Reportagem Dos votos aos resultados das Presidenciais 2016: o filme da jornada eleitoral

Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito à primeira volta. O ex-líder do PSD obteve 52 por cento dos votos e sucede a Cavaco Silva em Belém. Sampaio da Nóvoa ficou em segundo lugar e Marisa Matias em terceiro. Recorde aqui os principais momentos e intervenções desta jornada eleitoral.

Fazer refresh a esta área
Clique aqui para atualizar


23h55: Damos por terminada a cobertura da noite eleitoral. Pode consultar todos os resultados eleitorais no
site da RTP, ficando a saber quem ganhou nos diferentes distritos, concelhos e freguesias.

22h55: Resultados com votos de 99,74% das freguesias apurados

Com os votos apurados em 99,74 por cento das freguesias, Marcelo Rebelo de Sousa vence com 52,15 por cento dos votos. Sampaio da Nóvoa fica em segundo lugar com 22,78 por cento dos sufrágios.



22h40: Costa promete lealdade a Marcelo

O primeiro-ministro felicitou Marcelo Rebelo de Sousa pela sua eleição como Presidente da República e "deseja os maiores sucessos no exercício do mandato que lhe foi conferido pelos portugueses".

"Ao Presidente da República agora eleito, quero reafirmar o compromisso de máxima lealdade e plena cooperação institucional", afirmou António Costa.



Antes do primeiro-ministro, o PS já tinha reagido pela voz de Ana Catarina Mendes. A secretária-geral adjunta do PS felicitou Marcelo Rebelo de Sousa e deixou "votos das maiores felicidades para o seu exercício como supremo magistrado da Nação".


22h14: "É o povo quem mais ordena. Foi o povo que me quis dar a honra de ser Presidente"

O Presidente eleito compareceu perante os seus apoiantes na Faculdade de Direito de Lisboa, onde foi aplaudido pelos seus apoiantes. “Fiz questão de me dirigir ao país a partir da Faculdade de Direito, uma escolha afetiva”, explica o sucessor de Cavaco Silva.

Marcelo afirma que a faculdade lhe deu muito e que este é um gesto simbólico para com a instituição onde é professor catedrático.

“É o povo quem mais ordena. Foi o povo que quis dar-me a honra e eleger-me Presidente da República de Portugal”, afirma Marcelo.

Marcelo garante que não abdicará de se reger pelas suas convicções e ideias. Cumprimenta os restantes candidatos e frisa que não eram seus “adversários” mas seus “oponentes” e sublinha a coragem de se terem apresentado na corrida a Belém.


Marcelo diz querer fomentar a unidade nacional. “Quanto mais coesos formos, mais fortes seremos”, acredita o Presidente eleito. O ex-comentador televisivo promete que será “politicamente imparcial”, mas focado na coesão social.

O próximo chefe de Estado quer também promover convergências políticas, voltando a defender que é necessário que haja mais política de consenso. Marcelo quer ainda incentivar o relacionamento entre as instituições.

Marcelo garante que o Presidente é “o primeiro a querer que o Governo governe com eficácia e que a oposição cumpra o seu papel”. O próximo chefe de Estado defende que Portugal precisa de crescer de forma sustentada e diz que acredita que os próximo cinco anos não serão perdidos.

Perante os seus apoiantes, Marcelo terminou com um "É hora de refazer Portugal!". Deu um "Viva Portugal" e o hino nacional ecoou na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

22h08: Marcelo Rebelo de Sousa chega à Faculdade de Direito de Lisboa e começa a discursar

21h57: Bloco "mudou o mapa político" em Portugal

Catarina Martins reage à vitória de Marcelo. A porta-voz do Bloco de Esquerda considera que estas eleições confirmam que “a determinação do Bloco mudou o mapa político em Portugal”.

Catarina Martins avisa que a direita, os poderes europeus e o Governo devem perceber que o Bloco cresce porque - refere - são cada vez mais os portugueses que não se resignam.


21h46: Sampaio da Nóvoa reage aos resultados

Perante uma chuva de palmas e gritos dos seus apoiantes, Sampaio da Nóvoa dirige-se aos portugueses. O ex-reitor garante que viveu um “tempo extraordinário” da sua vida. “Disse que não queria nada para mim, mas que estava disposto a dar tudo pelo país. Foi assim que fiz a campanha”, afirma Sampaio da Nóvoa.

O ex-reitor sublinha que, pela primeira vez na história da democracia portuguesa, uma candidatura independente esteve próximo de ir à segunda volta. “Em democracia, as eleições ganham-se por um voto e perdem-se por um voto”, afirma o candidato.


Sampaio da Nóvoa cumprimenta Marcelo Rebelo de Sousa, afirmando que ele é, a partir de agora, o seu Presidente. “Também agora, neste momento, quero contribuir para esta união em torno do novo Presidente da República, sem hesitações, sem reticências”.

O candidato assume a “inteira responsabilidade” por não ter chegado à segunda volta, e elogia o trabalho de todos os seus apoiantes. “Neste noite, temos de estar orgulhosos do que fizemos, da marca de cidadania que deixamos. Sabemos que não temos dias fáceis pela frente”, avisa.

“Temos de estar à altura deste tempo, com a força tranquila de convergências internas para melhor nos afirmarmos no exterior", defende o ex-reitor da Universidade de Lisboa.


21h43: Resultados finais em Beja

Em Beja, território geralmente associado aos partidos de esquerda, Marcelo Rebelo de Sousa também vence.

Contados todos os votos, o candidato consegue 31,71 por cento dos votos, ficando muito próximo dos 31,47 por cento obtidos por Sampaio da Nóvoa. Edgar Silva fica em terceiro lugar.



21h37: Portas considera que portugueses votaram pelo "equilíbrio"

Portas aborda a vitória de Marcelo Rebelo de Sousa, e diz que não tira leituras partidárias desta vitória. O presidente do CDS-PP considera que os portugueses votaram pelo "equilíbrio político" em vez da "concentração". O ex-vice-primeiro-ministro salienta também a maior afluência às urnas nestas eleições do que a verificada nas presidenciais de 2011.

Paulo Portas diz que espera promoção da "estabilidade política" por parte de Marcelo, mas salienta que o novo Presidente está comprometido com o respeito pelas regras europeias.


21h36: Paulo Morais - "Pode continuar a contar comigo"

O candidato Paulo Morais reagiu aos resultados, tendo garantido aos portugueses que poderão continuar a contar com ele para defender as causas a que está associado.

21h33: Passos Coelho deseja felicidades a Marcelo

O Presidente do PSD e ex-primeiro-ministro reagiu aos resultados, felicitando Marcelo Rebelo de Sousa e salientando o facto de este ter sido eleito à primeira volta. Passos realça a legitimidade que uma eleição à primeira volta dá a Marcelo.


21h29: Edgar Silva e Jerónimo de Sousa reagem aos resultados

O candidato do PCP admite que o resultado obtido fica “aquém do desejado” e agradece aos portugueses e portuguesas que lhe confiaram o voto.

Quando estão apurados os votos em 96,9 por cento das freguesias, Edgar Silva apresenta-se em quinto lugar com 3,87 por cento dos votos.


21h27: Resultados finais em Viseu

O "Cavaquistão" rende-se a Marcelo. O candidato, recomendado por PSD e CDS-PP, foi a escolha de mais de 62 por cento dos votantes do distrito de Viseu. Também aqui, tal como em Viana, Vitorino Silva surge à frente de Maria de Belém.



21h23: Resultados finais em Viana do Castelo

Em Viana do Castelo, a grande diferença face ao resultado nacional é o de Vitorino Silva. Tino de Rans consegue o quarto lugar, ficando à frente de Maria de Belém.



21h16: Marisa cumprimenta Marcelo mas constata "onda de esperança"

Marisa Matias discursa no Coliseu do Porto. A candidata do Bloco de Esquerda aponta que Marcelo ganhou as eleições e anuncia que já o felicitou pela vitória. “Em democracia, o mais precioso que temos é mesmo a decisão dos portugueses e portuguesas”, afirma a candidata.

Marisa considera que há uma “enorme onda de esperança” a “fazer o seu caminho” em Portugal e que o seu próprio resultado é uma manifestação desta esperança.

Questionada sobre o que correu mal para que Marcelo tenha vencido à primeira volta, Marisa Matias aponta que não terá sido na sua candidatura.



21h09: Henrique Neto cumprimenta Marcelo

O candidato Henrique Neto cumprimenta o Presidente eleito Marcelo Rebelo de Sousa e manifesta esperança que o professor contribua para o futuro do país. Neto avisa que os próximos anos não serão fáceis para Portugal.


21h00: Resultados finais no distrito de Portalegre

Estão contados todos os votos em Portalegre. Marcelo Rebelo de Sousa vence com 42,56 por cento dos votos. Sampaio da Nóvoa consegue mais de 30 por cento dos votos e fica em segundo lugar.

No distrito de Portalegre, a taxa de abstenção foi superior a 50 por cento.



20h52: Resultados quando estão apurados os votos em 82,21% das freguesias

Quando estão contados os votos em 82,21 por cento das freguesias, estes são os resultados.



Marcelo na frente e com 55,19 por cento dos votos - a confirmar-se este resultado, o candidato seria eleito já este domingo. Faltam apurar os votos em 550 freguesias.

20h41: Maria de Belém cumprimenta Marcelo, "o Presidente eleito"

A candidata saúda Marcelo Rebelo de Sousa, apontando-o já como o “candidato eleito”. Maria de Belém afirma que já cumprimentou o candidato diretamente.

A ex-ministra da Saúde lamenta a abstenção e admite a derrota, não respondendo às perguntas dos jornalistas.


20h36: “Marisa revela-se uma candidata de primeira divisão”

O mandatário da candidatura de Marisa Matias considera que deve ser feita uma reflexão: António Capelo aponta que Marisa foi considerada uma candidata de “segunda divisão” e que, perante as projeções, Marisa se apresenta uma candidata de “primeira divisão”.

António Capelo admite-se dividido esta noite: entre o bom resultado de Marisa Matias e a possibilidade de Marcelo ser eleito à primeira volta.


20h33: Cândido Ferreira reage e ataca partidos

Cândido Ferreira considera que os resultados das candidaturas independentes ficaram aquém das expetativas e acusa os partidos de “tudo fazer para calar as vozes discordantes”.

O candidato volta a defender que o tempo dado aos candidatos foi “desigual” e considera que houve uma tentativa de evitar que fossem discutidos os temas de fundo.

As projeções apontam que Cândido Ferreira deverá ficar em último ou penúltimo lugar nestas eleições presidenciais.


20h28: “Não sou suficiente político para dizer que tive uma vitória”

Jorge Sequeira admite que terá ficado em último ou em penúltimo lugar nestas eleições. O candidato afirma que não pode dizer que teve uma vitória. “Não sou suficientemente político para dizer que tive uma vitória”, afirma Sequeira.


20h24: Resultados quando estão apurados os votos em 62,94% das freguesias

Quando estão contados os votos em 62,94 por cento das frequesias, estes são os resultados.



Marcelo na frente e com 56,80 por cento dos votos - a confirmar-se este resultado, o candidato seria eleito já este domingo. Faltam apurar os votos em 1.146 freguesias.

20h17: Acompanhe os resultados em tempo real com a RTP

O site da RTP apresenta-lhe os resultados à medida que os votos vão sendo contabilizados. Conheça o resultado obtido pelos candidatos na sua freguesia, concelho ou distrito.

Acompanhe aqui os resultados das eleições presidenciais em tempo real:

Publicado por RTP Notícias em Domingo, 24 de Janeiro de 2016

20h13: Correia de Campos reage pela candidatura de Sampaio da Nóvoa

Correia de Campos aponta que as projeções conhecidas não permitem leituras definitivas, não estando ainda garantido que Marcelo seja eleito à primeira volta. O candidato aponta, mesmo assim, a "tendência de subida" da candidatura de Sampaio da Nóvoa.

"Batemo-nos por ideias e fizemos bem", afirma Correia de Campos, merecendo o aplauso dos presentes na sede de campanha de Sampaio da Nóvoa.


20h11: Vera Jardim reage ao resultado de Maria de Belém

Conhecidas as projeções, Vera Jardim admite que os resultados de Maria de Belém terão ficado aquém das expetativas. Numa primeira reação oficial, a candidatura critica o "populismo" de outros candidatos, referindo-se ao caso das subvenções vitalícias que marcou os últimos dias de campanha.

Vera Jardim considera que a campanha de Maria de Belém fica marcada pela "dignidade" e espera por resultados oficiais para uma reação mais completa.


20h09: Candidatura de Marcelo reage às projeções

Numa primeira reação, a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa apontou que vê com esperança que o candidato seja ainda esta noite eleito Presidente da República. Esmeralda Dourado não responde a questões dos jornalistas e aponta que o candidato está já a chegar à Faculdade de Direito de Lisboa.


20h07: João Soares admite "derrota" para Maria de Belém

O ministro da Cultura e apoiante de Maria de Belém admite que a candidata sai derrotada destas eleições.


20h05: Candidatura de Marisa reage às projeções

Guilherme Gusmão reage às projeções, sublinhando que os resultados não permitem garantir a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa à primeira volta. Guilherme Gusmão assinala o grande resultado de Marisa Matias. A candidata, aponta a projeção da RTP, ficará em terceiro lugar, à frente de Maria de Belém.


20h00: PROJEÇÃO - Eleição de Marcelo Rebelo de Sousa à primeira volta não garantida

Marcelo Rebelo de Sousa poderá vencer à primeira volta, mas esta vitória não está ainda garantida. A projeção do CESOP da Universidade Católica para a RTP avança que Marcelo deverá ter merecido o voto de 49 a 54 por cento dos votantes.

Em segundo lugar encontra-se Sampaio da Nóvoa, que tem entre 22 e 25 por cento dos votos. Maria de Belém chega em quarto lugar, depois de Marisa Matias.

Eis os resultados completos da sondagem do CESOP para a RTP:

- Marcelo Rebelo de Sousa: 49% a 54%

- Sampaio da Nóvoa: 22% a 25%

- Marisa Matias: 9% a 11%

- Maria de Belém: 3% a 5%

- Edgar Silva: 3% a 5%

- Vitorino Silva: 2% a 4%

- Paulo de Morais: 1% a 3%

- Henrique Neto: 0% a 2%

- Jorge Sequeira: 0% a 1%

- Cândido Ferreira 0% a 1%

Taxa de Abstenção: 48% a 52%


19h56: Jorge Sequeira reage às projeções de abstenção

O candidato considera que as pessoas "desistiram, estão sem paciência" para "pegar numa caneta e fazer uma cruz". É a reação do candidato às projeções da abstenção.

19h44: Henrique Neto reage às projeções da abstenção

O candidato avisa que os portugueses acreditam cada vez menos nos políticos, apontando ainda que as condições de vida dos portugueses pioraram nos últimos tempos. O candidato aponta ainda que muitos portugueses que se encontram emigrados têm dificuldades para conseguir exercer o seu direito de voto.


19h39: Vitorino Silva reage às projeções da abstenção

Vitorino Silva (Tino de Rans) acusa "alguma comunicação social" de ter tratado um dos candidatos como se já fosse Presidente da República e esta fosse uma reeleição. Vitorino Silva considera que este é um dos motivos pelos quais a abstenção tem valores elevados.


19h32: Cândido Ferreira reage às projeções da abstenção

O candidato afirma não estar surpreendido pela abstenção, defendendo que a campanha esteve "à margem" dos problemas dos portugueses. O candidato insiste que foi prejudicado durante a campanha eleitoral.

Cândido Ferreira acompanha a noite eleitoral num restaurante de Leiria, concelho onde reside.



19h25: Chegada de Marisa Matias ao Coliseu do Porto

Marisa Matias chegou ao Coliseu do Porto onde vai acompanhar a noite eleitoral. A candidata está acompanhada por algumas das grandes figuras do Bloco de Esquerda, nomeadamente pela porta-voz Catarina Martins e por João Semedo.

A candidata não comentou as projeções da abstenção avançadas pelas televisões.


19h19: Candidatura de Nóvoa alerta para necessidade de limpar cadernos eleitorais


Na reação aos valores da abstenção, a candidatura de Sampaio da Nóvoa aponta que há uma necessidade de ser feita uma limpeza "mais clara" dos cadernos eleitorais. Pedro Delgado Alves aponta que, relativamente ás últimas eleições presidenciais, a afluência às urnas foi mais elevada.

19h08: Candidaturas de Marcelo e Maria de Belém não comentam projeções da abstenção

A candidaturas de Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém anunciaram que não irão comentar os dados da abstenção avançados pelas projeções.

19H00: PROJEÇÃO RTP – Abstenção entre 48% e 52%

A projeção do CESOP da Universidade Católica para a RTP aponta para que a abstenção fique entre os 48 e os 52 por cento. Estes números resultam dos cálculos feitos pelo CESOP a partir de dados do Ministério da Administração Interna.

A projeção aponta para que a abstenção seja inferior à verificada nas últimas eleições presidenciais. Quando Cavaco Silva foi reeleito, em 2011, 53,48 por cento dos eleitores recenseados não exerceram o seu direito de voto.

No entanto, o valor da abstenção é bastante superior à eleição de 2006, quando Cavaco Silva foi eleito Presidente pela primeira vez. Na altura, a taxa de abstenção ficou-se pelos 38,47 por cento – um número bastante inferior ao apontado agora pela projeção do CESOP para a RTP.

As urnas fecharam agora em Portugal Continental e na Madeira. Permanecem abertas mais uma hora nos Açores. Às 20h00, a RTP avança com os primeiros resultados da noite, através da sondagem à boca das urnas da Universidade Católica para a RTP.


18h47: Sampaio da Nóvoa chega à sede de campanha

O candidato chega à sede de campanha, não comentando os valores da afluência às urnas registados até às 16h00. Sampaio da Nóvoa diz estar com a "maior serenidade e tranquilidade possível".

"Fazemos tudo o que temos a fazer e depois muita serenidade. Muita confiança e muito entusiasmo", afirma o ex-reitor da Universidade de Lisboa à entrada da sede nacional de candidatura.


18h38: A RTP avança com a projeção da abstenção às 19h00. Enquanto não chegam os resultados, revisite os números das eleições presidenciais dos últimos anos.


18h00: Começa a emissão especial das Eleições Presidenciais na RTP3.


Às 19h00, a RTP avança com a projeção da Universidade Católica para o valor da abstenção. Às 20h00, a RTP avança com os primeiros resultados destas eleições, através da sondagem da Universidade Católica para a Rádio e Televisão de Portugal.

17H04: Afluência às urnas até às 16h00 foi de 37,69 por cento


O valor da afluência às urnas até às 16h00 é superior ao registado em 2011. À mesma hora, há cinco anos, tinham votado 13,39 por cento dos eleitores recenseados.

Para o sufrágio de hoje estão inscritos 9.741.792 eleitores, mais 85.318 do que em 2011.

Desde a abertura das urnas, candidatos e responsáveis políticos têm apelado à participação dos cidadãos. As urnas fecham quando forem 19h00 em Portugal Continental. Nos Açores, as urnas fecham quando forem 20h00 em Lisboa (19h00 em Ponta Delgada).

O valor da afluência às urnas até às 16h00 é superior ao verificado em 2011, ano da reeleição de Cavaco Silva. No entanto, é bastante inferior ao verificado em 2006 – ano em que Cavaco foi eleito Presidente pela primeira vez. Nesse ano, até às 16h00, tinham votado 45,56 por cento dos eleitores.

16h04
- A Comissão Nacional de Eleições deliberou que a comunicação social não pode voltar a emitir as declarações de Paulo Portas após o ato eleitoral.



O porta-voz da CNE explicou à RTP que a comissão considera que as declarações de Paulo Portas podem “configurar um apelo, ainda que indireto, ao voto numa das candidaturas”.

A comissão adiantou que foram recebidas “muitas queixas de cidadãos”. Para já, os órgãos de comunicação social foram alertados da decisão da CNE. A comissão sublinha que não diz que Portas tenha violado a lei, mas que as suas declarações são suscetíveis de “serem entendidas dessa forma”.

Por isso mesmo, a deliberação da CNE é apresentada como uma “medida cautelar”, sendo que a perceção de ter havido, ou não, uma violação da lei só será feita posteriormente.

15h20 - Declarações de Portas podem ter violado a lei, admite CNE à TSF

Contactado pela TSF, João Almeida, porta-voz da Comissão Nacional de Eleições, afirmou que “em abstrato é uma situação que deve ser apreciada. Esta eleição tem a característica de poder ter duas voltas. E ter ou não ter uma volta é neste momento claramente promover um candidato. É algo que devemos ponderar. Temos de ouvir as declarações e a outra parte. Mas pode configurar uma violação da lei“, admite.

14h20 - Todos os candidatos já votaram

Marcelo Rebelo de Sousa foi o último dos dez candidatos a depositar o seu voto na urna, quando eram 13h00, hora de início dos noticiários nacionais. O Presidente da República em funções, Cavaco Silva, votou logo de seguida. Os líderes dos partidos com assento parlamentar votaram pela manhã.

Os candidatos foram unânimes no apelo ao voto.




13h35 - Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República, vota em escola da Lapa. O chefe de Estado veio acompanhado pela Primeira-Dama, Maria Cavaco Silva.

Sorridente, e quase em jeito de despedida, Cavaco Silva desejou um dia de eleições tranquilo, seguido de um "até à próxima". O Presidente da República ainda em funções disse que "já tenho direito a descanso", relembrando que termina o mandato a 9 de março.

Numa declaração que não deveria contemplar perguntas, Cavaco Silva lá respondeu ao repto dos jornalistas que o questionavam sobre o seu mandato. "Fez tudo o que queria? Fez tudo bem?", ao que Cavaco respondeu: "Tudo, tudo". Os jornalistas ainda lançaram mais um "Não errou em nada?". O Presidente respondeu: "Nada, nada", entre risos.


13h20 - As razões do boicote em Muro, na Trofa

Numa altura em que já se sabe que na freguesia de Muro, concelho da Trofa, o ato eleitoral vai ser repetido na terça-feira, saibda quais as razões que estão na base do único boicote registado este domingo.

Esta é já a terceira vez que há boicote para contestar a ausência do metro.

13h02 - Marcelo Rebelo de Sousa já vota em Celorico de Basto e teve direito a uma surpresa da família. Este é o último dos dez candidatos presidenciais a exercer o direito de voto.

O candidato diz-se "serenamente confiante" e "esperançoso" que a taxa de participação nestas eleições seja elevada.

Marcelo espera que o dia de sol e bom tempo leve à descida da abstenção, nomeadamente em relação às últimas eleições presidenciais, em 2011.

13h00 - Afluência às urnas até ao meio dia foi de 15, 82 por cento

Comparando com a última eleição presidencial, em 2011, até esta hora já votaram mais cerca de 230 mil eleitores. Nas últimas eleições presidenciais, a 23 de janeiro de 2011, e à mesma hora, a afluência às urnas foi de 13,39 por cento.

Se a comparação for feita com uma eleição do mesmo tipo, ou seja, em que não está em causa a recondução de um Presidente da República, a afluência deste domingo é menor do que em 2006: há menos 210 mil cidadãos a votar até ao meio-dia.

Em Gaia, na escola secundária Almeida Garrett, o antigo liceu de Gaia, está uma das maiores assembleias de voto do distrito do Porto e do país.

Às 13 horas já tinham votado mais eleitores do que nas últimas eleições presidenciais, embora seja um acréscimo pouco expressivo.

12h44- Nove dos dez candidatos presidenciais já votaram.
Falta apenas Marcelo Rebelo de Sousa. A qualquer momento deverão ser conhecidos os primeiros dados oficiais sobre a afluência às urnas, normalmente contabilizada até às 12h00.

Deixamos alguns dados históricos sobre as presidenciais:

- Eleição de Cavaco Silva em 2011 bateu os recordes de abstenção com 53,56% dos eleitores a optarem por não ir às urnas.

- Em oito eleições desde 1976, Mário Soares foi o presidente com maior percentagem de votos obtendo 70% dos votos, no sufrágio de 1996.

12h02 - Henrique Neto já votou. O candidato presidencial diz acreditar que a abstenção seja baixa, o que seria já de si um bom resultado.

"O meu estado de espírito é de democrata que sempre fui na minha vida e a democracia realiza-se independentemente de quem ganhar e de quem perder", acrescentou.

11h48 - Jorge Sequeira já votou.
O candidato afirmou que espera que este seja um dia de "cidadania plena" e que os portugueses devem hoje ter orgulho da liberdade que conquistaram e que devem exercer o direito de voto.

Jorge Sequeira, bem disposto, veio dizer que desta vez, entre 10 candidatos à Presidência da República, "a ementa é variada e temos iguarias incríveis" e que os portugueses têm assim mais opções do que em anteriores atos eleitorais.

11h21- Mesas de voto na freguesia de Muro continuam sem ninguém
As assembleias de voto ainda não abriram nesta freguesia do concelho da Trofa, onde se cumpre o terceiro boicote desde que começou o protesto da população pela construção da linha do metro, em 2006.


11h14
- Maria de Belém votou em Colares, Almoçageme. A candidata diz votar "de consciência tranquila", apelando a uma grande participação dos portugueses. "Uma grande participação é sinal de boa democracia", afirmou aos jornalistas à saída do Cineteatro José Gomes da Silva.

Maria de Belém referiu que, durante esta campanha, tentou mobilizar o mais possível "no sentido da participação" para estas eleições presidenciais. "Este é o momento para apelar para as pessoas vão votar e nada mais do que isso", sustentou.

11h08
- O primeiro-ministro António Costa exerce o direito de voto, em Sintra. O também secretário-geral do PS realçou a importância destas eleições e da figura do Presidente da República, enquanto garante do normal funcionamento das instituições democráticas.

António Costa assegurou estar "tranquilo", dizendo que é hoje que os portugueses "escolhem quem vai ser Presidente da República ou se teremos de ir a segunda volta para fazer essa escolha".

11h05
- Sampaio da Nóvoa vota em Oeiras, na EB 2,3 Conde de Oeiras. O candidato fez um apelo à participação, sublinhando que estas eleições "são muito importantes" e "contam muito".

"É muito importante que se diminua a abstenção, que as pessoas percebam que estas eleições presidenciais são muito importantes, que contam muito, e se mobilizem para vir votar", afirmou António Sampaio da Nóvoa.

11h03
- Jerónimo de Sousa vota no Grupo Desportivo de Pirescoxe, na Freguesia de Santa Iría da Azóia.

O líder do PCP pede aos portugueses que exerçam o direito de voto por respeito aos valores de Abril e aos direitos conquistados. Jerónimo de Sousa apela à participação nas eleições e que nada está decidido porque "a grande sondagem está a ser feita neste momento".

"Eu como sou daqueles que ainda se lembra do tempo em que era proibido o exercício desse direito, poder fazê-lo é importante para a própria democracia", realça o líder do PCP.

10h41 - Cândido Ferreira
votou na Junta de Freguesia de Pousos, em Leiria.

O candidato presidencial reconhece o "desencanto" existente em relação à democracia, mas apelou aos portugueses que votem "maciçamente".

10h35
- Edgar Silva, candidato do PCP, vota na Escola Secundária Francisco Franco, no Funchal.

O candidato Edgar Silva diz que o direito ao voto "não pode ser alienado" e constitui um direito democrático conquistado em abril. 

O candidato disse ainda estar "profundamente confiante" numa "grande participação popular".

10h24 - Pedro Passos Coelho, presidente do PSD e antigo primeiro-ministro, vota na Escola Secundária Stuart Carvalhais, em Massamá.

O presidente do PSD refere que a eleição do Presidente é um ato "cheio de relevância política" e pede a
mobilização das pessoas.

"Espero que seja um dia em que os portugueses participem de forma intensa [na votação]. A eleição do chefe de Estado é um ato cheio de relevância política e portanto deve merecer mobilização das pessoas", referiu o antigo primeiro-ministro.

10h21
- Paulo Portas, presidente do CDS-PP, vota em Caxias, no Agrupamento de Escolas de São Bruno.

A Comissão Nacional de Eleições deliberou que as declarações de Paulo Portas após o ato eleitoral não podem voltar a ser transmitidas pela comunicação social.

10h14
- Marisa Matias exerce direito de voto na Escola Avelar Brotero, em Coimbra.

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda fala de um dia "único para a democracia" e apela ao voto de todos os portugueses.

"Sinto-me confiante, animada. Todos os dias que se exerce a democracia são bons dias", refere a candidata.

10h09
- Vitorino Silva vota na Junta de Freguesia de Rans, em Penafiel, na sua aldeia natal. Um momento especial para o candidato, também por motivos familiares.

"Arrepiei-me. No ano em que a minha filha faz 18 anos, eu ser candidato à Presidência da República, e receber o boletim para poder votar das mãos da minha filha, foi único", confessa o candidato, também conhecido por Tino de Rans.

10h05
- Paulo Morais vota na Escola Secundária Aurélia de Sousa, no Porto. É o primeiro dos dez candidatos a exercer direito de voto.

"Cada voto conta. Os países são tão mais desenvolvidos quanto mais gente participa nas eleições", refere o candidato à presidência, que surge em último no boletim de voto.

O candidato espera que não haja uma forte abstenção. Considera que isso seria "um mau sintoma para a democracia".

09h58
- Há nomes em falta nos cadernos eleitorais de emigrantes no Luxemburgo. João Almeida, porta-voz da Comissão Nacional de Eleições, explica que a ausência destes nomes se devem a erros no registo e não a qualquer anomalia.

Em declarações à Antena 1, o representante da CNE explica a situação: "São pessoas que, estando emigradas, quando vieram a Portugal trataram da sua documentação oficial e terão declarado que residiam cá".

09h27
- As urnas da freguesia do Muro, em Trofa, não abriram à hora prevista.

A Agência Lusa refere que está em causa o protesto da população pela construção da linha do metro, um prolongamento da linha do Instituto Superior da Maia até à Trofa.

Carlos Martins, o presidente da Junta de Freguesia, refere que "não existem condições para realizar o ato eleitoral porque os locais de voto estão preparados, mas as pessoas que acompanham o ato não compareceram".

Segundo o autarca, o boicote está a decorrer de forma "pacífica", não estando prevista qualquer manifestação.

09h11 – Catarina Martins
é a primeira figura da política de relevo a exercer direito de voto. A porta-voz do Bloco de Esquerda votou na Escola Secundária Almeida Garrett, em Gaia.

A líder bloquista não foi embora antes de deixar o apelo: "Espero que as pessoas venham votar. (...) Não desistam de o fazer, pois nada está decidido".

09h06
- Na imprensa internacional, pouco se fala das eleições presidenciais. Ainda assim, destaque para este artigo do Le Monde, que fala numa eleição "sem surpresas a priori".
O diário francês destaque destaca a camapanha "personalizada, sem cartazes ou folhetos" de Marcelo Rebelo de Sousa.

Refere ainda a elevada taxa de abstenção que é tradicionalmente registada nas eleições presidenciais, e que chegou ao recorde de 53,48 por cento, há cinco anos.

Ainda nos media francófonos, a agência France Presse dedica um texto de contextualização sobre a situação portuguesa. A agência refere que Marcelo é o "ultra-favorito" e que na República portuguesa, o Presidente dispõe da chamada "bomba atómica": a dissolução do Parlamento. 

08h48
- Do outro lado do Atlântico, a votação foi adiada devido à neve.

A tempestade que afeta nesta altura a costa leste dos Estados Unidos obrigou ao adiamento da votação para as eleições presidenciais portuguesas.

Em Washington e Newark, os emigrantes portugueses que quiserem votar nas presidenciais através dos consulados terão de o fazer na próxima semana. As mesas de voto ainda abriram, mas o agravamento do estado climatérico obrigou ao encerramento dos edifícios.

08h00
- Urnas abriram às 08h00.

Ao longo do dia, acompanhamos aqui o essencial das Eleições Presidenciais desde a abertura das urnas até ao apuramento dos resultados finais.

As mesas de voto vão estar abertas entre as 08h00 e as 19h00, com a diferença de uma hora nos Açores.

Estas eleições ficam desde já marcadas pelo recorde no número de candidatos no boletim de voto. Se nenhum destes candidatos conseguir reunir mais de 50 por cento dos votos, haverá nova votação, com a segunda volta a realizar-se a 14 de fevereiro.

A informação mais vista