Higuaín pensou retirar-se do futebol em 2016 por causa da doença da mãe

| Futebol Internacional

Legenda da Imagem
|

O atacante argentino Gonzalo Higuaín, da Juventus, pensou retirar-se do futebol em 2016, quando a sua mãe esteve gravemente doente, confidenciou o jogador em entrevista ao canal de televisão TyC Sports.

"Eu estava muito mal nessa altura, mas a minha mãe acabou por se curar e, graças a Deus, ela está bem hoje em dia. Quando me apercebi da gravidade da sua doença, depois da final da Copa América nos Estados Unidos, eu estava a ponto de parar de jogar, mas ela pediu-me que continuasse", contou o internacional argentino, para quem a vida "não é cem por cento futebol"

Higuaín, de 30 anos, que regressou esta semana à seleção argentina depois de nove meses de ausência, jogava à altura no Nápoles e estava sob fogo intenso da crítica, depois de três finais perdidas em dois anos ao serviço da seleção argentina, o Mundial2014, e a Copa América de 2015 e 2016.

"Graças à minha família sou hoje uma pessoa mais forte, depois de passar por momentos tão difíceis, quando estive na seleção", disse Higuaín, que irá defrontar na sexta-feira a Itália ao serviço da Argentina, em jogo particular de preparação para o Mundial2018.

O internacional argentino confessou estar a atravessar uma boa fase e feliz por ter voltado à seleção e pela confiança do selecionador, o chileno Jorge Sampaoli.

Quando ao Mundial da Rússia, Higuaín, que soma 31 golos em 69 internacionalizações, não esteve com meias palavras: "O objetivo é ganhá-lo! Se as pessoas na Argentina esperam que ganhemos o Mundial é porque pusemos a fasquia alta".

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.