Miguel Leal deixa comando técnico do Boavista

| 1.ª Liga

|

O Boavista, da I Liga portuguesa de futebol, informou através da sua página no Facebook, ter aceitado o pedido de demissão do treinador Miguel Leal, transmitido após o treino da equipa.

O Boavista refere que Miguel Leal transmitiu essa sua vontade "no final do treino" e sem adiantar as razões invocadas.

"Até ser contratada nova equipa técnica, o que esta SAD pretende aconteça o mais rapidamente possível, a equipa será treinada pelos técnicos Jorge Couto e Alfredo Castro", informou ainda a administração boavisteira.

A SAD adianta que "o pedido de demissão é extensivo aos elementos da equipa técnica (Álvaro Pacheco, Elias Nunes e Pedro Teixeira), que com Miguel Leal entraram na Boavista, SAD, tendo de forma amigável sido efetuada a respetiva rescisão dos contratos de trabalho".

Miguel Leal, o primeiro técnico do campeonato vítima de uma "chicotada psicológica" esta época, pegou no Boavista na temporada anterior, quando a equipa ocupava o 13.º lugar com oito pontos e conduziu-a ao nono lugar final.

Com cinco jornadas disputadas, o Boavista ocupa o 16.º lugar da tabela classificativa da I Liga, com três pontos, fruto da sua vitória frente ao Desportivo das Aves (1-0), na quarta jornada.

A equipa já foi eliminada da Taça da Liga, após perder em casa com o Sporting de Braga (1-2), e recebe o Benfica já no próximo sábado, às 18:15, para a sexta jornada.

A informação mais vista

+ Em Foco

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Eram muito jovens quando chegaram a Old Trafford. Há 60 anos o mundo chorou a perda de uma das melhores equipas de sempre em Inglaterra, treinada por Matt Busby.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.