Max Verstappen vence GP do Canadá `molhado` com recital de estratégia

por Lusa
EPA

O piloto neerlandês Max Verstappen (Red Bull) venceu o Grande Prémio do Canadá de Fórmula 1, nona prova da temporada, e reforçou o comando do Campeonato do Mundo numa corrida marcada pela chuva.

O tricampeão mundial, que largou da segunda posição, esteve melhor taticamente e bateu o britânico Lando Norris (McLaren) por 3,879 segundos, com o também britânico George Russell (Mercedes) em terceiro, a 4,317.

A prova canadiana começou com o piso molhado e os pilotos a apostarem em pneus intermédios.

George Russell arrancou da 'pole' e segurou a primeira posição face ao ataque de Max Verstappen, com os dois McLaren na peugada, liderados por Lando Norris.

Russell começou por cavar uma distância segura para o tricampeão na primeira meia dúzia de voltas, mas, à medida que a pista começava a secar, Verstappen foi-se aproximando. No entanto, o piloto neerlandês cometeu um erro quando estava já a meio segundo e acabou ultrapassado por Lando Norris na 20.ª volta.

O britânico da McLaren demorou apenas mais uma volta a chegar à liderança, ultrapassando George Russell, numa cavalgada que parecia imparável. O piloto da Mercedes cometeu um erro e viu-se também ultrapassado por Verstappen.

Em pouco tempo, o piloto da McLaren chegou à dezena de segundos de vantagem sobre o neerlandês, mas, na 27.ª volta, o despiste do norte-americano Logan Sargeant (Williams) levou à entrada do 'safety car' em pista, que agrupou o pelotão. Os pilotos aproveitaram para trocar de pneus, mantendo a aposta nos intermédios, pois esperava-se a chegada da chuva, novamente.

Verstappen ficou com a liderança, enquanto o britânico caiu para terceiro.

"O safety car acabou comigo, mas não me vou queixar porque em Miami jogou a meu favor", desabafou Lando Norris.

Esse foi o momento da corrida, pois, a partir dessa altura, Verstappen nunca mais perdeu o comando das operações, nem quando parou para montar pneus médios (lisos), na volta 45. Lando Norris aguentou mais três voltas em pista, cavou uma distância de 20 segundos, mas, ainda assim, insuficientes para segurar o primeiro posto que tinha herdado com a paragem de Verstappen.

“Foi uma corrida louca, com muitas coisas a acontecer. Mantive-me calmo e acho que parámos nas alturas certas. Adorei. Foi muito divertido. Precisamos de corridas destas de vez em quando”, sublinhou o vencedor, no final.

Lewis Hamilton (Mercedes) foi o quarto, depois de uma batalha com o companheiro de equipa na última volta, com vantagem para Russell.

O australiano Oscar Piastri (McLaren) foi o quinto, já a 10,199 segundos, seguido dos dois Aston Martin, de Fernando Alonso e Lance Stroll, em sexto e sétimo, respetivamente.

Daniel Ricciardo (RB) foi o oitavo, seguido de Pierre Gasly (Alpine) e Esteban Ocon (Alpine), que fechou o top 10.

Depois da vitória no Mónaco, o Canadá foi catastrófico para a Ferrari, que viu os seus dois pilotos abandonarem.

Pelo meio, um erro estratégico com Charles Leclerc, chamado às boxes para montar pneus 'slicks' quando todos esperavam chuva. Duas voltas depois, Leclerc foi novamente às boxes para montar novamente intermédios, acabando por desistir quando estava na cauda do pelotão.

Já Carlos Sainz despistou-se e ainda levou consigo Alexander Albon (Williams).

Com estes resultados, Max Verstappen chegou aos 194 pontos, contra os 138 de Charles Leclerc, segundo. Lando Norris é terceiro, agora com 131.

Nos construtores, a Red Bull lidera, com 301 pontos, contra os 252 da Ferrari.

A próxima ronda, a 10.ª, será o Grande Prémio de Espanha, de 21 a 23 de junho.

pub