Ganchinho diz que ouro nos Europeus consagra uma carreira e já pensa em Tóquio2020

| Outras Modalidades

O ginasta português Diogo Ganchinho considerou hoje que o título de campeão europeu de trampolins, conquistado no domingo, "consagra uma carreira já longa na modalidade" e traçou como grande objetivo os Jogos Olímpicos Tóquio2020.

"Estive muitas vezes à beira do resultado inédito, acabou por ser desta vez e logo com um ouro, foi o consagrar de uma carreira que já tem muitos anos. Há 25 anos que estou neste desporto", disse o atleta à chegada a Lisboa.

Diogo Ganchinho e a comitiva portuguesa que participou nos Europeus disputados em Baku, no Azerbaijão, foram recebidos por cerca de uma centena de pessoas no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

"Os Jogos Tóquio2020 são um objetivo, é para isso que trabalhamos todos os dias, a qualificação vai começar logo em 2019, é continuar a trabalhar", disse o ginasta, que marcou presença em Pequim2008 e Londres2012.

Ganchinho, que dedicou o título à avó que faleceu recentemente, referiu que o facto de ter ficado fora dos Jogos Olímpicos Rio2016, devido à quota atribuída a Portugal, o fez ter uma postura diferente, mas nunca o fez pensar em abandonar os trampolins.

"Não pensei em abandonar, mas pensei em ter uma postura diferente e fiz uma reflexão sobre a minha forma de estar, e a forma de estar é esta: saber que já fiz tudo o que queria ter feito, saber que ainda posso fazer mais, mas sem a pressão de provar coisas", disse o ginasta, de 30 anos.

Em Baku, cidade na qual já tinha conquistado dois bronzes em Taça dos Mundo e sido 6.º nos Jogos Europeus, Ganchinho sagrou-se campeão europeu de trampolins numa competição na qual repartiu o pódio com o bielorrusso Mikita Ilynykh e o francês Allan Morante.

Com esta vitória, conseguida com 60,130 pontos, Ganchinho apurou-se para os Jogos Europeus de Glasgow, na Escócia, em agosto.

Portugal fechou a participação nos Campeonatos Europeus de trampolins, nos quais esteve representado por 42 ginastas, com um total de 11 medalhas.


A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.