Andorra sonha em parar Portugal

| Futebol Internacional

Legenda da Imagem
|

O selecionador de futebol de Andorra, Koldo Álvarez, afirmou que a sua equipa tem "o sonho pelo menos empatar" no sábado com Portugal, em jogo de qualificação para o Mundial2018, apesar de ser um feito "muito difícil".

"Vamos pelo menos acreditar. Acreditamos em nós e nas nossas capacidades. Pode não ser possível, mas os sonhos existem, estão sempre lá. Sabemos que vamos defrontar o campeão europeu e uma equipa de grande qualidade", disse Koldo Álvarez.

O técnico, de 47 anos, falava aos jornalistas na conferência de imprensa de antevisão do encontro da nona jornada do grupo B de qualificação para o próximo Campeonato do Mundo, no Estádio Nacional de Andorra.

"Sobretudo, gostaria que amanhã (sábado) a minha equipa fosse fiel ao seu jogo e às suas qualidades. Sabemos os nossos pontos fortes e temos que saber jogar com esses pontos fortes. Portugal vai ter mais bola, por isso teremos que nessa altura defender mais", disse o antigo guarda-redes.

Quando questionado sobre a possibilidade de Cristiano Ronaldo, em risco de castigo, ser poupado e ficar no banco de suplentes, Koldo Álvarez lembrou a final do Euro2016, em que Portugal bateu a França, por 1-0, após prolongamento.

"Mudará só um nome na equipa portuguesa. Se não joga Ronaldo, joga Éder, que deu o campeonato da Europa. Portugal é uma equipa cheia de jogadores com muita qualidade", disse o técnico, que comanda a seleção de Andorra desde 2010.

Portugal ocupa o segundo posto do grupo com 21 pontos, menos três do que a Suíça, que lidera só com vitórias. As duas equipas já têm pelo menos assegurado um lugar no 'play-off', caso falhem o primeiro lugar.

O Andorra-Portugal está agendado para as 20:45 (19:45 horas de Lisboa) de sábado e terá arbitragem do checo Miroslav Zelinka.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.