Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Acompanhe aqui toda a informação sobre a situação da pandemia em Portugal e no Mundo.

Mais atualizações

VEJA A INFOGRAFIA COM TODOS OS DADOS ATUALIZADOS DA SITUAÇÃO EM PORTUGAL. CLIQUE AQUI



23h30 - Mais 2.011 mortes e 79.277 casos em 24 horas no Brasil

O Brasil somou 2.011 mortes e 79.277 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total para 511.142 óbitos e 18.322.760 infeções desde o início da pandemia, informou hoje o Governo.

De acordo com o Ministério brasileiro da Saúde, a taxa de incidência da doença no Brasil é agora de 243 mortes e 8.719 casos por 100 mil habitantes.

Geograficamente, São Paulo é o foco da pandemia no país, concentrando 3.669.196 casos e 125.378 vítimas mortais desde fevereiro de 2020, quando o primeiro caso foi registado no Estado.

A nível global, o Brasil que, segundo especialistas, atravessa uma terceira vaga da pandemia, é o segundo país com mais mortes em todo o mundo, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais casos, antecedido pelos norte-americanos e pela Índia.

No total, o país sul-americano registou a recuperação de 16,5 milhões de casos, enquanto 1.263.459 pacientes infetados permanecem sob acompanhamento médico.

23h05 - Portugal pode atingir 240 casos por 100 mil habitantes entre 15 e 30 dias

Portugal atingirá os 240 casos de infeção por 100 mil habitantes entre 15 e 30 dias, caso se mantenha o atual crescimento do índice de transmissibilidade (Rt) do vírus, indica a análise de risco da pandemia de covid-19.

Segundo o relatório das "linhas vermelhas" divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e pelo Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (INSA), o número de novas infeções por 100 mil habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 142 casos, com tendência crescente a nível nacional.

O Rt apresenta valores superiores ao limiar de 1 em Portugal continental (1,14) e em todas as regiões, uma tendência crescente que é mais acentuada em Lisboa e Vale do Tejo (1,17) e no Algarve (1,34).

"Mantendo-se esta taxa de crescimento, o tempo para atingir a taxa de incidência acumulada a 14 dias de 240 casos por 100 mil habitantes será entre 15 e 30 dias para o nível nacional e inferior a 15 dias na região do Algarve", refere o documento, que recorda que esse limiar já foi ultrapassado em Lisboa e Vale do Tejo.

As autoridades de saúde referem ainda que todos os grupos etários apresentam uma tendência crescente da incidência, com destaque para a faixa dos 20 aos 29 anos, que regista 297 casos por 100 mil habitantes.

22h25 - Variante Delta já é predominante em Portugal

As autoridades de saúde estimam que a variante Delta do coronavírus, associada à Índia, seja responsável por mais de 70% dos casos de infeção em Lisboa e Vale do Tejo e que já seja a predominante em Portugal.

"Apesar de muitos resultados relativos a este mês estarem ainda por apurar, observou-se uma heterogeneidade considerável entre as várias regiões. Assim, por exemplo, o Norte tem um valor estimado para esta variante de cerca de 20%, enquanto se estima que em Lisboa e Vale do Tejo esse valor exceda já os 70%", refere o relatório das "linhas vermelhas" da pandemia hoje divulgado.

De acordo com o documento da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (INSA), a variante Delta, considerada pelos especialistas mais contagiosa e classificada como de preocupação pela Organização Mundial de Saúde, está em "rápida expansão" em território continental, "à semelhança do que aconteceu no Reino Unido".

"Com base na sequenciação genómica, a estimativa da proporção de casos SARS-CoV-2 da variante Delta para Portugal continental, de 2 a 15 de junho, foi de 51%", refere o INSA, que avança ainda que apenas 3% devem pertencer à sublinhagem com a mutação de interesse K417N, designada como Delta Plus.

O documento recorda também que a variante Alpha, associada ao Reino Unido, foi a dominante durante maio, mas as autoridades de saúde estimam agora que a Delta "se tenha já sobreposto a esta à data atual".

22h10 - Covid-19. Alemanha coloca Portugal na lista vermelha de viagens

As autoridades sanitárias da Alemanha colocaram hoje Portugal na `lista vermelha`, uma decisão que vigorará a partir de terça-feira e que obrigará todos os viajantes provenientes do território português a uma quarentena de 14 dias.

"Portugal é classificado como uma área de variantes [do SARS-CoV-2] de preocupação inicialmente durante duas semanas", dá conta a decisão do Instituto Robert Koch, a agência federal de saúde da Alemanha, acrescentando "que uma extensão" deste período "é possível".

A Rússia também foi considerada uma área de preocupação em relação a variantes do SARS-CoV-2 e, assim como Portugal, integrou a `lista vermelha` alemã.

A decisão entrará em vigor às 00:00 de terça-feira (29 de junho).

Na terça-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, criticou a falta de regras comuns na União Europeia (UE) relativamente às viagens e utilizou como exemplo o aumento de infeções em Portugal, uma situação que "podia ter sido evitada".

"O que lamento é que ainda não tenhamos sido capazes de alcançar um comportamento uniforme entre os Estados-membros em termos de restrições de viagem, isto é um retrocesso (...). Temos agora uma situação em Portugal, que talvez pudesse ter sido evitada", explicitou durante uma conferência de imprensa em Berlim.

Um documento da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (INSA)explicitou hoje que a variante Delta, detetada na Índia, deverá ser responsável por mais de 70% das infeções na região de Lisboa e Vale do Tejo e que já poderá ser a predominante em Portugal.

Esta variante do SARS-CoV-2 é considerada mais contagiosa e possivelmente mais resistente a algumas vacinas.

21h45 - Já foram emitidos mais de 625 mil Certificados Digitais da Covid-19

21h18 -  Lisboa e Vale do Tejo com 86% das camas de cuidados intensivos ocupadas

Os hospitais de Lisboa e Vale do Tejo têm 71 doentes em cuidados intensivos por covid-19, o que representa já 86% do limite de 83 camas definidos para esta região, adianta o relatório das "linhas vermelhas" hoje divulgado.

"A região de Lisboa e Vale do Tejo com 71 doentes internados em unidades de cuidados intensivos (UCI) representa 67% do total de casos em UCI (do país) e corresponde a 86% do limite regional de 83 camas em UCI definido no relatório "linhas vermelhas"", refere o documento da Direção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (INSA).

Para analisar o risco da pandemia, as "linhas vermelhas" elaboradas por um grupo de especialista prevê que, com uma taxa de ocupação de 85% das camas de cuidados intensivos, o número total de doentes covid-19 críticos deve permanecer abaixo de 245 em Portugal continental.

21h10 - Metade da população de Portugal continental já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19 e mais de 30% têm a vacinação completa, segundo o Ministério da Saúde.

"Até agora, foram inoculadas cerca de 7,8 milhões de vacinas no continente, que permitiram iniciar o esquema vacinal em quase cinco milhões de pessoas, mais de três milhões das quais já têm a sua vacinação completa", adiantou o ministério em comunicado.

A mesma fonte explicou ainda que a vacinação completa aplica-se quando são administradas as duas doses para a maioria das vacinas que são utilizadas em Portugal ou quando a pessoa recebe a vacina da Janssen, que é de toma única.

"O país está, assim, cada vez mais perto de alcançar a meta definida de ter 70% da população vacinada, com pelo menos uma dose, durante o mês de agosto", referiu o ministério.

21h07 - Angola registou 280 novas infeções, duas mortes e 265 recuperados, nas últimas 24 horas, segundo dados da diretora nacional de Saúde Pública.

21h05 - As autoridades de saúde da Madeira diagnosticaram nove novos casos de covid-19 e mais 11 doentes recuperados na região nas últimas 24 horas, registando 65 casos ativos no arquipélago.

20h27 - Vários condutores mandados para trás em Palmela e Alcácer do Sal

20h25 - Fiscalização reforçada nas saídas de Lisboa

20h24 - António Costa diz que Lisboa tinha mesmo de dar um passo atrás

20h19 - Restrições de circulação fora de Lisboa causam corrida aos testes

20h17 - PJ investiga vacinação indevida de dezenas de jovens no Porto

19h54 - Cabo Verde registou hoje mais uma morte por covid-19, aumentando para 286 o total de óbitos associados à doença no país, que nas últimas 24 horas diagnosticou mais 56 infetados pelo novo coronavírus, anunciaram as autoridades de saúde.

19h35 - Alemanha põe Portugal como zona de mutação do novo coronavírus

A Alemanha declarou Portugal e a Rússia como "zonas de mutação do vírus", o que irá desencadear severas restrições nas viagens de e para ambos os países.

19h10 -  PCP critica recuo no desconfinamento e fala em "opções erradas"

O secretário-geral do PCP criticou hoje o recuo no desconfinamento anunciado pelo Governo na quinta-feira, considerando que têm sido tomadas "opções erradas", e lamentou que a responsabilidade seja transferida para "a esfera dos comportamentos individuais".

"Como temos defendido, a solução no combate à covid-19 não pode ser insistir no fecho de atividades e no condicionamento da vida social, muitas vezes sem que a justificação seja percebida pelas populações já cansadas de um ano e meio de confinamento e outras restrições, expondo-as a conflitos com a autoridade", afirmou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP falava no início de um encontro com profissionais e utentes de saúde, em Lisboa, e considerou que as medidas de combate à pandemia decididas pelo Conselho de Ministros traduziram-se em "mais um recuo por parte do Governo".

Ressalvando que "o surto epidémico que o país enfrenta coloca um conjunto significativo de problemas" que "é preciso enfrentar com responsabilidade e determinação", o líder comunista referiu que a estratégia do Governo de combate à covid-19 assenta "não em medidas que procurem encontrar uma relação equilibrada entre o combate eficaz ao surto epidémico e medidas que impeçam o país de continuar a caminhar no sentido do aumento das dificuldade económicas e sociais, mas uma opção centrada sobretudo em critérios epidemiológicos em que as chamadas linhas vermelhas têm como principal objetivo sustentar medidas restritivas".

"Perante a incapacidade de resolverem o problema devido às opções erradas que têm tomado, e com o objetivo de iludirem a ausência ou insuficiência das medidas que se impõem, transferem para a esfera dos comportamentos individuais a responsabilidade da decisão de medidas restritivas como as que foram decididas ainda ontem", criticou.

Para o PCP, é preciso apostar em "medidas alternativas às medidas restritivas que têm vindo a ser tomadas", e que passam por "testagem, definindo critérios e prioridades rigorosas, rastreio de todos os novos casos e contactos por estes realizados", além da "vacinação rápida de todos".

19h05 -  Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou para a disseminação rápida entre as pessoas não vacinadas da variante Delta, a mais transmissível das variantes do coronavírus SARS-CoV-2 identificada em 85 países.

O alerta foi deixado pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na habitual videoconferência de imprensa sobre a evolução da pandemia da covid-19, emitida da sede da organização, em Genebra, na Suíça.

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, a variante Delta, pela primeira vez diagnosticada na Índia mas em circulação em 85 países, incluindo Portugal, é a mais transmissível das variantes do novo coronavírus, que causa a doença covid-19, e "está a espalhar-se rapidamente entre as populações não vacinadas".

Perante esta realidade, o médico etíope defendeu a urgência de se manter o uso adequado e contínuo de medidas de saúde pública e a vacinação equitativa das pessoas.

"Os vírus evoluem, mas podemos prevenir o aparecimento de variantes prevenindo a transmissão. Quanto mais transmissão, mais variantes", acentuou.

18h50 - Covid-19. Pandemia custa 3.695 milhões de euros entre janeiro e maio

A pandemia de covid-19 custou aos cofres do Estado 3.695,4 milhões de euros até maio, dos quais 438,8 milhões por redução da receita e 3.256,6 milhões por aumento de despesa, segundo a DGO.

"Até ao final de maio, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como as que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 438,8 milhões de euros e a um aumento da despesa total em 3.256,6 milhões de euros", refere a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental publicada hoje.

Assim, o impacto da pandemia, tendo em conta a receita não cobrada e a despesa efetuada, totalizou 3.695,4 milhões de euros (ME) entre janeiro e maio.

Do lado da receita, a DGO destaca o impacto estimado associado à prorrogação do pagamento do IVA (218,4 ME) e isenção de pagamento da Taxa Social Única, estimado em 179,1 ME.

Já do lado da despesa, os apoios às empresas e ao emprego atingiram até maio 1.945,8 ME, incluindo o programa Apoiar (900,7 ME), o apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade (378,5 ME) e o `lay-off` simplificado (360,2 ME).

A DGO refere ainda as medidas de apoio ao rendimento das famílias (538,5 ME), destacando os apoios extraordinários ao rendimento dos trabalhadores (279,9 ME) e as medidas por parte do setor da saúde (516,7 ME), nomeadamente com recursos humanos, vacinas e equipamentos de proteção individual, medicamentos, testes e vacinas.

Na ausência das despesas associadas às medidas no âmbito da covid-19, a despesa efetiva das Administrações Públicas teria estabilizado face ao ano anterior, em vez de ter aumentado 3,8%, e a receita efetiva teria diminuído 3% e não 1,8%, afirma a DGO.

O défice das contas públicas foi de 5.401 ME até maio, um agravamento de 1.895 ME face ao mesmo período do ano passado devido aos efeitos da pandemia, avançou hoje o Ministério das Finanças, no habitual comunicado que antecede a publicação da DGO.

Segundo o gabinete liderado por João Leão, "a evolução do défice é explicada pela redução da receita (-1,8%) e acréscimo da despesa primária (+4,4%), reflexo dos impactos negativos do confinamento na economia e das medidas extraordinárias de apoio direcionadas a famílias e empresas".

18h45 - Moçambique registou mais dois mortos e 534 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciou hoje o Ministério da Saúde na atualização diária de dados sobre a pandemia, em que alerta para uma "subida galopante".

18h35 - A Itália registou 753 novas infeções com o novo coronavírus e 56 mortes, nas últimas 24 horas, das quais 21 resultam de uma revisão de dados, e pressão sobre hospitais continua a diminuir.

18h32 - A incidência acumulada voltou hoje a subir em Espanha, pelo segundo dia consecutivo, depois de várias semanas a baixar, num dia em que faleceram 13 pessoas e há 4.924 novos casos.

18h25 - Farmácias registam pico de procura de testes

As farmácias estão hoje a registar um pico de procura de testes ao novo coronavírus, segundo a Associação Nacional de Farmácias (ANF), que atribui esta situação às restrições para sair ou entrar na Área Metropolitana de Lisboa.

O Conselho de Ministros decidiu na quinta-feira manter a proibição no fim de semana de circulação para dentro ou para fora da Área Metropolitana de Lisboa, onde se regista o maior número de casos de infeções, mas quem tenha um certificado digital ou um teste negativo com resultado laboratorial pode circula.

"É natural que hoje, por ser o primeiro dia em que o teste pode ser exigido para efeitos de circulação, se registe um pico de procura, que não foi prevista nem antecipada pelos próprios cidadãos", disse à agência Lusa Duarte Santos, da direção da ANF.

Por isso, registam-se filas de espera nalgumas farmácias, mas "a situação deverá voltar ao normal nos próximos dias", referiu.

Segundo Duarte Santos, a procura de testes tem vindo a aumentar, assim como o número de farmácias com o serviço disponível.

Neste momento, há 113 farmácias em Lisboa a fazer testes diariamente, disse o responsável, salientando que estas têm alargado horários e dedicado cada vez mais profissionais a este serviço.

18h17 - Bolsonaro diz que a polícia investigará compra de vacina indiana

O Presidente do Brasil disse hoje que a Polícia Federal irá investigar a compra da vacina contra a covid-19 Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biontech, num contrato que é alvo de suspeitas de corrupção.

"É lógico que vai abrir inquérito", disse o Presidente brasileiro ao ser questionado sobre a compra da vacina em causa, que está no centro de uma polémica sobre alegada tentativa de corrupção e irregularidades no contrato de aquisição.

O Governo brasileiro firmou um contrato no valor de 1,6 mil milhões de reais (cerca de 270 milhões de euros) para aquisição de 20 milhões de doses desta vacina em 25 de fevereiro, porém, os prazos previstos de entrega do produto estão atrasados e, somente no último dia 04, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador, aprovou a sua importação com restrições.

A aquisição da Covaxin foi a única realizada pelo Governo do Brasil de forma indireta, ou seja, através de uma empresa intermediária, a Precisa Medicamentos.

A vacina também tem sido colocada em causa porque foi a mais cara obtida pelo país.

17h58 - Incidência sobe em Espanha pelo segundo dia consecutivo

A incidência acumulada voltou hoje a subir em Espanha, pelo segundo dia consecutivo, depois de várias semanas a baixar, num dia em que faleceram 13 pessoas e há 4.924 novos casos, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

A incidência acumulada (contágios) subiu hoje de 93 (quinta-feira) para 95 casos diagnosticados por cada 100.000 habitantes, depois de ter baixado suavemente nos últimos meses.

As comunidades autónomas com os níveis mais elevados são as da Andaluzia (165), La Rioja (135), Catalunha (113), Navarra (97), País Basco (97), Madrid (79) e Aragão (78).

Os serviços sanitários também notificaram mais 13 mortes atribuídas à pandemia desde quinta-feira, havendo agora um total de 80.779 óbitos.

A Espanha registou ainda 4.924 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 3.782.463 o total de infetados.

17h26 - Infeções mais do que duplicam este ano em Portugal, mas internamentos baixam 78%

Desde o início do ano, o número de pessoas infetadas com o novo coronavírus aumentou 107% em Portugal, mas a pressão sobre os serviços de saúde diminuiu em 84% nos internamentos por covid-19 e 78% nos cuidados intensivos.

Se Portugal começou 2021 com um total de 420.629 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, hoje o número de casos confirmados ascende a 871.483, o que representa um aumento de 107% no espaço de pouco menos de sete meses.

Apesar desse crescimento, que se deveu, sobretudo, à vaga registada nos primeiros dois meses do ano, os dados oficiais indicam que se regista uma redução substancial da pressão a que o Serviço Nacional de Saúde tem estado sujeito desde o início de janeiro.

O ano começou com 2.806 pessoas internadas e outras 483 a necessitarem de cuidados intensivos, mas hoje, de acordo com os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde, os hospitais nacionais registam 431 internados em enfermaria, menos 84%, e outros 108 em unidades de cuidados intensivos, uma redução de cerca de 78%.

Quanto aos óbitos, Portugal registava 6.972 mortes no início de janeiro, tendo-se verificado um aumento de 145% desde então, para os atuais 17.081, mas este número tem-se mantido baixo no último mês – o máximo diário foi seis mortes verificadas em 10, 16 e 22 de junho.

O decréscimo da pressão sobre os serviços de saúde é proporcional ao aumento da vacinação contra a covid-19, que arrancou a 27 de dezembro de 2020, o que se deve à inoculação em massa dos portugueses, devido ao maior número de vacinas que têm chegado ao país.

O país tinha recebido, a 14 de fevereiro, pouco mais de 650 mil doses, que foram destinadas a vacinar os grupos de risco mais vulneráveis e profissionais de saúde, mas as entregas foram aumentando ao longo dos meses seguintes, totalizando agora mais de 8,6 milhões de doses.

O ritmo de vacinação acompanhou, assim, a chegada das vacinas, passando de apenas 02% da população que tinha tomado as duas doses – cerca de 200 mil pessoas – a 14 de fevereiro, para perto de três milhões os portugueses (30%) com a sua vacinação completa.

17h06 - Já foram emitidos mais de 625 mil certificados digitais em Portugal

"Até ao momento, já foram emitidos mais de 625 mil certificados digitais da Covid-19 da União Europeia (UE): certificado de vacinação; certificado de teste e certificado de recuperação", avançou à RTP fonte dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

16h55 - Reino Unido regista aumento semanal de 46% em casos da variante Delta

O Reino Unido registou um aumento semanal de 46% nos casos de variante Delta, de acordo com os dados atualizados do Governo britânico, tendo notificado 18 mortes e 15.810 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas.

Os dados semanais do número de casos de variantes mostram que a variante Delta infetou mais 35.204 pessoas desde a semana passada, passando a um total de 111.157, uma subida de 46%.

Destes, especificou a agência Public Health England, 42 pessoas mostraram infeção pela sub-linhagem Delta AY.1 com mutação K417N, considerada potencialmente preocupante devido ao risco de oferecer maior resistência às vacinas.

A variante Delta é atualmente responsável por aproximadamente 95% dos casos sequenciados em todo o Reino Unido, mas a diretora executiva da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido, Jenny Harries, está confiante no efeito do programa de imunização, sobretudo após as duas doses de vacina anti-covid-19.

"Graças ao sucesso do nosso programa de vacinação, os dados sugerem que começámos a quebrar o elo entre os casos e as hospitalizações", comentou.

16h35 - Estudo mostra que resposta imune humoral à vacina foi adequada em 97,7%

Um estudo que está a ser desenvolvido pelo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) revela que a resposta imune humoral (mediada por anticorpos) à vacina contra a covid-19 foi adequada em 97,7% da população analisada.

O CHUC tem em curso um estudo relativo à resposta imune humoral e celular (mediada por linfócitos T) à vacina, que foi proposto a todos os seus cerca de 9.000 funcionários.

"Este estudo, que envolve doseamentos seriados de anticorpos ao longo de um ano, revelou até ao momento que a resposta humoral foi adequada em 97,7% da população estudada", avança o centro hospitalar, em comunicado.

Foi ainda possível perceber que "o título médio de anticorpos em resposta à vacina vai diminuindo com a idade, sendo esta descida mais marcada nos indivíduos do sexo masculino".

"Também se verificou que a resposta humoral à vacina é mais acentuada em indivíduos que estiveram anteriormente expostos ao vírus SARS-CoV-2, quando comparada com os indivíduos naïve (que nunca foram expostos)", acrescenta.

16h00 - INSA. Algarve é a região do país com índice de transmissibilidade mais elevado

A região do Algarve é a que apresenta o índice de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 mais elevado no país, com 1,3, enquanto em Lisboa e Vale do Tejo desceu para 1,11 segundo dados divulgados hoje pelo INSA.

Ao nível nacional, desde o passado dia 14 de junho até domingo, observou-se uma redução do Rt de 1,20 para 1,1, o que também se registou na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde passou de 1,26 para 1,11, adianta o relatório semanal da curva epidémica do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA),

Para os investigadores do INSA, este resultado sugere "uma desaceleração do aumento do número de novos casos neste período de tempo, ou seja, o número de novos caso mantém-se a crescer, mas mais devagar".

Por outro lado, na região Algarve observa-se "um aumento acentuado" do índice de transmissibilidade, tendo passado de 1,07 em 27 de maio de 2021 para 1,4 a 14 de junho (0,33 em 19 dias).

"Desta data em diante o Rt decresceu para 1,3 a 19 de junho, mantendo-se, no entanto, ainda, em valores elevados", salienta o INSA.

15h50 - Maiores de 50 com acesso direto à vacina anti-covid

A partir desta sexta-feira as pessoas com mais de 50 anos e sem agendamento da vacina podem deslocar-se a um centro de vacinação para receber a primeira dose.


15h08 - PR está a analisar situação pandémica em Sevilha para decidir presença no jogo de Portugal

Questionada pela RTP, a Presidência da República explicou que Marcelo Rebelo de Sousa está a “analisar a evolução da situação pandémica em Sevilha” para decidir sobre a sua deslocação para assistir ao jogo da seleção portuguesa, apesar de possuir o Certificado Digital Covid.

“O Presidente da República, que dispõe do Certificado Digital Covid, que lhe permite, como a qualquer outro cidadão na mesma situação, deslocar-se para fora da Área Metropolitana de Lisboa, nos termos da resolução do Conselho de Ministros de ontem [quinta-feira], está a analisar a evolução da situação pandémica em Sevilha, para tomar uma decisão final sobre a deslocação", explicou a Presidência da República à RTP.

14h44 - Aumenta para 58 o número de concelhos com incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes

Portugal tem hoje 58 concelhos com incidência do coronavírus SARS-CoV-2 superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, mais 18 do que na última sexta-feira.

Segundo os dados hoje divulgados no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), dos 58 concelhos com incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes, 18 pertencem à Área Metropolitana de Lisboa (AML).

Dos 18 concelhos da AML, 13 têm mais de 240 casos de covid-19 por 100 mil habitantes, tendo os restantes cinco uma incidência superior a 120 casos.

Os dados da DGS mostram também que o concelho do Porto surge com uma incidência do coronavírus SARS-CoV-2 superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, o que não acontecia nas últimas semanas.

14h18 - Incidência aumenta para 137,5 casos por 100 mil habitantes a nível nacional

O boletim revela ainda um aumento da incidência e uma ligeira descida do índice de transmissibilidade, ou R(t).

A incidência é agora de 137,5 casos por 100 mil habitantes e nível nacional e de 138,7 no continente. Na atualização anterior, a incidência era de 128,6 e 129,6, respetivamente.

Já o R(t) registou uma ligeira descida, passando de 1,17 para 1,14 a nível nacional e de 1,18 para 1,15 no continente.

14h05 - Mais 1604 casos de infeção e duas mortes em Portugal

O último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde reporta mais duas mortes e 1604 casos confirmados em Portugal, o maior número em quatro meses.

Lisboa e Vale do Tejo registou 1049 novos casos, o que corresponde a 65 por cento do total de infeções registadas nas últimas 24 horas. Os dois óbitos foram também reportados em Lisboa e Vale do Tejo. A segunda região mais afetada é o norte do país, com 239 casos registados esta sexta-feira. Segue-se o Algarve com 159 novas infeções, o centro com 120 e o Alentejo com 31.

O número de internamentos voltou a aumentar, com mais quatro doentes em enfermaria e dois em unidades de cuidados intensivos (UCI). No total, estão hoje internados 431 doentes, dos quais 108 em UCI.

Há ainda a reportar mais 857 recuperados, para um total de 823.960. Portugal tem hoje mais 745 casos ativos (30.442 no total) e mais 2687 contactos em vigilância (47.357 no total).

Desde que foi identificado o primeiro caso de Covid-19 em Portugal já foram confirmadas 871.483 infeções com a doença e 17.081 mortes.

14h04 - Vacinação sem agendamento no Pavilhão da Ajuda

A partir de 1 de julho entre as sete da tarde e as nove da noite vai ser possível ser vacinado sem agendamento no Pavilhão da Ajuda, em Lisboa. Mas isto só se aplica a pessoas com a idade definida pela task force.
O anúncio foi feito por Fernando Medina, que defende que acelerar a vacinação e a testagem é a forma de controlar a pandemia na região.

13h45 - Comparticipação de testes vai avançar “o mais rápido possível”, diz Governo

O Governo vai "comparticipar o mais rapidamente possível" o custo dos testes de despiste da covid-19, para serem mais utilizados pela população, disse hoje em Alenquer o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

O Governo vai "comparticipar o mais rapidamente possível. Estamos a trabalhar nessa operacionalização para levar por diante essa testagem", referiu aos jornalistas António Lacerda Sales, à margem da inauguração de uma Unidade de Saúde Familiar em Alenquer.

O secretário de Estado sublinhou que a testagem "é a única forma" de "quebrar as cadeias de transmissão". O governante incentivou por isso os cidadãos a utilizarem os testes, assim como a se vacinarem e a pedirem o certificado digital da covid-19.

Para saírem ou entrarem nos concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, esclareceu, são exigidos testes negativos à covid-19: os PCR, efetuados nas 72 horas anteriores, ou testes rápidos de antigénio, realizados 48 horas antes.

13h35 - Costa salienta tempo recorde de aprovação do certificado digital

O primeiro-ministro diz que é a maneira de ter liberdade de circulação na União Europeia de forma segura.


13h26 - Certificado Digital já pode ser usado

O Presidente da República promulgou o diploma que permite a utilização do documento em Portugal.

O certificado já pode ser utilizado, por exemplo, para quem quiser entrar ou sair na Área Metropolitana de Lisboa, durante o fim-de-semana.
O documento vai trazer maior liberdade de circulação, ao mesmo tempo que incentiva a vacinação e a testagem.

13h03 - Autoridades judiciais já abriram 200 inquéritos sobre vacinação indevida

Até ao momento, as autoridades judiciais já abriram duzentos inquéritos sobre vacinação indevida.

A RTP apurou que o resultado de trinta desses inquéritos já estão nas mãos do Ministério Público.
Foram constituídos dezenas de arguidos, de norte a sul do país, incluindo as regiões autónomas. Entre os arguidos há utentes do Serviço Nacional de Saúde, mas também profissionais, como médicos e enfermeiros.

Os restantes 170 inquéritos estão nas mãos da Polícia Judiciária que está a investigar casos de vacinação indevida.

13h00 - Variante Delta pode ter repercussão em larga escala no verão, alertam especialistas

Responsável por um reforço da pandemia no Reino Unido há algumas semanas, a variante Delta da covid-19, mais contagiosa, pode ter uma repercussão em larga escala no verão se nada for feito para a combater precocemente, alertam especialistas e autoridades.

No momento, a epidemia da covid-19 regista uma relativa acalmia com um número de novos casos em todo o mundo no nível mais baixo desde fevereiro e as mortes a baixarem, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas vários países como a Indonésia, Portugal, Rússia ou Israel sofrem um recrudescimento de novos casos, pelo menos em parte ligados à propagação da variante Delta, e numerosos outros temem vir a seguir.

Identificada pela primeira vez na Índia, onde se difundiu a partir de abril, esta estirpe do SARS-CoV-2 encontra-se atualmente em pelo menos 85 países, segundo a OMS, em proporções variáveis.

Na Europa, propagou-se inicialmente e de forma rápida no Reino Unido, substituindo, em algumas semanas, a variante Alpha, que apareceu no final de 2020 no sudeste de Inglaterra.

O mesmo cenário deve acontecer este verão no resto do continente: o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) calcula que a variante deverá representar 70% das novas infeções na União Europeia até ao início de agosto e 90% até ao final desse mês.

12h37 - Suspensa a diretora do Agrupamento de Centros de Saúde do Porto Oriental

A RTP confirmou junto de fonte do ACeS Porto Oriental que a diretora do Agrupamento de Centros de Saúde do Porto Oriental foi suspensa de funções. Em causa está a alegada vacinação indevida de dezenas de jovens no Porto, um caso que a Polícia Judiciária está a investigar.


11h27 - Gouveia e Melo elogia processo de vacinação na Madeira

O responsável pela task force está na Madeira e diz-se "agradado" com o processo na região. O vice-almirante adianta que entre hoje e amanhã todas as pessoas elegíveis vão ser vacinadas no Porto Santo, destacando a importância desse passo numa região ultraperiférica, sem hospital.


11h09 - Vacinação de grávidas avança assim que DGS definir orientações, diz coordenador da Task Force

10h49 - Vacinação indevida no Porto. "Pedi que se tirassem todas as consequências", diz Gouveia e Melo que fala em "desobediência"

O grupo que gere as vacinas em Portugal enviou à Polícia Judiciária informação sobre suspeitas de vacinação indevida no Porto.

Em causa a vacinação de jovens a partir dos 18 anos, que não se enquadram em grupos de risco.

Questionado sobre esta situação, o responsável pela vacinação em Portugal afirmou que quer que todas as consequências sejam retiradas e acrescentou que este é o primeiro caso "desta dimensão que tem conhecimento" e considera "tratar-se de desobediência" ao plano, dizendo que a vigilância foi sempre apertada. "Nunca tive um caso desta dimensão", disse ainda.
Dezenas de jovens terão sido vacinados na unidade do Cerco entre quarta e quinta feira, ao final da tarde, numa convocatória à margem das regras. Saiba mais aqui.

10h22 - Governo britânico coloca Madeira "sob vigilância" e alerta para risco de descer

O ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, alertou hoje para o "risco de as coisas mudarem" e destinos como a Madeira serem despromovidos da "lista verde" para a "lista amarela" de viagens internacionais britânica.

09h34 - Russia com mais 20,393 casos e 601 vítimas mortais

09h21 - Israel volta a exigir o uso de máscaras em espaços fechados devido ao aumento de casos da variante Delta

09h13 - Autoridades de saúde na Alemanha dizem que a variante Delta está a espalhar-se rapidamente, em particular entre os mais novos e pessoas não vacinadas

Representa já mais de 15 por cento dos novos casos no país.

08h47 - Rússia começou a inocular com a nova vacina criada no país, de uma só dose, chamada Sputnik Light

08h23 - Área Metropolitana de Lisboa. Entradas e saídas condicionadas a testes ou certificados. Saiba mais aqui

08h06 - Presidente da Sociedade de Pneumologia afasta hipótese de aliviar o uso da máscara

08h04 - Autarca de Albufeira fala em injustiça no recuo no desconfinamento

Vários municípios dão um passo atrás no desconfinamento, devido ao número elevado de novos casos. Albufeira, Lisboa e Sesimbra vão ser alvo de novas restrições, como a redução dos horários da restauração e do comércio ao fim de semana. O presidente da Câmara de Albufeira fala numa injustiça. José Carlos Rolo diz que esta situação vai ter um forte impacto na economia.

O presidente da Câmara de Albufeira insiste na necessidade de rever os critérios de cálculo devido à sazonalidade que existe nesta região algarvia.


07h18 - Certificado digital da Covid-19 já pode ser usado oficialmente em Portugal

07h09 - Índia com 51,667 novos casos de Covid-19 em 24 horas

07h07 - Baixa de Sidnei, na Austrália, e alguns subúrbios, em cerca sanitária

Autoridades tentam controlar um surto da variante Delta da Covid-19.

07h05 - Reentrada da Madeira na lista verde britânica é "uma grande vitória"

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que a reentrada da região no 'corredor verde' britânico "é um ato da mais elementar justiça" e uma "grande vitória" para a região.

Numa nota distribuída pela presidência do Governo madeirense, o chefe do executivo insular destaca "a quantidade residual de casos diários de covid-19 que a região apresenta", lembrando que esse foi um dos factos apresentados aos responsáveis britânicos.

O arquipélago da Madeira, as ilhas Baleares e algumas das Caraíbas, incluindo Barbados, vão ser adicionadas à 'lista verde' de viagens internacionais e isentas de quarentena na chegada a Inglaterra, anunciou hoje o Governo britânico.

07h04 - Governo "acha difícil" o "cenário extremo" de regresso ao estado de emergência

O Governo "acha difícil" que se coloque o "cenário extremo" do regresso ao estado de emergência, face à evolução do plano de vacinação, e admite que a matriz de risco seja repensada quando atingidos "determinados objetivos".

"Acho difícil, tendo em conta a circunstância em que estamos no plano de vacinação, que o cenário (de regresso ao estado de emergência), que é um cenário extremo, se coloque em cima da mesa", disse o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, em entrevista à TVI24 na quinta-feira.

"Não podemos também desvalorizar medidas como as que estamos a implementar, que são também de enorme intensidade. Reduzir os horários do comércio e da restauração num concelho como Lisboa é uma medida com muita violência e não é uma medida de somenos", adiantou.


07h03 - Brasil agradece "solidariedade" dos EUA por doação de vacinas

O Governo brasileiro agradeceu na quinta-feira a "solidariedade" dos Estados Unidos da América pela doação de três milhões de doses de vacinas contra a covid-19 da Janssen ao país sul-americano.

"O Brasil receberá, entre sexta-feira e sábado, três milhões de doses de vacinas contra a covid-19 da farmacêutica Janssen, doadas diretamente pelo governo dos EUA ao Brasil. O Governo brasileiro renova o seu reconhecimento e agradecimento ao Governo dos Estados Unidos por essa expressão concreta dos laços de amizade e solidariedade que unem os dois países", indicou o Ministério das Relações Exteriores brasileiro em comunicado.

07h02 - OMS e Governo timorense reiteram eficácia da vacina AstraZeneca

O Governo timorense e a OMS reafirmaram hoje a eficácia e segurança da vacina AstraZeneca, notando não haver registos de quaisquer efeitos secundários graves apesar de cerca de 200 mil pessoas terem sido inoculadas no país.

"Quase 200.000 doses de vacina COVID-19 foram administradas em Timor-Leste e não temos até agora nenhum caso registado de efeitos secundários graves", referiu um comunicado conjunto do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

"Este é um feito incrível para um país que depende principalmente da vacina AZ (AstraZeneca) e é mais uma prova da segurança desta vacina na nossa população", salientou.

Situação em Portugal 

A circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa volta a estar proibida este fim de semana, entre as 15h00 de hoje e as 06h00 de segunda-feira.

Pode apenas entrar ou sair quem apresentar um teste negativo à Covid-19 ou certificado digital.
O diploma que executa, em Portugal, o Regulamento da União Europeia sobre o Certificado Digital Covid foi esta noite promulgado pelo Presidente da República. Ontem, em Conselho de Ministros, foi aprovado o decreto-lei que executa na ordem jurídica portuguesa e regulamenta esse certificado que, a partir de 01 de julho, poderá ser usado nas viagens internacionais.

Já foram emitidos pelos serviços de saúde mais de 400 mil certificados digitais da Covid-19. Os dados foram avançados à agência Lusa pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde.

O Presidente da República promulgou também o diploma que prorroga até 31 de agosto o regime excecional de recrutamento de trabalhadores para o SNS.

Situação no Mundo

A União Europeia estima que os países do bloco vão receber 900 milhões de doses das vacinas no segundo semestre do ano, menos no que era esperado.

O Brasil contabilizou mais 2.032 mortes devido à Covid-19 nas últimas 24 horas e aproxima-se agora de 510 mil óbitos (509.141) desde o início da pandemia, informou o Ministério da Saúde brasileiro.

Em relação ao número de infetados, a nação sul-americana, que no dia anterior registou um recorde de novos casos (115.228), somou 73.602 diagnóstico positivos de covid-19 entre quarta-feira e hoje.

No total, o Brasil concentra 18.243.483 infeções desde fevereiro de 2020, mês em que o primeiro caso foi registado no país.

Em Espanha vai cair a obrigatoriedade do uso da máscara ao ar livre.

A partir de amanhã, e desde que seja possível manter um distanciamento mínimo de um metro e meio, os espanhóis já não precisam de usar, na rua, este equipamento de protecção individual.