Judo Mundiais. Bárbara Timo e João Fernando eliminados

por Lusa
Bárbara Timo "caiu" ao segundo combate Lusa

Os judocas portugueses Bárbara Timo (-63 kg), João Fernando (-81 kg), ambos ao segundo combate, e Anri Egutidze (-81 kg), ainda na estreia, foram esta terça-feira eliminados no terceiro dia dos Mundiais em Abu Dhabi.

Timo, que se encontra em zona de apuramento olímpico na sua categoria e tem duas medalhas em Mundiais - prata ainda em -70 kg, em 2019, e bronze já em -63 kg, em 2022 -, teve azar no sorteio e não resistiu à líder mundial, a canadiana Catherine Beauchemin-Pinard.

Em Abu Dhabi, a judoca do Benfica, que ocupa a 13.ª posição, em 17, na qualificação para Paris2024, começou por vencer por ippon a austríaca Magdalena Krssakova (34.ª), mas diante de Pinard, com quem nunca tinha lutado, os papéis inverteram-se.

A canadiana, bronze em Tóquio2020 e vice-campeã mundial em 2022, pontuou com um waza-ari logo aos 01.13 minutos, uma desvantagem que Timo nunca conseguiu anular e viu a sua adversária fazer uma boa gestão do tempo, muitas vezes com ne waza (técnicas no chão).

A judoca do Benfica despediu-se assim dos Mundiais, bem como o seu companheiro de clube Anri Egutidze, ambos orientados por Ana Hormigo.

Egutidze (-81 kg) chegou aos Mundiais sem nada a perder, numa fase da carreira em que está fora da zona de apuramento olímpico e tenta relançar-se na categoria de peso que mais êxito lhe deu, depois de ter chegado a subir aos -90 kg.

Em Abu Dhabi, o judoca ainda anulou nos últimos instantes um waza-ari de Sulca, com ambos a pontuarem nos segundos finais, mas no prolongamento ('golden score') sofreu novo waza-ri que ditou a sua eliminação.

Sul-coreano mais forte

Já João Fernando, que chegou a Abu Dhabi em lugar de apuramento para os Jogos Olímpicos, mas na quota continental, procurava somar mais pontos, que lhe permitissem não entrar nesta reta final com a "máquina de calcular" e que até poderiam abrir vaga a outros.

O judoca do Sporting teve uma entrada forte, ao vencer o belga Jarne Duyck, depois de pontuar para ippon com uma chave de braço, aos 01.26 minutos de combate, mas de seguida a exigência passou a ser de elite mundial.

João Fernando também não teve a sorte do sorteio, ao defrontar no segundo combate, nos 16 avos de final, ainda longe dos quartos de final – que dariam sempre meias-finais ou repescagem -, o sul-coreano Joonhwan Lee.

Ainda assim, foi um combate de muita qualidade do português, que nunca permitiu evidente superioridade a Lee, número três do mundo, num duelo muito intenso de parte a parte e no qual João Fernando acabou derrotado (waza-ari) a poucos segundos do final, o que o deixou sem qualquer possibilidade de reentrar na luta.

Na corrida a Paris2024, João Fernando ocupava, à entrada para os Mundiais, o sétimo lugar entre 13 possíveis na quota continental europeia masculina, com as contas finais a serem efetuadas após o campeonato, esperando-se divulgação dos apurados apenas no início de julho.

Nos Mundiais, Portugal ainda irá competir com mais quatro judocas, de um total de 13: Taís Pina (70 kg) e Patrícia Sampaio (-78 kg), na quarta-feira, e Rochele Nunes (+78 kg) e Jorge Fonseca (-100), na quinta-feira.

pub