Reportagem Atentado em Barcelona provoca 13 mortos e mais de uma centena de feridos

Uma carrinha invadiu na quinta-feira a zona das Ramblas, no centro de Barcelona, tendo provocado pelo menos 13 mortos e cerca de uma centena de feridos. O condutor do veículo continua a monte. O Estado Islâmico reivindicou o atentado. Houve um segundo ataque em Cambrils.

Fazer refresh a esta área
Clique aqui para atualizar

9h01 - CONTINUAMOS A ACOMPANHAR A SITUAÇÃO NA CATALUNHA AO MINUTO EM NOVO ARTIGO.

8h39 - Alcanar

O atentado de Barcelona foi precedido por uma explosão, na madrugada de quinta-feira, em Alcanar. Morreu uma pessoa e outras sete ficaram feridas.


Alcanar fica 200 quilómetros a sul de Barcelona. Foi também em Alcanar que a polícia deteve um dos dois suspeitos de ligações ao atentado da capital catalã.

Os investigadores acreditam que os ocupantes do apartamento estariam a preparar um engenho explosivo.

8h24 - Ameaça global

Entre as vítimas de Barcelona há cidadãos de França, Alemanha, Espanha, Holanda, Argentina, Venezuela, Bélgica, Austrália, Hungria, Peru, Irlanda, Grécia, Cuba, Macedónia, China, Itália, Roménia e Argélia.

Na sequência do atentado, o primeiro-ministro espanhol decretou três dias de luto nacional. Em Barcelona, Mariano Rajoy disse que a ameaça terrorista é global e que por isso a resposta tem de ser também global.


7h55 - Cinco suspeitos abatidos em Cambrils

O Governo regional catalão confirma que o ataque na estância balnear de Cambrils está associado ao de Barcelona. O conselheiro de Interior Joaquin Forn afirmou, em declarações à rádio RAC1, que a ação levada a cabo na última noite "segue o mesmo método, há uma ligação".

Sem detalhar a ligação entre os atentados, Forn confirmou que o condutor da carrinha no ataque de Barcelona continua a monte, o que já havia sido aventado pela polícia. Há nesta altura duas pessoas sob custódia das autoridades.

O ataque de Cambrils, a 117 quilómetros de Barcelona, teve lugar de madrugada e envolveu cinco suspeitos que teriam explosivos presos ao corpo e atropelaram várias pessoas no centro da estância balnear, provocando sete feridos. A polícia catalã abateu os suspeitos e fez detonar os explosivos.

Pedro Sá Guerra - Antena 1

O Congresso e Senado espanhóis, a Generalitat catalã e a Câmara Municipal de Barcelona convocaram para as 12h00 desta sexta-feira um minuto de silêncio.

7h54 - RETOMAMOS AQUI O ACOMPANHAMENTO AO MINUTO DA SITUAÇÃO NA CATALUNHA.

2h00 - Polícia anuncia que "quatro suspeitos terroristas" foram mortos. Há sete feridos, dois com gravidade

"Quatro supostos terroristas foram mortos em Cambrils e um quinto foi ferido", afirmou a Polícia. 

No Twitter, a polícia diz que está a investigar a situação em Cambrils como podendo ter ligação ao ataque da tarde de quinta-feira nas Ramblas, garantindo que a situação nesta localidade está sob controle.

O serviço de emergências revela que além dos presumíveis autores, há ainda seis civis feridos, dois com gravidade. Há registo de um polícia ferido.

1h45 - Em Cambrils, registo de um ferido detido pela polícia

No twitter do serviço de emergências da Catalunha, é revelado que além dos quatros autores neutralizados, a polícia deteve um quinto elemento, que está ferido.

1h15 -  Polícia catalã mata quatro presumíveis terroristas em Cambrils

A Polícia catalã, matou hoje pelo menos quatro supostos terroristas em Cambrils, a 117 quilómetros de Barcelona, numa operação para evitar um possível atentado nesta localidade balnear, segundo fontes ligadas à investigação, avança a Lusa.

Durante a operação levada a cabo pelos Mossos d`Esquadra (Polícia da Catalunha) foram ouvidos vários tiros em Cambrils, a 117 quilómetros de Barcelona, noticiou a agência Efe. No Twitter, aquela força policial diz estar a tratar o caso como um possível novo ataque terrorista.

Através das redes sociais, os Mossos d`Esquadra pediram aos moradores de Cambrils, na província catalã de Tarragona, na costa sudoeste da Catalunha, para não saírem nem se colocarem em perigo.

23h30 - "Espanha vencerá os terroristas"

O presidente do executivo espanhol condenou o ataque que classificou como “uma barbárie”, mas frisa que Espanha vai vencer os terroristas.

"Esta terrível tragédia, que vivemos hoje em Barcelona, une-nos na dor com todos os países do mundo", afirmou Mariano Rajoy.

"A luta contra o terrorismo é a principal prioridade das sociedades livres. E a resposta tem de ser global. Todos compartilhamos o nosso amor à liberdade, à dignidade do ser humano e numa sociedade baseada na justiça e não no medo ou no ódio. Todos nós somos aliados desta causa", sublinhou.

Rajoy apelou aos partidos políticos para fazerem um pacto antiterrorismo e frisa que a resposta a este tipo de ameaças tem de ser global.

"Queremos estabelecer quanto antes a normalidade e levar perante a justiça os responsáveis por esta barbaridade".

O chefe do Governo espanhol deixou também uma palavra de agradecimento a todos os países que enviaram mensagens de apoio e solidariedade.

"Estamos unidos na dor, mas estamos sobretudo unidos na vontade de terminar com esta barbárie. Não podemos esquecer que a Espanha é um país unido em torno de alguns valores dos quais nos sentimos muito orgulhosos: a democracia, a liberdade e os direitos humanos. Travámos muitas batalhas contra o terrorismo ao longo da história e sempre as vencemos", rematou.

23h25 - Decretado luto nacional

O Governo espanhol decretou três dias de luto nacional, durante o qual a bandeira nacional espanhola deverá ser içada a meia haste em todos os organismos oficiais e em todos os navios da Marinha.

23h15 - Ramblas reabre ao trânsito

A zona das Ramblas foi parcialmente reaberta ao trânsito. Os agentes da Guarda Urbana estão a acompanhar os turistas aos hotéis que se encontram na zona que esteve vedada.

23h10 - Não há portugueses entre as vítimas

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luis Carneiro, afirmou à Lusa que não há portugueses entre as vítimas do atentado de Barcelona.

"Não há portugueses entre os 100 feridos e já foram identificadas quatro das 13 vitimas mortais. Uma é belga e outras três alemãs", disse José Luis Carneiro esta noite à agência Lusa.

22h45 - Balanço das vítimas do ataque

22h40 - Mariano Rajoy já chegou a Barcelona

O primeiro-ministro espanhol já está em Barcelona, onde vai acompanhar a resposta que está a ser dada pelas autoridades.

22h30 - Atentado estará relacionado com uma explosão ontem em Alcanar


22h20 - Não há evidências de que condutor estivesse armado

No ponto de situação que está a ser feito, as autoridades dizem que não há qualquer indicação de que o homem que conduzia a carrinha estivesse armado.



22h10 - Nenhum dos suspeitos detidos era o condutor da carrinha

Numa conferência de imprensa que está a decorrer, o responsável da polícia,Josep Lluís Trapero, revela que há dois detidos, mas que nenhum deles é o condutor da carrinha que atropelou dezenas de pessoas esta tarde. No entanto, são suspeitos de terem ligações ao ataque.

Um dos suspeitos nasceu no enclave espanhol de Melilla e outro é marroquino, tendo um sido detido em Alcanar e outro em Ripoll.

O homem que foi abatido depois de ter investido contra um polícia não se considera que tenha qualquer ligação aos atentados, pelo menos até este momento. A sua morte resulta de uma troca de tiros que resultou do incidente, reporta o EL Pais, citando o responsável da polícia.

22h00 - Governo da Catalunha afirma que há mais de 100 feridos

A mais recente informação prestada pelo Governo da Catalunha aponta para mais de uma centena de feridos na sequência do ataque nas Ramblas.

No entanto, admite-se que o número de vítimas poderá aumentar nas próximas horas.

21h40 - António Costa diz que não há razão para alterar nível de alerta

O primeiro-ministro disse hoje que até agora não existe "nenhum indicador" que justifique alteração do "nível de risco" em Portugal depois do ataque em Barcelona e adiantou que o Governo não tem conhecimento de portugueses entre as vítimas.

21h30 - Ponto de situação: o que se sabe até agora

O último balanço feito pelas autoridades aponta para 13 mortos e 80 feridos, vítimas de atropelamento por um veículo que invadiu a zona das Ramblas, no centro de Barcelona. Eram 17h00, hora local.

O grupo extremista Estado Islâmico veio reivindicar a autoria do atentado ao início da noite. As autoridades estavam já a tratar o atropelamento como um ato terrorista.

A polícia local confirmou que há já duas pessoas detidas por ligação a este atentado.

O principal suspeito será Driss Oukabir Soprano. Tem 25 anos, é marroquino e tem residência legal em Espanha, mais precisamente em Ripoli, Gerona. Terá sido ele o condutor da carrinha que matou pelo menos 13 pessoas.

O marroquino estava sinalizado pela polícia espanhola e passou algum tempo na prisão de Figueres em 2012. Dentro da carrinha foi encontrado um passaporte espanhol.

O ataque aconteceu na zonas das Ramblas, no centro de Barcelona. A carrinha percorreu cerca de 600 metros ao longo da via, tentando atingir o máximo de pessoas.

As autoridades da Catalunha reuniram um gabinete de crise para reagir ao ataque terrorista. O primeiro-ministro Mariano Rajoy interrompeu as férias para se deslocar até Barcelona.

O ataque em Madrid foi já condenado por inúmeros líderes mundiais, desde Putin a Donald Trump e os líderes europeus e da União Europeia.

20h43 - Polícia revela que homem atropelou dois agentes policiais num checkpoint em Barcelona

O homem foi localizado em seguida.

20h30 - Estado Islâmico reivindica atentado em Barcelona

A Amaq, a agência de notícias do grupo extremista, publicou um texto onde diz que o Estado Islâmico reivindica a autoria do atentado, de acordo com a Reuters.

“Os executantes do ataque de Barcelona são soldados do Estado Islâmico e levaram a cabo a operação em resposta a apelos para atingir os Estados da coligação”, diz a Amaq, referindo-se à coligação liderada pelos Estados Unidos contra o grupo extremista.

20h25 - 80 pessoas hospitalizadas

De acordo com o presidente do Governo regional confirmou a detenção de dois suspeitos e disse que há 80 pessoas hospitalizadas.

20h20 - Mais um suspeito detido

O presidente do Governo Regional confirmou a detenção de um segundo suspeito de estar ligado a este atentado no centro de Barcelona.

O primeiro suspeito a ser detido foi Driss Oukabir, de acordo com o principal sindicato de polícia de Espanha.

20h16 - Gabinete de crise reunido

O gabinete de crise para dar resposta a este ataque terrorista está reunido em Barcelona.


20h15 - Governo ainda sem informação de vítimas portuguesas

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas disse hoje à Lusa que os serviços consulares em Barcelona estão em contacto com as autoridades espanholas, mas não há ainda informação sobre eventuais vítimas portuguesas do ataque hoje perpetrado na cidade.

"Os serviços consulares portugueses estão em contacto com as autoridades policiais espanholas. Como se sabe, este ataque -- tudo leva a crer, ataque terrorista -- ocorreu muito junto aos serviços consulares e tem sido difícil o próprio trabalho consular", explicou José Luís Carneiro.

"Até ao momento, não é possível ainda referir a existência ou não de portugueses [entre as vítimas], todas as informações são muito prematuras", indicou o governante, acrescentando: "Vamos continuar a acompanhar, em diálogo com os serviços consulares, as informações que forem sendo disponibilizadas por parte das autoridades policiais".

20h10 -
Rajoy fala de reforço de segurança

O primeiro-ministro espanhol está a caminho de Barcelona. Na rede social Twitter, Mariano Rajoy dosse que a coordenação é máxima para deter os atacantes, reforçar a segurança e apoiar todos os que foram afetados.

19h58 - Suspeito abatido a tiro
Um suspeito foi abatido quando tentava fugir a controlo policial a 10 quilómetros do centro de Barcelona.

19h48 - Suspeito do ataque é cidadão marroquino
O suspeito do ataque é um cidadão marroquino de 25 anos com residência legal na cidade de Girona na Catalunha.

19h42 - Mariano Rajoy a caminho de Barcelona
O primeiro-ministro espanhol está a caminho de Barcelona para coordenar a resposta ao atentado terrorista.

19h40 - Casa Real Espanhola condena atentado

19h29 - Governo da Catalunha confirma 13 mortos e mais de 50 feridos no atentado nas Las Ramblas, no centro de Barcelona.

19h20 - Polícia afirma que não existe ninguém barricado num bar no centro de Barcelona



19h14 - Detido um suspeito ligado ao atentado.

19h00 - Divulgada foto de suspeito

A polícia espanhola disponibilizou a foto de um suspeito de ligação ao ataque em Barcelona.



O jornal El Pais divulgou as comunicações da polícia com a descrição do suspeito.




18h50 - EUA disponibilizam ajuda a Espanha

O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, considera que o ataque em Barcelona tem todas as características de um "atentado terrorista”, e veio garantir que os EUA estão prontos a prestar auxílio às autoridades espanholas.

18h40 - Polícia encontrou segunda carrinha relacionada com o ataque na cidade de Vic, a cerca de 70 quilómetros de Barcelona.

Turista português de férias em Barcelona conta o sucedido.


18h20 -
O primeiro-ministro, António Costa, enviou uma mensagem ao seu homólogo espanhol, Mariano Rajoy, transmitindo a solidariedade do Governo e do povo português depois do ataque em Barcelona.     


18h10 - Comissário do Interior Ferran Lopez confirma um morto e 32 feridos.


18h00 - Atropelamento nas Las Ramblas, centro de Barcelona: Ponto de situação


Um veículo invadiu a zona das Ramblas, no centro de Barcelona, atropelando várias pessoas, por volta das 17h00 horas de Espanha. Há pelo menos três mortos confirmados, mas a Cadena Ser fala já de 13 vítimas mortais. Haverá ainda cerca de duas dezenas de feridos, alguns deles graves.

O condutor fugiu depois a pé.

A zona está vedada pela polícia e os estabelecimentos comerciais foram evacuados. As ruas adjacentes foram também cortadas, e as estações de metro e comboio na zona encerradas.

Fonte policial confirmou à France Presse que um suspeito encontra-se barricado num bar, mas não há ainda confirmação da ligação entre os dois casos.

As agências internacionais citam a polícia da Catalunha dizerem estar a tratar este atropelamento como um ataque terrorista.


Emissão em direto RTP3

A informação mais vista