César Fonte e José Fernandes reforçam W52-FC Porto

| Ciclismo

César Fonte é um dos reforços da equipa da W52-FC Porto para a próxima época
|

Os ciclistas César Fonte (ex-LA Alumínios) e José Fernandes (ex-Liberty Seguros) vão representar na próxima temporada a W52-FC Porto, anunciou o clube azul e branco no seu sítio oficial.

Os dois ciclistas juntam-se a Raúl Alarcón, Rui Vinhas, Gustavo Veloso, Samuel Caldeira, Ricardo Mestre e João Rodrigues, que recentemente renovaram contrato com a equipa vencedora das últimas edições da Volta de Portugal.

César Fonte, que completa 31 anos em dezembro, correu na época passada pela LA Alumínios, depois de ter representado a Efapel e o RP-Boavista, tendo sido décimo no Nacional e 15º na Volta a Portugal.

Em 2012, César Fonte alcançou a primeira vitória numa etapa da maior competição velocipédica nacional e agora vai integrar aquele que aponta como "o projeto mais forte a nível nacional", "que envolve patrocinadores fortes e um dos clubes mais prestigiados do país".

"Venho para ajudar o grupo, tentar torná-lo ainda mais forte para que a nova época seja ainda melhor do que as anteriores", disse o ciclista, consciente de que vai integrar uma equipa que o vai obrigar "a trabalhar ainda mais para alcançar bons resultados".

José Fernandes, de 22 anos, é uma das promessas do velocipedismo português. Na época passada, ao serviço da Liberty Seguros, venceu a Volta a Portugal do Futuro, a prova mais importante para corredores sub-23 do ciclismo nacional, e na mesma categoria sagrou-se campeão nacional de contrarrelógio, revalidando um título alcançado em 2015.

O jovem natural do Alentejo quer "continuar a evoluir e a mostrar o que tem vindo a mostrar" nos últimos anos. "E se tiver a oportunidade de ganhar corridas, quero aproveitá-la ao máximo", acrescenta, sem esconder a ambição de poder participar na Volta a Portugal e de mostrar o seu valor no Nacional de contrarrelógio.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.