Buffon anuncia despedida da Juventus e adia decisão sobre a seleção

| Futebol Internacional

|

O guarda-redes italiano Gianluigi Buffon anunciou hoje que vai jogar o seu último jogo pela Juventus no próximo sábado frente ao Verona, em jogo da 38.ª e última jornada da liga italiana de futebol.

“No sábado, jogarei o meu último jogo pela Juventus, creio que será a melhor forma de terminar esta aventura”, afirmou Buffon, visivelmente emocionado, em conferência de imprensa na qual esteve acompanhado pelo presidente do clube, Andrea Agnelli.

O guarda-redes, de 40 anos, garantiu que “viverá um dia cheio de emoções, com muita serenidade e felicidade, sentimentos que resultam de um percurso extraordinário”.

Buffon, que está na Juventus desde 2001 e disputou 176 partidas com a camisola da seleção, disse ainda não ter decidido se vai despedir-se também da equipa nacional italiana, a grande ausente do Mundial2018, que se disputa na Rússia.

O guardião, que chegou à Juventus em 2001, depois de cinco anos no Parma, conta no palmarés com nove títulos de campeão italiano, pela “vecchia signora”, e cinco taças transalpinas.

Buffon, que conta também com um título de campeão da série B, conquistado na época em que a 'Juve' foi despromovida por corrupção, ergueu uma taça UEFA e foi considerado o melhor guarda-redes da UEFA em 2003 e 2017.

Ao serviço da seleção, na qual se estreou em outubro de 1997, sagrou-se campeão mundial em 2006, foi finalista vencido do Euro2012 e medalha de bronze da Taça das Confederações.

Buffon é recordista de internacionalizações pela ‘squadra azzurra’, com 176, e o segundo jogador com mais jogos na série A italiana, com 471 jogos, atrás de Paolo Maldini, que somou 647 partidas.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.