Leonardo Jardim: “Mónaco foi melhor que o PSG”

| Futebol Internacional
Leonardo Jardim: “Mónaco foi melhor que o PSG”

O Mónaco sagrou-se campeão de França sob a orientação do técnico português que, entrevistado pela Antena 1, fez questão de dizer que a conquista do título foi mérito do Mónaco e não demérito do Paris Saint Germain.

wNo Principado em discurso direto ao microfone do jornalista Alexandre Afonso o treinador madeirense confessou que ainda está a viver as emoções da conquista do campeonato e a responder às mensagens de felicitação que recebeu.

A importância da conquista do título pelo Mónaco é evidente para o técnico luso que o justificou da seguinte forma: “Batemos um adversário (PSG) muito forte mas não por demérito deles mas por mérito nosso. Fizemos 92 pontos, marcamos 104 golos e faturamos 11 vitórias consecutivas, entramos na história do clube”.

Esta conquista é importante para o Mónaco e Leonardo Jardim disse porquê: “Há 17 anos que o Mónaco não era campeão. É um momento de glória para os monegascos. As pessoas perceberam isso estão a gozar o momento e tratam-me bem”.

Quanto ao futuro o treinador afirmou que ainda é cedo: “Estou a desfrutar da vitória, amanhã (sábado) fazemos o último jogo do campeonato. Depois lá para o início de junho vou reunir com a direção e falaremos do futuro sendo que tenho mais dois anos de contrato”.

A finalizar e na hora de dedicar o título o técnico ficou entre paredes e repartiu os louros da vitória pela mulher e pelos pais.

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.