Futebol de Lés a Lés

| Entrevistas
Futebol de Lés a Lés

O Atlético SAD procura na motivação evitar a descida aos distritais.

A equipa principal de futebol do Atlético Clube de Portugal SAD dada como morta e enterrada no Campeonato de Portugal renasce das cinzas e luta com todas as forças pela manutenção.

O Atlético SAD tem vivido uma época de pesadelo. Na 1ª fase do Campeonato de Portugal não ganhou qualquer jogo empatou 2 e perdeu 16. Até agora na 2ª fase ganhou 4 empatou 3 e perdeu 5.

A dois jogos do final passou a depender de si para assegurar a manutenção.

Nesta edição de Futebol de Lés a Lés o treinador Fernando Morgado revelou a que se deve o renascer da equipa e do mítico espírito alcantarense: “Fazer os jogadores acreditarem, motivá-los e mostrar-lhes que era possível sobreviver com trabalho, dedicação e empenho”.

O presente mostra-se mais desanuviado do que o passado porque como explicou o técnico: “Dependemos só de nós para conseguir o objetivo mínimo que é disputar o ‘play-off’ de manutenção e matematicamente até podemos ficar de forma direta no Campeonato de Portugal”.

Quisemos saber à distância de dois jogos, o último com o Almancilense e este domingo com o Malveira, se o treinador acredita que a equipa muito jovem conseguirá ultrapassar a pressão e o cariz decisivo dos desafios. Fernando Morgado respondeu: “A equipa acredita sobretudo pela forma convincente e positiva como tem jogado, afinal ganhar é a condição natural de quem joga e isso não implica pressão”.

De destacar que nos últimos quatro jogos a equipa averbou dois empates e duas vitórias.

A terminar o treinador da formação alcantarense deixou um elogio rasgado à sua equipa: “Estes meninos já sofreram muito e são campeões por aquilo que já fizeram”.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.