Câmara de Braga admite que estádio 1º de Maio está em "estado de degradação"

| Futebol Nacional

O presidente da câmara de Braga admitiu hoje que o Estádio 1º de Maio está num "estado de degradação muito considerável" e apelou ao Governo que "viabiliza a canalização" de fundos comunitários para a reabilitação daquele monumento nacional.

"O estádio está num estado de degradação muito considerável, há zonas que já foram interditas porque verificou-se que havia riscos de ruína de infraestruturas e isso é absolutamente lamentável porque estamos a falar de um monumento nacional", afirmou hoje Ricardo Rio, no final da reunião executivo municipal.

O autarca, que na questão da necessidade de intervenção do Estádio 1º de Maio conta com o apoio da CDU, adiantou que está a ser elaborado um projeto "em articulação com a Universidade do Minho" para "tentar intervir" naquela infraestrutura, mas que há constrangimentos.

"Estamos a falar de um investimento que vai representar não algumas centenas mas alguns milhões de euros por parte da câmara municipal. Naturalmente que não iremos executá-lo de imediato, não temos recursos para isso", referiu.

Questionado sobre se o Governo devia tomar parte naquele investimento, Ricardo Rio referiu que "seria importante que, no mínimo, no quadro dos fundos comunitários dirigidos à valorização do património houvesse enquadramento para um investimento de reabilitação desta natureza".

"Não estou a exigir ao Estado que faça investimentos numa propriedade municipal mas pelo menos que viabiliza a canalização de fundos comunitários para esse fim", esclareceu.

No mesmo sentido, o vereador da CDU, Carlos Almeida, apontou a necessidade de intervir no estádio municipal: "Já passou da hora. A hora dessa requalificação foi antes de 2004 (altura em que foi construído o "estádio da pedreira", para o Campeonato Europeu de Futebol)".

Segundo a CDU, o valor investido no novo estádio dava para a recuperação do 1º de Maio e até mesmo para a construção do estádio da pedreira, mas que esta nova infraestrutura deixou de lado aquele que é um monumento nacional.

"Não se pode ser conivente com a aceleração de património classificado sem qualquer tipo de medida de correção mas não tenho duvida que o investimento num novo estádio tornou muito mais difícil uma reabilitação justa e necessária no estadio 1º de Maio, penso que é inquestionável", disse.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.