Sporting: Bruno Nascimento nega contactos com agentes desportivos

| Futebol Nacional

Legenda da Imagem
|

O defesa-central do Feirense Bruno Nascimento, cujo nome foi envolvido no caso de corrupção desportiva 'Cashball', negou hoje, na sua página do Facebook, qualquer contacto com agentes desportivos ou dirigentes do Sporting.

O jogador, que se encontra de férias, revelou nas redes sociais o seu espanto pela associação ao processo 'Cashball'.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve quatro pessoas na quarta-feira, incluindo o diretor para o futebol do Sporting, André Geraldes, e efetuou buscas na SAD do Sporting, em Lisboa, por “suspeitas de corrupção ativa”, no âmbito de uma operação denominada 'Cashball'.

"Em primeiro lugar, não existe e nunca existiu nenhum tipo de contacto, tanto da parte dessas pessoas e muito menos da minha. Nem os nomes me eram familiares e por isso é até uma surpresa ainda maior. Em segundo lugar, em toda a minha carreira, nenhum clube pelo qual já passei tem a dizer de negativo sobre o meu caráter, muito pelo contrário. Por isso mesmo, recebi apoio de jogadores, técnicos e amigos de profissão que fiz ao longo destes anos aqui em Portugal e lá fora", lê-se na publicação.

Bruno Nascimento adianta ainda que vai agir contra aqueles que enunciaram o seu nome, envolvendo-o no 'Cashball: "Já estou reunindo com o meu empresário, advogados e o Clube Desportivo Feirense, com quem tenho contrato e do qual me orgulho de vestir a camisola todos os dias, de forma a agir judicialmente e criminalmente contra qualquer tentativa de desvalorizar e manchar a minha carreira profissional e honra."

Na sua publicação, o jogador agradece o apoio recebido e lamenta as suspeitas no futebol português: "Agradeço desde já aos adeptos, amigos, família e, como havia dito anteriormente, aos jogadores, técnicos e integrantes de comissões técnicas e 'staff' de vários clubes pelo carinho, numa situação no mínimo triste para o futebol português."

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    Em entrevista exclusiva à RTP, Flávio, um dos filhos de Jair Bolsonaro, afirmou que o candidato do PT Fernando Haddad devia juntar-se a Lula da Silva.

    Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

      Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.