Cristiano Ronaldo é o primeiro a atingir os 100 golos na Liga dos Campeões

| Liga dos Campeões

Legenda da Imagem
|

Cristiano Ronaldo tornou-se terça-feira o primeiro futebolista a atingir os 100 golos nas Liga dos Campeões de futebol, ao marcar por três vezes na vitória em casa sobre o Bayern Munique, nos quartos de final da Liga dos Campeões.

Uma semana depois de ter atingido a centena nas competições europeias, com um 'bis' na Alemanha, no jogo da primeira mão, o capitão da seleção portuguesa partiu para o segundo encontro com 97 tentos na 'Champions' e alcançou os 100 quando completou o 'hat-trick' no prolongamento, aos 110 minutos.

Num jogo que terminou com vitória do Real Madrid, por 4-2, e com a sétima qualificação consecutiva dos atuais campeões europeus para as meias-finais, Cristiano Ronaldo marcou o seu primeiro golo aos 76 minutos e o segundo já no prolongamento, aos 105.

Sem contabilizar jogos de pré-eliminatória, o extremo português, de 32 anos, cumpriu hoje o seu 137.º jogo na 'Champions', 10 anos depois de se ter estreado a marcar nesta competição, ao serviço do Manchester United.

Ronaldo fez o seu primeiro tento na Liga dos Campeões a 10 de abril de 2007, na goleada dos 'red devils' sobre a Roma, por 7-1, em jogo da segunda mão dos quartos de final, no qual o madeirense acabaria por 'bisar'.

O avançado luso foi o melhor marcador nas últimas quatro temporadas -- em 2014/15 'ex-aequo' com Messi e Neymar -, com um recorde de 17 golos em 2013/14.

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.