Portugueses querem lutar por medalhas e testar limites nos Europeus de trampolins

por Lusa

Os ginastas Diana Gago e Vasco Peso manifestaram esta terça-feira a intenção de lutar por medalhas e apresentar saltos novos nos Europeus de trampolins, no pavilhão multiusos de Guimarães, enquanto Gabriel Albuquerque vê a competição como preparação para Paris2024.

Integrada numa seleção portuguesa que reúne 25 ginastas seniores e 17 juniores para o evento que decorre entre quarta–feira e domingo, Diana Gago quer, em primeiro lugar, atingir as finais do duplo mini-trampolim, individual e por equipas, mas também pensa nas medalhas, após a prata na final feminina de duplo mini-trampolim por equipas e na de ‘all around’ dos Mundiais de 2023, no Reino Unido.

“Quero cumprir as séries planeadas e, primeiramente, passar às finais. Depois de passarmos às finais, tudo pode acontecer. O objetivo é sempre a medalha. Quanto a saltos e elementos novos, espero, na final, se passar, fazer um movimento que ainda não fiz e estreá-lo em casa”, disse à Lusa a ginasta de 22 anos.

Na antecâmara de um evento que reúne ainda provas de trampolim, de trampolim sincronizado e de ‘tumbling’, masculinas e femininas, individuais e por equipas, a ginasta natural do Montijo avisou que “tudo pode acontecer” numa final, apesar da concorrência da espanhola Melania Rodríguez ou da britânica Kirsty Way, e prometeu estrear um salto durante a competição.

“É sempre um objetivo na carreira de um atleta fazer um salto que não há muita gente a fazer ou ninguém tenha feito”, frisou Diana Gago, que, na prova por equipas, vai representar Portugal juntamente com Alexandra Garcia, Inês Martins e Matilde Oliveira.

No ‘tumbling’, Vasco Peso, de 21 anos, também ambiciona “esticar um bocadinho os limites” da disciplina, ao tentar um salto, um duplo mortal com quatro piruetas, que “não tem pontuação oficial” no código de avaliação dos juízes.

“Que me lembre, só uma pessoa no mundo tentou fazer com sucesso. Quero ser a próxima pessoa a fazer (…) Quero provar que o impossível é possível e que Portugal consegue ter algo a dizer a nível de dificuldade e de títulos a nível europeu e mundial”, disse à Lusa.

Medalha de bronze na Taça do Mundo que se realizou em Baku, no Azerbaijão, há pouco mais de um mês, o ginasta natural da Moita realçou que o atual campeão mundial, o azeri Mikhail Malkin, é o “maior adversário” numa disciplina para a qual tem “expetativas bastante elevadas”.

“Espero conseguir chegar ao pódio, conseguindo alguma cor [de medalha], não interessa qual”, disse, assumindo também o objetivo de recuperar o bronze por equipas, que Portugal conquistou em 2021 e falhou em 2022, desta vez ao lado de Diogo Gomes, Gonçalo Nunes e Paulo Cruz.

Selecionado pela Federação de Ginástica de Portugal para a prova de trampolim individual dos Jogos Olímpicos Paris2024 há pouco mais de uma semana, Gabriel Albuquerque encara os Europeus com a “intenção de se divertir” e de gerir a preparação para chegar “no pico de forma” à capital francesa, entre 26 de julho e 11 de agosto.

“Estou bastante tranquilo com este Europeu. Sendo em Portugal, poderia ficar mais nervoso, (…) mas estou à procura de me divertir. Por norma, consigo melhores resultados. Cada preparação tem os seus altos e baixos. Não sei se isto vai ser algum baixo. Espero que seja um alto”, disse o ginasta de 17 anos, que vai ainda fazer dupla com Lucas Santos no trampolim sincronizado masculino.

Nomeado pela União Europeia de Ginástica para melhor atleta de 2023, após o quarto lugar nos Mundiais de Birmingham, em novembro do ano passado, o ginasta natural de Loulé assumiu ter “uma concorrência bastante forte”, apesar de faltarem alguns nomes habituados a lutar pelo pódio.

Pela terceira vez organizada em solo luso, depois de Braga ter acolhido a competição de 1987 e de Guimarães ter recebido pela primeira vez o evento em 2014, a 29.ª edição dos Europeus de trampolins reúne 325 ginastas para as provas seniores e 291 para as competições de juniores, oriundos de 29 países.
pub