Equipa suíça Alinghi vence Extreme Sailing Series em Cascais

| Outras Modalidades

A equipa suíça Alinghi venceu hoje a quarta etapa da Extreme Sailing Series, competição disputada em Cascais e na qual a equipa lusa Team Portugal foi sétima e última classificada.

Nas 24 regatas disputadas, entre quinta-feira e hoje, o catamarã suíço somou 309 pontos, mais 15 do que a formação dinamarquesa SAP Extreme Sailing Team, que foi segunda.

O Team Portugal, que não pontuou em quatro das 24 regatas, concluiu com sete pontos, menos um do que o Team México, que foi sexto.

O co-skipper português Luís Brito fez um balanço positivo da competição e disse estar orgulhoso: "Foi uma semana difícil, com muito vento, muita aprendizagem para esta jovem equipa (...). Estou muito contente e muito orgulhoso destes jovens velejadores. Espero voltar no próximo ano com uma equipa melhor preparada e mais fortes."

Com o triunfo em Cascais, o Alinghi, tripulado por Arnaud Psarofaghis, Nicolas Charbonnier, Nils Frei, Yves Detrey e Timothé Lapauw, ascendeu à liderança da classificação geral da competição, com um ponto de vantagem sobre os dinamarqueses, com quem estavam empatados antes da prova portuguesa.

"É ótimo ganhar aqui, em Cascais. Velejámos muito bem durante toda a semana e, praticamente, que fizemos más regatas. A equipa fez um excelente trabalho voando no campo de regatas. Resumidamente, estamos muito contentes", disse o co-skipper e leme, Arnaud Psarofaghis, em declarações à assessoria de imprensa da prova.

A próxima prova do Extreme Sailing Series disputa-se em Cardiff, no País de Gales, entre 24 e 27 de agosto. Depois, este circuito mundial, vai passar ainda por San Diego, nos Estados Unidos, antes de antes de terminar em Los Cabos, no México.


A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.