Paris2024: Mundiais apuram seis judocas portugueses, mas Telma Monteiro de fora

por Lusa
Foto: Lusa

Portugal deve contar nos Jogos Olímpicos de Paris2024 com seis judocas, numa lista em que Catarina Costa (-48 kg), Rochele Nunes (+78 kg) e Jorge Fonseca (+100 kg) têm estatuto de cabeça de série.

O final hoje da competição individual dos Mundiais da modalidade deixa os judocas de ‘máquina calculadora’ na mão, mas o cenário deve manter os mesmos cinco em classificação direta nas respetivas categorias e João Fernando na quota continental.

Ao grupo restrito de cabeças de série juntou-se hoje Jorge Fonseca em oitavo, em virtude do seu quinto lugar em -100 kg nos Mundiais.

A seleção portuguesa em Paris deve ficar completa com Bárbara Timo (-63 kg) e Patrícia Sampaio (-78 kg), mas já fora do top-8 nos respetivos pesos, bem como João Fernando (-81 kg), que entra com a sexta quota entre as 13 atribuídas aos masculinos europeus.

Na ‘matemática’, os Mundiais foram ingratos para Taís Pina (-70 kg), que entrava virtualmente apurada, ocupando uma das três vagas em sobra da Oceânia, na realocação de quota, mas os pontos somados, ao atingir os 16/avos de final, foram insuficientes.

Além de Taís Pina, também a polaca Aleksandra Kaleta (-52 kg) perdeu a quota de realocação, com as vagas a serem entregues à alemã Katharina Menz (-48 kg) e à croata Ana Viktorija Puljiz (-52 kg), enquanto a brasileira Natasha Ferreira (sétima nos Mundiais) manteve a posição.

Fora de um cenário matemático de apuramento ficou também Telma Monteiro (-57 kg), a judoca portuguesa mais medalhada de sempre.

A competição em Abu Dhabi não foi favorável a Telma, que perdeu logo na estreia - o que lhe deu apenas 20 pontos - e quando precisava urgentemente de pontos que a fizessem subir, tendo em conta que desde novembro, quando se lesionou com gravidade, estava em ‘perda’.

Telma Monteiro, que esteve até ao início de maio em zona de apuramento, na quota continental, chegou a ter a qualificação direta na sua categoria de peso, mas a paragem competitiva, após uma rotura de ligamentos no joelho esquerdo, complicou tudo.

A judoca do Benfica, medalha de bronze no Rio216, quatro vezes vice-campeã mundial e seis vezes campeã europeia, além de muitas outras subidas ao pódio, procurava, aos 38 anos, bater mais um recorde na carreira.

O objetivo era o de participar nos seus sextos Jogos Olímpicos, depois de Atenas2004, Pequim2008, Londres2012, Rio2016 e Tóquio2020, e tornar-se a primeira desportista feminina portuguesa, e a primeira judoca a nível mundial, a conseguir o ‘hexa’ em participações.
pub