Seleção fez treino de descompressão

| Taça das Confederações

Ricardo Quaresma e Pepe foram os únicos titulares frente ao México que treinaram esta segunda feira no relvado
|

A seleção portuguesa de futebol realizou esta segunda feira de manhã o último treino em Kazan antes da viagem para Moscovo, numa sessão em que Fernando Santos trabalhou apenas com os jogadores que falharam a titularidade frente ao México, na Taça das Confederações.

No centro de estágios do Rubin Kazan, o selecionador nacional contou com apenas 10 jogadores de campo e dois guarda-redes, Beto e José Sá, enquanto Pepe e Ricardo Quaresma foram os únicos dos titulares a subirem ao relvado.

Os dois jogadores, que estiveram no empate (2-2) de domingo com os mexicanos, na estreia no Grupo A, trabalharam à margem do grupo, tendo efetuado apenas corrida nos primeiros 15 minutos do apronto, que foram abertos à comunicação social.

Adrien Silva, Gelson Martins e André Silva, todos eles suplentes utilizados na Arena Kazan, treinaram sem qualquer limitação.

Como é hábito, Fernando Santos manteve-se sempre à distância dos jogadores, com um ar bastante pensativo, num treino que teve como espetador o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, e outros membros da direção do organismo.

Às 14h30 hora da Lisboa, a comitiva lusa viaja para Moscovo, estando agendada a sua chegada à capital russa para as 16h00.

O Rússia-Portugal, da segunda jornada do Grupo A, está marcado para quarta-feira, às 16h00, na Arena Otkrytie.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.