FC Barcelona bate Real Madrid no Bernabéu e fica com mais 14 pontos

| Futebol Internacional

Barcelona vence jogo em casa do Real Madrid
|

O FC Barcelona venceu hoje por 3-0 o Real Madrid, em pleno Estádio Santiago Bernabéu, e reforçou a liderança da Liga espanhola de futebol, passando a contar mais 14 pontos do que os `merengues`, após 17 jornadas.

O líder FC Barcelona deu hoje um golpe de grande autoridade na Liga espanhola, ao vencer no Bernabéu o Real Madrid por 3-0, após uma segunda parte antológica, que deixa os 'merengues' a 14 pontos.

Depois de uma primeira parte em que os madrilenos foram superiores, os catalães dominaram a segunda, vencendo com tentos do uruguaio Luis Suárez, aos 54 minutos, do argentino Lionel Messi, aos 64, de penálti, e de Aleix Vidal, aos 90+3.

A expulsão de Carvajal, que defendeu com as mãos o que seria o segundo golo dos catalães, aos 63 minutos, marcou o fim para o Real Madrid, que sofreu o terceiro desaire consecutivo em casa face aos catalães em jogos do campeonato.

O médio Kovacic foi a grande novidade na equipa do Real Madrid, relegando o 'artista' Isco para o banco, numa clara intenção de Zidane de controlar Messi, enquanto o FC Barcelona entrou com o 'onze' esperado, ambos em '4-4-2'.

Ronaldo, que 'desapareceria' após o intervalo, foi o protagonista dos primeiros minutos, ao colocar a bola dentro da baliza de Ter Stegen, aos dois, mas em fora de jogo, e falhar o pontapé aos 10, rematando na 'atmosfera', após centro de Kroos.

O Real Madrid tinha mais bola e conseguia, com várias marcações individuais, manietar o FC Barcelona, que só apareceu ofensivamente no jogo aos 30 minutos: Messi, com um passe de 'génio', isolou Paulinho, que atirou para grande defesa de Navas.

Os 'merengues' responderam, porém, de imediato, sempre com Ronaldo no epicentro das jogadas, primeiro, aos 31 minutos, com um remate cruzado defendido pelo pé esquerdo de Ter Stegen, e depois, aos 34, com um passe para Benzema, anulado por Piqué.

Aos 39 minutos, voltou a funcionar a conexão Messi-Paulinho, com o argentino a livrar-se de Kovacic e centrar da esquerda e o brasileiro a cabecear junto ao poste direito, para mais uma defesa complicada de Navas.

Na parte final da primeira parte, que terminou com um livre de Messi contra a barreira, o Real Madrid ameaçou novamente, aos 42 minutos, num cabeceamento de Benzema que ainda bateu no poste esquerdo, em resposta a um cruzamento de Marcelo.

Veio o intervalo e um novo jogo. Ronaldo ainda fez o primeiro remate, sem perigo, aos 47, mas, depois, o 'Barça' tomou conta do encontro e acabou por se adiantar no marcador aos 54 minutos, numa brilhante jogada de contra-ataque.

Busquets rodopiou na defesa sobre Kroos e lançou Rakitic, com o croata a 'galgar', desde o seu meio campo, metros e metros, até, à entrada da área, servir Sergi Roberto, que, de primeira, isolou Luis Suárez, para este encostar de pé direito. Brilhante.

Em desvantagem, o Real Madrid pareceu completamente perdido e o 'Barça' passou a ser o dono absoluto da bola, ameaçando o segundo aos 58 minutos, com Messi a isolar Suárez e este, já sem muito ângulo, a atirar às malhas laterais.

O jogo 'acabou' pouco depois, aos 63 minutos: na mesma jogada, o argentino fez duas assistências para Suárez, mas Navas deteve a primeira e o poste esquerdo a segunda, mas, na recarga, Paulinho cabeceou e Carvajal defendeu com as mãos, sendo expulso.

Na concretização da grande penalidade, Messi, que falhara um castigo máximo na última ronda, não perdoou, apontando o seu 25.º tento no 'clássico' (contra 17 de Ronaldo), o 15.º na presente edição da prova (quatro) e o 54.º do ano (53).

A perder por 2-0 e com menos um, Zidane trocou Benzema por Nacho, para reorganizar, e depois Kovavic e Casemiro por Bale e Asensio, enquanto Valverde só mexeu no último quarto de hora, para lanças os portugueses André Semedo e André Gomes.

Bale entrou bem no jogo e poderia ter reduzido aos 78 minutos, mas, como muitas vezes esta época, Ter Stegen foi 'imperial', voltando a sê-lo perante Sergio Ramos, aos 82.

O 'Barça' apanhou dois sustos, mas esteve mais vezes perto do terceiro: Messi, que já tinha colecionado dois passes de golo para Paulinho e três para Suárez, isolou Nelson Semedo, aos 80, e André Gomes, aos 85 e 90+1, mas nenhum acertou.

Ao nono passe de 'morte', o argentino conseguiu, finalmente, a assistência para a estatística, aos 90+3 minutos, ao romper pela direita e tocar atrasado para Aleix Vidal, que tinha entrado pouco antes e bateu Navas pela terceira vez.



Jogo no Estádio Santiago Bernabéu, em Madrid.

Real Madrid -- FC Barcelona, 0-3.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

0-1, Luis Suárez, 54 minutos.

0-2, Lionel Messi, 64 (grande penalidade).

0-3, Aleix Vidal, 90+3.



Equipas:

- Real Madrid: Navas, Carvajal, Sergio Ramos, Varane, Marcelo, Casemiro (Asensio, 72), Kovacic (Bale, 72), Kroos, Modric, Benzema (Nacho, 66) e Cristiano Ronaldo.

(Suplentes: Casilla, Nacho, Theo Hernandez, Asensio, Isco, Lucas Vasquez e Bale).

Treinador: Zinedine Zidane.

- FC Barcelona: Ter Stegen, Sergi Roberto (Aleix Vidal, 90+1), Piqué, Vermaelen, Alba, Busquets, Rakitic, Paulinho (André Gomes, 84), Iniesta (Nelson Semedo, 77), Messi e Luis Suárez.

(Suplentes: Cillessen, Nelson Semedo, Mascherano, Digne, André Gomes, Aleix Vidal e Denis Suárez).

Treinador: Ernesto Valverde.



Árbitro: José Maria Sanchez Martinez.

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Vermaelen (18), Sergio Ramos (59), Marcelo (83) e Busquets (88). Cartão vermelho direto para Carvajal (63).

Assistência: 80.264 espetadores.

Tópicos:

Aleix Vidal, Atlético Madrid, Lionel Messi, Luis Suárez, Valência,

Pesquise por: Aleix Vidal, Atlético Madrid, Lionel Messi, Luis Suárez, Valência,

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.