César Fonte e José Fernandes reforçam W52-FC Porto

| Ciclismo

César Fonte é um dos reforços da equipa da W52-FC Porto para a próxima época
|

Os ciclistas César Fonte (ex-LA Alumínios) e José Fernandes (ex-Liberty Seguros) vão representar na próxima temporada a W52-FC Porto, anunciou o clube azul e branco no seu sítio oficial.

Os dois ciclistas juntam-se a Raúl Alarcón, Rui Vinhas, Gustavo Veloso, Samuel Caldeira, Ricardo Mestre e João Rodrigues, que recentemente renovaram contrato com a equipa vencedora das últimas edições da Volta de Portugal.

César Fonte, que completa 31 anos em dezembro, correu na época passada pela LA Alumínios, depois de ter representado a Efapel e o RP-Boavista, tendo sido décimo no Nacional e 15º na Volta a Portugal.

Em 2012, César Fonte alcançou a primeira vitória numa etapa da maior competição velocipédica nacional e agora vai integrar aquele que aponta como "o projeto mais forte a nível nacional", "que envolve patrocinadores fortes e um dos clubes mais prestigiados do país".

"Venho para ajudar o grupo, tentar torná-lo ainda mais forte para que a nova época seja ainda melhor do que as anteriores", disse o ciclista, consciente de que vai integrar uma equipa que o vai obrigar "a trabalhar ainda mais para alcançar bons resultados".

José Fernandes, de 22 anos, é uma das promessas do velocipedismo português. Na época passada, ao serviço da Liberty Seguros, venceu a Volta a Portugal do Futuro, a prova mais importante para corredores sub-23 do ciclismo nacional, e na mesma categoria sagrou-se campeão nacional de contrarrelógio, revalidando um título alcançado em 2015.

O jovem natural do Alentejo quer "continuar a evoluir e a mostrar o que tem vindo a mostrar" nos últimos anos. "E se tiver a oportunidade de ganhar corridas, quero aproveitá-la ao máximo", acrescenta, sem esconder a ambição de poder participar na Volta a Portugal e de mostrar o seu valor no Nacional de contrarrelógio.

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado. Observado de cima, o solo assemelha-se a uma peça de arte cheia de cores e texturas.