Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Mário Cruz - Lusa

Há mais 815 casos confirmados em Portugal, ou seja, mais 6,2 por cento em relação a quarta-feira. Houve ainda mais 29 mortes, para ser ultrapassada a linha das quatro centenas.

Mais atualizações




23h34 - Mais de 100 vacinas candidatas para a covid-19, cinco em ensaios clínicos

A revista científica Nature contabilizava hoje 115 vacinas candidatas contra a covid-19, das quais 78 estão ativas e cinco em fase de ensaios clínicos. Algumas das possíveis vacinas elencadas têm financiamento da Coligação para a Inovação na Preparação contra Epidemias (CEPI, na sigla em inglês), com sede em Oslo, na Noruega, e que reúne organizações públicas, privadas, filantrópicas e civis.

Das 115 vacinas candidatas, 37 não foram confirmadas como estando em situação ativa por falta de informação disponível. Entre as 78 vacinas candidatas ativas, 73 encontram-se em fase exploratória ou pré-clínica. As restantes cinco estão em ensaios clínicos, isto é, a ser testadas em pessoas.

A primeira vacina candidata contra a covid-19 começou a ser testada, com uma "rapidez sem precedentes", em 16 de março, nos Estados Unidos, depois de ter sido publicada, a 11 de janeiro, a sequência genética do coronavírus SARS-CoV-2.

A CEPI salienta que o "esforço global" na investigação e no desenvolvimento de uma vacina para a covid-19 não tem paralelo "em termos de escala e velocidade".

De acordo com o panorama traçado pela CEPI, a maioria das vacinas candidatas, sobre as quais existe informação disponível, pretende induzir a formação no organismo de anticorpos (glicoproteínas) neutralizadores da proteína-chave do coronavírus, a chamada proteína da espícula, que permite que o SARS-CoV-2 entre nas células humanas ao ligar-se a uma enzima (substância proteica), a ACE2.

A indução da produção de anticorpos específicos para o SARS-CoV-2 está a ser tentada com vários métodos, como vírus vivos atenuados, vírus inativos, vírus manipulados geneticamente, proteínas recombinantes, adjuvantes imunológicos, ácidos nucleicos (ADN e ARN), moléculas semelhantes a vírus (mas sem material genético viral) e péptidos (complexos de aminoácidos).

A obter-se uma vacina no início de 2021, segundo as previsões das autoridades sanitárias norte-americanas, tal significa uma alteração significativa no padrão tradicional de desenvolvimento de uma vacina, que pode demorar em média mais de 10 anos a ser produzida, assinala a CEPI.

22h45 - Como se realizam testes fidedignos e por que razão não se testa mais em Portugal

Desde o início da pandemia de Covid-19, milhares de pessoas em Portugal já foram submetidas a testes de diagnóstico. No entanto, para que não se corra o risco de existirem falsos resultados negativos, há técnicas que devem ser cumpridas.


22h25 - Brasil regista 141 mortos e 1.930 infetados nas últimas 24 horas

O Brasil registou hoje um novo recorde diário de mortos pelo novo coronavírus, contabilizando 141 óbitos nas últimas 24 horas e 1.930 novos casos de infeção, informou o Ministério da Saúde do país.

No total, o país sul-americano tem até hoje 941 vítimas mortais e 17.857 infetados pelo novo coronavírus, sendo que a taxa de letalidade da doença subiu para 5,3% no Brasil.

22h15 -  Eurogrupo acorda fundo de recuperação mas pede à UE que decida financiamento

O Eurogrupo acordou a criação de um fundo de recuperação após a crise gerada pela covid-19, mas pediu aos líderes europeus para decidirem "o financiamento mais apropriado", se através da emissão de dívida ou de "formas alternativas".

"Acordámos a criação de um fundo de recuperação, que irá alavancar a nossa economia e os investimentos que precisamos", anunciou o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, falando em videoconferência após a reunião dos ministros das Finanças europeus, que começou na terça-feira e esteve, entretanto, suspensa até ter sido retomada esta noite.

Frisando que "este será um fundo temporário e ligado às causas da covid-19", o também ministro das Finanças português frisou que caberá aos chefes de Governo e de Estado da União Europeia (UE) decidir qual o seu financiamento.

Os ministros das Finanças europeus acordaram hoje uma resposta económica "impensável há apenas algumas semanas" em torno de um pacote com "redes de segurança" para trabalhadores, empresas e Estados-membros que ascende a 500 mil milhões de euros, anunciou Mário Centeno.

22h00 - As três redes de apoios decididas pelo Eurogrupo

Um acordo entre o "bom" e o "excelente", "um bom desfecho", "um grande dia para a solidariedade europeia".

Foram algumas das palavras usadas para classificar um acordo tirado a ferros esta quinta-feira, após horas de maratonas negociais, tanto em vídeoconfrência como em reuniões bilaterais, e espelham bem o alívio sentido pelos principais responsáveis das Finanças dos 27.

Mário Centeno anunciou os detalhes pouco depois do primeiro anúncio saudado na rede Twitter por vários dos ministros.

O acordo contém propostas "ousadas" da ordem de "milhares de biliões de euros" incluindo 500 mil milhões de euros disponíveis imediatamente, e que prevê ainda um fundo de relançamento, referiu.

"A solidariedade é a chave para deter a fragmentação da zona euro", acrescentou o português, num eco do seu apelo, horas antes. Centeno gritou então por unidade, caso contrário "vamos todos ao fundo".

De acordo com o presidente do Eurogrupo, "foram acordadas três redes de salvaguarda".

Uma primeira, dirigida aos Governos, de até 240 mil milhões de euros, em termos standard de linhas de crédito do fundo de resgate permanente, sob condição de serem aplicados na luta contra a pandemia.

O ministro das Finanças português acrescentou que a sua interpretação, como presidente do Eurogrupo, é que um país afetado por esta crise deve identificar despesas relacionadas com cuidados de saúde, tratamentos e prevenção no quadro da pandemia da covid-19 até 2% do seu PIB (valor de referência de final de 2019).

A segunda, de 100 mil milhões de euros, deverá garantir os empregos dos trabalhadores, através do programa SURE, um instrumento temporário aprovado no início de abril pela Comissão Europeia, consistente em empréstimos concedidos em condições favoráveis pela UE aos Estados-membros, com o objetivo de ajudar os Estados a salvaguardar postos de trabalho através de esquemas de desemprego temporário.

E uma terceira, para empresas, suportada pelo Banco de Investimento Europeu, BEI, através de um fundo de garantia pan-europeu dotado de 25 mil milhões de euros, que permitirá mobilizar até 200 mil milhões de euros suplementares para as empresas em dificuldades, sobretudo Pequenas e Médias Empresas (PME).

O acordo, concretizado no âmbito do Mecanismo de Estabilidade Europeu, prevê assim ligeiros condicionamentos.

Conforme referiu Mário Centeno, serão feitos todos os esforços para tornar estes apoios operacionais num prazo de duas semanas.

"Este plano de emergência irá proteger o fabrico social e económico" da zona euro "à medida que mergulhamos numa recessão", acrescentou o ministro português. "Temos de emergir da recessão unidos e proteger o nosso mercado único", sublinhou ainda.

O presidente do Eurogrupo indicou que vai transmitir agora o acordo em torno destas propostas ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

"Levou-nos um total de 16 horas e meia de reunião e muitas mais de preparativos, mas conseguimos", disse, congratulando-se por, no final, as diferenças entre Estados-membros terem sido "enterradas".

Sublinhando que este pacote desta envergadura era "impensável há apenas algumas semanas", Centeno contrapôs a resposta agora dada, "em tempo recorde", com a reação da Europa à anterior crise, há cerca de 10 anos, quando "fez muito pouco, e muito tarde".

"Estivemos à altura do desafio", concluiu Mário Centeno.

O próximo orçamento europeu irá ser uma componente chave da estratégia de recuperação, assim como um fundo de recuperação, que se prevê temporário e específico e que irá ajudar a estender os curtos da crise ao longo de uma maior linha temporal.

21h50 - África com menos de 5.000 camas de UCI

O número total de camas disponíveis em unidades de cuidados intensivos (UCI) para o combate à pandemia. em 43 dos 54 países de África. é inferior a 5.000.

"Trata-se de cerca de cinco camas por um milhão de pessoas nos países, em comparação com 4.000 camas por milhão de pessoas na Europa", afirmou a Organização Mundial de Saúde, OMS, num comunicado emitido hoje.

A agência das Nações Unidas advertiu ainda que 41 países africanos comunicaram que têm menos de 2.000 ventiladores funcionais nos serviços de saúde pública.

21h40 - HCV fora da "rede covid"

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou hoje o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, tal não é necessário.

"Consideramos não se justificar atualmente a integração do Hospital da Cruz Vermelha na rede covid, sem prejuízo do contributo vital que, nesta fase, já é desenvolvido por essa instituição no apoio ao Estado num cenário ímpar e de especial exigência", lê-se numa nota conjunta dos ministérios da Saúde e da Defesa Nacional.

21h30 - Número de recuperados subiu em Portugal

A RTP foi ouvir as histórias de quem apanhou o vírus e sobreviveu para contar como foi.


21h20 - Eurogrupo chega a acordo, 500 mil milhões de euros já

Os ministros europeus das Finanças chegaram a acordo esta quinta-feira quanto a uma resposta económica comum à crise provocada pela pandemia de covid-19.

"A reunião concluiu-se sob uma chuva de apalusos dos ministros" anunciou o porta-voz de Centeno na rede social Twitter, após a conclusão da videoconferência conduzida desde Lisboa pelo ministro português das Finanças.

Foi conseguido um acordo com a Holanda, que era o grande 'obstáculo' a um compromisso. O ministro das Finanças holandês recorreu à sua conta na rede oficial Twitter para anunciar o que classifica como "um bom desfecho".

"Colocámos sobre a mesa um pacote abrangente que ajudará os países a financiar os custos médicos, que ajudará as empresas e os trabalhadores. Sob as condições certas, também ajudará a construir as nossas economias nacionais a longo prazo", escreveu.

Wopke Hoekstra revelou que a solução para ajudar as finanças dos Estados passa mesmo por linhas de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), "sem condições para despesas médicas", mas "com condições" para apoio económico.

Alguma cedência era necessária para desbloquear um "acordo excelente", que incluiu "500 mil milhões de euros disponíveis imediatamente" e que prevê "um fundo de relançamento" no futuro, conforme saudou o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire.

Também o comissário europeu da Economia, o italiano Paolo Gentiloini, anunciou um acordo em torno de "um pacote de dimensões sem precedentes".

No extremo oposto das posições defendidas à partida para estas discussões no Eurogrupo, o ministro italiano também se manifestou satisfeito com o compromisso alcançado, que terá de ser confirmado pelos chefes de Estado e de Governo dos 27 em sede de Conselho Europeu.

"Vamos apresentar uma proposta ambiciosa ao Conselho Europeu. Vamos lutar para que se concretize", escreveu Roberto Gualtieri.

21h10 - Elogios em Espanha a Rui Rio

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, tem olhado para o exemplo da oposição em Portugal, deixando elogios.



21h00 - Luta na Europa com resultados desiguais

No Reino Unido houve 881 mortos num único dia. É o país da Europa onde agora mais se morre por causa da pandemia. A prioridade é diminuir o contágio e salvar vidas.


20h50 - EUA. Banco central anuncia ambicioso programa de apoio à economia

O número de americanos desempregados atingiu já os 17 milhões. Só na última semana houve 6,6 milhões de novos pedidos de subsídio de desemprego.



A reserva federal norte-americana (Fed) anunciou que vai avançar com empréstimos de 2,3 biliões de dólares destinados a empresas e comunidades locais, impactadas pela pandemia.

Os fundos em causa vão "ajudar famílias e empregadores e capacitarão as autoridades locais e regionais a fornecer assistência" durante o surto, indicou, em comunicado, a Fed.

20h40 - Lagarde apela à união

A presidente do Banco Central Europeu alertou para a necessidade de solidariedade europeia no combate aos efeitos económicos da pandemia. Num artigo de opinião publicado em diversos jornais europeus, Christine Lagarde defendeu que só assim se pode proteger a economia e o emprego.


20h30 - Eurogrupo volta a reunir, com divergências profundas sobre a mesa

Mário Centeno acredita que o Eurogrupo está muito próximo de um acordo sobre a ajuda europeia. Os ministros das Finanças reuniram-se de novo, depois de um primeiro encontro de 16 horas ter acabado sem acordo.


Continua a existir espaço para acordo em sede de Eurogrupo sobre a forma que os apoios à economia europeia deverão assumir no atual cenário de pandemia.

Terá de se dar, contudo, alguma cedência de ambas as partes, Norte e Sul da Europa.

O bloqueio parece estar nos empréstimos do mecanismo europeu de estabilidade, que a Holanda insistem em condicionar e Itália e Espanha em rejeitar.

"É preciso que Mário Centeno consiga construir uma ponte", frisou o correspondente da RTP em Bruxelas, Duarte Valente, que tem acompanhado a reunião a partir de Bruxelas.



O presidente do Eurogrupo, lembrou o repórter, fez esta tarde um apelo desesperado, frisando que, "ou nadamos todos no mesmo sentido ou vamos todos ao fundo".

20h20 - Lares obrigados a acolher idosos infetados devolvidos por hospitais

Um idoso com Covid-19 foi devolvido ao lar em Arcos de Valdevez.

A situação repete-se por todo o país, apesar de muitas instituições alertarem para o facto de não conseguirem manter isolados os idosos que foram contaminados.


20h10 - Forças de segurança detiveram 67 pessoas por desobediência

"Até ‪às 17h00 de hoje, foram detidas 67 pessoas por crime de desobediência", informou o ministério da Administração Interna, em comunicado.

Destas, "18 foram detidas por desobediência à obrigação de confinamento obrigatório, 29 por desobediência ao dever geral de recolhimento domiciliário, 8 por desobediência ao encerramento de estabelecimentos, 1 por resistência e 11 por violação da cerca sanitária de Ovar", precisa o documento.

20h00 - Os quatro países mais afetados da UE

Em Espanha, registaram-se até agora 152.446 casos de covid-19, (mais 4.226 em 24h) e 15.238 óbitos (446 do que quarta-feira). Recuperaram 52.165 pessoas e 85.043 estão internadas, 7.371 destas em estado crítico.

Em Itália, há 143.626 casos confirmados (mais 4.204 em 24h), e 18.279 mortes (610 do que quarta-feira). Recuperados são já 28.470, e hospitalizados quase 97 mil (96,877), 3.605 dos quais sob cuidados intensivos.

França conta 117.749 infetados, (+ 4.799) e 12,210 mortes (+1.341). Há 23.206 casos de recuperação, 82.333 pessoas estyão internadas entre elas 7.066 nos cuidados intensivos.

A Alemanha tem 115.523 casos oficiais de covid-19, (+2,227) e contava hoje 2.451 mortos (+102). Recuperados eram 46.300, os hospitalizados 66.772. Em estado crítico, 4.895.

Portugal registou já mais de 400 mortes.


19h55- Europa com mais 3.300 mortos desde quarta-feira

Na Europa, a pandemia afetou até hoje 770.810 pessoas (25.894 novos casos em 24h), tendo morrido 64.570 ou mais 3.304 desde quarta-feira.

Foram ainda registados 179.209 casos de recuperação, há 527.031 pessoas hospitalizadas e, entre estas, 30.359 estão sob cuidados intensivos.

19h50 - Quase 95 mil mortos a nível mundial

A nível mundial, a pandemia afetou 1.576,496 pessoas, mais 58.536 do que quarta-feira, das quais 93.596 perderam a vida (mais 5.141 mortos em 24h).

Recuperaram 348.191 infetados oficiais, e 1.134 709 pessoas permanecem internadas, 48.853 das quais em estado crítico.

19h40 - EUA com mais de 16.000 mortos

O mais recente balanço de mortos devido à covid-19 nos Estados Unidos aponta 16.074 óbitos, mais 1.286 em 24h. O país conta agora com 454.615 casos confirmados, quase mais 20.000 (+19.688) diagnosticados desde quarta-feira

Há ainda 9.733 pessoas em estado crítico e recuperaram 24.562 infetados.

Já a contagem da Universidade Johns Hopkins  refere que os Estados Unidos contam com 15.938 mortos devido à covid-19, segundo a contagem feita até as 19:00 TMG (20:00 de Lisboa) registando cerca de 450.000 casos de contaminação.

19h30 - Boris Johnson saiu dos cuidados intensivos

O primeiro ministro do Reino Unido foi hospitalizado domingo no Hospital St Thomas, em Londres, devido ao agravamento da febre e tosse persistentes num quadro confirmado de covid-19.

Transferido segunda-feira para os cuidados intensivos, esteve a receber oxigénio mas nunca chegou a necessitar de ventilador. Esta quinta-feira, Downing Street anunciou que o primeiro-ministro britânico saiu da UCI.

"O primeiro-ministro foi transferido esta noite dos cuidados intensivos para a enfermaria, onde vai ter um acompanhamento cuidadoso durante a fase inicial da sua recuperação. Ele está extremamente animado", disse a fonte.

As notícias mais recentes descreviam o seu estado como "estável" e Johnson como consciente e capaz de coversar com o pessoal médico.

19h25 - França ultrapassou 12.000 mortes mas diminuem doentes nas UCI

O número total de óbitos em França devido à covid-19 é de 12.210 até hoje, dia em que o país registou pela primeira vez desde o início da pandemia uma diminuição do número de doentes nos cuidados intensivos.

Os números foram divulgados por Jérôme Salomon, diretor-geral da Saúde, indicando que do total de mortos devido ao novo coronavírus, 8.044 aconteceram em meio hospitalar (424 nas últimas 24 horas) e 4.166 em lares.

Há atualmente 30.767 pessoas hospitalizadas e 7.066 pacientes estão internados nos cuidados intensivos. Há 86.344 casos confirmados de covid-19 no país.

19h20 - Seis primeiras mortes em favelas do Rio de Janeiro confirmadas

A Prefeitura do Rio de Janeiro registou seis mortes relacionadas com o novo coronavírus em favelas, onde a densidade populacional e as condições insalubres fazem recear uma elevada mortalidade, numa situação de uma rápida expansão da doença.

Após algumas contradições, os seis óbitos foram confirmados: duas mortes na favela da Rocinha, a maior da cidade, duas mortes na favela de Vigário Geral, uma em Manguinhos e uma na favela da Maré.

As autoridades de saúde não especificaram a data das mortes. As vítimas são quatro homens e duas mulheres, sendo que a vítima mais jovem tinha 48 anos.

19h10 - Marcelo promulgou regime excecional de perdão de penas

O Presidente da República promulgou hoje, apesar das dúvidas, a lei do Governo que cria um regime excecional de perdão de penas devido à covid-19, menos de 24 horas depois de ter sido aprovada no parlamento.

Numa nota publicada no "site" da Presidência, lê-se que Marcelo Rebelo de Sousa promulgou o decreto "atendendo a determinantes razões éticas, humanitárias e de saúde pública, assim como à recomendação das Nações Unidas e os apelos como o da Igreja Católica Portuguesa, que superam dúvidas suscitáveis por certas disposições do regime aprovado".


O primeiro-ministro, António Costa, assumiu hoje o compromisso de que no início do próximo ano letivo haverá o acesso para todos os alunos do básico e secundário às plataformas digitais, quer em termos de rede quer de equipamentos.

Esta garantia foi deixada já no final da conferência de imprensa de hoje, que decorreu após o Conselho de Ministros que decidiu medidas excecionais para o resto do ano letivo devido à covid-19.

18h50 - Turistas com férias canceladas têm direito a reembolso

A Comissão Europeia frisou hoje que os turistas com pacotes de viagem cancelados devido à covid-19 têm direito a reembolso e pediu cooperação aos Estados-membros para o garantir, bem como apoio para agências turísticas.

Numa declaração hoje divulgada, o comissário europeu da Justiça e Consumidores, Didier Reynders, sublinha que "os viajantes têm o direito de obter um reembolso total se a sua viagem for cancelada", conforme estipulado pela diretiva comunitária relativa às viagens organizadas e aos serviços de viagem conexos.

18h40 - Contágios voltam a subir em Itália

Itália atingiu as 18.279 mortes associadas ao novo coronavírus, ao ter registado 610 óbitos nas últimas 24 horas. O número contabilizado hoje é superior aos dados dos últimos dois dias.

No mesmo período, o número de novos contágios voltou a subir naquele país.

Segundo a Proteção Civil italiana, os casos de infeção positivos e ativos neste momento no país são 96.877, mais 1.615 novos contágios face a quarta-feira.

Este número representa um aumento considerável em comparação com os dados de quarta-feira, quando foram registados 1.195 novos casos, e é quase o dobro dos 880 que foram diagnosticados no dia anterior.

18h30 - Hotel Copacabana encerrado pela primeira vez em 97 anos

O hotel Copacabana Palace, um dos ícones da cidade brasileira do Rio de Janeiro, fechará as portas temporariamente após 97 anos de serviços ininterruptos, por causa da pandemia do novo coronavírus.

A decisão de não receber mais hóspedes até ao mês de maio foi provocada pela queda de reservas em março referiu ao jornal O Globo, Andrea Natal, diretora do grupo que administra o Copacabana Palace.

"A nossa previsão de ocupação para março era de 70 por cento e fechámos o mês com 36 por cento. Até começámos bem, mas a partir de meados do mês, quando o turismo global começou a ser mais afetado, com muitos cancelamentos de voos, a queda foi abrupta", explicou Natal.

Localizado em frente à praia de Copacabana, o hotel ficou conhecido pelo luxo e por hospedar celebridades internacionais que visitam o Rio de Janeiro. O local também acolhe alguns dos mais importantes eventos sociais do país.

18h20 - Trabalhadores em 'lay-off' poderão exercer atividade remunerada

O Conselho de Ministros aprovou a garantia de que os trabalhadores em lay-off possam exercer outra atividade remunerada "desde que nas áreas da produção alimentar, apoio social, saúde, logística e distribuição".

A medida integra um decreto-lei que procede a novas alterações às medidas já adotadas pelo Governo, no âmbito da resposta à pandemia de covid-19, "tomando em atenção os novos temas que se vão identificando relativamente aos trabalhadores, às empresas, aos operadores económicos e aos cidadãos em geral" refere o comunicado do Conselho de Ministros.

18h10 - Recorde de óbitos mas menos hospitalizações em Nova Iorque

O Estado de Nova Iorque, o mais atingido dos Estados Unidos até agora pela pandemia , registou 799 novas mortes por covid-19 nas ultimas 24h, um novo recorde diário. O governador, Andrew Cuomo, mostrou-se contudo otimista, devido ao novo decréscimo do número de novas hospitalizações, em queda há três dias.

"Estamos a achatar a curva, tivemos um aumento bruto de 200 hospitalizações", o que corresponde "ao número mais baixo que tivemos desde que este pesadelo começou", declarou Cuomo na sua conferência diária sobre a pandemia.

O número de mortos tem batido recordes diários nos dias mais recentes, com quarta-feira a ter registado 779 óbitos.

O Estado, de 20 milhões de habitantes, conta agora com mais de 7.000 mortes, quase metade das 14.800 fatalidades registadas em todo o país, pela Universidade Johns Hopkins.

18h00 - Acatamento das regras de circulação "praticamente total" em Coimbra

"De forma geral, o acatamento tem sido praticamente total, felizmente", disse a comandante do Destacamento de Trânsito da GNR de Coimbra, Lígia Santos, que falava à comunicação social junto à saída Coimbra Norte da A1, onde os militares procediam à fiscalização.

A PSP e GNR começaram às 00:00 de hoje uma operação conjunta para garantir o cumprimento das regras mais apertadas de circulação durante o período da Páscoa e previstas no estado de emergência devido à covid-19.

17h50 -  Reino Unido com quase 8.000 mortes

O Reino Unido registou mais 881 mortes nas últimas 24 horas de pessoas infetadas pelo novo coronavírus, elevando para 7.978 o total de óbitos devido a covid-19, indicou o Ministério da Saúde britânico.

Os números das mortes referem-se a pacientes diagnosticados com covid-19 que morreram no hospital até às 17:00 horas da véspera, compilados a partir de dados das direções regionais de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

Na atualização dos dados feita às 09h00 de hoje, registaram-se ainda 4.344 novos diagnósticos, para um novo total de 65.077 casos positivos.

17h40 - Subsídio por assistência a filhos vai ser pago 100% em toda a função pública

O Governo aprovou hoje um diploma que aumenta o subsídio por assistência a filho de 65% para 100% do salário aos funcionários públicos do regime de proteção social convergente, que estavam até agora excluídos desta majoração.

"Foi aprovado, na generalidade, o decreto-lei que aumenta o montante diário do subsídio por assistência a filhos dos trabalhadores que exercem funções públicas integrados no regime de proteção social convergente, harmonizando assim os dois regimes de proteção social obrigatória no âmbito da parentalidade", lê-se no comunicado do Conselho de Ministros.


17h30 - Angela Merkel pede paciência aos alemães

A chanceler alemã avisou em Berlim os seus congéneres alemães, através de conferência de imprensa, de que "teremos de ter paciência", uma vez que será necessário "conviver ainda durante algum tempo com o vírus".

O seu Governo tem estado a ser pressionado a seguir o exemplo da Áustria no levantamento de algumas restrições às medidas de confinamento decretadas para combater o alastrar da pandemia.

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, advertiu por seu lado que os grandes ajuntamentos poderão manter-se proibidos durante "meses", assim como o encerramento de instituições culturais e discotecas.

Angela Merkel assumiu uma "esperança prudente" face à evolução da pandemia no país, que tem registado um achatamento da curva de contágio e considerou que não é necessário endurecer as medidas de isolamento já impostas.

17h20 - Controlo nas fronteiras prolongado até 14 de maio

O Governo aprovou hoje uma resolução que prolonga até 14 de maio a reposição, "a título excecional e temporário", do controlo de pessoas nas fronteiras devido à pandemia covid-19, "sendo esta medida reavaliada a cada 10 dias".

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, foi também aprovada "a entrada e saída do território nacional das aeronaves e do pessoal a afetar à respetiva operação e manutenção, no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR)".

17h10 - TV Fest suspenso

O festival de música TV Fest, uma iniciativa do Ministério da Cultura que deveria ter início hoje, foi suspenso, na sequência das dúvidas e críticas que surgiram no setor, e será repensado.

"Como o setor reagiu tão rapidamente, com críticas, dúvidas e questões, nós vamos suspender [o TV Fest], ia estrear hoje, será suspenso hoje. Vamos repensar e perceber exatamente como manter este nosso objetivo de apoiar o setor da música e os técnicos e, ao mesmo tempo, dar a possibilidade de as pessoas receberem em sua casa música portuguesa", afirmou hoje a ministra da Cultura, Graça Fonseca

17h00 - Banco Mundial anuncia previsões desastrosas para a África subsahariana

A pandemia vai mergulhar a África subsahariana na recessão já em 2020, a primeira em mais de 25 anos e a mais grave desde a Segunda Grande Guerra, advertiu Albert Zeufack, do Banco Mundial, em conferência de imprensa em Washington.

A instituição alerta ainda para o risco de uma "crise alimentar" devido a uma contração da produção agrícola, entre os 2,6 por cento e os sete por cento este ano.

Apesar de, até agora, relativamente pouco tocada pela pandemia de covid-19, economicamente a região "deverá cair brutalmente, de um crescimento de 2,4 por cento em 2019, para um crescimento negativo entre os -2,1 e os 5,1 por cento em 2020, a primeira recessão em 25 anos".

As três principais economias da região deverão "ser as mais atingidas pela crise". Angola, África do Sul e Nigéria deverão registar contrações dos seus PIB entre os seis e os sete por cento, prevê ainda o Banco Mundial.

Angola, ainda em crise devido à quebra dos preços do crude desde 2014, "já estava a enfrentar dificuldades para manter os seus investimentos num nível elevado", sublinhou o economista.

16h50 - Esforço acrescido nos dias da Páscoa é importante para o resto do mês

Na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros de hoje, o primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se confiante de que os portugueses percebem que o "esforço acrescido" pedido nos cinco dias da Páscoa "é particularmente importante para a evolução do resto do mês" da pandemia da covid-19.

"Não tenho ainda nenhuma informação sobre como está a decorrer. Tenho a esperança e a confiança que os portugueses percebem que este esforço acrescido que é pedido nestes cinco dias é particularmente importante para a evolução do resto do mês", afirmou.

O primeiro-ministro insistiu na ideia de que "tudo o que acontecerá agora refletir-se-á nos dados que vamos ter daqui a 15 dias".

16h30 - Guiné-Bissau com mais 3 casos

A Guiné-Bissau regista três novos casos positivos de contágio pelo novo coronavírus, elevando a 36 o número de pessoas infetadas no país, anunciaram hoje as autoridades de saúde guineenses.

"Dos três novos casos, dois são do setor autónomo de Bissau e um de Canchungo", precisou o médico.

16h20 -  São João da Pesqueira pede para acionar recurso ao Fundo de Emergência

O presidente da Câmara Municipal de São João da Pesqueira quer que o Governo "acione urgentemente" o recurso ao Fundo de Emergência Municipal (FEM) para poder continuar a combater a pandemia da covid-19.

Num documento publicado pela autarquia, refere-se que os municípios "têm contribuído para esse fundo" e "têm suportado avultados investimentos no combate local a esta pandemia, mesmo em matérias que não são das suas competências".

"O recurso a este mecanismo é fundamental para assegurar o reforço deste combate e ainda para que os municípios tenham condições de, na fase de recuperação, realizar os investimentos públicos estratégicos nos seus concelhos", defende Manuel Cordeiro.


Os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos atingiram os 6,6 milhões na semana passada, devido ao impacto da pandemia covid-19 nas atividades económicas, divulgou hoje o Departamento do Trabalho. 

Os números alcançados na semana terminada em 03 de abril superam as estimativas dos analistas consultados pela EFE, que apontavam para 5,25 milhões de pedidos.

15h55 - Proposta do Governo sobre prisões aprovada. PSD, CDS, IL e Chega contra

A proposta do Governo que cria um regime excecional de flexibilização da execução de penas e indultos a presos devido à covid-19 foi hoje aprovada em votação final global com votos contra de PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega.

O PAN absteve-se e os restantes partidos e deputados - PS, BE, PCP, PEV e deputada não inscrita Joacine Katar-Moreira - votaram a favor.

Na votação na especialidade, feita também hoje em plenário, foram aprovadas alterações ao diploma apresentadas por PS, PCP e CDS-PP.

A proposta de lei estabelece um perdão parcial de penas de prisão para crimes menos graves, um regime especial de indulto das penas, um regime extraordinário de licença de saída administrativa de reclusos e a antecipação extraordinária da colocação em liberdade condicional.

15h45 - Moradores continuam a circular entre concelhos de Lisboa e Loures

Em Moscavide, na fronteira entre os concelhos de Lisboa e Loures, os moradores continuaram hoje a atravessar os dois municípios, sobretudo pelo comércio, reclamando flexibilidade no cumprimento da medida que proíbe esse tipo de circulação durante a Páscoa.

15h30 - Outras normas gerais para o terceiro período letivo

Para as atividades presenciais em escolas, o uso de máscara de proteção no interior do estabelecimento é obrigatório para todos os funcionários e professores, estando dispensados de presença os docentes e outros funcionários que integrem os grupos de risco.

Todas as faltas de alunos serão consideradas justificadas sem necessidade de atestado.

O primeiro ministro apelou todos os envolvidos a "impor o maior rigor possível na imposição destas normas".

O essencial da comunicação do primeiro-ministro no vídeo abaixo.


15h25 - Outras áreas de ensino

As atividades nos jardins de infância só serão retomadas quando forem levantadas as regras de convívio à distância. A RTP2 terá conteúdo e atividades para o ensino pré-escolar.

As creches irão manter-se encerradas, sendo que o pagamento das mensalidades terá de ser acordado entre os pais e os proprietários dos estabelecimentos.

Os ensinos profissional e artísto, terão de ter a sua avaliação adaptada, "muito provavelmente, à distância e a partir de casa", referiu António Costa.

15h20 - O terceiro período no Ensino Secundário

Para os alunos do 11º e 12º anos, o primeiro-ministro anunciou que irão sendo avaliadas as condições de regresso a aulas presenciais durante o mês de maio, sem prejuízo de um plano B de manter o ensino à distancia se a pandemia o exigir.

António Costa defendeu que "é particularmente importante" que ainda se possa "retomar as atividades letivas presenciais, tanto mais que é tal a diversidade de disciplinas que não se pode recorrer ao apoio da transmissão televisiva".

"Iremos assim trabalhar em dois planos. Aquele que preferimos, de poder retomar parcialmente as aulas presencias do 11º e do 12º durante o mês de maio, sem excluir, como plano B, termos de prosseguir exclusivamente o ano letivo com ensino à distância, se a evolução da pandemia assim o exigir. Em qualquer caso, para assegurar o maior distanciamento social, o menor tempo de permanência na escola e a melhor higiene, as atividades letivas presenciais serão sempre muito limitadas", disse o primeiro-ministro.

Mesmo que regressem as aulas e atividades presenciais, estas serão sempre limitadas aos alunos dos 11º e 12º anos, para os do 10º permanecem as aulas à distância, através de meios digitais.

As aulas presenciais ficarão ainda limitadas às 22 disciplinas que implicam exames para o acesso ao Ensino Superior. A atividade letiva poderá prolongar-se até dia 26 de junho.

Os exames só se irão realizar paras disciplinas de acesso ao ensino superior, as outras notas serão as dadas em meio escolar.

Exames:

Primeira fase  - de 6 a 23 de julho
Segunda fase - 1 a 7 de setembro

Haverá blocos de perguntas optativas, para garantir equidade entre os alunos quanto à matéria dada e em avaliação.

15h15 - Como vai ser o terceiro período no Ensino Básico

O primeiro-ministro António Costa anunciou esta tarde que o ensino à distância vai continuar ao longo do terceiro período, o qual terá início dia 14 de abril.

A parte lectiva terá o apoio de transmissões diárias no canal RTP Memória a partir de dia 20 de abril, apenas com conteúdos a partir do 1º ano.

Já a avaliação será feita em cada grupo escolar, pelos professores, que têm acesso ao percurso educativo de cada aluno, estando previstas tanto a aprovação como a retenção dos alunos. 

Não haverá provas de aferição nem exames do nono ano.

O primeiro-ministro anunciou também que vai ser por isso mantido o regime especial de apoio às famílias com filhos menores de 12 anos.

14h53 - Portimão em alerta

Em Portimão, a sirene dos bombeiros vai tocar sempre que for detetado que há gente a mais nas ruas. Os alertas preparados para um eventual tsunami vão agora emitir mensagens em duas línguas para que as pessoas fiquem em casa.


14h41 - Estado de saúde de Boris Johnson "continua a melhorar"

O estado de saúde do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, "continuar a melhorar" após ter passado uma terceira noite em cuidados intensivos num hospital londrino.

"O primeiro-ministro teve uma boa noite e continua a melhorar nos cuidados intensivos do hospital St. Thomas. Ele está animado", disse o porta-voz.

14h38 - Curry Cabral admite cancelar transferência do serviço de transplantes

O Hospital Curry Cabral, em Lisboa, admitiu a possibilidade de cancelar a transferência dos serviços de transplante hepático devido ao abrandamento da evolução da Covid-19.

O hospital acrescenta ainda que não ter recebeu o pedido de demissão do diretor daquele serviço.

"A Covid-19 está a ter uma evolução lenta e controlada, bastante mais lenta e controlada do que se estava a imaginar há uma semana, o que significa dizer que a necessidade de transferência de serviços pode, inclusivamente, não se verificar", disse à agência Lusa fonte oficial do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central.

Esta informação surge depois da notícia de que o diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação do Hospital Curry Cabral, Américo Martins, se demitiu na quarta-feira por ter visto impedida a proposta de reorganização do serviço na unidade.

No entanto, a administração do CHULC afirma não ter "conhecimento oficial de qualquer pedido de demissão por parte do Dr. Américo Martins".

13h41- Testes piloto arrancam no fim de abril ou início de maio

Fernando de Almeida revelou ainda que os testes piloto vão arrancar no fim de abril ou início do mês de maio.

O teste vai ser realizado com um inquérito a 1.700 pessoas.

“Quando os nossos epidemiologistas decidirem, iremos fazer um grande inquérito a toda a população, para percebermos o nível de imunidade”.

13h40 – Não sabemos proporção da população portuguesa que está imunizada

Diretora-geral de Saúde responde a uma pergunta sobre uma estimativa de percentagem de imunidade na população portuguesa, dizendo que estudo serológico ainda não foi feito.

13h39 - Governo procura reforçar proteção dos profissionais de saúde

O secretário de Estado assume que o Governo acompanha "a preocupação da Ordem dos Médicos e das outras ordens profissionais" no sentido de reforçar a proteção para os profissionais de saúde.

António Lacerda Sales referiu que chegam na sexta-feira cinco milhões de máscaras cirurgicas e 850 mil FFP2.

Foram realizadas encomendas no valor de 52 milhões de máscaras, das quais já chegaram cerca de 15 milhões, e de 566 mil fatos de proteção integral, dos quais já chegaram mais de 53 mil, diz o secretário de Estado.

13h37 – Material para a realização de testes

O presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional Ricardo Jorge revela que “todos os hospitais e instituições privadas têm a capacidade de aquisição de produtos” necessários para a realização de testes.

13h34 - Transferência de serviços para outros hospitais ainda não é necessária

Questionado sobre a demissão do diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação do Hospital Curry Cabral, o secretário de Estado da Saúde recusou-se a comentar a situação em concreto, sublinhando que essa decisão terá de ser analisada pelo próprio hospital.

António Lacerda Sales destaca que há um plano do ponto de vista organizacional de acordo com a evolução do próprio surto. No nível atual (nível 2), ainda não se coloca nenhuma questão de transferência de serviços para outros hospitais, assegurou o secretário de Estado.

O governante destaca mesmo que foi realizado um transplante no Hospital Curry Cabral nas últimas horas.

"Temos zonas bem diferenciadas e os outros serviços mantêm a sua atividade. (…) Essa questão só se colocará de acordo com a evolução do surto e se vier a ser necessário", completou.

13h33 – INSA vai lançar testes piloto

O presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional Ricardo Jorge revelou que juntamente com a DGS vão lançar testes piloto para descobrir a imunidade ao novo coronavírus.

“Para quando for admissível que a população esteja com um nível de imunidade mais elevado podermos fazer um grande estudo”, revelou Fernando Almeida.

13h30 – Testes sorológicos

O presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional Ricardo Jorge não coloca em causa a “credibilidade” dos testes sorológicos.

“O que está em questão é a oportunidade de se fazer os testes. Estes testes medem o nível de anticorpos”.

O Presidente da República realizou um teste sorológico na Fundação Champalimaud que revelou imunidade, Fernando Almeida recorda que Marcelo Rebelo de Sousa tinha feito outro tipo de testes de despiste à Covid-19.

Segundo o responsável do INSA, “estes testes (sorológicos) servem para perceber se alguém que esteve em contacto com o vírus desenvolveu ou não anticorpos”.

A possível imunidade ao vírus é algo que ainda está a ser estudado.


13h29 - Está a ser equacionado cordão sanitário em Castro Daire

Graça Freitas confirma que a autarquia de Castro Daire deverá propor à ministra da Saúde um cordão sanitário, com base na avaliação das autoridades de saúde. “Está de facto a ser equacionado”, diz a responsável da DGS, que diz que “a qualquer momento” vai remeter o pedido para a ministra.

Sobre Castro Daire: Há 65 casos confirmados e 140 pessoas aguardam o resultado dos testes

13h25 - Resposta "extraordinária" de empresas, organismos e sociedade civil

O secretário de Estado enalteceu a ajuda "extraordinária" de empresas, organismos e sociedade civil, destacando o exemplo da MoviJovem,  que disponibilizou todas as pousadas da juventude para ajudar na resposta ao combate ao Covid-19.

Neste momento, 28 das pousadas já estão a albergar profissionais de saúde que não queiram deslocar-se para casa, pessoas em quarentena ou isolamento ou idosos deslocados de lares.

As pousadas têm 2.400 camas por todo o país, das quais 400 estão reservadas à população sem abrigo.

O secretário de Estado da Saúde destacou ainda a Fundação La Caixa e o BPI, que irá oferecer tablets a hospitais de todo o país de forma a facilitar a comunicação com doentes em isolamento.

Os vários operadores de telecomunicações assinaram um acordo com o Ministério da Saúde que prevê a oferta de serviços de comunicações, incluindo 10 gigas de dados móveis aos profissionais do SNS dedicados ao tratamento da Covid-19

13h24 - Número de mortos em Portugal sobe para 409. Há 13.956 casos confirmados

De acordo com o novo boletim, há mais 815 casos confirmados que ontem, ou seja, mais 6,2 por cento. Houve mais 29 mortes nas últimas 24 horas.
Segundo o secretário de Estado da Saúde, 1.173 pessoas estão internadas, das quais 241 em unidades de cuidados intensivos. Há registo de 205 casos de recuperação.

António Lacerda Sales esclarece ainda que a taxa de letalidade global é de 2,9% e acima dos 70 anos é de 11%.

Há 12.169 pessoas infetadas que estão a ser acompanhadas no domicílio (87,2%). Dos doentes Covid-19 positivos 8,4% estão em internamento, 1,7% em unidades de cuidados intensivos e 6,7% em enfermaria.

Desde 1 de março foram realizados mais de 144 mil testes (52% em laboratórios públicos). O dia com mais testes realizados foi 7 de abril, com quase 10 mil amostras.

Foi reforçada a distribuição de zaragatoas, sendo que a 5 e a 6 de abril foram recebidas 90 mil zaragatoas. A distribuição será feita pelo Infarmed com o Laboratório Militar.

No final de março foram adquiridos 350 mil testes que passaram a integrar a reserva estratégica. A distribuição foi feita na semana passada, acrescentou António Lacerda Sales.

O secretário de Estado da Saúde avançou ainda que Portugal irá receber esta sexta-feira mais um milhão de testes para a reserva estratégica nacional, com mais um milhão de kits de extração que deverão chegar até 17 de abril.

13h20 - Distância social de 1,5 metros é insuficiente

Um estudo das universidades de Leuven, na Bélgica, e Eindhoven, na Holanda, alerta que a distância social de 1,5 metros, recomendada pelas autoridades de saúde, é insuficiente para impedir o contágio por Covid-19.

O estudo recomenda que a distância seja de pelo menos quatro metros.

13h10 - Quase 89 mil mortos e mais de 1,5 milhões de infetados

A pandemia da covid-19 matou quase 89 mil pessoas em todo o mundo desde que a doença surgiu em dezembro. Mais de 1,5 milhões de pessoas estão infetadas, segundo um balanço da agência France Presse às 11h00.

De acordo com os dados da agência de notícias francesa, a partir de dados oficiais, há mais de 1.519.260 casos de infeção e 88.981 mortes, em 192 países e territórios.

12h52 - "Páscoa em Casa". Operação de controlo do tráfego decorre em Portimão

As autoridades apenas permitem a deslocação entre concelhos para quem trabalha e tem justificação. O auxílio a idosos também é uma justificação aceite pelas autoridades. Quem pretende ir às compras, por exemplo, terá de se manter no concelho de residência.

12h23 - António Costa anuncia decisão sobre 3.º período às 14h00

O Conselho de Ministros para decidir como irá decorrer o 3.º período nas escolas do país ainda decorre. O primeiro-ministro irá anunciar a decisão do Governo pelas 14h00.

12h14 - Irão ultrapassa 4.000 mortos

As autoridades iranianas anunciaram esta quinta-feira mais 117 mortes devido ao novo coronavírus. O balanço oficial da pandemia é agora de de 4.110 mortos.

Os números mostram uma tendência de descida nas novas infeções. De acordo com o Ministério da Saúde, foram detetados 1.634 novos casos. No total há 66.220 casos confirmados no país.

12h02 - Bangladesh. Confinamento total nos campos de refugiados

Foi imposto um "confinamento total" no distrito de Cox's Bazar, sudeste do Bangladesh, onde quase um milhão de Rohingyas vive no maior campo de refugiados do mundo. Não se pode entrar nem sair do campo "até que a situação melhore", anunciaram as autoridades.

11h33 - Santa Maria quadruplica camas de cuidados intensivos

O Hospital Santa Maria, em Lisboa, vai quadruplicar a sua capacidade para cuidados intensivos, atingindo as 120 camas.

O reforço é de cerca de 40 camas, repartidas por quatro unidades de cuidados intensivos e que serão acionadas na segunda fase da pandemia, em função das necessidades, "preservando-se o apoio ao doente não covid-19", refere o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte.

Este aumento resulta de compras e de doações da sociedade civil, anunciou o centro hospitalar.

11h11 - Médicos alertam para falta de resposta a outros doentes prioritários

A Ordem dos Médicos alertou esta quinta-feira para a falta de resposta aos doentes prioritários não Covid-19, que diz estarem a ser relegados para segundo plano.

As áreas que carecem de atenção mas que "não podem esperar" incluem a oncologia ou os transplantes.

Há doentes não Covid-19 que "por falta de estratégia e organização da tutela, estão a ser relegados para segundo plano em patologias que não podem esperar", denuncia a Ordem dos Médicos.

10h43 - Cuidados intensivos do Hospital Santa Maria, em Lisboa



10h39 - Controlos em marcha nas estradas portuguesas

Durante o período da Páscoa é necessária uma justificação para sair do concelho de residência. Na 2ª Circular, as autoridades estão a controlar o tráfego rodoviário, o que está a gerar filas longas.


Também no IC2 decorrem ações de fiscalização. Luís Teixeira, chefe da PSP, conta que a operação de fiscalização naquele local começou às 7h00 e que não houve ainda nenhuma ocorrência digna de registo. As pessoas têm cumprido as regras, realça o chefe da PSP.


As autoridades também estão a controlar a passagem de veículos logo após a saída da autoestrada A42, no acesso a Paços de Ferreira. Os principais pontos de passagem entre concelhos estão a merecer grande atenção por parte da GNR.


10h34 - Mais 683 mortos em Espanha. Número de vítimas mortais ultrapassa as 15 mil no país

O Ministério espanhol da Saúde contabiliza 683 vítimas mortais nas últimas horas, num total de 15.238 mortes no país desde o início da pandemia.

Há registo de 152.446 casos, 5.756 novos infetados nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, 52.165 doentes ficaram curados.

10h03 - Alemanha. Número de vítimas ultrapassa as 2.000

A Alemanha regista hoje 2.107 vítimas mortais, mais 246 do que na quarta-feira. É o maior aumento diário do número de mortes.

Há um total de 108.202 casos diagnosticados, uma subida de 4.974 nas últimas 24 horas.

10h00 - Espanha incapaz de contar vítimas mortais

A falta de exames e o colapso dos registos civis impedem o conhecimento exato do número de mortos.

O jornal El País noticia esta quinta-feira que os dados divulgados diariamente pelo Ministério da Saúde revelam-se insuficientes para fornecer uma imagem, ainda que aproximada, da tragédia.

9h02 - Centro Europeu admite uso generalizado de máscaras

O Centro Europeu de Doenças admite o uso generalizado de máscaras pela população em locais fechados e com muita gente, apenas como complementar à etiqueta respiratória e distância de segurança.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) alerta que com o uso das máscaras há o risco de uma falsa sensação de segurança.

Alerta também que é importante saber remover a máscara e que a remoção de forma errada pode aumentar o risco.

8h45 - Declarações de Fernando Henrique Cardoso à Antena 1

O antigo presidente do Brasil disse à Antena 1 que o atual Presidente, Jair Bolsonaro, não é a pessoa indicada para lidar com esta pandemia, mas ainda espera que Bolsonaro corriga a situação.


8h26 - Trump insiste nas críticas à OMS

O Presidente dos Estados Unidos criticou a ação da Organização Mundial de Saúde nesta pandemia e ameaçou mesmo deixar de pagar.


8h12 - Los Angeles pede a residentes para ficarem em casa

As autoridades de saúde estão a pedir aos residentes que evitem ir às compras nos próximos dias, designando uma semana para ficarem em casa.

Os supermercados de Los Angeles estão a implementar medidas restritivas em março, estão a funcionar com horário reduzido e limitam o número de pessoas dentro das instalações a cada momento.

7h45 - Mais de milhão e meio de casos à escala mundial

Às 5h30 desta quinta-feira estavam registados mais de um milhão e meio de casos de infeção pelo novo coronavírus em todo o mundo, segundo a contagem da agência France Presse, a partir de fontes oficiais.

O número de casos de infeção era de 1.502.478. Morreram vítimas da Covid-19 87.320 pessoas em 192 países e territórios.

A agência noticiosa francesa volta a sublinhar que "o número de casos diagnosticados apenas reflete uma fração do número real de contaminações". Isto porque um número considerável de países só faz testes a casos considerados graves.

7h36 - Números dos Estados Unidos

Os Estados Unidos registaram ontem 1973 mortes causadas pela Covid-19, depois de na véspera terem também registado um número muito próximo dos dois mil, segundo os cálculos da Universidade Johns Hopkins.

O número total de vítimas mortais da pandemia em solo norte-americano é agora de 14.695.

Os Estados Unidos são o segundo país com maior número de mortes desde que o surto começou. Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais: 17.669 óbitos em 139.422 casos.

Por outro lado, a América surge como o país com o maior número de casos confirmados, mais de um quarto dos casos mundiais. Há mais de 429 mil pessoas infetadas pelo novo coronavírus.

7h27 - Números da China

As autoridades chinesas registaram, nas últimas 24 horas, 63 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, incluindo dois de contágio local em Guangdong, província próxima da região administrativa especial de Macau.

Em Hubei, província chinesa que foi o ponto de origem da pandemia, morreram duas pessoas. Contudo, não houve registo de novos casos. Isto um dia depois de terminado o bloqueio à cidade de Wuhan.

As autoridades da China revelaram ainda ter detetado 56 novos casos assintomáticos, elevando o total para 1151.

De acordo com os dados oficiais, o número total de infetados no colosso asiático, desde o início da pandemia, é de 81.856. Morreram 3.335 pessoas e outas 77.370 tiveram alta após cura.

6h55 - Ponto de situação

Já estão em vigor as restrições à circulação impostas para o período da Páscoa.

Desde a meia-noite e até à próxima segunda-feira, só é possível sair do concelho de residência por motivo de trabalho ou de saúde. Quem vai trabalhar precisa de ter um documento que o comprove. Às 0h00 começou a operação Páscoa em Casa, com medidas ainda mais restritivas. Os cidadãos não podem sair do concelho onde residem.


Estas medidas impostas pelo Governo pretendem restringir os contactos sociais em contexto de pandemia.

Na área metropolitana do Porto, a Operação Páscoa tem dois pontos de controlo fixos: um está montado à entrada da Ponte da Arrábida, no sentido norte-sul; o outro fica junto à Ponte do Freixo, também no sentido norte-sul.

Além destes dois pontos, a fiscalização dos veículos também está a ser feita noutros locais.
Na capital, as principais saídas estiveram muito condicionadas ao final do dia de quarta-feira, em ambos os sentidos.

Milhares de automobilistas fizeram fila nas pontes Vasco da Gama e 25 de Abril.
Acabaram por ser paradas nas diversas operações montadas pela PSP e pela GNR.
Aeroportos encerrados
Todos os aeroportos do país estão encerrados. Também desde a meia-noite estão proibidos os voos comerciais de passageiros. As únicas exceções são aterragens de emergência, voos humanitários ou de repatriamento.

A proibição está em vigor até às 24h00 de dia 13 de abril, abrangendo o período da páscoa.

A medida restritiva insere-se no que foi decretado para o estado de emergência, prolongado até 17 de abril.
Dia de decisão sobre as escolas
O Governo anuncia esta quinta-feira a sua decisão sobre as atividades letivas presenciais no terceiro período, após ter auscultado, ao longo de dois dias, especialistas, representantes da comunidade escolar, partidos, sindicatos e os órgãos consultivos do Ministério da Educação.

Todos os estabelecimentos de ensino, desde creches a universidades e institutos politécnicos, estão de portas fechadas desde 16 de março, numa tentativa de conter a propagação do novo coronavírus.

A medida foi agora reavaliada e o Executivo de António Costa prepara-se para revelar se vai manter a suspensão das aulas durante o terceiro período que, para a maioria dos alunos do ensino básico e secundário, começaria na próxima segunda-feira.

E declarações à agência Lusa, a presidente do Conselho Nacional de Educação, que esteve na terceira reunião sobre a situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal, adiantou que as aulas do último período vão arrancar ainda à distância. Considerou mesmo pouco viável o retorno às escolas em maio.

Essa possibilidade tinha sido levantada pelo primeiro-ministro, António Costa, que na sexta-feira apontou o dia 04 de maio como a data limite para um recomeço das aulas presenciais que assegure o cumprimento com normalidade do calendário escolar, designadamente no ensino secundário.
O quadro da pandemia em Portugal
O número de vítimas mortais da Covid-19 em território português voltou na quarta-feira a aumentar.
De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, morreram mais 35 pessoas. Desde o início da epidemia, perderam a vida 380.

Estão confirmados 13.141 casos de infeção, mais 699 do que no dia anterior. Há 1211 pessoas internadas - 245 estão nos cuidados intensivos.O novo coronavírus, na origem da pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo. Morreram mais de 82 mil. Foram dadas como curadas 260 mil pessoas.


A Região Autónoma dos Açores registou a primeira morte por Covid-19. Trata-de de um homem que se encontrava internado e que terá sido infetado por profissionais de saúde.

A Autoridade de Saúde Regional adiantou que o doente tinha "cerca de 90 anos" e "morbilidades associadas".

Na última conferência de imprensa, a diretora-geral da Saúde afirmou que ainda não é possível estimar se o pico da infeção já passou, mas admitiu que os dados mostram uma estabilização.

Graça Freitas apela à cautela cautela na análise da curva de infeções.