Em direto
Operação "Promessa Honesta". As ondas de choque do ataque do Irão a Israel

Nélson Évora diz que foi "mal interpretado" nas declarações sobre naturalizações

por Lusa
Lusa

Nélson Évora recorreu hoje à redes sociais para dizer que foi "mal interpretado" relativamente à entrevista que deu domingo e motivou uma resposta dura de Pedro Pichardo e da própria Federação Portuguesa de Atletismo, acusada de "comprar atletas".

Évora, o campeão olímpico do triplo salto em Pequim2008, em entrevista à rádio Observador, disse que Pichardo, ouro na mesma disciplina em Tóquio2020 e português de origem cubana, tinha sido "comprado", colocando a rapidez no seu processo de naturalização (poucos meses), em contraponto com outros casos, como o seu.

"Apesar de mal interpretado, aquilo que quis frisar com a questão das nacionalidades é que todos os atletas, nas mesmas circunstâncias, merecem as mesmas oportunidades de igualdade para representar Portugal", refere Nélson Évora, na publicação que divulgou no Instagram.

O antigo campeão olímpico e ex-recordista nacional avança que conhece vários casos de espera mais longa: "Tenho vários amigos numa situação de espera de nacionalidade, pelo que o foco é para que não se esqueçam dos outros atletas que honrosamente possam e queiram representar Portugal".

"Apelei à necessidade de uma política de desenvolvimento das modalidades e do atletismo em Portugal, sublinhando a importância da formação e de cultura desportiva escolar para contribuir para o sucesso do desporto em Portugal", escreve ainda Nelson Évora, que não pouca críticas à comunicação social - "respeito o trabalho da comunicação social, mas não deixo de ficar triste por, numa entrevista sobre a minha carreira, terem dado ênfase a uma pequena parte, não respeitando a mensagem no seu todo".

Sobre Pedro Pichardo, escreve Évora: "Fiz questão de parabenizar o trabalho do atleta Pablo Pichardo e foquei a importância de haver sucessores no atletismo. Fui sempre transparente no reconhecimento do trabalho de Pablo Pichardo".

pub