Sporting contesta silêncio da federação de patinagem

por Mário Aleixo - RTP
O FC Porto-Sporting decorreu dentro do ringue com total normalidade Lusa

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, insurgiu-se contra o silêncio da Federação Portuguesa de Patinagem quanto aos “vergonhosos acontecimentos” na visita ao FC Porto, que culminou em “cobardes e bárbaras tentativas e agressões”.

“Para o Sporting, uma instituição centenária com milhares de associados e milhões de adeptos, que têm aportado muito às modalidades e ao hóquei em patins em particular, é absolutamente incompreensível que os acontecimentos que visualizou e que certamente o chocaram não tenham merecido da Federação presidida por V. Exa. o mais firme repúdio”, justificou o dirigente.

Em carta aberta dirigida à federação presidida por Luís Sénica, e na qual recorda que “passaram 11 dias” das agressões ao diretor-geral das modalidades do Sporting e à sua mulher, também colaboradora do clube, Frederico Varandas lamenta a “incompreensível ausência de condenação pública das agressões”.

“As tomadas de posição públicas sobre os lamentáveis acontecimentos do Dragão Caixa são essenciais para a prevenção da violência e, por isso, são essenciais a todos os desportos e, em particular, à modalidade”, reforçou.

Frederico Varandas recordou que o estatuto de utilidade pública da federação “exige uma fortíssima e corajosa tomada pública de posição”.

O dirigente insistiu no “total compromisso” do Sporting para “valorizar o desporto nacional”, numa missão “sem qualquer interesse na gestão de alinhamentos e mandatos que parecem instalados na orientação do dirigismo do desporto nacional”.

“Para acabar de vez com o problema da violência no Desporto Nacional é preciso coragem! De Todos!”, concluiu.

Uma fonte dos "leões" revelou ainda que Frederico Varandas enviou uma exposição sobre o assunto à Secretaria de Estado da Juventude e Desporto (SEJD).
Comunicado do FC Porto

Na altura o FC Porto reagiu aos acontecimentos no Dragão Caixa.

Os responsáveis azuis-e-brancos lamentaram que a mulher de Miguel Albuquerque, dirigente do Sporting, tenha sido agredida, mas negaram qualquer branqueamento do incidente, como acusou o diretor geral das modalidades dos "leões".

Eis o teor da nota dos portistas:

"O FC Porto repudia veementemente os acontecimentos ocorridos no último sábado no Dragão Caixa.

O FC Porto lamenta que o diretor geral das modalidades do Sporting Clube de Portugal, através da sua página pessoal no Facebook, tenha tecido considerações falsas sobre a natureza das intervenções de dirigentes e funcionários do nosso clube na zona em que ocorreu uma lamentável zaragata entre adeptos que também envolveu o sr. Miguel Albuquerque durante o jogo FC Porto-Sporting em hóquei em patins.

A nossa única preocupação foi a de tentar circunscrever e sanar o incidente.

De resto, após o final do jogo, o próprio Presidente do FC Porto cuidou de contactar o seu homólogo do Sporting Clube de Portugal para lhe dar a conhecer os detalhes da situação.

Nas horas subsequentes, com a calma desejável, mas também com o rigor que a situação exigia, o FC Porto mobilizou todos os meios para identificar o adepto em causa, convidado num camarote de empresa.

Este processo de identificação foi hoje mesmo concluído, tendo o FC Porto comunicado à polícia e, desde já, interditado o acesso desse adepto ao nosso pavilhão.

Cai assim por terra a suspeita lançada pelo sr. Miguel Albuquerque sobre um branqueamento deste incidente".