Sporting e Benfica lutam por um lugar na final da Taça de Portugal

por Mário Aleixo - RTP
Mais um duelo que promete entre os eternos rivais Reuters

Sporting e Benfica começam esta quinta-feira a lutar pela presença na final da Taça de Portugal de futebol, ao defrontarem-se na primeira mão das meias-finais.

Os rivais lisboetas defrontam-se a partir das 20h45, no estádio José Alvalade, no jogo inaugural das meias-finais da edição de 2023/24, arbitrado por Fábio Veríssimo, numa altura em que estão separados por dois pontos no topo da classificação da I Liga.

No domingo, o Benfica isolou-se na liderança do campeonato, ao golear por 4-0 na receção ao Portimonense e ao beneficiar do empate 3-3 do Sporting em casa do Rio Ave, que deixou os ‘"leões" a dois pontos de distância das "águias", mas com menos um encontro realizado.

A equipa treinada pelo alemão Roger Schmidt, que receberá o rival em 3 de abril, na segunda mão, não apresenta nenhuma baixa de vulto, enquanto o técnico Rúben Amorim viu com preocupação dois jogadores influentes lesionarem-se em Vila do Conde, o defesa Gonçalo Inácio e o avançado Francisco Trincão.

Rúben Amorim abriu um pouco o livro na antevisão da partida, começando desde logo pela garantia de titularidade de Franco Israel na baliza e pelas ausências confirmadas de Francisco Trincão e Gonçalo Inácio, enquanto Paulinho vai ser convocado, mas começará no banco de suplentes. 

O técnico está, por isso, obrigado a fazer mexidas em relação à visita a Vila do Conde (3-3) e Eduardo Quaresma e Marcus Edwards devem ser os eleitos para essas duas vagas. Contudo, talvez não se fique por aqui e Ricardo Esgaio é opção forte a voltar à direita, para maior estabilidade defensiva que Catamo.

O treinador alemão do Benfica não abriu o jogo - ao contrário de Rúben Amorim - na antevisão da partida e falou precisamente das muitas nuances que a equipa pode apresentar. 

Ora, sendo esta equipa do Sporting forte no capítulo da organização defensiva, não será de estranhar que o técnico encarnado aposte em fórmula semelhante à do jogo com o Portimonense (4-0), com Rafa na frente, Kokçu a médio ofensivo e João Mário a ajudar João Neves a equilibrar o meio campo. 

A grande dúvida talvez seja onde inserir o intocável Aursnes: novamente a lateral esquerdo ou a médio esquerdo, para ajudar na pressão, o que obrigaria a iniciar a partida com David Neres - que está num grande momento de forma - no banco de suplentes. Ora, como nesta fase nem Morato, nem Álvaro Carreras parecem propriamente prontos para um encontro desta magnitude e exigência, o norueguês surge como a opção mais confiável para lateral esquerdo.


O dérbi da capital portuguesa vai opor o clube com mais títulos conquistados na prova, o Benfica, com 26 troféus, ao terceiro mais vitorioso, o Sporting, com 17, menos dois do que o FC Porto, que conquistou 19, entre os quais os das últimas duas temporadas.


pub