Peçanha regressa para ajudar Marítimo na Europa

| Futebol Nacional

Peçanha é reforço do Marítimo, e afirma que regressa ao futebol português com vontade de ajudar o clube a voltar aos lugares europeus. O guarda-redes, que começou em Portugal no Paços de Ferreira, revela que vai ao Jamor torcer pelo emblema da capital do móvel.

Um ano depois de trocar o futebol português pelo Thrasyvoulos, do campeonato grego, Peçanha volta como jogador do Marítimo, e diz que não quer perder mais tempo.

"Tive uma temporada menos boa na Grécia, mas volto para Portugal com o principal intuito de ajudar o Marítimo a conseguir os seus intuitos, o que passa pela Liga Europa", revela à Antena 1.

Marcos foi o guardião da baliza insular até agora, e Peçanha reconhece que é difícil substitui-lo: "Os adeptos vão estar à espera de que a pessoa que vai para o lugar do Marcos consiga o mesmo sucesso que ele teve. Este é o meu maior desafio, até porque respeito o trabalho do Marcos e admiro-o imenso como profissional e como pessoa".

Ainda assim, o brasileiro ressalva que "temos que saber distinguir que o Marcos é o Marcos e o Peçanha é o Peçanha. Espero que respeitem a minha posição e o meu nome".

Por enquanto, Peçanha está a viver em Paços de Ferreira, onde começou no futebol português e onde construiu família. O guarda-redes já falou com antigos companheiros sobre a final da Taça de Portugal, e garante que vai ao Jamor.

"Já falei com muitos antigos companheiros, porque são meus amigos. Estou em Paços, e estou ansioso para que o jogo comece, porque realmente estou a torcer para que eles consigam o título. Vou estar no Jamor", assume.

Aos 29 anos, Peçanha assinou contrato com o Marítimo por dois anos.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Girl Move Academy existe há quatro anos com o objetivo de criar uma geração de mulheres líderes. É um “movimento de capacitação e investimento da mulher”.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.