Boavista garante médio defensivo Obiora por duas épocas

| 1.ª Liga

O Boavista anunciou hoje a contratação do médio defensivo nigeriano Nwankwo Obiora, de 26 anos e 1,86 metros, que na última temporada representou o Levadiakos, da primeira divisão grega de futebol.

Internacional pelo seu país, Obiora assinou por duas épocas e passou pelo Inter de Milão em 2010, onde chegou a trabalhar com José Mourinho.

Parma, de Itália, Cluj, da Roménia, e Académica, de 2014 a 2016, são outros clubes que Obiora representou.

O novo reforço boavisteiro declarou-se feliz "por regressar ao futebol português num clube tão histórico".

No sábado, o Boavista apresentou outro reforço para a época 2017/18, o defesa central brasileiro Raphael Silva, de 26 anos e 1,90 metros e ex-Goiás.

Raphael Silva assinou até 2021 e pode ser opção para o lugar do seu compatriota Raphael Rossi, que foi negociado para o Sion, da Suíça.

Obiora e Raphael Silva juntam-se, assim, aos guarda-redes brasileiros Helton Leite (ex-S.Caetano) e Rafael Bracali (ex-Arouca) e ao atacante camaronês Ibrahim Koneh (ex-Lusitânia de Lourosa) na lista de reforços axadrezados para a época que se avizinha.

O Boavista inicia a sua preparação para a temporada 2018/19 na segunda-feira, com a realização de exames médicos, que se prolongam no dia seguinte.

Os boavisteiros agendaram um treino aberto à comunicação social para quarta-feira, às 16:45, no Estádio do Bessa, no Porto.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.