Buffon anuncia despedida da Juventus e adia decisão sobre a seleção

| Futebol Internacional

|

O guarda-redes italiano Gianluigi Buffon anunciou hoje que vai jogar o seu último jogo pela Juventus no próximo sábado frente ao Verona, em jogo da 38.ª e última jornada da liga italiana de futebol.

“No sábado, jogarei o meu último jogo pela Juventus, creio que será a melhor forma de terminar esta aventura”, afirmou Buffon, visivelmente emocionado, em conferência de imprensa na qual esteve acompanhado pelo presidente do clube, Andrea Agnelli.

O guarda-redes, de 40 anos, garantiu que “viverá um dia cheio de emoções, com muita serenidade e felicidade, sentimentos que resultam de um percurso extraordinário”.

Buffon, que está na Juventus desde 2001 e disputou 176 partidas com a camisola da seleção, disse ainda não ter decidido se vai despedir-se também da equipa nacional italiana, a grande ausente do Mundial2018, que se disputa na Rússia.

O guardião, que chegou à Juventus em 2001, depois de cinco anos no Parma, conta no palmarés com nove títulos de campeão italiano, pela “vecchia signora”, e cinco taças transalpinas.

Buffon, que conta também com um título de campeão da série B, conquistado na época em que a 'Juve' foi despromovida por corrupção, ergueu uma taça UEFA e foi considerado o melhor guarda-redes da UEFA em 2003 e 2017.

Ao serviço da seleção, na qual se estreou em outubro de 1997, sagrou-se campeão mundial em 2006, foi finalista vencido do Euro2012 e medalha de bronze da Taça das Confederações.

Buffon é recordista de internacionalizações pela ‘squadra azzurra’, com 176, e o segundo jogador com mais jogos na série A italiana, com 471 jogos, atrás de Paolo Maldini, que somou 647 partidas.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.