Armindo Araújo é o melhor português, mas Miguel Barbosa está por perto

| Rali de Portugal

Legenda da Imagem
|

Armindo Araújo (Hyundai i20 R5) é o melhor português no Rali de Portugal, a 53.4 minutos do líder, o belga Tierry Neuville (Hyundai R5), num dia de prova marcado pelas desistências de Pedro Meireles e Joaquim Alves.

"Foi um dia complicado, com os pisos muito duros e difíceis" disse o piloto, mostrando-se satisfeito por estar na frente, garantindo que se mantém "focado" em atingir o objetivo, que é "vencer e assumir a liderança do campeonato nacional", frisou.


Nos troços da manhã, venceu dois - Viana do Castelo (26,73 km) e Ponte de Lima (27,54 km), com Miguel Barbosa (Skoda Fabia R5) a ser mais rápido em Caminha (18,11 km), mas na secção da tarde o ex-campeão de todo o terreno foi sempre mais rápido do que Armindo Araújo, reduzindo a diferença para os 14,8 segundos antes da dupla passagem pela Porto Street Stage (1,95 km).

Nas ruas da invicta, Miguel Barbosa voltou a andar mais rápido e recuperou algum tempo, com os pilotos a partirem para o último dia do rali com uma diferença de 9,3 segundos entre ambos.

No terceiro lugar, entre os portugueses, está Diogo Salvi (Skoda Fabia R5), mas já distante dos dois da frente.

Os troços de hoje, na região do Minho, foram demolidores para o pelotão luso, com Joaquim Alves (Skoda Fabia R5) a capotar, Pedro Meireles (Skoda Fabia R5) a abandonar com problemas na caixa de velocidades, após um salto, e Joana Barbosa a sofrer uma saída de estrada com o Fiesta R2.

Na lista de desistências registam-se ainda os nomes de Diogo Gago, Pedro Antunes e Diogo Soares, todos em Peugeot 208 R2,  António Dias (Skoda Fabia R5), e Pedro Rodrigues (Subaru Impreza WRX).

A classificação final do Rali de Portugal para os pilotos que pontuam para o campeonato nacional é encontrada no final da manhã de sábado, após a passagem pelas classificativas de Vieira do Minho (17,5 km), Cabeceiras de Basto (22,22 km) e Amarante (37,6 km).

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado. Observado de cima, o solo assemelha-se a uma peça de arte cheia de cores e texturas.