Busby Babes: os meninos de ouro do Manchester United

 

Fundado em 1878, o Manchester United é hoje um dos maiores e mais reconhecidos clubes do mundo. Para alcançar o estatuto de equipa mundialmente famosa, a equipa de Old Trafford passou por um processo de evolução nas décadas 50 e 60 do século XX que para sempre mudou o futebol inglês.

Clube de média dimensão nos anos 30, o United viu-se relegado por duas vezes para escalões inferiores do futebol britânico. Com uma dívida considerável para a época, os Red Devils estiveram perto da bancarrota.

Em 1939, irrompe a II Guerra Mundial. E os bombardeamentos nazis destroem o estádio de Old Trafford. A época de redenção começará em 1945, com a chegada de um dos emblemáticos treinadores: Matt Busby.

Data do fim da II Guerra Mundial e o início de um período de franca expansão para o clube de Old Trafford.

Para a posteridade irá ficar uma das maiores criações futebolísticas do século passado. A aposta na prata da casa transformou o United num colosso mundial.

Surge assim a era dos Busby Babes. Jogadores novos, formados nas camadas jovens de Old Trafford e com a capacidade técnica para levar o Manchester United a um dos mais brilhantes capítulos do futebol mundial.

 

Matt Busby: um perfil

 

Matt Busby nasceu a 26 de maio de 1909 em Orbiston, Lanarkshire, na Escócia. Homem dedicado ao futebol durante toda a vida, começou a carreira como jogador, curiosamente, no Manchester City.

Fez a estreia como profissional em 1929, contra o Middlesbrough, e oito anos depois Busby muda-se para o Liverpool, clube que representou mais de 100 vezes. Terminou a carreira cinco anos mais tarde e em 1945 começou a saga como treinador, no Manchester United. Deixou um dos mais importantes legados do futebol inglês.

Amigo de longa data de Matt Busby, Jimmy Murphy foi a primeira grande contratação do técnico escocês, para o cargo de treinador adjunto. O objetivo era criar uma equipa competitiva dentro e fora de portas, utilizando para isso a prata da casa.

Busby impulsionou camadas jovens no Manchester United, dando a oportunidade a vários jovens de se tornarem grandes lendas do clube.

O primeiro título surge em 1948. Com um triunfo sobre o poderoso Blackpool, por 4-2, o Manchester United voltou a festejar depois de vários anos sem conseguir alcançar a elite do futebol inglês.

Preocupado com o avançar da idade dos jogadores e com a ajuda de Jimmy Murphy, as camadas jovens dos Red Devils iniciaram uma nova era. Com uma nova mentalidade, surgem os Busby Babes, geração de ouro do Manchester United.

Jogadores jovens, muitos deles com menos de 20 anos, apareceram na primeira equipa do Manchester United e conduziram o clube à glória em Inglaterra. De destacar os primeiros Busby Babes: Roger Byrne, Jackie Blachflower e Jeff Whitefoot.

busby babes

Um trabalho de longevidade que acabaria por dar frutos. Matt Busby teve de esperar sete anos até à conquista do primeiro título do campeonato inglês. O Manchester United venceu a liga inglesa em 1952, deixando para trás os rivais londrinos Tottenham e Arsenal.

Com a mestria das jovens promessas, o Manchester United começou a impor-se como uma das maiores forças do futebol inglês. O campeonato regressou a Old Trafford nos anos de 1956 e 1957 e o sucesso doméstico fez Matt Busby pensar além-fronteiras.

Contra a vontade da Federação Inglesa, o United participou pela primeira vez na Taça dos Campeões Europeus na temporada 1956/57. Com uma carreira promissora, coube ao Real Madrid derrotar os Red Devils nas meias-finais da competição.

A época 1957/58 afigurou-se promissora para o Manchester United, com boas prestações tanto na Division One como na Taça dos Campeões Europeus. No entanto, o clube sofreu um duro revés com uma das maiores tragédias no desporto mundial.

A 6 de fevereiro de 1958, depois de uma partida para a Taça dos Campeões Europeus na Jugoslávia, o avião onde seguia a equipa do Manchester United caiu em Munique, após descolar da pista do aeroporto da cidade alemã. Vinte e três pessoas morreram, entre as quais oito jogadores.

Busby sobreviveu ao acidente, mas teve de se submeter a uma dura recuperação num hospital em Munique até regressar ao banco do Manchester United. Agosto de 1958 marcou o regresso do técnico escocês ao banco de Old Trafford e, para suprir as perdas humanas, Matt Busby teve, mais uma vez, de reerguer o clube.

Numa nova era para o Manchester United, o técnico escocês promoveu novas contratações, em mais um trabalho de perseverança. Foram necessários mais cinco anos até a equipa voltar a festejar um novo título. Em 1963 os Red Devils venceram a Taça de Inglaterra frente ao Leicester City, num triunfo por 3-1.

Sete anos depois do acidente de Munique regressaram os triunfos no campeonato inglês e participação nos grandes palcos europeus. Em 1967, o Manchester United ficou-se pelas meias-finais, mas 1968 foi o corolário de um trabalho de mais de duas décadas de Matt Busby e Jimmy Murphy.

A equipa inglesa alcançou a final da Taça dos Campeões Europeus, que foi jogada em Wembley. Com grandes nomes como Bobby Charlton, George Best, Nobby Styles e Bill Foulkes, o United derrotou o Benfica por 4-1, após prolongamento.

Matt Busby reformou-se dos bancos em 1969, já depois vencer a distinção de treinador do ano e de ter sido ordenado Cavaleiro no Reino Unido, após o triunfo na Taça dos Campeões Europeus.

Reuters

Até ao fim da sua vida, Matt Busby continuou ligado aos Red Devils, tornando-se presidente do clube em 1980. Sir Matt Busby morreu a 20 de janeiro de 1994.

 

United: de equipa mediana a colosso mundial
1878

Fundado em 1878 por trabalhadores de uma empresa de caminhos-de-ferro, Newton Heath LYR (Lancashire e Yorkshire Railway) foi o nome de origem do clube que em 1892 entrou para o futebol profissional.

O início do século XX trouxe a mudança de nome. Manchester United foi o escolhido e o que se mantém até aos dias de hoje. O primeiro título de campeão inglês surgiu em 1908 e Old Trafford foi inaugurado em 1910. Depois de conquistar o segundo título de campeão de Inglaterra, o United começou a passar por dificuldades financeiras.

O fim da I Guerra Mundial voltou a confirmar dificuldades do Manchester United em impor-se na I divisão do futebol inglês e assim confirmaram-se as despromoções para a segunda liga. Até 1937, a equipa de Old Trafford passou por momentos complicados mas o fim da II Guerra Mundial trouxe uma nova era para os Red Devils.

1945

Após 1945, Busby formou uma equipa jovem nas escolas do Manchester United, algo pouco comum na altura, em que a compra de grandes nomes era apanágio dos grandes clubes.

Com a ajuda de Jimmy Murphy e Walter Crickmer, Busby recolocou os Red Devils no caminho dos títulos vencidos no princípio do século XX. O ano de 1948 marcou o princípio de uma nova era, com a conquista da Taça de Inglaterra, frente ao Blackpool.

A formação esteve na origem da criação de uma equipa de referência. Miúdos, muitos com menos de 20 anos, que a cargo de Jimmy Murphy foram chegando à equipa principal do Manchester United e foram impondo o seu poderio na Liga Inglesa.

Roger Byrne, Jackie Blanchflower, Jeff Whitefoot e Bill Foulkes deram origem aos Busby Babes. Pertencentes às camadas jovens impulsionadas pelo técnico escocês e Jimmy Murphy, mais nomes se juntaram à equipa mais nova de sempre a vencer o campeonato em Inglaterra.

Em 1952 o Manchester United chega ao título de campeão inglês com nomes sonantes dos Busby Babes, aos quais ainda se juntaram os medalhados Mark Jones e David Pegg.

Outros grandes nomes se seguiram, como Geoff Bent, Albert Scanlon, Eddie Colman, Duncan Edwards e Bobby Charlton. Com muito potencial na equipa, o Manchester United voltou a vencer a Liga Inglesa em 1956, conseguindo o primeiro bicampeonato da história, no ano seguinte.

1956

Com o sucesso doméstico, Matt Busby quis mais. Levar o Manchester United às competições europeias foi um objetivo que o escocês concretizou na temporada 1956/57. O United participou na Taça dos Campeões Europeus e chegou às meias-finais da competição, deixando pelo caminho Anderlecht, Borussia de Dortmund e o Athletic Bilbao.

Foi nas meias-finais que os Red Devils foram eliminados e por uma das mais poderosas equipas do mundo: o Real Madrid de Alfredo Di Stéfano, Férenc Puskás, Paco Gento ou Raymond Kopa, num resultado agregado de 5-3.

A temporada seguinte trouxe nova participação na Taça dos Campeões Europeus e Matt Busby a mostrar crença em vencer a prova. No entanto, o dia 6 de Fevereiro de 1958 tornou-sese inesquecível pelas piores razões.

Na segunda mão dos quartos de final, o United defrontou o Crvena Zvezda, da Jugoslávia, e depois de um empate a três, o avião que seguia com a comitiva inglesa parou em Munique, e à terceira tentativa de descolagem, o mesmo acabou por cair e despenhar-se contra a vedação do aeroporto.

 

Quem eram os Busby Babes?

Os Busby Babes eram jogadores jovens, muitos deles com menos de 20 anos, formados nas escolas do Manchester United e que fizeram parte de uma das mais icónicas equipas inglesas de todos os tempos. Matt Busby apostou na prata da casa e saiu a ganhar com uma geração de ouro que levou os Red Devils a vencer a Liga Inglesa por quatro vezes, antes de alcançar a glória europeia em 1968.

Roger Byrne
Roger Byrne

Posição: Defesa

08/02/1929

Jeff Whitefoot
Jeff Whitefoot

Posição: Médio

31/12/1933

Jackie Blanchflower
Jackie Blanchflower

Posição: Médio

07/03/1933

Mark Jones
Mark Jones

Posição: Médio

15/06/1933

David Pegg
David Pegg

Posição: Avançado

20/09/1935

Duncan Edwards
Duncan Edwards

Posição: Médio

01/10/1936

Dennis Violet
Dennis Violet

Posição: Avançado

20/09/1933

Geoffrey Bent
Geoffrey Bent

Posição: Defesa

27/09/1932

Albert Scanlon
Albert Scanlon

Posição: Avançado

10/10/1935

Wilf McGuiness
Wilfred McGuiness

Posição: Defesa

25/10/1937

Eddie Colman
Eddie Colman

Posição: Médio

01/11/1936

Sir Bobby Charlton
Sir Bobby Charlton

Posição: Médio

11/10/1937

MKenny Morgans
Kenny Morgans

Posição: Avançado

16/03/1929

Bill Foulkes
Bill Foulkes

Posição: Defesa

05/01/1932

Liam Whelan
Liam Whelan

Posição: Avançado

01/04/1935

O desastre aéreo de Munique

 

Lembrado como uma das maiores tragédias de sempre do desporto, o dia 6 de fevereiro de 1958 foi antecedido de grandes alegrias para o Manchester United. O campeonato inglês a corria de feição e a segunda mão dos quartos de final da Taça dos Campeões Europeus, frente ao Crvena Zvezda estava bem encaminhada.

Na Jugoslávia, os Red Devils empataram a três golos, depois de um triunfo por 2-1 na primeira mão.

No dia seguinte, a equipa britânica embarcou num avião para regressar a Old Trafford e parou em Munique para reabastecer. O piloto tentou levantar voo por duas vezes sem sucesso.

Na terceira tentativa o avião tentou, de facto, levantar voo mas o gelo na pista do aeroporto fez com que o aparelho perdesse velocidade e chocasse contra a vedação do aeroporto e uma casa, que acabou por ser consumida por chamas.

Vinte e três pessoas pessoas morreram, oito delas eram jogadores do Manchester United, três empregados do clube e oito jornalistas, aos quais se juntam mais quatro pessoas pertencentes à tripulação e um adepto.

 

 

Entre os atletas que perderam a vida estão Duncan Edwards, Roger Byrne, Tommy Taylor, Liam Whelan ou Eddie Colman. Walter Crickmer, Bert Whalley e Tom Curry, pertencentes ao staff, também perderam a vida.

Foram contabilizadas vinte vítimas mortais diretamente no local. O jornalista Frank Swift (e antiga glória do Manchester City) morreu a caminho do hospital, Ken Rayment, o piloto, faleceu dias depois com graves lesões na cabeça e Duncan Edwards lutou pela vida durante 15 dias, não conseguindo suster os ferimentos.

Dos sobreviventes, Sir Bobby Charlton, Bill Foulkes e Dennis Viollet ficaram para contar uma história de sucesso no United. Matt Busby também sobreviveu, apesar de ter passado dois meses num hospital alemão a lutar pela vida. Regressoua Inglaterra e voltou ao banco do Manchester United na temporada seguinte.

O copiloto, James Thain, também sobreviveu tendo deixado a aviação pouco tempo depois.

 

Investigação ao acidente

 

Num processo que decorreu alguns anos, as autoridades alemãs investigaram e atribuíram culpas ao co-piloto do avião, pela queda que vitimou parte da equipa do United. Ações judiciais foram impostas a James Thain, um dos sobreviventes do acidente.

De acordo com a investigação alemã, a queda do avião deveu-se à presença de neve nas asas do aparelho, que não tiveram ordem de limpeza, negligenciado a segurança dos passageiros.

Novas investigações acabaram por provar que o aparelho chocou na vedação do aeroporto devido à formação de uma camada de gelo na pista que fez com que o avião perdesse velocidade na terceira tentativa para descolar, não havendo tempo para abortar a ação.

relatorio

Primeira página do relatório disponível AQUI

 

 

O Manchester United pós-Munique

Após Munique, o Manchester United foi confrontado com inúmeras dificuldades para voltar a ganhar títulos. Oito jogadores e três membros do staff morreram na Alemanha.

Matt Busby sobreviveu mas as graves lesões sofridas na tragédia obrigaram-no a ficar dois meses no hospital, acabando por recuperar e regressar a Inglaterra. O técnico escocês sofreu uma depressão logo depois do acidente e ponderou abandonar o futebol. No entanto, o apoio da mulher convenceu-o a regressar a Old Trafford.

Sem Matt Busby, foi Jimmy Murphy a tomar conta da equipa desfeita. Dias depois do acidente, o United voltou a entrar em campo, frente ao Sheffield Wednesday, em jogo a contar para a Taça de Inglaterra. Harry Gregg e Bill Foulkes, jogadores que dias antes estavam em Munique, apresentaram-se em campo no triunfo dos Red Devils por 3-0.

Sem uma parte da equipa principal, Jimmy Murphy foi obrigado a chamar várias reservas e juniores para poder ir a jogo, entre os quais se destacam Freddie Goodwin, Ronnie Cope, Ian Greaves, Alex Danson e Shay Brennan. Este último é um caso de sucesso, já que se manteve na equipa principal do Manchester United e até jogou a final da Taça dos Campeões Europeus, em 1968.

No entanto, o remanescente da época foi fatal para as aspirações de um United desfeito. Na Liga Inglesa a equipa de Jimmy Murphy ganhou apenas um jogo até ao fim da temporada e sem grandes expectativas a equipa de Old Trafford surpreendeu ao conseguir alcançar a final da Taça de Inglaterra. Numa final disputada frente ao Bolton Wanderers, os Red Devils perderam por 2-0.

Numa nova fase de construção, Matt Busby voltou a apostar na juventude da casa mas também teve de ir ao mercado comprar novos reforços. Casos de Ernie Taylor e Stan Crowther, contratados ao Blackpool e Aston Villa, respetivamente.

No novo United surgiu a lenda maior do clube. Bobby Charlton afirmou-se definitivamente na equipa que viu grandes nomes como Shay Brennan, Brian Kidd, Nobby Styles e George Best a surgir e continuar a saga dos malogrados Busby Babes. A todos estes nomes foi acrescentado o talento dos escoceses Denis Law e David Herd.

Após muito trabalho, foi apenas em 1963 que surgiu o primeiro troféu para o Manchester United. Na final da Taça de Inglaterra contra o Leicester City, a equipa de Matt Busby triunfou por 3-1. Dois golos de David Herd e outro de Denis Law permitiram aos adeptos do United voltarem a festejar.

O escudo de campeão da Liga Inglesa regressou ao museu em 1965. Guiados pela experiência de Bobby Charlton e Bill Foulkes, Matt Busby e companhia regressaram ao topo do futebol inglês, com 61 pontos averbados (os mesmos que o Leeds).

 

1968: a consagração dos Busby Babes

 

Vinte e três anos depois da chegada do carismático Matt Busby a Old Trafford, o Manchester United atingiu o pináculo de anos de trabalho. O ano de 1968 ficou para sempre marcado, com a conquista da glória europeia.

Frente ao Benfica, no estádio de Wembley, o Manchester United teve de esperar pelo prolongamento para conseguir vencer um plantel recheado de estrelas como Eusébio, Mário Coluna, José Augusto ou Jaime Graça.

O tempo regulamentar terminou com um empate a um golo, com remates certeiros de Bobby Charlton e Jaime Graça. No prolongamento bastaram três minutos para selar o primeiro triunfo europeu dos Red Devils.

Com o inigualável George Best, o jovem Brian Kidd e o lendário Bobby Charlton, o Manchester United venceu o Benfica por 4-1, e festejou a conquista da sua primeira Taça dos Campeões Europeus.

Emocionado, Matt Busby foi abraçado pelos sobreviventes de Munique, Bill Foulkes e Bobby Charlton, e revelou, logo depois, ter sentido um peso levantar-se dos seus ombros, honrando a memória dos que morreram em Munique dez anos antes.

“Quando o Bobby [Charlton] levantou a taça, senti-me limpo. Aliviou a culpa de os ter levado à Europa. Foi o meu pedido de desculpas”.

 

Jornalista: Inês Geraldo - RTP / Grafismo:Sara Piteira