gerar valor para os clubes e para os patrocinadores. Terá de ser um modelo virado para a realidade empresarial. Se não for assim estaremos condenados ao insucesso”, afirmou.

Sobre os casos judiciais que envolvem protagonistas dos principais clubes nacionais, Pedro Proença apelou a que rapidamente tudo seja esclarecido.

“O valor máximo do nosso trabalho é a credibilidade. O futebol está numa nova fase, de adaptação a uma nova realidade. Espero que os casos sejam rápida e cabalmente resolvidos, pois não dão bom-nome nem credibilidade. Queremos apelar à celeridade dos processos, pois não há nenhum setor de atividade que possa conviver com a suspeição. Acima de tudo está a nossa credibilidade”, relembrou.

Na sua apresentação, Pedro Proença relembrou ainda a reformulação do modelo competitivo da Taça da Liga, elogiando-o, e refutou as críticas ao calendário da competição, lembrando que este foi fechado em março com anuência de todos os clubes.
Elogios a Sousa Cintra

Pedro Proença elogiou também o trabalho feito por Sousa Cintra à frente da Comissão de Gestão do Sporting e o seu contributo na inversão de um ciclo negativo no clube.

O presidente da Liga de Clubes, que falava à margem de um almoço debate da International Club of Portugal, fez um agradecimento ao empresário que liderou a Comissão de Gestão do emblema ‘leonino’ “por inverter um ciclo extremamente negativo que o clube viveu”.

“Ainda não se fez a devida vénia ao trabalho de Sousa Cintra. Desde a primeira hora que acompanhei de muito perto o trabalho feito e só uma pessoa como Sousa Cintra podia fazer este trabalho. O Sporting um dia reconhecerá esse trabalho e quase ouso dizer que, se não fosse Sousa Cintra, hoje a página do Sporting estaria escrita de outra forma”, concluiu.

Tópicos:

Liga de Clubes, Pedro Proença,

Pesquise por: Liga de Clubes, Pedro Proença,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.