Lusitano Club, em Lisboa, celebra 111 anos e inicia petição "pelo futuro" da coletividade

| Outras Modalidades

O Lusitano Clube, em Lisboa, celebra na quinta-feira 111 anos, que serão assinalados com uma festa e o início da recolha de assinaturas para uma petição "pelo futuro" daquela coletividade, prestes a ficar sem instalações.

O centenário Lusitano Clube vai ter de abandonar até 15 janeiro o local onde está instalado desde a sua fundação, em 1905, no bairro de Alfama, já que o edifício foi vendido para ser transformado em apartamentos de luxo.

A petição "Pelo futuro do Lusitano Clube", a que a agência Lusa teve acesso, solicita à Assembleia Municipal de Lisboa e à Câmara "que providenciem canais de diálogo, de interação e de esforço conjunto no sentido de encontrar uma solução para uma futura sede para o Lusitano".

"Não queremos esmolas, nem pretendemos um tratamento diferenciado. Queremos que nos oiçam e que exista diálogo no sentido de encontrar soluções. Temos várias propostas a apresentar. Pedimos hoje que, urgentemente, trabalhem connosco para construir uma solução", lê no texto da petição, da autoria da direção do Clube.

A renegociação da renda do Lusitano Clube foi feita há um ano, tendo sido assinado um novo contrato para cinco anos. Mas, entretanto, o edifício foi vendido e a saída foi negociada com o novo senhorio, tendo o Lusitano Clube -- que se apresenta como um espaço criado para "promover a cultura e a aproximação das pessoas do bairro" - acordado deixar o imóvel recebendo uma indemnização.

Na quinta-feira, a festa começa pelas 18:00, com o hastear da bandeira e a comemoração com os sócios do clube.

Para as 19:00 está marcada a inauguração da exposição fotográfica da Agência Calipo, um clube coletivo de fotógrafos, às 20:00 há jantar e às 22:30 um concerto de Forró Mior, com entrada gratuita para sócios.

No final de setembro, o vereador do Urbanismo disse à Lusa que o projeto que previa a construção de "apartamentos de luxo" no edifício onde está instalado o Lusitano Clube, na Rua São João da Praça, foi indeferido.

Na altura, à margem de uma reunião da Assembleia Municipal de Lisboa, Manuel Salgado escusou-se a avançar quais as razões que levaram a essa decisão.

No mesmo dia, os deputados municipais aprovaram por unanimidade uma recomendação do Bloco de Esquerda que prevê que a Câmara de Lisboa "proceda a diligências com vista à possibilidade da manutenção do Lusitano Clube no mesmo local onde hoje se encontra".

O documento refere ainda que "na impossibilidade da concretização do ponto anterior, a Câmara deve diligenciar, ou procurar uma solução, em conjunto com o Lusitano Clube, para um espaço alternativo onde este clube possa continuar a sua atividade".

Ainda nesse dia, também o grupo parlamentar do Partido Ecologista "Os Verdes" enviou um requerimento ao município, onde questionou sobre "que solução está a ser equacionada para responder às necessidades e iniciativas em curso realizadas pelo Lusitano Clube".

O PEV quis também saber "qual a possibilidade de o clube permanecer no mesmo local ou, em alternativa, a Câmara lhes ceder novo espaço condigno na freguesia de Santa Maria Maior".

"Considerando a importância do movimento associativo para uma governação participada da cidade, quais as medidas de apoio que o executivo está a ponderar tomar para com outras coletividades de Lisboa com situações semelhantes, a fim de se evitar a ocorrência de casos análogos?", remata o documento.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.