O Sábio

16 Mai, 2017 | Episódio 96

Partilhar este episódio
Posi�ao Corrente: minutos e segundos
Ir para o Minuto:
Play - O Sábio

O Sábio

16 Mai, 2017 | Epis�dio 96

Manuela conta à mãe que se envolveu sexualmente com Gil. Cândida fica em choque pela escolha da filha, ser um subalterno com metade da sua idade. Manuela diz-lhe que ainda não definiu nenhum plano e que no momento só quer divertir-se.

Gil oferece flores a Dulce, está com um comportamento mais amoroso com ela. Ao ponto de Dulce lhe perguntar se está tudo bem. Ele não revela o motivo de se sentir culpado e disfarça.

Cremilde queixa-se ao marido de se sentir muito cansada, ele propõe que ela passe na farmácia a buscar uns comprimidos para que se sinta melhor. Cremilde mostra a sua grande preocupação com o filho, mas o marido defende que ela deve deixar de o tratar como a uma criança. Conta-lhe que foi falar com o Pedro, por estar preocupado com o filho e que ele lhe deu bons conselhos.

Carmen convida Pedro a mudar-se para a herdade. Pedro não aceita porque sabe que Valentim e Luís não seriam entusiastas dessa ideia e seria desconfortável para Sofia ir lá visitá-lo. Carmen compreende que o facto de Sofia e Luís se encontrarem, seria prejudicial para o filho. Pedro pergunta como está a correr o processo e Carmen conta-lhe que não tem tido avanços. O mais provável é que venha a ser arquivado. Mas Luís não descansa enquanto não perceber quem é que lhe fez aquela maldade. Chegou a ir falar com Gil, que havia sido visto a falar com os tipos mas não conseguiu saber nada.

Felícia comenta com Valentim que agora ele terá de aturar o Romão nos bombeiros. Valentim mostra-se resignado para o caso de ser afastado do cargo, porque desse modo vai evitar Romão e Gil, que passou a vogal da direção. Felícia diz que pode ser uma oportunidade para os dois fazerem as pazes, mas Valentim nem quer falar nisso.

Adelaide confessa a Sofia que está muito entusiasmada com o trabalho e que pretende sair de casa dela em breve, para lhe dar a privacidade que precisa para criar a sua família. Sofia diz à tia que a quer ter por perto.
Pedro Homem acabou de regressar à cidade onde nasceu e onde passou a maior parte da sua vida (Montemor-o-Novo). Mas de onde desapareceu sem deixar rasto e esteve misteriosamente ausente durante 20 anos.
As razões do seu desaparecimento foram sempre alvo de especulação. Pedro era uma figura popular na cidade, conhecido por fazer as pessoas olharem para a vida por outra perspetiva - e com isso gerou milagres que sempre recusou serem da sua responsabilidade. Na verdade, Pedro tem um dom inexplicável: por vezes vê o futuro. Mas as visões do futuro podem ser simultaneamente uma bênção e uma armadilha. Pedro é, aliás, o exemplo disso: quando ainda jovem, vê a sua namorada, Carmen, vestida de noiva num caixão, com um anel de noivado que perceciona ter sido dado por ele. Como se o destino o avisasse que nunca poderiam viver juntos, talvez por sentirem um amor maior que o mundo.
Pedro acaba por se envolver, já jovem adulto, com Manuela, e tem uma filha com ela. Mas vive então momentos tempestuosos e recebe uma séria ameaça de morte. Para sobreviver, tem de abandonar Montemor - perdendo o contacto com a filha de 5 anos, Sofia. Parte sem dizer nada a ninguém porque não conseguiria explicar uma outra visão que marca a sua vida: o coração dele e da filha estão ligados por um laço especial do destino. Se aquela ameaça de morte se cumprisse e ele morresse, a sua filha morreria também.
Porque voltou Pedro agora? Pela filha? Por Carmen? Por ele próprio?
Montemor-o-Novo está diferente, nestes 20 anos muita coisa mudou. Manuela é entretanto uma taróloga famosa. Carmen explora uma quinta de produção biológica. Sofia é farmacêutica.
Mas há coisas que se mantêm: o Clube de pesca onde os velhos amigos de Pedro ainda se reúnem, o quartel de Bombeiros onde estão sempre prontos os soldados da paz mais divertidos do país e a influência subterrânea e maliciosa de Cândida, a chamada ?bruxa do Alentejo? e mãe de Manuela.
O Sábio é uma estória passada numa cidade antiga e sábia, grande o suficiente para guardar muitos segredos que vão agora ser revelados.